Greve dos bancários avança. A CUT tem que unir as categorias em luta!

Ontem (28/09), segundo dia da greve nacional dos bancários, 6.248 agências permaneceram fechadas em 25 estados e no Distrito Federal. Após a massiva adesão dos trabalhadores de bancos públicos nos dois primeiros dias, os piquetes se fortaleceram hoje (29/09) na porta do Itaú, Bradesco, Santander e demais bancos privados, possibilitando uma participação ainda maior desses bancários na greve.
 
 

Para tentar intimidar os trabalhadores, os bancos contra-atacam com medidas judiciais, chamadas de interdito proibitório, que proíbem a realização de piquetes na entrada das agências. Mas, como essa tática já é bastante conhecida do movimento sindical e já há jurisprudência contrária aos bancos em relação ao cerceamento do direito de greve, reunião e organização, os trabalhadores têm conseguido resistir, por enquanto.
Com o fechamento de várias agências, a população começa a notar a greve e as reações são as mais diversas: alguns apóiam, outros não se sentem afetados porque os sistemas on-line, eletrônico e de compensação continuam a funcionar, mas alguns criticam. No piquete de hoje, em uma agência do Santander em Campinas pude perceber que, na verdade, quem mais reclama é o que tem menos razão para isso.
Normalmente, quem reclama costuma chegar de carrão e age como se fosse o patrão dos bancários, resmunga, mete o pau no sindicato, mas continua tendo acesso fácil às suas transações via canais alternativos. Já a população mais pobre, que tem mais dificuldade para utilizar os meios eletrônicos, não costuma reclamar… Geralmente, apenas pede alguma informação e segue sua vida.
Isso mostra que a greve é um claro instrumento de classe e distingue os elementos hostis dos setores com quem temos que dialogar para avançar. Para isso, seria extremamente importante uma carta dos bancários à população, que explicasse os motivos da greve, jogando a responsabilidade nos bancos – que lucram explorando os trabalhadores e a economia do país.
Por fim, a CUT deveria organizar ações conjuntas de todas as categorias que estão em greve ou em campanha salarial para que a classe trabalhadora comece a tomar consciência dos reais problemas que estamos enfrentando com os patrões, os banqueiros e o governo Dilma e que, para resolvê-los, só mesmo com a mobilização independente dos próprios trabalhadores na luta de classes.
Deixe Seu Comentário

Um comentário

  1. Boa noite

    gostaria de saber quando essa pouca vergonha vai acabar?

    vcs são um bando de gente que gosta de prejudicar a vida das pessoas

    Acho tudo isso um vergonha, se eu foce presidente da republica eu ja mais aceitaria um merda desta, vcs estão vem o lado de vcs esquecem de quem paga seu salario
    Sou a favor do trabalhador e contra um bando de gente que acha que prejudicar as pessoas e manifestação
    Só acho que pelo menos algumas das agencias deveriam funcionar
    Mas agente sabe que nesse pais de merda tudo acaba em pizza

    Vergonha vergonha

    É isso que acho da greve de vcs

    vergonha vergonha