Pela reabertura e ampliação de leitos para Covid-19 em Joinville

Joinville vive o pico da pandemia pelo novo coronavírus no mês de dezembro, e os números confirmam isso. Na sexta-feira, 04/12, a cidade encerrou o dia com a confirmação de mais 673 casos positivos para coronavírus e no domingo, dia 06/12, o Painel Covid-19 apontava 93 pacientes internados nas Unidades de Terapia Intensiva (UTI), alcançando a marca inédita de 100% de ocupação dos leitos públicos destinados ao tratamento de agravos da Covid-19. Os números apontam também que, na última semana, ao menos 15 pessoas perderam a vida em decorrência de complicações do tratamento da doença na cidade.

Se olharmos os dados disponíveis desde o início da pandemia, fica claro o total descaso por parte do governo com a proteção à vida.

Embora as medidas de contenção adotadas durante um pequeno período tenham levado a uma diminuição temporária das infecções, a cadeia de transmissão comunitária seguiu seu curso e diferente do que foi propagandeado, em nenhum momento a propagação do novo coronavírus foi controlada. Com o retorno das aulas presenciais do município, a aproximação do verão e da campanha eleitoral, as medidas foram relaxadas e se criou uma falsa sensação de segurança, o que explica o aumento recente da taxa de infecção e o avanço brutal do coronavírus.

Em paralelo, o município e o estado de Santa Catarina diminuíram a estrutura de combate ao coronavírus. Nos hospitais de maneira ainda mais grave e inconsequente houve o fechamento de leitos de UTIs, e mesmo hoje com 100% de lotação, o município e o estado ainda não providenciaram a reabertura dos mesmos. Em agosto havia 78 leitos públicos de UTI, hoje são somente 58 leitos ativos.

Diante da total inércia da entidades de classe, seja o sindicato dos Servidores do Município (Sinsej) ou de todos os outros que compõe a base dos trabalhadores organizados e que se recusam a fazer qualquer combate em defesa dos trabalhadores da cidade, é necessário que nós trabalhadores e jovens lutemos com todas as nossas forças e reivindiquemos a abertura e ampliação de novos leitos de UTI, a contratação imediata de novos profissionais de saúde e a tomada de medidas que garantam o isolamento social.

Da mesma forma é preciso lutar pela vacina para todos, já que como fica evidente, não está nos planos das “autoridades” a garantia de vacinação para o conjunto da população.

Por isso, a Corrente Sindical Esquerda Marxista lança a campanha pela reabertura e ampliação de leitos para Covid-19 em Joinville.

Envie a moção abaixo ao prefeito de Joinville e aos vereadores exigindo a reabertura imediata de leitos, a contratação de profissionais de saúde e medidas eficazes de controle da pandemia e que se publique em suas redes sociais escrevendo em um papel: Prefeito, reabra os leitos de UTI. A vida dos trabalhadores importa.”

Participe conosco também das panfletagens em fábricas, no terminal e das demais atividades públicas da campanha, acompanhe nossas postagens nas redes sociais.

MODELO DE MOÇÃO PARA ENVIO

COLOQUE NO CAMPO DE ASSUNTO DO E-MAIL:

Pela reabertura e ampliação de leitos para Covid-19 em Joinville

COPIE E COLE NO CORPO DO E-MAIL:

 Nós, trabalhadores, jovens, comunidade em geral, exigimos que o prefeito de Joinville reabra as vagas de UTI e de enfermaria que foram fechadas e amplie a capacidade de atendimento na cidade.

Segundo a imprensa, em outubro, a Prefeitura de Joinville reduziu em 25% os leitos para coronavírus na cidade. Nos últimos dias, a capacidade de atendimento beira o esgotamento, chegando a 100%. Em breve, assim como no Rio de Janeiro, a população começará a morrer nos corredores e em casa, por falta de atendimento.

Os leitos públicos na cidade precisam ser imediatamente reabertos e ampliados. Além disso, medidas de emergência com relação ao isolamento social precisam ser tomadas e mais profissionais de saúde contratados.

A própria Prefeitura, em campanha publicitária, admite que estamos em situação de emergência. No entanto, restringe-se a pedir que a população não se aglomere; proíbe pequenos eventos, mas permite que as empresas de transporte atuem com 70% da lotação; joga a culpa na população enquanto somos obrigados a trabalhar todos os dias.

Santa Catarina é o quarto estado do país com maior número de casos de Covid-19 e já contabiliza mais de 3,9 mil mortes (sendo Joinville a cidade com mais contaminados e mais de 400 mortes). Ainda assim, a Alesc aprovou com urgência um projeto que considera a educação um serviço essencial e permite o retorno às aulas.

O descaso com a vida está explícito e as medidas adotadas são cosméticas. Joinville está entre as 30 cidades mais ricas dentre os 5.570 municípios do país. Além disso, o governo do estado afirma que os hospitais estão recebendo recursos no teto máximo durante a pandemia e, por isso, aciona o MP sobre o fechamento de leitos.

Diante disso, exigimos medidas reais e imediatas.

  • Reabertura e ampliação imediata de leitos!
  • Contratação de mais trabalhadores da saúde!
  • Medidas reais de controle da epidemia, já!
  • As vidas do povo trabalhador importam!

 

MANDE PARA OS E-MAILS DO PREFEITO E DO PRESIDENTE DA CÂMARA DE VEREADORES

[email protected]

[email protected]

 COM CÓPIA PARA

 [email protected]

Deixe Seu Comentário