Mianmar: por um levante de trabalhadores armados para derrubar a junta militar

Uma revolução está ocorrendo em Mianmar. As massas estão mostrando uma coragem imensa diante da violência brutal da junta militar. Trabalhadores e jovens se preparam para se defender e se aliar às organizações de grupos étnicos oprimidos. Um levante operário armado e uma greve geral total e contínua devem ser organizados para derrubar a junta assassina!

A brutalidade da junta militar de Mianmar é evidente. No sábado (27 de março), mais de 100 pessoas foram mortas durante os protestos, incluindo várias crianças, entre elas, uma de cinco anos. Este foi o dia mais sangrento desde o golpe de 1 de fevereiro, elevando o número total de mortos para mais de 400. Desde então, o número passou de 500. Vídeos e fotos mostram forças de segurança atirando indiscriminadamente contra civis desarmados, atirando em pessoas na cabeça e nas costas, e depois dançando em comemoração.

Apesar desta barbárie absoluta, o povo de Mianmar, os trabalhadores e os jovens, estão demonstrando uma enorme coragem e determinação, saindo às ruas, em onda após onda de protesto, arriscando suas vidas diariamente. “Eles estão nos matando como pássaros ou galinhas, até mesmo em nossas casas”, disse Thu Ya Zaw à Reuters, em um protesto na cidade central de Myingyan, onde pelo menos duas pessoas foram mortas. “Continuaremos protestando de qualquer maneira. Devemos lutar até a queda da junta”.

Os generais mostraram sua arrogância e falta de preocupação com o povo de Mianmar quando, no mesmo dia do massacre, eles deram uma festa pródiga para celebrar o Dia das Forças Armadas. Lá estavam todos vestidos com suas melhores roupas, comendo comida requintada e bebendo champanhe, enquanto trabalhadores comuns eram baleados nas ruas. A insensibilidade desses mesmos generais pôde ser percebida no dia seguinte, quando as forças de segurança atacaram os enlutados que compareciam ao funeral de manifestantes mortos nos dias anteriores.

Tudo isso está provocando um ressentimento enorme e generalizado. Os trabalhadores comuns, os jovens, os camponeses, as minorias étnicas vêem pessoas mortas nas ruas diante de seus próprios olhos diariamente e há uma percepção crescente de que protestos pacíficos não são suficientes para derrubar este regime odiado.

Brutalidade contra minorias e resistência do povo

A última brutalidade contra as minorias foi vista no fim de semana perto do rio Salween, no distrito de Mutraw, no estado de Karen. Na noite de sábado, o vilarejo Deh Bu Noh, no distrito de Mutraw, foi bombardeado, causando pelo menos nove mortes e vários outros feridos entre as 10.000 pessoas assentadas dentro e ao redor do vilarejo. No domingo, houve mais bombardeios e cerca de 3.000 aldeões tentaram fugir para a Tailândia, alguns dos quais foram cinicamente recusados ​​pelos controles da fronteira tailandesa.

O povo Karen exige autodeterminação há décadas e sabe muito bem como os militares de Mianmar podem ser brutais. O movimento da minoria Karen é liderado pela União Nacional Karen (KNU), que tem como seu braço armado, o Exército de Libertação Nacional Karen. Esta é uma das várias organizações armadas étnicas que têm lutado por maior autonomia do governo central.

Uma situação semelhante existe no estado de Kachin, na fronteira norte com a China. Aqui, o Exército da Organização pela Independência Kachin (KIO-A), que é um dos grupos armados mais importantes de Mianmar, luta contra o estado central desde 1961 e, nas últimas semanas, os confrontos armados irromperam novamente em quatro distritos do estado quase que diariamente. Algo semelhante está acontecendo no norte do estado de Shan.

Atualmente, os grupos étnicos armados são a única alternativa militar ao exército e à polícia de Mianmar. Na verdade, nas áreas onde são fortes, eles têm usado suas unidades armadas para defender a população local em protestos. Em 14 de fevereiro, o KNU se manifestou oficialmente em apoio ao movimento de protesto, acrescentando que protegeria todos os manifestantes, não importa a qual grupo étnico pertençam, e desde então tem fornecido unidades de defesa que acompanham os manifestantes nas ruas.

Podemos ver como as organizações étnicas armadas estão assumindo, desta forma, um papel muito diferente, uma vez que os jovens das grandes cidades – principalmente pertencentes à maioria Bamar (68% da população) – começaram a tirar a conclusão que “o protesto pacífico” não vai a lugar nenhum, e que o que é necessário é uma resposta armada organizada para derrubar a junta militar, e alguns deles estão se voltando para os grupos étnicos armados em busca de ajuda e treinamento militar.

O Guardian relatou em 20 de março de 2021, em seu artigo “A resistência sitiada de Mianmar sonha com um ‘exército popular’ para combater a junta”, como os jovens estão tirando conclusões revolucionárias. Nele, reproduz a fala de um jovem manifestante explicando como os jovens vão ao Youtube para aprender a utilizar armas e o cita dizendo: “Yangon parece uma zona de guerra, exceto que apenas um dos lados tem armas. É por essa razão que necessitamos de um exército. Teremos que treinar e lutar ao mesmo tempo; e não temos mais tempo”. Uma jovem citada no mesmo artigo diz: “Eu apoiaria o CRPH (Comitê que representa o Pyidaungsu Hluttaw, um órgão que afirma ser o representante legítimo do governo eleito deposto) se ele decidisse formar um exército. Eu forçaria o meu marido e meu irmão a se juntarem, mas preciso cuidar do meu filho”.

Apareceu um informe interessante no New York Times, em 24 de março de 2021, (“Morrerei defendendo meu país”: em Mianmar, Uma Nova Resistência se Levanta) que nos dá uma ideia do que está ocorrendo:

“Em uma selva nas fronteiras de Mianmar, as tropas suavam durante o treinamento básico. Eles aprenderam a carregar um rifle, puxar o pino de uma granada de mão e montar uma bomba incendiária.

“Esses cadetes não são membros do exército de Mianmar, que tomou o poder no mês passado e rapidamente impôs a brutalidade no campo de batalha à população do país. Em vez disso, eles são um corpo eclético de estudantes, ativistas e trabalhadores de escritório comuns que acreditam que lutar é a única maneira de derrotar uma das forças armadas mais implacáveis ​​do mundo.

“‘Vejo os militares como animais selvagens que não conseguem pensar e são brutais com suas armas’, disse uma mulher de Yangon, a maior cidade de Mianmar, que agora estava na floresta para uma semana de acampamento. Como outros que aderiram à luta armada, ela não queria que seu nome fosse publicado por medo de que o Tatmadaw, como os militares de Mianmar são conhecidos, a visasse.

“‘Temos que revidar’, disse ela, ‘isso parece agressivo, mas acredito que temos que nos defender’.

“Após semanas de protestos pacíficos, a linha de frente da resistência de Mianmar ao golpe de 1º de fevereiro está se mobilizando em uma espécie de força de guerrilha. Nas cidades, os manifestantes construíram barricadas para proteger os bairros de incursões militares e aprenderam a fazer bombas de fumaça na internet. Nas florestas, eles estão treinando técnicas básicas de guerra e planejando sabotar instalações militares”.

Isto é uma revolução!

O que temos aqui é uma revolução ocorrendo. Não há outra maneira de descrevê-lo. A conclusão a que chegaram os jovens e trabalhadores – ou pelo menos as camadas mais avançadas entre eles – de que uma resposta armada ao regime é necessária, é absolutamente correta. Qualquer revolucionário que se preze os apoiaria até o fim. Este não é o momento para vacilar e hesitar sobre essa questão. Não há espaço para compromissos com este regime. É uma questão de “ou… ou…”: ou as massas tomam medidas decisivas e vão até o fim para derrubar este regime, ou enfrentarão consequências sangrentas e uma derrota terrível.

A pressão vinda de baixo está aumentando. E isso explica o que o mesmo artigo destaca, o fato de que, agora, os próprios liberais burgueses, que até agora deixaram as massas indefesas, começaram a clamar pela criação de um “Exército Federal”, que incluiria as várias organizações armadas étnicas:

“… Há um crescente reconhecimento de que tais esforços [ou seja, o protesto pacífico] podem não ser suficientes, que o Tatmadaw [o exército de Mianmar] precisa ser combatido em seus próprios termos. Na semana passada, os remanescentes do Parlamento deposto, que se consideram o governo legítimo, disseram que uma ‘revolução’ era necessária para salvar o país. Eles pediram a formação de um exército federal que respeite vários grupos étnicos, não apenas a maioria Bamar”.

No dia 14 de março, o CRPH publicou um comunicado em que explicava ao povo que tem o direito, de acordo com a lei, de se defender da violência, acrescentando que:

“O Comitê sinceramente reconhece, registra e parabeniza todas as organizações revolucionárias armadas étnicas que estão fazendo esforços conjuntos com a mentalidade de irmãos e irmãs e com o forte compromisso para a construção de uma união democrática federal”.

O CRPH também declarou que agora tem como objetivo estabelecer uma “união democrática federal”.

É verdadeiramente irônico que esses mesmos liberais burgueses tenham se voltado para os grupos étnicos armados para ajudá-los na luta contra a junta militar. Não devemos esquecer que, enquanto as minorias étnicas eram bombardeadas, violadas e mortas; enquanto aldeias inteiras estavam sendo queimadas; enquanto milhares de pessoas fugiam de Mianmar; enquanto uma campanha de “limpeza étnica” em Rakhine levou 700.000 pessoas pertencentes à minoria étnica Rohingya para Bangladesh; os liberais burgueses do NLD e Aung San Suu Kyi (também conhecido como ASSK) apoiaram os militares e justificaram suas ações.

É por isso que essas damas e cavalheiros do NLD não são confiáveis. No passado, eles prometeram chegar a um acordo com as várias minorias étnicas, mas uma vez que assumiram o cargo, eles os traíram e se aliaram aos militares. Por que eles deveriam ser confiáveis ​​desta vez?

A revista Time publicou um artigo em 2018, no 30º aniversário do levante de 1988, apontando que:

“Mesmo sob o governo de Suu Kyi, Mianmar ainda mantém 245 presos políticos atrás das grades, de acordo com a AAPP [Associação de Assistência aos Prisioneiros Políticos – Birmânia], 48 deles em prisão preventiva. O NLD – muitos de seus próprios membros ex-prisioneiros – continuou a permitir que as leis da junta regulassem a liberdade de expressão e reunião e amordaçassem os críticos, e atraiu a indignação internacional por não ter condenado a campanha militar contra os Rohingya.

“‘O NLD não é um governo que respeita os direitos humanos e o tipo de liberdade pela qual as pessoas protestavam nas ruas’, disse Mark Farmaner, diretor da Burma Campaign U.K., uma ONG de defesa dos direitos com sede em Londres. ‘O governo liderado pelo NLD [não tem] absolutamente qualquer interesse em retificar os erros do passado’”.

Os trabalhadores e a juventude, os camponeses, as minorias étnicas, portanto, não devem confiar nos liberais burgueses. Hoje eles fingem ser seus amigos, mas amanhã eles vão traí-los. Eles não defendem os interesses das massas trabalhadoras de Mianmar. Seu papel é preservar a propriedade dos ricos acima de qualquer outra preocupação. Essa é a razão pela qual eles se comprometeram com os militares em primeiro lugar.

Nenhum compromisso de classe: por um levante de trabalhadores armados

Os trabalhadores de Mianmar só podem contar com suas próprias forças. Há um imenso potencial revolucionário entre as corajosas massas de Mianmar, como pode ser visto todos os dias nas ruas. Houve greves poderosas, incluindo greves gerais. Houve até alguns casos de policiais desertando e fugindo para a Índia em vez de atirar em seu próprio povo. Mas para que o potencial revolucionário se torne uma conquista revolucionária do poder pelas massas bem-sucedida, o que é necessário é um partido revolucionário de massa dos trabalhadores capaz de reunir todas as forças que poderiam derrubar com sucesso este regime. Tal partido hoje estaria fazendo um apelo à ação revolucionária, incluindo a ação armada.

Depois que mais de 500 manifestantes foram mortos pelos militares de Mianmar, entre eles crianças, não há espaço para nenhum acordo com o exército. O que é necessário é uma resposta armada ao terror dos militares. A questão é: que tipo de resposta armada?

Aqui está um bom conselho que Lenin deu aos trabalhadores e jovens da Rússia em 1905 depois que a Guarda Imperial do Czar disparou contra trabalhadores desarmados, matando mais de 1.000 e ferindo cerca de 2.000, no que ficou conhecido como “Domingo Sangrento” (domingo, 22 de janeiro 1905), em São Petersburgo. O clima antes daquele dia era de protesto pacífico para levar uma petição ao czar. Após o massacre, esse humor mudou durante a noite para um desejo de obter armas para revidar. A indignação era indescritível.

Lenin não brincou com as palavras. Ele não falou em “protesto pacífico”. Não, o tempo para protestos pacíficos acabou, e isto é o que ele escreveu:

“Devem se armar da melhor forma que puderem (rifles, revólveres, bombas, facas, punhos, paus, trapos embebidos em querosene para iniciar incêndios, cordas ou escadas de corda, pás para construir barricadas, cartuchos de piroxilina, arame farpado, pregos [contra a cavalaria], etc., etc.). Sob nenhuma circunstância devem esperar por ajuda de outras fontes, de cima, de fora; devem fazer tudo sozinhos”.

Lenin escreveu isso em seu artigo de 1905, Tarefas dos Contingentes do Exército Revolucionário, e eu aconselharia qualquer jovem pensante em Mianmar de hoje a ler o texto completo.

No entanto, também devemos lembrar que, no passado, as camadas mais revolucionárias da juventude de Mianmar chegaram a conclusões semelhantes. Após a brutal repressão militar ao movimento de 1988, muitos estudantes deixaram as cidades e foram para a selva das regiões de fronteira para receber treinamento de grupos armados étnicos ou para a vizinha Tailândia. A Frente de Estudantes Democráticos de toda a Birmânia pegou em armas e organizou uma luta armada que durou décadas, mas fracassou em suas tentativas de derrubar o regime militar e foram traídos e esmagados, em condições muito difíceis no terreno, com enfermidades alastradas, escassez de suprimentos e armamento escasso.

A ideia, portanto, de criar um exército federal alternativo nas condições atuais é um avanço. Precisaria trazer todas as camadas oprimidas da sociedade de Mianmar, que são a esmagadora maioria da população. As minorias étnicas foram oprimidas por décadas e algumas delas estiveram envolvidas na guerra de guerrilhas contra as autoridades centrais. Suas demandas por maior autonomia deveriam ser reconhecidas pelo movimento de protesto, e o direito à autodeterminação deveria ser levantado pelos trabalhadores de Bamar como forma de superar os anos de desconfiança que foram conscientemente promovidos pelos militares.

Os camponeses das áreas rurais têm se envolvido em lutas contínuas contra a grilagem de terras, tanto por militares, quanto por corporações multinacionais. Os camponeses têm todos os motivos para ingressar nesse exército e podem desempenhar um papel importante no apoio ao movimento nas cidades. Isso significa reconhecer os direitos dos camponeses de ter controle sobre suas próprias terras.

Temos que nos perguntar, entretanto, quais seriam os objetivos gerais de tal exército federal. Ele pode se limitar a simplesmente remover os militares e colocar o NLD e o ASSK de volta ao poder? Se for esse o caso, o movimento só pode esperar ser traído novamente pelos liberais burgueses. Essas pessoas estão presas entre a enorme onda de raiva entre as massas, que têm um desejo ardente de remover os militares, por um lado, e as pressões da classe rica dos capitalistas, por outro, tanto estrangeiros quanto domésticos, que querem garantir a continuidade do seu sistema.

A questão é que não se pode servir a dois senhores. Os interesses dos operários e camponeses não são os mesmos interesses dos donos de fábricas. Qualquer compromisso de classe nesta situação acabará com os que estão no fundo perdendo. Sim, eles podem ter sucesso temporariamente na remoção dos generais do poder, mas eles continuarão a expropriar os oficiais do exército? Não nos esqueçamos de que a casta de oficiais militares também é uma parte importante da classe capitalista de Mianmar. Eles irão erradicar todos os oficiais e destruir completamente o aparato do exército como ele existe agora? Quando estiveram no cargo pela última vez, não o fizeram. Não, tudo que você pode esperar dessas pessoas é outra traição.

O que é necessário é uma organização independente da classe trabalhadora de Mianmar. Os trabalhadores já têm sindicatos, mas, infelizmente, estes são em sua maioria dirigidos por burocratas que estão de pés e mãos atados ao NLD, ou seja, à expressão política da classe capitalista: os donos das fábricas, que oprimem os trabalhadores no dia a dia. Alguns líderes sindicais, como o sindicato dos trabalhadores do vestuário, se destacaram como sendo mais militantes, mas a maior parte dos líderes sindicais só se moveu quando os trabalhadores comuns começaram a pressioná-los.

Esses chamados “líderes” lançaram apelos às Nações Unidas e até aos Estados Unidos, semeando ilusões de que as “democracias ocidentais” iriam salvar a situação. Em nosso artigo anterior sobre Mianmar, explicamos que “além de algumas palavras de condenação e algumas sanções impostas a alguns indivíduos no topo do regime militar, os Estados Unidos não vão enviar nenhuma força militar para Mianmar”. O povo teve que aprender a amarga lição da verdade dessas palavras.

Greve geral ampliada total

O que é necessário é uma luta total para derrubar a junta militar com os métodos da classe trabalhadora. Isso significa organizar uma greve geral total. Houve várias greves gerais que revelaram o enorme apoio a essa ação entre a massa de trabalhadores em Mianmar, mas em uma situação como esta, greves gerais parciais de um ou dois dias não são suficientes. O que é necessário é o fechamento total da economia, uma greve geral ampliada total.

Os trabalhadores têm poder para fazer isso. Eles podem bloquear todo o transporte ferroviário e rodoviário; eles poderiam bloquear os portos; eles poderiam desligar o fornecimento de energia e a distribuição de combustível e, com tais métodos, poderiam paralisar o próprio exército. Essa greve geral teria de ser acompanhada pela ocupação de todos os locais de trabalho, escolas e universidades, juntamente com a ocupação de todos os centros de administração. Se tal greve geral fosse organizada em cada canto de Mianmar, em cada estado, cada cidade, cada aldeia, unindo todos os trabalhadores, os Bamars e todas as minorias étnicas, o exército não teria forças suficientes para reprimir todo o povo.

Para que essa greve geral fosse bem-sucedida, também seria necessária a eleição de comitês de greve em todos os locais de trabalho e comitês de bairro em todos os bairros e vilas da cidade. Esses órgãos poderiam assumir a gestão dos negócios localmente. Por sua vez, esses comitês exigiriam coordenação até o nível de um comitê nacional, que se tornaria a expressão do poder dos trabalhadores e camponeses no país. Isso enviaria uma mensagem às massas de que agora existe uma direção revolucionária genuína, eleita e controlada pelas próprias massas.

No entanto, tudo isso precisaria ter o objetivo claro de organizar um levante de massas armado do povo. É por isso que uma força de autodefesa operária armada – uma milícia operária – sob o controle dos comitês de greve é ​​uma tarefa urgente para o movimento. Muitos, incluindo os liberais burgueses em Mianmar e até os governos dos países imperialistas do Ocidente, estão dizendo que as ações desta junta militar são criminosas. Bem, se suas ações são realmente criminosas, então as massas têm todas as justificativas para buscar armas para lutar contra esses criminosos.

As organizações dos trabalhadores de Mianmar devem apelar às organizações de trabalhadores em outros países por ajuda, não na forma de resoluções formais ou em palavras de protesto, mas em ações concretas. Combinada com uma greve geral total dentro de Mianmar, deveria haver um boicote internacional dos trabalhadores ao país. Em nosso artigo anterior, citado acima, demos exemplos de boicotes de trabalhadores no passado. Essa campanha de boicote teria um enorme impulso se as organizações de trabalhadores em Mianmar pedissem tal ação.

O movimento dos trabalhadores em outros países também deve se organizar de forma consciente para arrecadar fundos para ajudar os trabalhadores e jovens de Mianmar a obter as armas de que precisam para lutar contra este regime brutal. Temos um precedente histórico na Espanha na década de 1930. Quando Franco organizou seu golpe, os trabalhadores e camponeses se levantaram em armas e lutaram contra os fascistas. E trabalhadores em toda a Europa e fora dela ajudaram seus irmãos e irmãs espanhóis, ajudando-os a encontrar as armas de que precisavam. O fato de os operários e camponeses espanhóis finalmente terem caído na derrota foi devido às políticas e ao programa equivocados dos líderes operários, que confiavam precisamente nos liberais burgueses, que desempenharam um papel traiçoeiro. O ponto principal, porém, é que os trabalhadores de outros países fizeram tudo o que puderam para ajudar a revolução na Espanha. Isso é o que é necessário hoje.

Se uma greve geral total, combinada a um apelo decisivo para uma revolta armada, fosse organizada, enviaria uma mensagem clara também às fileiras da polícia e do exército. Vimos alguns policiais fugindo para a Índia para evitar ter que atirar em seu próprio povo. Mas o que é necessário não é voar pela fronteira, mas ir para o movimento com suas armas. Conforme o artigo do The Guardian citado acima, “uma resistência armada bem-sucedida provavelmente exigiria deserções de unidades militares ou policiais que trouxessem suas armas …”

Uma liderança clara da classe trabalhadora organizada poderia transformar em realidade o potencial de setores das forças armadas e da polícia romperem as fileiras e se voltarem contra seus próprios oficiais. Isso começaria a inclinar a balança a favor do movimento e iniciaria o processo de armamento da classe trabalhadora como a única forma de acabar com o pesadelo que as massas de Mianmar estão enfrentando hoje.

Por uma greve geral total!

Por uma força de defesa operária armada!

Preparar um levante popular armado para derrubar a junta!

TRADUÇÃO DE FABIANO LEITE.

PUBLICADO EM MARXIST.COM

Deixe Seu Comentário