Imagem: Socialist Appeal

Grã-Bretanha: só medidas socialistas podem resolver a crise do coronavírus

Em um esforço para salvar o seu sistema, o governo Conservador prometeu lançar centenas de bilhões de libras na economia. Mas o que eles dão com uma mão hoje, tentarão recuperar amanhã com a austeridade. Devemos fazer os patrões pagarem.

Se alguém lhe dissesse no Natal que este ano seria um ano [com] um enorme choque simétrico atingindo todos os países avançados“, diz Weder di Mauro, presidente do Centro de Pesquisa de Política Econômica, um think tank capitalista, “e que isso custaria algo como 50% do PIB por alguns meses ou talvez mais … o tipo de coisa que acontece em uma guerra, todo mundo diria que você está louco” (Financial Times, 21/3/20).

Estes são tempos sem precedentes. Alguns diriam tempos surrealistas. Estamos certamente em um período de profunda crise: econômica, social e politicamente. Mas isso é apenas o começo. Eventos de apenas alguns dias atrás já parecem uma eternidade de tão distantes. Essa é a natureza da época em que entramos, em que as coisas foram viradas de cabeça para baixo.

Previsão acima do espanto

Enquanto os comentaristas capitalistas estão atordoados, os marxistas sempre explicamos, já há algum tempo, que entramos em uma época de crise, revolução e contrarrevolução.

Há pouco tempo, sugeriu-se que o governo Boris Johnson – sentado tão confortavelmente na maioria parlamentar de 80 assentos – poderia estar no poder por 5, 10 ou até 15 anos. E, no entanto, da noite para o dia, essa perspectiva se transformou em pó. Era apenas a perspectiva daqueles que não podem ver um palmo à frente do nariz.

Boris Johnson lidera um governo de crise / Imagem: Socialist Appeal

 

Uma coisa está clara“, explicou o Financial Times. “No entanto, a crise do coronavírus se desdobra na Grã-Bretanha, o governo de Boris Johnson, que pensávamos ter começado, terminou. O restante de seu mandato será gasto nessa crise e em suas consequências. Haverá pouco espaço para qualquer outra coisa. E isso pressupõe que ele ainda esteja no cargo para supervisionar as consequências” (FT, 23/3/20).

Que reviravolta! E, no entanto, foi esse mesmo jornal capitalista que vendeu o mito de que o governo Johnson duraria uma geração.

Muito rapidamente – como nós, os marxistas, previmos – o governo Boris Johnson se tornou um governo de crise. Arrastando os pés, foi ultrapassado pelos acontecimentos, enquanto estes últimos se movem à velocidade da luz.

A imagem “Churchilliana” de Johnson desapareceu rapidamente. Downing Street rapidamente teve que abandonar sua estratégia de “imunidade de rebanho” para lidar com o vírus, apresentada pelo Malthusiano Dominic Cummings. Essa atitude indiferente e descuidada demonstrou a perspectiva insensível dos Conservadores. “Salvar a economia capitalista” era o lema deles, independentemente das vidas perdidas. Isso mostra a verdadeira e feia face do capitalismo.

Sob pressão

Mas Johnson e sua equipe logo foram forçados a mudar de posição, quando a situação começou a ficar fora de controle. O exemplo da Itália lhes deu uma encarada, sustentando o espelho do futuro distópico da Grã-Bretanha.

Para salvar as grandes empresas, o Chanceler Tory, Rishi Sunak, anunciou que o governo estava preparado para injetar 330 bilhões de libras na economia. Mas, dada a escala da crise, isso será demasiado pouco e demasiado tarde.

Sob pressão, o governo de Boris Johnson foi forçado a fechar locais de trabalho não essenciais, além de subsidiar os salários dos trabalhadores usando o dinheiro dos contribuintes, a fim de garantir que os empregadores mantenham os trabalhadores em suas folhas de pagamento.

Enquanto isso, os lucros acumulados dos patrões estão fora do alcance do Estado, trancados em segurança nos bancos e paraísos fiscais. Em vez disso, os Conservadores tropeçaram convenientemente em sua própria “árvore do dinheiro mágico“.

Apesar dessas promessas, o desemprego está aumentando drasticamente, forçando muitos a assinarem o Crédito Universal – menos de 100 libras por semana para cobrir contas, aluguel e custo de vida. De qualquer forma, com o serviço público com 100 mil pessoas a menos, graças a uma década de austeridade conservadora, o sistema de assistência social está sobrecarregado pelo aumento da demanda, resultando em grandes atrasos.

Agora, o Chanceler foi forçado a oferecer algo aos trabalhadores por conta própria também. Mas não conseguirão nada até junho! Para esfregar sal na ferida, eles foram informados de que enfrentarão custos mais altos de seguro nacional, quando a crise acabar.

Esta é uma amostra do que está por vir. Empréstimos do governo e déficits orçamentários furarão o teto para sustentar o sistema capitalista, mas isso significará cortes espetaculares dos gastos públicos no futuro.

Colapso e crise

O que estamos enfrentando é a crise mais profunda da história do capitalismo. Os especialistas empíricos dizem que isso não é uma crise do capitalismo. Mas disseram o mesmo sobre a crise de 2008-9, que, para eles, foi uma crise ‘financeira’ – um mero soluço. Eles não podem tolerar a conclusão de que seu sistema está em declínio terminal.

O capitalismo britânico está enfrentando uma catástrofe, com a maioria dos lares sob bloqueio. Já estamos em uma depressão, com o Produto Interno Bruto (PIB) em colapso.

O capitalismo britânico está enfrentando uma catástrofe, com a maioria das famílias presas em suas casas / Imagem: Socialist Appeal

 

Em 10 de março, Capital Economics, uma empresa de pesquisa e consultoria, estimou que, em um cenário pessimista, se veria a economia do Reino Unido cair 5%. Uma semana depois, acreditava que, em um cenário realista, seria um declínio de 15%. Isso será revisado ainda mais nas próximas semanas.

Em comparação, entre 1929 e 1931, nos primeiros anos da Grande Depressão, o PIB britânico caiu menos de 7,5%  – apenas a metade da estimativa atual.

Allan Monks, do JP Morgan, estima que a economia do Reino Unido cairá 8% apenas no segundo trimestre. Mas ele acrescenta que “o pior ainda está por vir“. Estima-se que as vendas no varejo não-alimentar caiam 80% devido ao bloqueio.

Adam Slater, economista da Oxford Economics, estimou que um bloqueio de 12 semanas reduziria o consumo de 18% a 32%. “Os impactos no PIB seriam muito grandes“, afirma Slater, atingindo “muito aproximadamente” uma queda de 13% a 22%.

Outra pesquisa de março mostrou o pior declínio mensal do registro, rompendo todos os números da década de 1930.

Quem paga?

Tudo isso seria devastador para as finanças públicas – sem paralelo na história moderna dos tempos de paz. Uma estimativa aponta que os empréstimos do governo subam para 200 bilhões de libras, ou 9% do PIB. Dada a profundidade da crise, no entanto, e seu caráter duradouro, os empréstimos do governo poderiam facilmente subir para 20 a 30% do PIB, como na Segunda Guerra Mundial.

Naquela época, a Grã-Bretanha foi capaz de pagar suas dívidas no pós-guerra. Mas isso graças à recuperação econômica mundial sem precedentes. Esse cenário está descartado neste período. A perspectiva não é de aumento, mas de um declínio adicional.

Robert Chote, presidente do Gabinete de Orçamento Responsável, disse que apenas o tempo diria quão graves seriam as cicatrizes econômicas, com impostos mais altos e austeridade renovada para reparar as finanças públicas.

Está claro o que vai acontecer: o grande fardo de enormes aumentos de impostos e austeridade em massa será colocado nas costas da classe trabalhadora.

Governo nacional

O governo de Boris Johnson tem pavor das consequências sociais. “Get Brexit Done” foi jogado fora pela janela. Eles estão tentando estabilizar a situação com enormes gastos do governo – mas isso resultará em um enorme buraco negro nas finanças.

As pessoas comuns sempre se lembrarão de como os Conservadores arruinaram esta emergência de saúde. A popularidade de Johnson despencará como uma pedra.

Essa é a razão por trás da retórica parecida com a da guerra, com conversas sobre “reunir-se” pelo bem da “nação”. Os Conservadores seniores, principalmente George Freeman, levantaram a ideia de algum tipo de “governo ou conselho nacional”.

O estabilishment quer envolver a mão-de-obra de ‘Sir’ Keir Starmer em um governo de unidade nacional / Foto: uso livre

 

Com Corbyn fora do caminho, os membros mais astutos do establishment veem os benefícios de envolver ‘Sir’ Keir Starmer e o Partido Trabalhista. “Quando os trabalhistas tiverem um novo líder sensato, Keir Starmer deve ser convidado para o gabinete da Covid, da Cobra1 e das reuniões conjuntas no nº 102“, disse Freeman.

Um argumento que circula entre alguns conservadores é que Johnson pode precisar compartilhar a responsabilidade pela tomada de decisões com os Trabalhistas e outros partidos da oposição para sobreviver à crise“, afirma o Guardian (24/3). “Um parlamentar conservador disse que havia um argumento político de que Johnson pode estar interessado em ‘atrair o Partido Trabalhista’, para que o público não associe a crise apenas aos Conservadores, se a situação piorar“.

A classe dominante claramente espera que, ao envolver o Partido Trabalhista nesta crise, eles possam desviar a raiva com relação a Johnson e aos Conservadores. Claro, isso é uma armadilha cínica.

A ideia de um governo de unidade nacional, no entanto, teve uma reação mista dos políticos da oposição. Embora Starmer permaneça calado, Rebecca Long-Bailey está aberta à ideia de uma maior aproximação do partido – ou mesmo de um governo nacional, dada a escala da crise que o país enfrenta.

Isso coincide com as observações anteriores sobre o “patriotismo progressista”, que alienaram muitos membros de base do Partido Trabalhista, que, com razão, consideravam essa retórica como complacente com o nacionalismo que agita bandeiras.

Lisa Nancy também adotou a ideia, mas acredita que é melhor que figuras da oposição, sindicatos, grupos empresariais e outros se unam a uma ‘Cobra nacional’, em vez de formar um governo nacional oficial. “Não há absolutamente nenhuma razão à vista para que alguém como Gordon Brown não esteja na sala de reuniões, ajudando-nos a passar por isso“, disse Nancy.

Esse programa de colaboração de classe – envolvendo o Partido Trabalhista e os sindicatos – seria desastroso. Os líderes do movimento trabalhista não devem permitir que sejam usados como cobertura de esquerda para um governo Conservador desacreditado.

Claramente, eles não aprenderam as lições da campanha do Referendo Escocês em 2014, em que o Partido Trabalhista foi para a cama com os Conservadores e Liberais. O resultado foi que o apoio do Partido Trabalhista ao norte da fronteira caiu drasticamente e ainda não se recuperou até hoje. Alastair Darling e Gordon Brown, devemos lembrar, foram os que lideraram a campanha ruinosa do Partido Trabalhista.

Em vez de colaboração de classe, os sindicatos devem lutar pelos interesses de seus membros, contra os lucros dos empregadores. O Partido Trabalhista deve manter uma posição de classe independente e assumir sua própria forma de “distanciamento social” – dos políticos conservadores e liberais.

Medidas socialistas

Pelo contrário, à medida que o capitalismo entra na crise mais profunda de sua história – e a “economia de mercado” é exposta para todos verem – o trabalhismo deve apresentar um ousado programa socialista.

A ideia de consertar o capitalismo é inaceitável. As políticas keynesianas de “New Deal” não oferecem uma saída. Meias medidas não serão suficientes.

Somente medidas socialistas podem salvar os trabalhadores das crises sanitária e econômica / Imagem: Socialist Appeal

 

Um programa socialista exigiria que a economia fosse tirada das mãos dos capitalistas e banqueiros, que nos levaram à beira da ruína, e colocada nas mãos dos trabalhadores.

Isso significa expropriar os bancos e as casas de finanças, essenciais para a economia. Significa também expropriar os 100 principais monopólios que dominam a economia britânica. Devem ser todos colocados sob controle e gestão democrática dos trabalhadores, sem indenização para os atuais proprietários de gatos gordos.

Com essas medidas, poderíamos planejar a economia para atender às necessidades da sociedade – no interesse da maioria, e não dos lucros de alguns parasitas.

A economia já está entrando em colapso a um ritmo espantoso. Isso revela a falência do sistema de lucro. Nosso serviço de saúde é atormentado pela terceirização e privatização. As ferrovias estão em colapso e o governo está socorrendo os acionistas privados.

Os Conservadores são incapazes de lidar com essa emergência nacional, implorando que empresas privadas fabriquem ventiladores. Em vez dessa súplica patética, toda a indústria deve se voltar para combater essa epidemia. Mas o mercado e o lucro – junto com a propriedade privada – atrapalham.

Se quisermos planejar a economia e enfrentar a pandemia, precisamos de propriedade pública e controle democrático.

Não estamos enfrentando uma crise cíclica “normal”, mas sim uma crise sistêmica e orgânica do sistema capitalista. O perigo agora enfrentado pelo capitalismo é que essa profunda crise, com todas as suas contradições, se transformará em uma depressão duradoura. Isso será devastador para a vida das pessoas comuns.

Em meio a esta crise capitalista, o Partido Trabalhista deve defender corajosamente a completa transformação socialista da sociedade. À medida em que a crise se aprofunda, mais e mais pessoas perceberão que esse é o único caminho a seguir.

Notas:

1 As salas de reunião do Gabinete do Gabinete, em inglês Cabinet Office Briefing Rooms (COBR), são salas de reuniões no Gabinete do Gabinete em Londres. Essas salas são usadas para comitês que coordenam as ações de órgãos governamentais em resposta a crises nacionais ou regionais ou durante eventos no exterior com grandes implicações para a Grã-Bretanha. É popularmente conhecido como Cobra.

2 Downing Street, nº 10 é a residência oficial e o escritório do primeiro-ministro do Reino Unido

TRADUÇÃO DE FABIANO LEITE.

PUBLICADO EM MARXIST.COM

Deixe Seu Comentário