Foto: Giorgia Prates / Brasil de Fato

Mês da Consciência Negra: Movimento Negro Socialista no combate ao racismo e ao capitalismo

Racismo e capitalismo são as duas faces da mesma moeda” (Steve Biko)

Junto com o 13 de maio, que marca a abolição da escravidão no Brasil, o 20 de novembro, Dia da Consciência Negra, é marcado pela memória das lutas pela libertação dos escravos no passado, mas, principalmente, pelo combate ao racismo e ao racialismo nos dias de hoje.

De acordo com o IBGE, mais de 60% dos mortos na pandemia, até o momento, são negros, sendo que um trabalhador negro tem o rendimento médio per capita de R$ 934, a metade da média de um trabalhador branco. As condições de moradia também evidenciam a exclusão dos trabalhadores nessa sociedade, já que 44,5% de pretos e pardos vivem em condições precárias e com ausência de serviços básicos (IBGE, 2019).

Enquanto isso, a renda dos 1% mais ricos é 32 vezes maior que a renda da metade mais pobre no Brasil. Reflexo da política que beneficia empresários e banqueiros do governo Bolsonaro, enquanto, a cada dia, a inflação corrói os salários dos trabalhadores e a precariedade de vida e a fome aumentam com a alta dos alimentos. É comum, agora, os supermercados venderem vísceras e ossos para uma camada mais pobre da população. Se fomos olhar as imagens de pessoas na fila pedindo ossos em frigoríficos e supermercados veremos que é preta a cor de sua pele.

Depois de um ano que lançamos a campanha “Ser Negro Não É Crime!” contra a condenação racista de uma juíza do Paraná (Inês Marchalek Zarpelon), que sentenciou um rapaz negro por roubo e escrevendo que ele era criminoso por causa de sua raça, a situação de repressão, morte e prisão dos negros continuou por meio da polícia e do judiciário racistas. Trabalhadores negros no dia a dia são colocados como criminosos por causa de sua pele, seja em um shopping, seja num supermercado, no trânsito, em todos os cantos os negros são alvos de balas da polícia que só encontram corpos negros.

Os trabalhadores negros compõem o maior exército de mão de obra de reserva industrial, favorecendo uma elite parasitária e mantendo os privilégios de sua classe, a burguesia. Esse recorte da sociedade desnuda o mito da democracia racial no Brasil, a luta contra o racismo e por igualdade aflora cada vez mais num ódio de classe, na luta contra esse sistema.

Nesse sentido, aprendemos com as revoltas e revoluções que antecederam e prepararam abolição, com a união da classe trabalhadora negra e branca que esmagaram a escravidão. O racismo, essa ideologia criada pelos capitalistas para dividir e explorar mais os trabalhadores, só pode ser combatido com a união da classe trabalhadora, independente de etnia, gênero etc., ou seja, pela luta de classes, na luta por empregos, renda, vagas para todos na educação em todos os níveis, saúde e moradia, e, sobretudo, na luta pela derrubada do governo representante dos capitalistas, o governo Bolsonaro, para impor outra sociedade, a sociedade socialista, onde os trabalhadores possam comandar o seu futuro.

Nesse mês o Movimento Negro Socialista participará das mobilizações marcadas para o dia 20 e organizará uma série de atividades para discutir a questão racial e organizar os próximos combates. Participe das nossas atividades e junte-se a nós combatendo o racismo e o capitalismo!

Atividades em São Paulo:

  • 20/11 (sábado): 18ª Marcha da Consciência Negra. Participe do nosso bloco, a partir das 14h, procure pela faixa “Ser negro não e crime/abaixo o racismo e o capitalismo” em frente ao MASP. Entre em contato: (19) 99688 0687
  • 24/11 (quarta-feira), 19h, via Zoom: Machismo, racismo e o capitalismo. Inscrições aqui. https://tinyurl.com/mpsmns2021

Atividades no Rio de Janeiro:

  • 22/11 (segunda-feira), 20h, on-line: 111 anos da Revolta da Chibata e a luta contra o racismo hoje. Inscrições aqui. encurtador.com.br/kvY58
  • 23/11 (terça-feira), 19h: Círculo de Leitura Marxista (Nordeste). Tema: Filme Marighella. Inscrições aqui. https://www.leiamarx.com/
  • 26/11 (sexta-feira), 19h, no Teatro João Caetano, Centro – RJ: Peça de teatro sobre João Cândido (Turmalina 18-50 – Cia Cerne). Contato do responsável: Felipe Araújo (Whatsapp aqui). https://wa.me/5521982232329
  • 04/12 (sábado),15h, on-line: Comitê de Ação Abaixo Bolsonaro – Nordeste: debate sobre o filme Bacurau. Contato da responsável: Beatriz: (81) 8322 2921

Atividade em Joinville, SC:

  • 20/11 (sábado): Bloco da Liberdade e Luta Joinville no Ato do Dia da Consciência Negra, a partir das 14h30, no Parque da Cidade (próximo à Ponte do Trabalhador). Estaremos colando lambes durante a atividade e conversando por Abaixo o Racismo e o Capitalismo. Entre em contato pelo whatsapp: (47) 99998-5701
Deixe Seu Comentário