Parem o bombardeio de Gaza! Pelo fim da ocupação! – Mobilização internacional em apoio à luta palestina!

Declaração da Corrente Marxista Internacional (CMI), de 14 de maio, sobre a violência israelense contra a Faixa de Gaza nos últimos dias, que continua a aumentar. Dizemos: acabem com os bombardeios, acabem com a ocupação – trabalhadores e jovens do mundo, mobilizem-se e lutem por uma Palestina livre como parte de uma federação socialista do Oriente Médio!

O bombardeio de Gaza pelas Forças de Defesa de Israel (IDF) está se intensificando enquanto escrevemos. Milhares de bombas estão sendo lançadas sem cessar pelo poder militar mais poderoso do Oriente Médio, sobre uma das áreas mais densamente povoadas e pobres do mundo. Enquanto isso, turbas de linchamento de colonos sionistas de extrema direita e bandidos fascistas, agindo com a cumplicidade ou apoio aberto das forças do estado israelense, estão atacando bairros palestinos dentro de Israel, destruindo casas, propriedades, lojas, espancando e matando pessoas inocentes apenas porque são palestinos, em uma onda de terror racista que só pode ser descrita como um Pogrom.

As pessoas em Gaza não têm para onde ir e estão carentes de tudo – energia, água potável, suprimentos hospitalares básicos e até alimentos – tendo sido submetidas a um bloqueio que já fez centenas de vítimas, apenas nos últimos meses.

As potências ocidentais, sejam os EUA ou a Europa “civilizada”, jamais expressam o menor grau de indignação ou “indignação moral”, e muito menos qualquer medida concreta, contra o sofrimento infligido diariamente pelo governo israelense à população palestina em Gaza, na Cisjordânia, em Jerusalém Oriental  e dentro do próprio território de Israel. A hipocrisia dos regimes lacaios reacionários do imperialismo em Riad, Dubai, Amã, El Cairo também está sendo exposta.

Um projeto de limpeza étnica e discriminação institucional está inscrito na racista Lei do Estado da Nação Judaica, aprovada por Netanyahu em 2018 e apoiada pelo ex-presidente dos EUA, Donald Trump – Foto: Polícia de Israel
Pelo contrário, o pesadelo diário de décadas de “paz” imperialista se redobra com cada vez mais violência imperialista, com o objetivo de quebrar a resistência do povo palestino.  A classe dominante israelense está usando a “paz”, bem como a guerra, para perseguir seu objetivo reacionário de limpar etnicamente o que considera seu. Seu lema é “o que temos, nós mantemos” – “Eretz Israel”, purificado da presença inconveniente da população palestina. Este projeto de limpeza étnica e discriminação institucional está inscrito no cabeçalho da racista Lei do Estado da Nação Judaica, aprovada por Netanyahu no verão de 2018 e abençoada pelo presidente dos EUA, Donald Trump.

Como sempre, a verdade é a primeira vítima da guerra. A grande mídia internacional, que é controlada pelos capitalistas, está ecoando o velho refrão desgastado apelando para “acabar com a violência de ambos os lados”, reconhecendo o direito de Israel de “se defender”, como se os “dois lados” pudessem ser remotamente comparados. Fingir ser “neutro” em uma situação como essa equivale a ficar do lado do opressor contra o oprimido.

Eles chamam de guerra, mas isso não é uma “guerra”. É a tentativa unilateral de reduzir a escombros as aspirações legítimas do povo palestino a uma pátria e a defesa de seus direitos humanos fundamentais. É uma característica normal da “paz” imperialista que cada tentativa dos trabalhadores e jovens palestinos de resistir pacificamente contra a opressão diária seja criminalizada e enfrentada por uma repressão implacável e sangrenta.

Isso tem ficado cada vez mais exposto nas últimas semanas com a repressão do movimento de massa contra os despejos no bairro de Sheikh Jarrah em Jerusalém Oriental. Isso foi seguido pelo ataque sangrento, realizado pelas forças repressivas do Estado israelense, contra fiéis muçulmanos pacíficos que foram provocativamente proibidos de acessar o complexo do Monte do Templo de Al Aqsa em Jerusalém – o centro religioso mais importante para os muçulmanos – bem no final do Ramadã.

Esta última provocação foi planejada para instigar um conflito com o Hamas. Foi uma decisão deliberada da parte de Netanyahu, uma tentativa desesperada de renovar suas credenciais como homem forte de Israel e impedir a formação de um governo de coalizão do qual ele seria excluído. Não é a primeira vez que Netanyahu lançou a carta do ódio anti-palestino para unir a classe dominante israelense, o Estado e pressionar a massa da população judaica em Israel e no exterior no sentido de apoiar as medidas mais reacionárias tomadas por seu governo em nome da “segurança”.

Os números provisórios de 119 palestinos mortos por bombas israelenses (dos quais 31 são crianças e 19 mulheres) falam por si mesmos. A alegação do IDF de “atingir alvos militares” é completamente hipócrita, e a assimetria absoluta e o equilíbrio desproporcional das forças nesta chamada guerra estão expostos.

Sete israelenses também foram mortos (entre os quais 2 palestinos que não tinham abrigos em sua vizinhança) como resultado das centenas de foguetes disparados pelo Hamas contra Israel. O lançamento desses foguetes é completamente contraproducente para a luta palestina e só serve para fortalecer Netanyahu, empurrando os trabalhadores israelenses para os braços do Estado israelense.

Como marxistas e internacionalistas, não somos neutros ou acima dos lados em tal conflito. Defendemos o direito dos palestinos a uma pátria e seu direito de resistir à opressão e de defender seus meios de subsistência por todos os meios necessários. A violência dos oprimidos nunca pode ser equiparada à dos opressores.

Um cenário diferente

Uma característica muito significativa dos protestos recentes é que eles envolveram principalmente palestinos dentro da Linha Verde [também conhecida como Fronteira de 1967, definida no armistício de 1949 entre árabes e judeus – NdT.] em números sem precedentes. Ou seja, envolve aqueles que são legalmente (de segunda classe) cidadãos israelenses. Este movimento tem sido liderado por uma nova geração de lutadores que estão rejeitando as estratégias fracassadas da chamada liderança do povo palestino, tanto o Fatah quanto o Hamas.

O que também é diferente do passado é o contexto em que isso está acontecendo. Mais e mais trabalhadores e jovens em todo o mundo, incluindo trabalhadores e jovens judeus, passaram pela escola da repressão estatal aos movimentos de massa em seus próprios países no período passado. Por causa de sua própria experiência, eles estão começando a ver através da nuvem de mentiras da grande mídia. A resistência do movimento de massa do povo palestino dentro de Israel revelou aos olhos de milhões em todo o mundo a natureza do mecanismo opressor que o Estado israelense implementou para estrangular os meios de subsistência e as aspirações legítimas dos palestinos. Isso sintoniza com o espírito revolucionário que se desenvolve na sociedade em todos os lugares.

Manifestações em massa contra o ataque a Gaza e os pogroms anti-palestinos estão sendo convocadas em todo o mundo. Enquanto escrevemos, milhares de palestinos estão tentando entrar em Israel pacificamente através da fronteira com a Jordânia para se reunir em apoio a seus irmãos e irmãs na Palestina. Eles estão ao mesmo tempo expondo a hipocrisia dos regimes árabes e seu chamado “apoio à causa palestina”.

É dever do movimento operário internacional apoiar a resistência das massas palestinas e expor as mentiras e interesses defendidos por todos os governos capitalistas, especialmente nos principais países imperialistas. Nenhuma defesa dos direitos dos palestinos jamais virá dos apelos hipócritas por “paz” e “negociações” feitos pela ONU ou por esta ou aquela potência imperialista. Na verdade, nunca poderá haver paz e o fim do pesadelo atual enquanto o capitalismo e o imperialismo ainda dominarem o planeta.

Devemos considerar este movimento como parte do levante revolucionário internacional contra o capitalismo. A aposta de Netanyahu pode sair pela culatra por causa da combinação das mobilizações que se desenvolvem dentro de Israel e internacionalmente. Preocupados com o movimento de massa que se desenvolve entre os palestinos dentro do território de Israel, os militares das FDI e a classe dominante israelense estão divididos sobre se devem continuar ou suspender o ataque a Gaza fingindo que alcançaram seus objetivos. Ao mesmo tempo, eles ameaçam enviar o exército para Gaza com as botas no chão, como fizeram em 2014, quando mataram mais de 2.300 palestinos. Se eles tentarem fazer isso, a matança indiscriminada aumentará ainda mais e será recebida com indignação ainda maior.

Guerra e os frutos envenenados da “paz” imperialista

O que estamos testemunhando hoje em Israel e na Palestina é nada menos do que o fruto envenenado da “paz” imperialista. A população palestina está sendo progressivamente expropriada e asfixiada pelo crescente domínio de um sistema projetado para marginalizá-la. No processo, Netanyahu tem contado com a extrema direita sionista, incluindo suas franjas fascistas, reunindo o apoio dos colonos judeus. Ao dar-lhes concessões, ele apostou sua fortuna política em sua causa, encorajando ainda mais suas ações.

Israel está imobilizado em uma crise institucional, com a terceira eleição consecutiva incapaz de alcançar uma maioria clara. Até agora, Netanyahu conseguiu navegar nas águas turbulentas e sobreviver às acusações judiciais por escândalos de corrupção. No entanto, ele está ficando cada vez mais desesperado. Seu arqui-inimigo, o general Benny Gantz, perdeu toda a credibilidade ganha com sua polêmica anticorrupção contra Netanyahu, quando decidiu entrar com ele em um governo de coalizão. Gantz agora está tentando parecer ainda mais anti-palestino do que seu rival, enfatizando suas credenciais como ex-comandante-chefe do massacre de Gaza em 2014. Uma tentativa de superar o impasse político foi lançada com a indicação de Yair Lapid para formar um novo governo sem Netanyahu, mas essa tentativa foi abandonada.

O Estado israelense é poderoso, mas há indicações claras de que uma crise está se formando no coração do Estado sionista.

Trump joga no lixo 70 anos de política externa dos EUA

Em última análise, o imperialismo dos EUA sempre apoiou Israel. Isso é atestado pelos generosos subsídios que os Estados Unidos concederam a Israel, sem os quais a classe dominante israelense teria dificuldade em consolidar sua supremacia econômica e militar na região. O secretário de Estado geral dos Estados Unidos, Alexander Haig, certa vez descreveu Israel como “o maior porta-aviões americano do mundo que não pode ser afundado”.

No entanto, o poder dos EUA na região também se baseou durante décadas na pretensão de ser “imparcial” em relação à questão palestina. Desta forma, o imperialismo dos EUA sequestrou com êxito a luta palestina pela libertação nacional, empurrando uma série de acordos de “paz” para o lado da liderança palestina por meio da pressão de uma grande coalizão de aliados na região (os regimes árabes reacionários na Jordânia, Egito, Arábia Saudita, Estados do Golfo etc.). Isso levou aos Acordos de Oslo e Madrid em 1993 e à formação da Autoridade Palestina, que os marxistas advertiram na época ser uma armadilha mortal para as aspirações nacionais das massas palestinas.

O ex-presidente dos EUA, Trump, abandonou essa pretensão ao reconhecer Jerusalém como a capital indivisa de Israel e a racista Lei Nacional do Estado Judeu. Ele jogou no lixo 70 anos de política externa dos EUA na região e, assim, afundou toda a ideia de uma solução de dois Estados para a questão palestina. Este processo culminou no grotesco “Acordo do Século” de Trump e nos chamados Acordos de Abraham.

Uma mensagem contundente foi transmitida aos palestinos: “Se vocês quiserem defender sua subsistência, podem contar apenas com suas próprias forças”. A mensagem foi recebida e compreendida. Esta é a base para a resistência inesperada e o recrudescimento da luta diante das contínuas provocações dos últimos meses. E esta deve ser a base sobre a qual construir o movimento revolucionário internacional da juventude e da classe trabalhadora contra o imperialismo, o capitalismo e a opressão em todo o mundo.

Nenhuma confiança nos planos imperialistas de “paz”. Pelo direito dos palestinos a uma pátria genuína!

A CMI está em total solidariedade com o povo palestino que sofre mais um ataque bárbaro das forças armadas israelenses e rejeita todas as desculpas que o governo de Netanyahu apresentou na tentativa de justificar a morte e destruição que está infligindo.

O povo palestino tem direito a uma pátria e, enquanto isso não for alcançado, o conflito continuará. A classe dominante sionista de Israel, entretanto, nunca concederá uma pátria genuína aos palestinos. É por isso que deve ser derrubada. Para que isso aconteça, a sociedade israelense necessita ser rompida em linhas de classes.

Israel é uma das sociedades mais desiguais do mundo. A mesma classe dominante que oprime os palestinos também está atacando os padrões de vida dos trabalhadores e jovens israelenses. No ano passado, vimos protestos massivos contra Netanyahu. A mobilização revolucionária das massas palestinas deve ser apoiada pelo movimento anti-imperialista e anticapitalista da classe trabalhadora em todo o mundo.

Os trabalhadores e jovens palestinos também têm o direito de defender a si mesmos e seus bairros dos ataques desencadeados contra eles pelas turbas fascistas dos colonos sionistas com a cumplicidade do Estado israelense. Isso já está acontecendo com a criação de comitês cívicos ou populares de autodefesa em Haifa e outras cidades.

Qualquer passo em direção ao desenvolvimento da luta de classes por trabalhadores palestinos e judeus e jovens que rompam com o estado sionista deve ser encorajado e apoiado. Somente desta forma o fim do domínio sionista e o estabelecimento de um Estado que conceda direitos iguais a judeus e palestinos podem ser alcançados.

Isso, no entanto, só será possível em um estado controlado por trabalhadores comuns, tanto judeus quanto palestinos, e isso significa um Estado socialista onde não há uma elite governante privilegiada no poder.

  • Mobilizar a solidariedade internacional da classe trabalhadora para parar o bombardeio de Gaza!
  • Apoiar a resistência dos palestinos!
  • Intifada até a vitória!
  • Acabar com a ocupação!
  • Pelo direito de palestinos e judeus a uma pátria dentro de uma Federação Socialista do Oriente Médio!

TRADUÇÃO DE FABIANO LEITE.
PUBLICADO EM MARXIST.COM

Deixe Seu Comentário