Mikhail Gorbachev (1931-2022): o homem que não conseguiu salvar o stalinismo de si mesmo

Mikhail Sergeyevich Gorbachev, o último líder da União Soviética, morreu ontem aos 91 anos. Suas políticas de reformar a URSS “de cima”, sob a bandeira da glasnost e da perestroika, representaram uma tentativa frustrada de manter os privilégios da burocracia stalinista, ao mesmo tempo em que rompeu alguns dos piores impasses da economia soviética. O inevitável fracasso dessas medidas abriu as portas para a restauração do capitalismo na Rússia, a destruição da economia planejada e o empobrecimento de milhões. Este desastre é o legado de Gorbachev.

Este artigo explica os eventos que cercam a queda da URSS e o papel de Gorbachev nessa calamidade histórica para a classe trabalhadora russa e mundial. O autor, Niklas Albin Svensson, também discutiu o assunto no Festival Revolução dos Marxistas Britânicos 2021, em Londres. Assista a sua fala abaixo:

No 27º Congresso do Partido Comunista em 1987, Gorbachev anunciou uma série de reformas, que abriram o período conhecido como perestroika, “reconstrução”. Seu objetivo era salvar o sistema stalinista de si mesmo. Como Ted Grant explicou em seu excelente livro, “Rússia: Da Revolução à Contrarrevolução (Russia: From Revolution to Counter-Revolution, sem tradução disponível para português), apresentando um capítulo inteiro sobre as políticas fracassadas de Gorbachev e como elas lançaram as bases para o fim final da URSS:

“Discursos de líderes do Kremlin atacando corrupção, desperdício e ineficiência não eram novidade, mas as reformas de Gorbachev foram muito mais longe do que qualquer coisa apresentada nos 30 anos anteriores. Ele pediu um afrouxamento do estrangulamento burocrático na economia e na sociedade russa em geral. Gorbachev defendia uma maior ‘democracia’, a eleição sob certas condições de gerentes de fábrica, eleições dentro do Partido Comunista e outras reformas semelhantes. Essas tentativas de reformar o sistema stalinista foram vistas como necessárias para afrouxar a economia e dar um impulso ao crescimento econômico. Esse processo ocorreu sob a bandeira da glasnost [“abertura”] e da perestroika.”

“Essas propostas não tinham nada a ver com a genuína democracia operária, que é incompatível com o sistema burocrático, mas visavam simplesmente remover os piores congestionamentos da estagnada economia soviética. A crise da economia soviética, a divisão na burocracia que essas medidas de ‘reforma’ representavam, eram sintomáticas do período turbulento que se desenrolava na União Soviética. Em sua campanha para reformar o sistema, Gorbachev levantou parcialmente a tampa de um caldeirão fervente de corrupção, crime e descontentamento em todas as repúblicas da União Soviética. Gorbachev percebeu que a situação não poderia continuar sem o perigo de uma explosão social. Um enorme descontentamento havia se acumulado na sociedade soviética. Milhares de exemplos de corrupção foram dados na imprensa soviética. …”

“Em seu desespero para encontrar uma saída para o impasse, Gorbachev tentou injetar alguma centelha de vida na economia apelando para os trabalhadores e fazendo um exemplo dos casos mais malignos de controle burocrático. No entanto, Gorbachev não representava os interesses dos trabalhadores. Suas reformas pretendiam travar uma guerra contra os privilégios e regalias ‘ilegais’ dos funcionários, enquanto aumentavam constantemente os ‘legais’. Já sob seu governo, os diferenciais de renda aumentaram constantemente – exatamente o oposto da concepção de Lênin.”

“Na verdade, as propostas de Gorbachev não tinham nada em comum com a democracia de Lênin nem com o socialismo genuíno. A burocracia temia a classe trabalhadora. As vantagens legais e ilegais, o suborno e o roubo tiveram que ser reduzidos. No entanto, ao fazê-lo, Gorbachev não queria interferir fundamentalmente nos privilégios da casta burocrática. Os privilégios ‘legítimos’ tinham que ser mantidos, se não aumentados.” (Rússia: Da Revolução à Contra-Revolução)

Essas reformas tiveram um efeito parcial por um período, mas não conseguiram resolver fundamentalmente a crise que existia na União Soviética. Isso porque a burocracia foi a causa da crise. E, como disse Ted Grant, “a burocracia fará qualquer coisa pela classe trabalhadora, exceto sair de suas costas”. O objetivo de Gorbachev não era remover a burocracia, mas reforçar seu domínio cada vez mais seguro, domando seus piores excessos.

Quando a reforma fracassou, alguns tentaram imitar mais abertamente o Ocidente capitalista. Gorbachev, com a mentalidade sentimental de um pequeno burguês, não conseguiu entender completamente a questão principal sobre o rumo dos acontecimentos. Como Ted Grant explicou:

“Diante do beco sem saída do regime, uma parte crescente da burocracia procurou uma saída para o Ocidente, que ainda passava por um crescimento temporário e artificial. Os representantes da elite burocrática tiveram a oportunidade de conviver com milionários, diplomatas e presidentes em suas visitas cada vez mais frequentes ao Ocidente. Eles contrastaram esse espetáculo brilhante com a imagem de impasse e estagnação que haviam deixado para trás, e a comparação não parecia muito lisonjeira. Dessa forma, aos poucos, a ideia do Ocidente como modelo começou a se firmar em um setor da burocracia.”

“Isso mostrou a completa falência ideológica dos líderes da União Soviética e do PCUS. Impressionistas superficiais como Gorbachev e Shevardnadze foram enganados. Como todos os burocratas, eles haviam captado pedaços do absurdo distorcido que passava por marxismo-leninismo na URSS em seus dias de estudante. Mas o verdadeiro marxismo era para eles um livro fechado. Sua completa falta de um ponto de vista de classe foi demonstrada pelas observações tipicamente filistéias de Gorbachev de que os capitalistas eram “também seres humanos”. Em outras palavras, pode-se conversar com os líderes ocidentais “homem a homem” e resolver as diferenças ao redor da lareira, como se tudo fosse uma questão de “química pessoal” e não as diferenças irreconciliáveis ​​entre dois sistemas sociais incompatíveis!” (Rússia: Da Revolução à Contra-Revolução)

No final, é claro, as contradições desencadeadas pela perestroika e pela glasnost só poderiam levar a um de dois resultados: ou revolução política, na qual a classe trabalhadora se livraria da burocracia sufocante e regeneraria a genuína democracia operária na União Soviética, ou colapso de volta para o capitalismo. Sem uma liderança revolucionária, bolchevique-leninista da classe trabalhadora, o último caminho foi o que a União Soviética seguiu. As consequências para as massas foram abismais. De 1990 a 1995, a produção caiu cerca de 60%. Os salários caíram 43% entre 1991 e 1993. As condições para os mais vulneráveis ​​se deterioraram mais rapidamente. Enquanto as mulheres já recebiam salários em média 70% do salário dos homens, em 1997 a média caiu para apenas 40%. Enquanto isso, as taxas de mortalidade aumentaram 30% após 1989.

Quanto a Gorbachev, ele posteriormente se tornou uma figura bastante desprezível. Ele foi elogiado até os céus pelos imperialistas ocidentais, como estão fazendo hoje nos obituários dos principais jornais diários. Mas ele logo foi deixado de lado pela burguesia russa em ascensão, e é mais conhecido desde então por um comercial da Pizza Hut e alguns comentários sentimentais lamentando as consequências do colapso da URSS:

“Enquanto publicamente idolatrava Gorbachev, Reagan e os outros líderes ocidentais devem ter dado boas risadas pelas costas dele. Os políticos e diplomatas americanos frios e calculistas devem ter esfregado os olhos em descrença! Esse elemento pequeno-burguês acidental foi rapidamente arrastado para a lógica da capitulação por esses bons seres humanos, que pretendiam estrangular a União Soviética e colocá-la de joelhos. …”

“Com toda a probabilidade, Gorbachev não queria a restauração do capitalismo na Rússia, mas preparou o terreno para isso e foi devidamente posto de lado pela facção da nascente burguesia, liderada por seu protegido Yeltsin, uma vez que subiu à sela. . No entanto, ele está bastante preparado para aceitar o fato consumado da chamada reforma, enquanto choraminga impotente sobre suas terríveis consequências. A este respeito, ele também é uma cópia fiel dos líderes social-democratas no Ocidente, que estão prontos para abraçar o capitalismo, mas não gostam das coisas que inevitavelmente fluem dele.” (Rússia: Da Revolução à Contra-Revolução)

Independentemente de suas intenções, as ações de Gorbachev facilitaram a destruição dos vestígios finais da Revolução Russa, que foram esquartejados e consumidos por uma cabala de ladrões e gângsteres, que governam a Rússia até hoje. Que o legado de Gorbachev seja enterrado, junto com seus restos mortais.

________________________

Tradução de Levy Sant’Anna

Deixe Seu Comentário