Acampamento Marielle Vive fica

Por um decisão proferida na quinta feira, 25 de novembro, a 37ª Câmara de Direito Privado (SP) negou o recurso contra a sentença que determinou a remoção de 450 famílias da Ocupação Marielle Vive, pelo MST, em Valinhos-SP.

As famílias ocupam, desde abril de 2018, uma fazenda com cerca de 130 hectares dos quais apenas meio hectare é arrendado a um terceiro para criar algumas cabeças de gado. Desde a ocupação, há grande produção de alimentos orgânicos destinados ao próprio sustento, à venda e muitas vezes para doação a famílias que precisam.

O relator José Tarcísio Beraldo entendeu que o pagamento dos tributos e o uso de menos de 0,5% da propriedade para pastagem, que inutiliza grande quantidade de terra para revezamento, caracteriza a função social da propriedade e, portanto, deslegitima completamente a ocupação, reconhecendo a necessidade da reintegração de posse.

Há a ADPF 828/21 do STF, que suspende despejos até 06/12 e, mais recente, a Lei 14.216 de outubro deste ano, que proíbe as remoções até dia 31/12. No entanto, o Poder Judiciário, uma instituição da burguesia para defender os interesses de latifundiários e outros magnatas, ou seja, uma instituição inimiga da classe trabalhadora, é rápida e eficaz para resguardar os direitos de grandes proprietários, ainda que isso signifique atropelar a função social e jogar 450 famílias na rua… eficiência que não existe em garantia da reforma agrária, da função social da propriedade e outros direitos da classe trabalhadora.

A Esquerda Marxista é solidária à Ocupação Marielle Vive e se soma às moções de apoio.
Envie sua moção de repúdio à decisão para os endereços:

  • 37ª Turma, Tribunal de Justiça do Estado de São Paulo
    Relator: Des. José Tarcíso Beraldo (Email: [email protected])
  • 1° Vara da Comarca Valinhos
    Bianco Vasconcelos Coatti
    [email protected]
    (19) 3871-4100

Acampamento Marielle Vive Fica!

Deixe Seu Comentário