Libertem Amar Fayaz /Imagem: PYA

Paquistão: camarada Amar Fayaz sequestrado pelas autoridades estatais

Em 8 de novembro, por volta da 1h30, dois jipes do tipo normalmente utilizado pelas agências de segurança para sequestros, junto com três carros da polícia, sequestraram o camarada Amar Fayaz em Jamshoro, Sindh. Ele estava nas proximidades da entrada da Liaqat Medical University, em Jamshoro, quando aconteceu o incidente. Ninguém sabe de seu paradeiro desde então. Apelamos a todos os nossos camaradas e apoiadores para que lutem por sua libertação!

Fayaz é filiado à Aliança Progressista da Juventude (PYA, na sigla em inglês) há alguns anos e está envolvido na luta pela educação gratuita para todos, pela restauração dos sindicatos de estudantes, pelo emprego para todos e pela derrubada do capitalismo. Ele também traduz livros marxistas para a língua sindi. Em 16 de novembro, sua tradução do livro The Relevance of Marxism Today, de Alan Woods, será lançada em uma conferência trabalhista no Hyderabad Press Club.

Até agora, a polícia não explicou esse sequestro e não apresentou nenhum caso criminal contra Fayaz. A impotência da polícia em Sindh foi demonstrada há algumas semanas, quando o próprio chefe de polícia foi sequestrado tarde da noite pelos Rangers e serviços secretos, e recebeu ordem de registrar um caso sobre algumas figuras políticas de partidos da oposição. O caso do sequestro do chefe da polícia ainda não foi registrado e também não foi publicado o inquérito sobre o assunto ordenado pelo Chefe do Exército do Paquistão. Isso mostra claramente a realidade dos tribunais, dos processos legais, da polícia e de outros métodos de manutenção da lei e da ordem neste país.

Nos últimos meses, os sequestros de militantes tornaram-se rotina, com as vítimas sendo severamente torturadas durante os episódios e mantidas em condições desumanas sem qualquer cobertura legal. Muitos morreram durante essa provação, cujos responsáveis não são punidos. Condenamos veementemente esta barbárie dos serviços secretos do Paquistão, aos quais é permitido agir impunemente.

Exigimos que, se Amar Fayaz cometeu algum crime, seja levado a um tribunal e que seja apresentado um processo judicial contra ele. Exigimos medidas semelhantes para todos os ativistas sequestrados em Sindh e em todo o país. Condenamos tais sequestros realizados pelos serviços secretos e exigimos que todos esses ativistas sequestrados sejam apresentados aos tribunais, se houver algum processo contra eles, ou que sejam imediatamente libertados.

Amar Fayaz foi sequestrado em 8 de novembro por volta da 1h30 em Jamshoro, Sindh, e ninguém sabe seu paradeiro /Imagem: PYA

Crimes do Estado

O Estado paquistanês fracassou em prover as necessidades básicas da vida para a grande maioria da população. Nos últimos dois anos, dezenas de milhões de pessoas foram lançadas no desemprego e na pobreza extrema, enquanto a classe dominante vive em um estado de luxo e abundância. Vazam frequentemente relatos das orgias que ocorrem nas mansões da elite governante, enquanto milhões de paquistaneses mal podem pagar suas refeições.

Tornou-se um fato corriqueiro os relatos de suicídios, nos quais os pais matam seus filhos primeiro e depois se matam, devido à pobreza extrema. Enquanto isso, o roubo e a pilhagem da classe dominante chegaram a novos extremos, com itens básicos, como a farinha de trigo, o açúcar e o petróleo sendo açambarcados ou contrabandeados, criando uma escassez artificial desses itens, levando à disparada dos preços. Ninguém é punido ou responsabilizado por esses crimes brutais, que levam ao massacre econômico da população. O preço dos remédios foi aumentado em até 500% pelo atual governo nos últimos meses, razão por que o número de pessoas que morrem desnecessariamente atingiu novos patamares em todo o país.

Nesta situação, os serviços secretos estão sendo usados para esmagar brutalmente qualquer forma de dissidência e de esforços para organizar a classe trabalhadora. O sequestro de Amar Fayaz também faz parte desse processo que está ocorrendo no país. A PYA promete lutar contra essa brutalidade e barbárie, e está organizando protestos em todo o país a partir de hoje para sua libertação imediata. Apelamos a cada ser humano com consciência para nos apoiar em nossa luta.

  • Condenar os sequestros realizados pelo Estado no Paquistão!
  • Condenar as políticas anti-estudantis!
  • Libertar todos os presos políticos!
  • Viva a unidade da classe trabalhadora!

TRADUÇÃO DE FABIANO LEITE.
PUBLICADO EM MARXIST.COM

Deixe Seu Comentário