Presidente Chávez recebe, em Madri (Espanha), uma delegação da Campanha Tirem as Mãos da Venezuela!

Escrito por El Militante – www.marxist.com

Sexta-feira, 25 de julho de 2008

Para os marxistas era fundamental aproveitar a viagem de Chávez para demonstrar a solidariedade da classe operária e da juventude da Espanha com a revolução venezuelana.

Vitoriosa concentração no Parque del Oeste

Por isso, na primeira hora da manhã, organizamos um ato com representantes do Sindicato dos Estudantes, a Corrente Marxista El Militante e a Campanha Internacional Tirem as Mãos da Venezuela em frente à estátua eqüestre de Simon Bolívar no Parque del Oeste. A este ato-homenagem acudiram cerca de 100 pessoas, contando com delegados sindicais de CCOO e STES.

Estiveram presentes também, membros da Coordenadoria de Trabalhadores Imigrantes, de Aliança País, movimento de Rafael Correa em Equador, da Plataforma bolivariana e Coordenadoria de solidariedade com Cuba, que deram uma saudação aos presentes.

O evento foi muito animado, com consignas que refletiam a enorme combatividade dos presentes, inspirados pelo exemplo revolucionário de Venezuela: “Tirem as Mãos de Cuba e Venezuela”, “Alerta, alerta, alerta que caminha: a luta socialista pela América Latina”, “Nativa ou estrangeira, a mesma classe operária”, fazendo referência à “diretiva da vergonha” recentemente aprovada, “Uh, ah, Chávez não se vá” e especialmente “Ista, ista, ista, Venezuela socialista”. Três faixas presidiram o ato: “Tirem as Mãos da Venezuela”, “Por uma Federação Socialista de América Latina” e “Que nunca lhe calem Comandante”, em referência às palavras do rei espanhol Juan Carlos.

Ao longo da manhã, distintos meios de comunicação, fundamentalmente venezuelanos acudiram ao ato e podemos conversar com eles. Entre eles, estava Venezuela Televisión e Telesur.

Para encerrar o ato de solidariedade, Juanjo López, secretário geral do Sindicato dos Estudantes e Miriam Municio, porta-voz da campanha Tirem as Mãos da Venezuela, se dirigiram aos presentes para explicar os objetivos da manifestação e a enorme importância da solidariedade internacional. Juanjo López destacou o terror que a revolução desperta nos imperialistas. Têm pânico que ela se estenda por todo o mundo, como já está se ocorrendo. Portanto, tratam de tergiversar sobre o que realmente ocorre na Venezuela: o início de uma profunda mudança na sociedade e a luta pelo socialismo.

Mirim Municio, por sua vez, partiu da atual crise econômica que sacode as potências capitalistas para demonstrar a impossibilidade de que exista um capitalismo com rosto humano. É isso que demonstra a diretiva aprovada recentemente que amplia a jornada de trabalho dos europeus a 65 horas semanais. A única alternativa é, portanto, o socialismo. Por isso, defendemos que a revolução têm que seguir avançando, expropriando as alavancas econômicas que continuam nas mãos dos capitalistas e liquidando o Estado burguês, que trata de boicotar o processo.

Este ato é uma demonstração de que a solidariedade tem que ser uma solidariedade de classe e internacionalista. Um triunfo da revolução na Venezuela será uma alavanca determinante para transformar o mundo.

Simultaneamente, representantes da Tirem as Mãos da Venezuela e do Sindicato dos Estudantes em Mallorca organizaram uma recepção ao presidente Chávez, com uma faixa onde se lia: “Bem-vindo companheiro Chávez, solidariedade com a revolução em América Latina”.

Coletiva de imprensa em La Moncloa

Posteriormente, dois companheiros do comitê de redação do jornal “El Militante”, da Corrente Marxista Internacional na Espanha, puderam participar da coletiva de imprensa que o presidente Chávez e o presidente espanhol Zapatero deram no Palácio de la Moncloa.

Os companheiros pretendiam perguntar sobre as nacionalizações que seu governo está empreendendo em benefício da classe operária e do povo venezuelano. Os capitalistas criticam, espantados, estas nacionalizações, como a de Sidor, no entanto, não têm nenhuma dúvida em resgatar bancos afetados pela crise financeira internacional, empregando dinheiro de todos. Queríamos conhecer a opinião de Chávez sobre essa flagrante hipocrisia, mas lamentavelmente, não tivemos a oportunidade de efetuar a pergunta.

O presidente Chávez deixou claro que na Venezuela está se produzindo um revolução. Assinalou que este processo se dá em toda a América Latina e que quem não vê é porque não quer e quem não sente é porque não quer sentir. Chávez assinalou que nos encontrams imersos em uma enorme crise em todos os níveis: crise alimentar, energética, financeira e inclusive moral. Ressaltou que se tratava, em definitivo, de uma crise de toda uma época. Compartilhamos com o presidente esta análise. E mais, acreditamos que se trata de uma crise global do sistema capitalista, um sistema caduco.

Encontro de Chávez com uma delegação de revolucionários

Na base militar de Torrejón, desde onde o presidente regressaria a Venezuela, Chávez se encontro com uma delegação de representantes do Sindicato dos Estudantes, Tirem as Mãos da Venezuela e a Corrente Marxista El Militante.

O recepção foi calorosa. Convidamos o presidente a retornar a Madri para organizar um evento de solidariedade de jovens e trabalhadores com a revolução venezuelana na próxima primavera, de características similares ao organizado por Tirem as Mãos da Venezuela em Viena, em maio de 2006.

Chávez se interessou pelo Sindicato de Estudantes e nos informou que pela manhã havia visto uma delegação de Tirem as Mãos da Venezuela em Mallorca. Perguntou por Allan Woods, fundador da campanha TMV e dirigente da Corrente Marxista Internacional. Nos disse que havia seguido o giro de Allan Woods por Venezuela, lançando seu último livro: “Reformismo ou revolução – marxismo e socialismo do século XXI, resposta a Heinz Dieterich”.

Também fizemos a entrega ao Presidente de alguns materiais políticos, entre eles o último livro publicado pela Fundação Frederich Engels “ História da Revolução Russa” do grande marxista Leon Trotsky. Chávez valorizou com grande interesse o presente. Nos despedimos ao grito de “Pátria, socialismo ou morte: venceremos”!

Pouco antes do Presidente tomar o avião presidencial rumo à Venezuela nos fotografamos com Chávez, com o punho para o alto, dando vivas à revolução e ao socialismo. O presidente nos animou a continuar a luta e insistiu na necessidade de transformar esse sistema.

Deixe Seu Comentário