Grã-Bretanha: O chão está começando a tremer

O Rei da Prússia disse uma vez que “assim que as nossas baionetas começarem a pensar, estaremos perdidos”. O mesmo pode ser dito do establishment em relação à juventude.

Atualmente, em meio a esta crise, a classe dominante sente o chão começar a tremer sob seus pés.

Há uma inquietação crescente na sociedade, especialmente entre os jovens. Já se foi todo o otimismo em relação ao futuro. O período atual é mais de tempestade, quando o ar fica denso e difícil de respirar.

Esta fermentação reflete-se mais graficamente em uma mudança brusca de consciência, particularmente entre a geração mais jovem, que é sempre um barômetro das pressões na sociedade.

Isso se reflete em uma rejeição total do status quo e do podre sistema capitalista.

Como poderia ser diferente, quando o abismo entre ricos e pobres nunca foi tão grande e quando a ganância dos capitalistas está causando destruição ambiental e uma catástrofe climática?

Motins

Passaram-se dez anos desde que distúrbios e levantamentos sociais varreram a Grã-Bretanha, após o assassinato pela polícia de Mark Duggan – um jovem negro – em Tottenham, no norte de Londres.

Pouco mudou desde então. Na verdade, as coisas estão decididamente piores.

Na última década, o orçamento nacional para serviços à juventude foi cortado em £ 372 milhões, quando ajustado pela inflação, representa uma queda de 73%. Algumas das áreas afetadas pelos distúrbios de 2011 sofreram cortes ainda mais acentuados.

Em Haringey, o bairro que contém o Tottenham, o orçamento de serviços para os jovens caiu de £ 5,6 milhões para apenas £ 970.000 – um corte de 85%, em termos reais.

Os números de detenções e buscas estão novamente em alta, com os negros ainda muito mais propensos a serem alvos da polícia do que os brancos.

Andrew Neilson, o diretor de campanhas da Howard League for Penal Reform, disse:

“Olhando para trás e para algo como os tumultos após 10 anos, uma das questões em que você naturalmente pensa é: isso vai acontecer de novo? E – para não ser um alarmista ou algo assim – minha resposta a essa pergunta seria: sim, eu poderia ver isso acontecendo de novo”.

Embora os marxistas não tolerem os tumultos, também entendemos que é um sintoma do impasse do sistema capitalista, que é particularmente agudo na Grã-Bretanha. Em vez de essa raiva ser desperdiçada, ela deve ser aproveitada para a luta para mudar a sociedade.

Radical

Os estrategistas da classe dominante estão alarmados. Um artigo recente do jornal de direita Daily Telegraph tinha um título assustador resumindo seus temores: “Os jovens realmente são perigosamente socialistas”.

Esse artigo se referia a uma pesquisa do Institute of Economic Affairs, um think tank pró-capitalista, intitulada ‘Left Turn Ahead’, que analisou as atitudes dos jovens em relação ao capitalismo e ao socialismo.

O autor da pesquisa, Dr. Kristian Niemietz, chefe de economia política do Instituto, explicou que:

“A geração do milênio já foi retratada como uma geração apática. No final da década de 1990, quando a primeira geração do milênio atingiu a maioridade, a escritora do Guardian, Polly Toynbee, os descreveu como “cabeças-de-vento e ignorantes”.

“Nos últimos cinco ou seis anos, no entanto, a forma como essa geração (os nascidos entre 1981 e 1996) é vista mudou drasticamente. A ascensão de movimentos como Black Lives Matter, Extinction Rebellion e Momentum, e a forma como a cultura do campus ‘despertou’ se espalharam para o mundo corporativo e além, virando as percepções de cabeça para baixo. Hoje, a geração do milênio é tipicamente vista como uma geração intensamente politizada e, especificamente, como uma geração que abraça ideias radicais de esquerda …

“A esmagadora maioria dos jovens realmente expressa visões estridentemente anticapitalistas em uma ampla gama de questões. 70 a 80% acreditam que o capitalismo alimenta as mudanças climáticas, o racismo, a ganância, o interesse material e os custos crescentes de moradia. Proporções semelhantes apoiam nacionalizações e controles de aluguel. Os jovens associam ‘capitalismo’ principalmente com exploração, injustiça, corporações e os ricos, enquanto associam ‘socialismo’ principalmente com termos como ‘trabalhadores’, ‘igual’, ‘público’, ‘justo’, ‘comunal’ e, sim, ‘Jeremy Corbyn’ (não, isso não acabou) … ”

O Dr. Niemietz concluiu, “aqueles de nós que acreditam que o capitalismo é muito melhor do que sua reputação, e o socialismo é superestimado maciçamente, precisam reconhecer que há um problema aqui”.

Esta é a subestimação do milênio!

Crise

Além disso, o Dr. Niemietz descobriu que os jovens não estão se afastando desse radicalismo.

Uma das principais conclusões do meu relatório”, escreve ele, “é que não é mais verdade que os jovens ‘superam’ o socialismo à medida que envelhecem, como aconteceu com algumas gerações anteriores”.

“As ideias socialistas são tão populares entre as pessoas na casa dos 40 anos quanto entre as pessoas no final da adolescência ou, se é que existem, um pouco mais. Este não é um efeito passageiro e não irá embora por conta própria”.

Essa radicalização dos jovens não é apenas uma característica da Grã-Bretanha, mas pode ser vista em outras partes da Europa e nos Estados Unidos. Este fenômeno internacional é um reflexo da crise global do capitalismo.

Os trabalhadores – especialmente os trabalhadores jovens – enfrentam padrões de vida em queda, contratos de trabalho zero horas, exploração crescente, empregos sem futuro, cortes salariais e precariedade universal. A vida se tornou uma luta diária para sobreviver.

Mas essas condições estão generalizadas e afetam também os trabalhadores mais velhos. Não é por acaso que, na eleição geral de 2019, os Trabalhistas conquistaram mais votos do que os Conservadores entre os trabalhadores, com os conservadores dependendo dos aposentados.

Aqueles com menos de 45 anos passaram toda a sua vida profissional no mercado de trabalho “flexível”, sob os Conservadores e o Novo Trabalhismo.

Revolução

Com Starmer abraçando abertamente as grandes empresas e o legado do blairismo, não é de admirar que muitos jovens estejam cada vez mais alienados do Partido Trabalhista.

Os jovens sempre estiveram na vanguarda da luta revolucionária. E agora não é diferente.

Com os monopólios sedentos de lucro devastando o planeta, nenhuma quantidade de remendos do capitalismo irá satisfazer a nova geração. Para eles, a transformação socialista da sociedade aponta o caminho a seguir.

É por isso que o marxismo é mais relevante do que nunca. E é por isso que a classe dominante e seus parasitas estão tão angustiados.

Como explicou Lênin: quem tem a juventude tem o futuro!

TRADUÇÃO DE FABIANO LEITE.
PUBLICADO EM SOCIALIST.NET

Deixe Seu Comentário