Trans Silica, Flickr

Otimismo na economia mundial esconde um mal-estar mais profundo

Os capitalistas e os mercados de ações estavam respirando aliviados, à medida que as novas cifras econômicas mostravam uma desaceleração da taxa de declínio na economia mundial. No entanto, nenhum dos problemas foi resolvido e o pequeno aumento, inevitável após o alívio do bloqueio, não alterará a perspectiva de uma profunda crise econômica, social e política.

Os dados econômicos mais recentes trouxeram boas notícias para as empresas em apuros em todo o mundo. O Índice de Gerentes de Compras da IHS Markit, que indica se as empresas estão gastando mais ou gastando menos, se elevou acima de seus mínimos históricos. Assim, enquanto o índice do IHS nos EUA era de 27 em abril e de 37 em maio, agora é de 47. Isso está chegando perto da marca de 50, e qualquer coisa acima de 50 indica expansão, em vez de contração. Os números são semelhantes para outros países, com o índice subindo para todas as principais economias.

Da mesma forma, o mercado de trabalho parece estar melhorando, com a taxa de desemprego caindo para 13,3% nos EUA, ante 14,7% em abril (um recorde no pós-guerra). Os gastos do consumidor estão aumentando, e agora caem apenas 8,9%, contra 33% em abril. Esses números realmente não nos dizem muito sobre a saúde geral da economia. Uma certa recuperação é inevitável, dado que o bloqueio significou uma redução forçada na produção econômica.

De alguma forma, as bolsas de valores conseguiram se recuperar nas últimas semanas, incentivadas pelo abrandamento do bloqueio e pelos números recentes. No entanto, isso apenas revela como o movimento da bolsa de valores se divorciou dos desenvolvimentos na economia real. A questão não é se a economia verá um aumento no PIB, nos gastos do consumidor etc., depois que as medidas de bloqueio forem levantadas, mas com que rapidez e até que ponto a economia se recuperará. Mesmo com alguma recuperação na segunda metade do ano, os números são calamitosos.

O FMI divulgou seu relatório de Perspectivas da Economia Mundial em 24 de junho, em que as expectativas de crescimento foram significativamente revistas para baixo em relação ao relatório de abril (comentamos esse relatório em abril). Enquanto em abril o FMI previa uma contração de 3% do PIB mundial, agora está prevendo uma contração de 5%, que é a pior desde a década de 1930. De acordo com esta previsão, as economias avançadas serão as mais afetadas, com uma queda de 8%; França, Itália e Espanha enfrentam uma contração de 13%. Os números são muito piores que os de 2009, o que por si só foi um enorme choque. Esta é, como o próprio FMI a chama, “uma crise como nenhuma outra“.

Ilusões

No entanto, a partir de suas projeções e análises está claro que o FMI percebe, erroneamente, que essa crise foi causada pelo coronavírus. Portanto, eles também preveem uma recuperação assim que as medidas de bloqueio forem suspensas: basicamente, um retorno ao tipo de crescimento que vimos antes da atual recessão. Eles estão prevendo um crescimento de 5,4% do PIB mundial em 2021, quase o dobro da taxa de crescimento da economia mundial em 2019 e maior que a recuperação de 2010, após a recessão de 2009. Basicamente, o FMI está prevendo que a economia se recuperará ao seu nível de 2019 até o final de 2021. Essa ideia de que estamos nos aproximando de algo parecido aos costumeiros negócios, independentemente das especificidades dos números do crescimento, deve ser considerada uma ilusão.

Christine Lagarde, chefe do BCE: “Esta é a recessão mais acentuada e profunda já registrada em tempos não-guerra” Foto: WEF

Agora, vários fatores estão apontando para uma recuperação rápida. Na conferência de imprensa, a economista-chefe do FMI, Gita Gopinath, estava cheia de confiança na significativa margem de manobra na política fiscal e monetária. No entanto, na realidade, os bancos centrais têm capacidades muito limitadas para estimular a economia com taxas de juros historicamente baixas. Nas economias capitalistas mais avançadas, a taxa de empréstimos do banco central está agora em zero ou um pouco acima de zero. A única saída é a flexibilização quantitativa. O programa de resposta a pandemia do BCE, por exemplo, já está em 1,35 trilhões de euros: quase o dobro dos 750 bilhões de euros inicialmente planejados. No momento, os gastos dos consumidores e das empresas sofreram um grande golpe e o risco de inflação é limitado, mas, conforme as circunstâncias mudam, há apenas muito dinheiro a se imprimir antes de se criar uma inflação descontrolada.

A outra alavanca que o Estado tem para tentar melhorar a economia, a política fiscal, está sendo usada ainda mais do que durante a última crise. Naquele momento, Gordon Brown orgulhosamente anunciou que o G20 gastaria US$ 5 trilhões para estimular a economia. Desta vez, o G20 já anunciou gastos de US$ 10 trilhões, ou cerca de 12% do PIB. Respondendo a um jornalista chinês, Gopinath alertou que há limites para quanto dinheiro os governos podem gastar antes que isso se torne insustentável. De fato, sem os bancos centrais, particularmente o BCE, comprando títulos do governo, os empréstimos dos governos já teriam atingido esse limite. Para os países ex-coloniais com moedas fracas, esse método é impossível, e 70 países já solicitaram assistência ao FMI.

Prevê-se que o déficit orçamentário dos EUA seja de 24% do PIB este ano e 12% no próximo ano, um retorno ao “normal”. A dívida total das economias avançadas será de 131% do PIB no final do ano, com os EUA em 141%. Quanto tempo isso pode ser mantido? Enquanto os bancos centrais fornecerem um fluxo contínuo de dinheiro, tudo ficará bem, mas se isso parar, os mercados azedarão muito rapidamente. De fato, a economia está completamente viciada em crédito barato, sem o qual não pode mais funcionar.

O problema da dívida do Estado

A realidade, como afirmou Christine Lagarde, chefe do BCE, na última quinta-feira, em uma reunião com líderes empresariais europeus, é que: “essa é a recessão mais acentuada e profunda já registrada em tempos de não guerra”, após uma queda do PIB de 16% na área do euro nos dois primeiros trimestres deste ano. Ela disse que a recuperação será incompleta; e empresas aéreas, de turismo e entretenimento provavelmente serão irremediavelmente prejudicadas. Ela também apontou o índice de volatilidade da bolsa de valores, que apesar de reduzido desde abril, permanece em um nível elevado.

Na mesma reunião, Martin Wolf também fez uma avaliação sombria da situação:

“Vamos chegar a balanços do banco central colossalmente expandidos. Penso que serão administráveis, mas acho que serão permanentes, ou pelo menos por muito tempo. Vamos começar a parecer mais com o Japão, e isso é bem significativo”.

Ou seja, a flexibilização quantitativa não vai desaparecer, será uma característica permanente, pois a ferramenta da taxa de juros se tornou inútil e a economia está muito deprimida para permitir que os bancos centrais retirem seus ativos.

“Certamente haverá custos econômicos permanentes. Ou seja, nossas economias, de forma coletiva e individual, serão menores, provavelmente bem menores daqui a alguns anos do que pensávamos que seriam em 2019”.

Isso deve ser considerado à luz das perdas já incorridas como resultado da crise financeira. Na maneira discreta dos economistas, ao lidar com a luta de classes:

“E já sofremos uma grande perda permanente, particularmente no Ocidente devido à crise financeira e essas perdas são reais e significativas e terão que ser assumidas pelas pessoas, e a questão de quem as vai assumir será uma questão política central”.

E mais:

“As finanças públicas serão permanentemente piores, teremos muito mais dívida e sairemos disso, na minha opinião, com déficits fiscais estruturais significativos. Como estes serão gerenciados… serão questões políticas centrais para o futuro e não serão fáceis”.

Ou seja, como lidar com a dívida (quem deve pagar) será uma questão política central. Este é um aviso para a classe dominante prestar atenção a este problema. É uma reminiscência do período anterior às revoluções francesa e inglesa, quando o Estado feudal acumulou uma vasta quantidade de dívida, que estava tentando fazer com que a burguesia pagasse. Mas não é apenas o Estado que acumulou enormes dívidas, como destacou Lagarde: “O nível de endividamento aumentará enormemente, e não apenas no nível soberano, mas também no nível corporativo“.

Isso apresenta aos bancos centrais um problema real. As taxas de juros devem permanecer baixas. Wolf novamente coloca o dedo na questão crucial, quando aponta que as taxas de juros reais na maioria dos principais países são negativas e, portanto, não representam problema imediato para os governos. No entanto, se isso mudar, haverá enormes problemas e muito rapidamente:

“Se houver uma rolagem nos próximos dez anos da maior parte dessa dívida [soberana], a taxas de juros reais de dois ou três por cento, acho que teremos um problema incrivelmente grande. E, portanto, isso simplesmente não pode acontecer”.

Para ele, a chave é que os governos precisam emitir títulos de 20 a 50 anos para manter baixas as taxas de juros, mas, embora isso possa funcionar para os governos da Alemanha, Grã-Bretanha ou Estados Unidos, não funcionaria para a Itália e a Espanha, e as empresas e os consumidores geralmente não enfrentam as mesmas possibilidades. Portanto, para impedir que a economia caia no precipício, o custo dos empréstimos deve permanecer extremamente baixo. Esse é o legado da enorme quantidade de dívida acumulada nos últimos 40 anos, e a liquidação da dívida do governo será uma questão explosiva nos próximos anos.

COVID-19 ainda se espalha

Aparentemente, os mercados financeiros e vários comentaristas estão pensando que o problema do vírus foi resolvido. No entanto, o número de casos nos EUA acabou de aumentar, após a suspensão do bloqueio, inclusive nos estados mais populosos: Califórnia, Texas e Flórida. Na maior parte do Sul e Oeste do país, a taxa de infecção está se acelerando. Para evitar infecções fora de controle, muitos estados agora foram forçados a reimpor medidas de bloqueio para tentar conter a doença. Além disso, a infecção apenas começou em grandes partes do mundo.

A infecção só começou em várias partes do mundo Foto: pexels

As consequências econômicas do vírus não são apenas um efeito das medidas tomadas pelo Estado; a disseminação do vírus tem um efeito amortecedor sobre o consumo, de forma independente. Claramente, as pessoas preocupadas em pegar o vírus evitarão os mesmos lugares que as autoridades poderiam potencialmente fechar. Como resultado, os gastos do consumidor nos estados dos EUA onde o vírus se espalha rapidamente estagnaram ou até mesmo caíram nas últimas duas semanas, apesar do alívio gradual das restrições. Isso também se reflete no número de horas trabalhadas, que vem caindo desde meados de junho em vários estados dos EUA. Portanto, com bloqueio ou sem bloqueio, a economia sofrerá um forte golpe.

Uma crise aguda de superprodução

É uma prova do absurdo do capitalismo que as pessoas que não aparecem para consumir produtos e serviços ameacem o colapso de toda a economia. Em qualquer outra sociedade, a produção excedente teria sido algo para comemorar, ou seja, armazenar para um dia chuvoso ou ter tempo livre, mas, no capitalismo, é um desastre.

Não se trata apenas de que os patrões agora exijam que os trabalhadores saiam para trabalhar (a maioria dos trabalhadores continuou trabalhando durante a pandemia em qualquer caso), mas que também saiam para consumir. Eles estão muito preocupados com o fato de os trabalhadores agora estarem economizando demais, seja por falta de oportunidades para consumir ou por se preocupar com o futuro. Ao longo da pandemia, as taxas de poupança cresceram 136% na área do euro.

Como era de esperar, os trabalhadores mais mal pagos são os que continuam consumindo a maior parte de seus salários. Afinal, para esses trabalhadores, muito mais dinheiro seria gasto no essencial do dia-a-dia, como alimentação e moradia, e muito menos em restaurantes, entretenimento e férias.

Já há décadas, o Japão enfrenta uma crise contínua de poupança “demasiada” e de uma correspondente economia estagnada (atingindo apenas 1% de crescimento, mesmo em períodos de forte expansão), visto que o povo japonês simplesmente não está gastando o suficiente. Martin Wolf comentou isso em relação à crise que o mundo está enfrentando:

“O Japão sofre de uma demanda estruturalmente deficiente. Penso que essa provavelmente será a condição global, então não acho inconcebível que pareçamos muito com os japoneses por muito tempo. Não é infalível, mas é possível”.

Tal desenvolvimento significaria um período de estagnação de longo prazo para a economia mundial e, como no caso do Japão, enormes dívidas estatais, à medida que os governos tentam compensar a falta de demanda na economia. Apesar de todos os seus discursos sobre a virtude de poupar para um dia chuvoso, o sistema capitalista exige que os trabalhadores assumam uma quantidade irresponsável de dívida: ele não pode continuar funcionando de outra maneira. Se a camada da classe trabalhadora que possui alguns gastos não-compulsórios optar por se tornar mais frugal, o capitalismo estará em apuros.

O fim da globalização

Ted Grant apontou muitas vezes o papel que a expansão do comércio mundial teve no desenvolvimento da economia após a guerra. Em 1997, ele escreveu:

“Na realidade, nesse período, o sistema capitalista ultrapassou seus próprios limites, através do crédito, do endividamento, do financiamento keynesiano do déficit e assim por diante, e em particular através do desenvolvimento do comércio mundial que, parcialmente e por um período temporário, permitiu que a burguesia superasse os limites do estado-nação.” (Os primeiros tremores – uma análise da situação econômica global)

Os dois principais obstáculos ao desenvolvimento da economia são, de fato, a propriedade privada e o Estado-nação, o último dos quais foi parcialmente superado pelo desenvolvimento do comércio mundial. Embora o desenvolvimento tenha sido adiado, por meio de uma contínua e maciça expansão do crédito, o documento estava correto quanto à direção da viagem e no que teria acontecido no caso de uma depressão.

Ele continua:

“No entanto, agora entramos em um período novo e muito diferente, um período de tempestade, estresse e crises convulsivas na economia, na sociedade e na política. Todos os fatores que se combinaram para produzir a espiral ascendente do crescimento se transformarão dialeticamente no seu oposto. Acima de tudo, o comércio mundial, que atuou como um poderoso estímulo ao crescimento e ao investimento, não tem mais o mesmo efeito.”

É exatamente isso o que a burguesia agora teme que esteja ocorrendo. Lagarde explicou: “É provável que o comércio seja significativamente reduzido e, como resultado, a produtividade será prejudicada, a menos que seja pressionada por outros fatores”. Ou seja, a concorrência internacional leva ao investimento, o que aumenta a produtividade. Portanto, a menos que outros fatores entrem em cena, e ela não pareça ter qualquer sugestão de quais são esses fatores, a produtividade deixará de aumentar ou declinará como resultado da queda no comércio mundial.

Martin Wolf concorda com sua avaliação:

“Provavelmente veremos uma mudança permanente na abertura da economia mundial, uma mudança contra a globalização, pelo menos em termos de coisas. Todos os tipos de razões: segurança, a natureza do choque econômico, a ascensão do protecionismo e assim por diante … É razoavelmente claro que o mundo em que ressurgiremos … será realmente muito diferente do mundo que pensávamos que seria há um ano ou até quatro ou cinco meses atrás”.

O coronavírus está tendo um efeito particularmente devastador no comércio internacional, mas apenas acelerou um desenvolvimento que detalhamos há algum tempo, inclusive em maio do ano passado, quando detalhamos as medidas protecionistas adotadas pelas principais potências imperialistas. Obviamente, os apologistas do capitalismo gostariam de esquecer que tudo isso estava ocorrendo antes do coronavírus, na esperança de que, de alguma forma, fosse resolvido após a pandemia. Ainda assim, como vimos, os mais previdentes têm que admitir que as coisas não voltarão ao que eram, mas não tiram as conclusões necessárias.

A nova normalidade

Se você ler os comentários de políticos, economistas e comentaristas, pelo menos dos mais sérios, fica claro que estamos entrando em um novo período. O FMI fala de uma recuperação “swoosh“, como o logotipo da Nike. Christine Lagarde fala de recuperação “contida”. O que todos concordam é que a recuperação não será rápida e que as coisas não voltarão ao que eram há seis meses.

A cada novo golpe na economia mundial, somos solicitados a baixar nossas expectativas sobre o que o capitalismo pode alcançar. Agora, Martin Wolf fala de uma situação global como a do Japão, com crescimento cronicamente baixo, tão baixo que é difícil distingui-lo da estagnação. Um país passar por isso já é bastante ruim, quando é toda a economia mundial, é um desastre.

Martin Wolf: “As finanças públicas serão permanentemente piores, teremos muito mais dívidas e sairemos disso … com déficits fiscais estruturais significativos.” Foto: WEF, Flickr

O capitalismo só pode justificar sua existência desenvolvendo constantemente as forças produtivas, desenvolvendo constantemente a produtividade: aumentando o potencial produtivo da economia. Na verdade, é um sistema descaradamente falido, como John Maynard Keynes reconheceu ao compará-lo à União Soviética na década de 1920. Só poderia se manter se parecesse constantemente capaz de proporcionar melhores padrões de vida, pelo menos nos países imperialistas.

Agora isso acabou. O tratamento da pandemia tem sido uma calamidade, com mais de meio milhão de mortos, uma vez que governo após governo prevaricou sobre a implementação de medidas, e a situação ainda está piorando. Mas o sistema econômico não foi apenas incapaz de impedir a propagação da infecção, também preparou uma calamidade econômica bastante evitável.

O capitalismo não pode dar nada à classe trabalhadora, exceto cortes. Agora, o desemprego em massa está batendo à porta, começando no setor de serviços. Os empregadores vão pedir aos trabalhadores que aceitem cortes em seus termos e condições, a fim de salvar empresas enfermas (e não tão enfermas). Ao mesmo tempo, o que resta do estado de bem-estar social sofrerá ataques implacáveis, à medida que os governos tentarem pagar as vastas dívidas que estão acumulando para sustentar o sistema. Isso inevitavelmente provocará uma onda sem precedentes de luta de classes, que colocará em questão o sistema capitalista como um todo. Colocará a questão claramente: socialismo ou barbárie. E essa é a escolha diante da humanidade.

TRADUÇÃO DE FABIANO LEITE.

PUBLICADO EM MARXIST.COM

Deixe Seu Comentário