Imagem: Miguel Ángel Máscolo, Trabalho próprio

Nahuel Moreno, revisionismo e adaptação na Guerra das Malvinas

No ano em que marca os 40 anos da Guerra das Malvinas, iniciada em 02 de abril de 1982, apresentamos este artigo de Serge Goulart e Michel G. da Silva, originalmente publicado na revista América Socialista 18, de abril de 2021. 

Advertência

Este texto não tem por objetivo abrir ou realizar polêmica alguma com a miríade de organizações saídas da crise internacional do morenismo. Isso não nos interessa. Seu objetivo é exemplificar e restabelecer o método e o conteúdo da luta pela Frente Única Anti-imperialista nos países atrasados, dominados e oprimidos pelo imperialismo, aqueles países que nunca fizeram ou completaram uma revolução burguesa de fato e portanto nunca se alçaram à altura de seus senhores, os países capitalistas imperialistas. A questão da Frente Única não é uma questão menor para os revolucionários marxistas.

Esta questão apareceu pela primeira vez em 1921, com a Carta Aberta, de Paul Levi, dirigente do PC alemão, dirigida ao partido da Socialdemocracia, o SPD, propondo a constituição de um governo operário comum, sob certas circunstâncias. Esta questão, a Frente Única Operária, seria desenvolvida extensivamente no 3º e 4º Congresso da Internacional Comunista. Já a questão da Frente Única Anti-imperialista foi tema do 4º Congresso da IC tratando do que se conhece como “Teses do Oriente”, que falava das colônias e semicolônias, do lugar da burguesia e da atitude dos comunistas frente à opressão imperialista, às burguesia nativas e à necessidade da luta pela libertação nacional ligada à luta ela revolução proletária.

Assim, este texto tem como objetivo principal a ajudar os ativistas revolucionários compreender o verdadeiro método do marxista na sua luta para realizar a unidade da classe, construir a organização revolucionária e ajudar a classe trabalhadora a tomar o poder. A política de Nahuel Moreno levada durante a Guerra das Malvinas é um exemplo gritante do que não se deve fazer e uma demonstração que os esquemas, os clichês e a repetição de fórmulas esterilizadas não servem para a construção da organização revolucionária, nem para ajudar o movimento operário a avançar, e muito menos para se chegar à uma revolução vitoriosa.

Nosso objetivo é ajudar a educar os militantes revolucionários da causa da humanidade, o socialismo, a entender o verdadeiro método do bolchevismo de combate na luta de classes.

Michel Goulart da Silva,
Serge Goulart.

A Guerra das Malvinas

Há 39 anos, em 2 de abril de 1982, a ditadura argentina ocupou militarmente as ilhas Malvinas, o que equivalia a declarar guerra contra o Reino Unido.

As ilhas Malvinas, segundo os argentinos, ou Falklands, segundo os britânicos, é um arquipélago no Atlântico Sul com 778 ilhas.  Foi ocupada por britânicos, espanhóis, franceses em diversos momentos, até que, praticamente abandonada, foi entregue pelo governo de Buenos Aires a um criador de gado alemão, em 1823. Em 1832 os britânicos ocuparam outra vez as Malvinas integrando-as ao Reino Unido, e, a partir de 1833, as ilhas foram colonizadas por uma população predominante de escoceses e galeses. Mais tarde vieram escandinavos, franceses e espanhóis. Desde então, todos os governos argentinos, de Juan Manoel Rosas a Perón, entre outros, reivindicam as ilhas como pertencentes à Argentina.

Por mais de um século a empresa britânica Falkland Islands Company dominou as ilhas e desenvolveu a criação de ovelhas e a produção de lã, que era vendida para o Reino Unido. Do ponto de vista econômico, as Ilhas Malvinas nunca tiveram importância, tendo sido diversas vezes abandonadas. Do ponto de vista populacional, é predominantemente de cidadãos britânicos com taxas residuais de chilenos (cerca de 8%). Por que, então, a ditadura militar argentina resolve ocupar as ilhas e provocar uma guerra com um país imperialista como a Grã-Bretanha?

A ditadura militar, encabeçada por uma Junta Militar, cujo principal general era Jorge Rafael Videla, que se se estabeleceu em 24 de março de 1976, implantou o terror na Argentina e matou e desapareceu com mais de 30 mil pessoas, sendo de longe uma das ditaduras mais sanguinárias das Américas.

Em 1982, agora comandada pelo general Leopoldo Fortunato Galtieri, a ditadura já vivia seus estertores. O medo desaparecera, as mobilizações ressurgiram e as greves se ampliavam. Os partidos se reagrupavam e se manifestavam. Os sindicatos se enchiam de atividade de base.

Quando Galtieri inicia sua aventura com a invasão das Malvinas a Junta Militar estava completamente desacreditada. A economia estava passando por sérias dificuldades, o desemprego crescia e a taxa de inflação atingia 150%. Em julho de 1981 uma greve geral paralisou a Argentina, exigindo “Pão e Trabalho”.

Em 30 de março de 1982, três dias antes da invasão às Malvinas, a CGT realizou outra greve geral e manifestações em todo o país. Essas mobilizações foram recebidas com uma brutal repressão, o que não impediu que as massas ocupassem a Plaza de Mayo, em frente à Casa Rosada, palácio presidencial argentino, desde onde o “gorila” Galtieri teve que ouvir a imensa manifestação, que exigia o fim da ditadura militar e o aparecimento com vida dos desaparecidos.

A polícia cercou a praça e, com brutalidade, dispersou os trabalhadores, deixando cerca de cem feridos e mais duas mil pessoas presas, entre elas dirigentes da CGT e o Prêmio Nobel da Paz, Adolfo Perez Esquivel. Essa repressão provocou uma ainda maior onda de greves, que assesta um golpe quase mortal na ditadura cambaleante.

No Brasil a ditadura estava sendo atirada ao solo pelas grandes greves operárias, iniciadas em 1979. O contexto também foi marcado pelo surgimento do PT e pela reanimação sindical, que levaria à fundação da Pró-CUT e, depois, da CUT, em 1983.

Então, o general Galtieri, no comando da ditadura, resolve fazer uma “jogada de mestre”, para se salvar, tentando coesionar a população sob sua batuta, apelando ao nacionalismo, com base em uma reivindicação histórica da Argentina, e invade as Ilhas Malvinas. Essa era, na verdade, sua última tentativa de afastar a ameaça de uma situação revolucionária na Argentina.

O general calculou que o Reino Unido não faria nenhum esforço pelas ilhas e seus 3 mil habitantes, já que os havia abandonado à própria sorte há tanto tempo.

Hoje em dia sabe-se inclusive que o governo britânico estava, naquele momento, secretamente negociando a entrega das ilhas para a Argentina. O general Galtieri, provavelmente com o cérebro turvado pelo sangue de 30 mil mortos e desaparecidos, pensou que estas negociações secretas eram uma prova de que o Reino Unido nada faria contra a ocupação. Como se a Grã-Bretanha, a outrora rainha dos mares do mundo, fosse suportar publicamente a humilhação de ser despojada de territórios que considerava seus por um país dominado, semicolonial, dirigido por um general que praticamente não tinha exército, nem marinha e nem aviação militar.

Em 1979, Margaret Thatcher nomeara Nicholas Ridley como vice-chanceler e enviou-o à Buenos Aires. O vice-chanceler propôs uma solução ao estilo Hong Kong, em que a Grã-Bretanha transferiria as ilhas para a Argentina, mediante o arrendamento do território por um período que poderia oscilar entre 25 e 99 anos. Contudo, essa proposta não vingou, afinal os parlamentares britânicos se sentiram insultados na sua soberania.

A trama secreta

Assim, as negociações saíram do palco e continuaram nos camarins, especialmente quando a situação econômica da Grã-Bretanha se deteriorou, e Thatcher já enfrentava sérios problemas políticos internos, que desaguou na greve geral dos mineiros contra o fechamento das minas, que durou mais de um ano.

Segundo o livro “A trama secreta”, de Cardoso, Kirschbaum e Van der Kooy (1983), a chamada “Directiva Estratégia Militar” (DEMIL), o plano de tomada das ilhas, elaborado pela junta militar, abrangia:

“Uma negociação bilateral muito intensa com Grã-Bretanha para convencer o governo de Sua Majestade do  “fato consumado” seria acompanhada por concessões aos britânicos que iam desde indenizações a Falkland Island Company e aos islenhos que desejarem emigrar, até oferecimento de uma estreita cooperação econômica com empresas britânicas que quiserem explorar com a Argentina o petróleo da contra austral e a pesca de crustáceos; envolver os Estados Unidos nas negociações […]; trabalhar com os países do mundo ocidental, especialmente os do Mercado Comum Europeu, para que contribuíssem com a ação norte-americana de convencer a Grã-Bretanha que não havia retrocesso possível e que devia aceitar o eixo tal qual estava levantado; intensificar os contatos com a União Soviética, China e países da Europa Oriental em uma ação dirigida a prever a consideração do problema no âmbito das Nações Unidas”.

Era, portanto, um plano sem pé, nem cabeça, que não considerava a possibilidade da reação militar britânica, tratando o conflito como um enfrentamento entre duas potencias equivalentes.  E, pior ainda, tinham a certeza de contar com o apoio, ou ao menos com a neutralidade simpática, dos EUA. Esta ideia, típica de quem só vê o mundo até a fronteira de seu próprio bairro, se apoiava no fato de que, desde o início do século 20, os EUA vinham trabalhando, e deslocando, o imperialismo inglês, que dominou a Argentina após sua independência política formal.

O general Galtieri, era um medíocre, típico oficial das Forças Armadas argentinas, “que há pelo menos 40 anos fazem a seleção inversa dos seus quadros, incorporando exatamente aqueles que, por falta de espírito crítico, de falha na formação política, passam pelos sucessivos filtros até chegar ao posto de general” (Martinez, 1983). E, como os EUA prepararam, organizaram, coordenaram e apoiaram publicamente o golpe que estabeleceu a ditadura sob controle da Junta Militar, Galtieri, que chegou ao poder contando totalmente com o apoio dos Estados Unidos, imaginava que seu dono estaria com ele e não com seu “inimigo”, pois, para o cérebro desses “gorilas”, a invasão das Malvinas serviria, também, aos interesses norte-americanos no Atlântico Sul. Isso tudo quando era claro o apoio mútuo internacional entre Estados Unidos e Grã-Bretanha, entre outras coisas, por seus interesses comuns na OTAN.

O resultado da declaração de guerra ao império britânico foi um desastre militar e político que enterrou de vez a ditadura. Galtieri caiu sendo substituído por outro general, Reynaldo Bignone, que tratou de elaborar uma Lei de Autoanistia, para impedir que militares fossem julgados pelos seus crimes, declarou oficialmente mortos todos os desaparecidos e decretou a destruição dos arquivos que comprometiam o regime militar. Em setembro de 1983, foram eleitos presidente, senadores e deputados através de eleições gerais e, em 6 de dezembro de 1983, a Junta Militar assinou a ata de sua dissolução. Esses generais acabaram todos presos, e Videla morreu no cárcere.

Uma estranha Frente Única

Seria isto apenas uma história a mais do ocaso de uma ditadura se não houvesse passado coisas muito curiosas no movimento operário argentino e em especial numa organização chamada PST, dirigida por Nahuel Moreno.

Essa conjuntura acabou provocando uma situação bastante curiosa, em que a ditadura estava prestes a cair, mas uma parcela do trotskismo argentino desenvolveu uma estranha tática revolucionária que… apoiava a falsa guerra da ditadura, ou seja, ajudava a sustentar a ditadura.

O Partido Socialista dos Trabalhadores (PST), então dirigido por Nahuel Moreno (de quem o PSTU até hoje se reivindica herdeiro), não entendeu absolutamente nada das afirmações do 2º Congresso da Internacional Comunista sobre a luta contra o imperialismo nos países dominados. Não entendeu, igualmente, a explicação de Trotsky de que, frente à invasão da Abissínia, atual Etiópia, pela Itália fascista de Benito Mussolini, era preciso apoiar Haile Selassié, mesmo que ele fosse um monarca reacionário, pois tratava-se da agressão de um país imperialista contra um país atrasado e dominado.

Moreno, que se dedicou anos a revisar o marxismo e esterilizar seu conteúdo, cobrindo-se sempre com uma fraseologia supostamente revolucionária, entendeu que havia chegado a hora de uma Frente Única Anti-imperialista (FUA) junto com a ditadura de Galtieri contra o imperialista governo de sua majestade britânica. Desenvolvendo seu pensamento esquemático e cheio de fórmulas rasteiras, Moreno estava tão contente de fazer uma FUA (que terminaria com uma revolução dirigida por ele próprio, naturalmente), que não conseguiu perceber que foi a ditadura militar, com seus 30 mil mortos, que atacou o império britânico. Moreno não conseguiu entender que Galtieri manobrava com o nacionalismo argentino para tentar salvar a ditadura que destruiu sindicatos, partidos e as liberdades democráticas.

O PST publicou um manifesto onde afirmava: “Como socialistas, como anti-imperialistas e como argentinos reiteramos nossa decisão de participar com todas as nossas forças e com a maior energia no esforço e na luta que o povo argentino deve realizar para rechaçar a agressão imperialista, qualquer que seja o terreno em que a luta se desenvolva e qualquer que sejam os riscos que ela implique. Essa firme posição se mantém e se manterá acima das insuperáveis diferenças que nossa corrente mantém com o Governo Militar” (Partido Socialista de los Trabajadores, “El mandato de la hora: derrotar al invasor”, 1982). O manifesto do PST chamava ainda “todos os seus militantes, simpatizantes e trabalhadores em geral, a mobilizar-se para a defesa armada da soberania nacional” (Partido Socialista de los Trabajadores, “El mandato de la hora: derrotar al invasor”, 1982).

Espantosamente Moreno e seus camaradas convocam os militantes a participar de uma guerra pela “defesa armada da soberania nacional”, que era, na verdade, uma aventura assassina, no meio do Atlântico Sul, contra uma das mais poderosas marinhas e aviação militar do mundo.  E, falando, cinicamente, de uma “agressão imperialista”, que ocorrera há mais de 150 anos!

O texto deixa em segundo plano a luta de classes. Para construir seu argumento, o PST citava, também, uma famosa passagem em que Trotsky afirmava:

“No Brasil reina agora um regime semifascista [o regime de Vargas, nota dos autores], que cada revolucionário apenas pode ver com ódio. Vamos supor, contudo, que amanhã a Inglaterra entre em um conflito militar com o Brasil. Eu te pergunto de que lado do conflito a classe trabalhadora deve estar? Eu respondo pessoalmente por mim – nesse caso eu estaria do lado do Brasil ‘fascista’ contra a Grã-Bretanha ‘democrática’. Por quê? Porque o conflito entre eles não será uma questão de democracia ou fascismo. Se a Inglaterra fosse vitoriosa, ela colocaria outro fascista no Rio de Janeiro e um duplo jugo sobre o Brasil. Se o Brasil ao contrário vencesse, isso iria dar um poderoso impulso à consciência nacional e democrática do país e levar à derrubada da ditadura de Vargas. A derrota da Inglaterra iria ao mesmo tempo dar um golpe ao imperialismo britânico e dar um impulso ao movimento revolucionário ao proletariado britânico”.

A interpretação apresentada por Moreno e seu partido pretende associar a guerra com a Inglaterra a uma luta de “libertação nacional”, aos moldes do que havia acontecido na América Latina ou mesmo na África. A ocupação das Malvinas pelos ingleses pouco ou nenhum impacto teve sobre a vida dos argentinos, levando-se em conta que a sua relação com a população da Argentina era quase inexistente. E há que se levar em conta que nunca houve a reivindicação de ser parte integrante da Argentina por parte dos moradores do arquipélago. Portanto, não há possibilidade de aproximar o debate sobre as Malvinas com questões nacionais como a das antigas colônias da Ásia, africanas, ou mesmo com a da Catalunha, na atualidade. Um dos elementos centrais na atitude a tomar sobre a questão nacional, que pode inclusive levar à separação territorial, com apoio dos marxistas, sempre foi a atitude e a disposição da população em questão. Essa sempre foi a postura de Lenin e Trotsky sobre a questão. Por isso os bolcheviques foram capazes de apoiar a separação da Ucrânia. No caso das Malvinas não se manifestava na população a vontade de pertencer, ou reivindicar, a Argentina.

Embrulhando a realidade

Para Moreno, a guerra entre Argentina e Inglaterra abriria uma situação revolucionária, afinal faria com que os trabalhadores se chocassem com o imperialismo. Dizia Moreno, em seu balanço sobre a guerra: “A mobilização de massas começou contra o imperialismo inglês, continuou contra o yanqui, estreitou laços com os povos latino-americanos, e, por último, ante a vergonhosa capitulação, terminou enfrentando o próprio Galtieri e a ditadura em geral” (Nahuel Moreno, “1982: Comienza La Revolución”, maio de 1983). Para o esquema mental construído por Moreno, tudo era simples e linear: a guerra significava que os trabalhadores fariam uma experiência com sua burguesia e, diante do avanço de sua luta anti-imperialista, veriam que os governantes argentinos eram subservientes, exemplificado, entre outras coisas, no fato de que a ditadura não levou a guerra até o fim e optou por negociar sua rendição. O primeiro erro de Moreno é a tentativa de fazer passar em 1983 uma falsa ideia da realidade para cobrir sua política de adaptação e capitulação frente às manobras da ditadura, caindo no conto do “nacionalismo” dos generais a serviço do governo imperialista dos EUA.

O fato é que a burguesia argentina nunca apoiou a guerra. Desde 1980, o plano econômico do ministro Martinez de Oz afundava a economia argentina e, no início de 1982, o quadro era de uma quebradeira geral de empresas, desemprego e inflação.

Segundo Alberto Bonnet, professor da Universidade de Buenos Aires (UBA) e editor da revista acadêmica Cuadernos del Sur (1985-2005), “A política econômica de Martínez de Hoz conduziu a uma corrida financeira aberta com o fechamento do BID no início de 1980 e seguida da fuga de depósitos em direção ao dólar e a consequente pressão sobre o câmbio atrasado. A garantia oficial sobre os depósitos dizimou as reservas do Banco Central e aumentou drasticamente a dívida pública, enquanto as taxas de juros continuaram subindo e os devedores entraram em insolvência. As diretrizes cambiais predeterminadas da “tablita” começaram a ser modificadas arbitrariamente, encerrando, assim, de forma caótica, a segunda e última fase da política econômica de Martínez de Hoz. Em 1981 ocorreu a recessão aberta, que durou até a Guerra das Malvinas. O produto sofreu uma queda líquida, os salários reais caíram e o desemprego aumentou, enquanto novas desvalorizações e corridas financeiras se sucederam, o endividamento público externo continuou a aumentar e a capacidade de pagamento se deteriorou constantemente. Em meados de 1981, o endurecimento do sistema bancário internacional jogou a Argentina à beira da inadimplência.”. (Artigo publicado, em 1997, na revista Razón y Revolución).

A coalizão burguesa que havia apoiado o golpe de 1976 e sustentado sua política contrarrevolucionária começava a se desintegrar. Desde o início de 1981, as principais organizações patronais argentinas, como a Sociedade Rural e a União Industrial, protestavam publicamente contra a situação de crise enfraquecendo a Junta Militar. A Igreja, comprometida inteiramente com a ditadura desde o seu início, sentiu a tempestade que se aproximava e começou a emitir documentos críticos.

Expressão disso foi a criação da “Multipartidária”, que reuniu os principais partidos burgueses e que apoiou as manifestações convocadas contra a ditadura militar, evidentemente que sempre sob as bandeiras de “início da transição para a democracia” ou, como dizia o episcopado argentino, da “reconciliação nacional”.

Outro fato marcante, é que Moreno, buscando fórmulas e clichês que economizassem a capacidade e o esforço de elaboração e construção, não entendia nada do que se passava na consciência das massas e principalmente de sua vanguarda mais combativa. Assim, teve que passar a vergonha histórica de estar apoiando a falsa guerra nacionalista da ditadura cambaleante, que matara 30 mil militantes operários e jovens, enquanto as massas agarravam a palavra de ordem das “Madres de Mayo” e gritavam, nas greves e nas ruas, que: “As Malvinas são argentinas, mas os 30 mil desaparecidos também!” e “Vai acabar a ditadura militar!”

A delegação internacional de Moreno em apoio à guerra dos gorilas argentinos

Ricardo Napurí, na época da Guerra das Malvinas senador peruano eleito pelo POMR e que, em março de 1982, fusiona sua fração com o PST, da corrente de Nahuel Moreno, e se torna um dos dirigentes da corrente internacional de Moreno, conta numa em entrevista concedida a Mario Hernández (especial para ARGENPRESS.info), 30 anos depois da guerra, como participou de uma delegação internacional à Argentina para apoiar a aventura da ditadura militar.

Em seu livro “Pensando a América Latina. Crônicas autobiográficas de um militante revolucionário” ele diz que sua presença na Argentina “durante o conflito das Malvinas permitiu promover o primeiro ato público durante a ditadura, que foi realizado pelo Partido Socialista dos Trabalhadores (PST)”.  “Foi uma consequência do apoio do meu país. O governo militar argentino foi forçado a fazer algumas concessões. Nahuel Moreno, o líder máximo do PST, exilado na Colômbia, capturou a situação e instruiu o Dr. Enrique Broquen, advogado de direitos humanos, de família de militares, embora marxista e de esquerda, a organizar o apelo ao ato a pretexto das Malvina, realizado no bairro do Congresso.

Ricardo Napurí explica, ainda, que o Peru apoiou a Argentina na Guerra das Malvinas com mísseis Exocets, aviões Mirages e instrutores militares: “A primeira coisa a destacar é que a iniciativa partiu das Forças Armadas, que tinham um vínculo histórico com seus pares argentinos”. Vínculo histórico entre ditadores militares são bem conhecidos. Até 1980, o Peru viveu a ditadura militar de Morales Bermúdez que tomou o poder, em 1975, através de um golpe sangrento contra seu ex-chefe, o também militar e ditador desde 1968, Juan Velasco Alvarado. Nada como ação entre pares no interesse do progresso e da humanidade!

Se entende que Napurí tenha graves problemas de memória quando fala que o primeiro ato público durante a ditadura foi organizado pelo PST, mas a realidade é que, desde 1980, já se realizavam manifestações de rua e, em julho de 1981, a CGT realizou uma Greve Geral com manifestações massivas. Napurí sabe bem de tudo isso, mas há gente que perde o senso de realidade quando se trata de alavancar seu próprio prestígio e vaidade pessoal. Mas, mais importante, aqui, é que Napurí reafirma a política de Nahuel Moreno de Frente Única com a ditadura.

Ele prossegue, na mesma entrevista, “Tampouco se disse que as maiores mobilizações da América Latina ocorreram no Peru. Milhares e milhares de pessoas saíram em todas as cidades. Toda a esquerda, que era muito forte na época, e os movimentos sociais deram-lhe o conteúdo da reivindicação soberana. A intenção dos militares argentinos era manter o poder, mas isso não anula a questão da soberania que a Argentina reivindica neste momento por meios pacíficos”.  Outra vez um mundo paralelo se apresenta.

As mobilizações no Peru de que fala Ricardo Napurí só aconteceram a partir das provocações da ditadura argentina, em 19 de março, e após o início da guerra. Assim, dificilmente se pode falar da “questão da soberania que a Argentina reivindica neste momento por meios pacíficos”.

Ele conta como se deu sua atividade e sua ida à Argentina para hipotecar solidariedade à guerra da Junta Militar: O Peru também viveu esse debate. Inicialmente, o Congresso peruano era neutro e eu, como senador, deveria liderar, junto com outros parlamentares, a mudança para o apoio à soberania argentina. Por esse motivo, liderei uma delegação à Argentina, pois fui eu quem propôs a moção, que mais tarde foi traduzida em um documento de apoio de várias páginas.

Fui recebido pelo vice-chanceler argentino porque Costa Méndez não estava na época. Como eu era um ex-aviador e jornalista, eles me propuseram viajar para as Malvinas, mas como a guerra teve um curso negativo, não pude fazê-lo”. Aqui se deve entender “curso negativo da guerra” por desastre militar total, evidentemente. Napurí só não foi até as Malvinas, portanto, num apoio público e total à aventura reacionária da Junta assassina, porque não teve a possibilidade.

Prossegue Napurí, em sua cruzada nacionalista fracassada “Quando mais tarde, no Peru, se conheceram as intenções da ditadura argentina, novamente se confundiu se cabia denunciá-la ou o resgate das ilhas. Lá apresentei outra moção parlamentar que mereceu as felicitações do governo alfonsinista (Já no governo de Ricardo Alfonsín, em 1983, nota dos autores) onde dizia que o ódio aos militares e à ditadura não podia deixar de lado o problema central que preocupa todos os países latino-americanos que em nosso território não podem fazer colônias de países imperialistas”. Aqui Napurí chega às raias do cinismo e da hipocrisia ao afirmar que “mais tarde, no Peru, se conheceram as intenções da ditadura argentina…”, como se não estivessem claras desde o início, para qualquer militante que se reclamava do trotskysmo. E mesmo quando se questionava abertamente “se cabia denunciá-la (A guerra da ditadura argentina, nota dos autores) ou (defender, nota dos autores) o resgate das ilhas”, Napurí, dirigente internacional morenista não hesita em defender sua vergonhosa política. Isto só prova o rasteiro pensamento deste homem e da política oportunista de Moreno.

Uma última lembrança desta operação internacional de Moreno. Napurí, em sua entrevista, conta que também estava presente na delegação internacional organizada por Moreno, o deputado venezuelano Alberto Franceschi, então dirigente máximo do PST (Morenista, nota dos autores), da Venezuela, e que ficaria famoso, mais tarde, por ser o principal deputado de direita, na Assembleia Constituinte, liderando o combate, junto com toda a reação burguesa pró-imperialista, contra Hugo Chávez. Este homem passou a ser tão odiado pelas massas que teve que finalmente fugir por uma janela do edifício da Constituinte e desmoralizado abandonou a política e refugiou-se em suas terras no interior da Venezuela.

A ditadura vai acabar

Enquanto Moreno revisava o programa do marxismo sobre a questão nacional e a Frente Única Anti-imperialista, ou seja, as “Teses do Oriente”, do 2º Congresso da Internacional Comunista e do “Programa de Transição”, as massas apontavam o dedo em riste na cara dos governantes assassinos pró-imperialistas e prosseguiram suas greves e manifestações até por abaixo o regime odiado.

Galtieri estava tentando preparar um clima de “guerra nacional” publicamente, desde 19 de março, quando um comerciante argentino chamado Constantino Davidoff, em acordo com a junta militar, sob a aparência de uma operação comercial, desembarca com alguns de seus trabalhadores e hasteiam a bandeira nacional argentina, em solo, em Puerto Leith, uma das Ilhas Geórgias do Sul. Imediatamente a marinha e o governo britânico reagiram. Foi, de fato, o começo do plano maluco.

Não custa repetir: a forma de raciocinar de Moreno coloca em segundo plano a experiência que os trabalhadores vinham tendo com os ditadores nos anos anteriores, diante da perseguição à oposição política, do ataque às liberdades democráticas e do avanço da exploração capitalista. Os trabalhadores não precisavam de uma análise esquemática e simplista como a elaborado por Moreno para desenvolver uma consciência anti-imperialista, afinal era algo conhecido por todos o alinhamento dos ditadores com os Estados Unidos. Os trabalhadores não precisariam lutar ao lado de seus algozes para saber que não poderiam ter qualquer confiança neles, ou melhor, para entender que eles eram incapazes de levar adiante qualquer forma de resistência contra o imperialismo

Mas, se os trabalhadores não deveriam estar ao lado de sua burguesia no embate com a Inglaterra criado artificialmente pela ditadura, o que deveriam defender os trotskistas? Segundo Ted Grant, “os marxistas devem explicar que as contradições dialéticas em nível nacional e internacional provocaram esta guerra. É necessário explicar pacientemente como esta guerra não serve aos interesses do povo argentino, nem do povo britânico, nem dos habitantes das Malvinas” (Ted Grant, “La crisis de las Malvinas”, maio de 1982). Alan Woods completa esse raciocínio, apontando que “a guerra foi reacionária, uma guerra imperialista por parte da Grã-Bretanha e o dever dos marxistas britânicos era se opor a sua própria burguesia. Por sua vez, os marxistas argentinos tinham o dever de opor-se à burguesia argentina e a seus agentes da Junta” (Alan Woods, “Las Malvinas: el socialismo, la guerra y la cuestión nacional”, fevereiro de 2004).

A única política revolucionária, na Argentina daquele momento, se expressou, brilhantemente, na palavra de “As Malvinas são Argentinas, mas os desaparecidos também! Abaixo a ditadura militar!”. Qualquer outro caminho, como o buscado por Moreno, não passava de oportunismo, adaptação e capitulação frente à ditadura.

Na política desenvolvida ao longo do processo, Moreno, como sempre, optou por buscar um atalho no caminho para atingir as massas. Agia de forma oportunista, pois sabia que a derrocada da ditadura estava próxima e que o desgaste o governo em uma guerra seria fatal para o regime. Mas, em vez de trabalhar para tirar a terra debaixo dos pés da ditadura, isolá-la ainda mais e a empurrar para o abismo, Moreno caiu na manobra da falsa guerra.

Ainda afirmava, depois de guerra:

“O conjunto destes elementos levaram a definir a etapa da guerra como uma situação revolucionária, porque ali se combinou uma crise virtualmente total do regime militar e do conjunto das instituições da burguesia, incluindo as Forças Armadas e os partidos políticos, com a irrupção ofensiva, revolucionária, da classe operária e do povo em uma imensa mobilização geral unificada em torno de um eixo político revolucionário: a derrota do imperialismo” (Nahuel Moreno, “1982: Comienza La Revolución”, maio de 1983).

Em outras palavras, segundo Moreno, era correto mentir aos trabalhadores, orientando-os a uma espécie de trégua em relação à burguesia e aos ditadores, caso isso garantisse a abertura de uma situação revolucionária na Argentina. Moreno evita explicar que não precisaria de nada disso, afinal, antes mesmo da guerra, a ditadura estava em uma profunda crise e a classe operária se levantava contra o regime, ou seja, não seria preciso um conflito bélico para que se abrisse uma situação revolucionária.

Naquela conjuntura, o anti-imperialismo enraizado entre os trabalhadores poderia ter sido mobilizado para derrotar de uma vez por todas os ditadores que vinham massacrando a população do país, expulsado assim também o imperialismo, que tinha nos ditadores seus principais representantes. Ao mesmo tempo, os revolucionários argentinos poderiam ter construídos laços com os trabalhadores ingleses no sentido de reforçar o internacionalismo proletário, com vistas a somar forças para derrotar o governo de Margaret Thatcher. Moreno optou por uma postura nacionalista, contribuindo para enfraquecer não apenas a luta dos trabalhadores argentino, como também dos ingleses.

Esse tipo de política elaborada por Moreno vai completamente contra o que ensinaram Lenin e Trotsky sobre as lutas dos trabalhadores. Os revolucionários não devem dizer para os trabalhadores aquilo que é mais fácil, ou que possa garantir o resultado mais rápido, mas o que pode efetivamente mobilizar suas lutas e organização e fazer avançar sua consciência no sentido da revolução.

Não resta dúvida de que a entrada da ditadura argentina na guerra levaria a um colapso do regime, sendo totalmente equivocada a política morenista de fomentar o retrocesso do nível de consciência dos trabalhadores fazendo frente única com uma ditadura para … atacar um Estado imperialista cujo objetivo era entorpecer a consciência das massas que estavam pondo abaixo a ditadura. Concretamente levando os trabalhadores a acreditar que estavam defendendo sua nação contra o imperialismo, quando, na verdade, estavam servindo de bucha de canhão numa guerra que não era deles.

Quem não vê a luta real entre as classes e o movimento molecular da revolução, quem se guia pelos movimentos dos aparelhos e não pelas necessidades reais das massas, acaba assim, se adaptando e capitulando. A única maneira de combater coerente e consequentemente é guiando-se pelas necessidades imediatas e históricas da classe operária, de seu movimento real e não o imaginado por iluminados e oportunistas, e ter confiança na classe operária e no programa revolucionário do marxismo, do bolchevismo.

Deixe Seu Comentário