Garantia de estudo para todos os estudantes e de trabalho para todos os Professores!

O sistema capitalista está em uma profunda crise, agravada ainda mais com a pandemia do coronavírus, e não consegue dar condições mínimas de sobrevivência para ampla maioria da população. Isso, se deve por conta de suas contradições que ficam cada vez mais evidentes. O capitalismo ao longo do tempo conseguiu avanços importantes, como o desenvolvimento tecnológico e a produção em massa, porém a riqueza acumulada advinda dessa produção, fica concentrada na mão de poucos e não para suprir a necessidade de todos.

Com a chegada do vírus no Brasil essas contradições do capitalismo transparecem muito mais. Estamos vendo o governo Bolsonaro que vem realizando diversas atrocidades contra a classe trabalhadora e a juventude, além de se colocar contra o isolamento social.  Temos também os governos estaduais, municipais e o congresso, que tentam se colocar distante da figura do presidente, como se estivessem do lado da população, mas como Bolsonaro, se colocam a favor dos empresários e seus lucros, como a MP 936 aprovada no congresso que permite a redução de salários dos trabalhadores ou como o Dória que fala sobre a importância de fazer o isolamento, mas permite que a maioria das empresas e industrias, de serviços não essenciais, continuem funcionando.

Como os ataques do Capitalismo se fazem presente na FMU

Para comunidade acadêmica da FMU, fica cada vez mais claro os ataques da Laureate, sua mantenedora, que seu lucro é o nosso prejuízo e que esses ataques resultam do capitalismo. A Laureate, para aumentar seus lucros, desde quando passou a administrar a FMU em 2013, vem demitindo professores, cortando descontos e bolsas dos estudantes, aumentando as mensalidades e transformando cursos presenciais em semipresenciais ou EaD.

Com a chegada da COVID-19 no Brasil e a imposição da quarentena, como única medida que os capitalistas podem nos oferecer para conter a propagação do vírus, a faculdade suspendeu as aulas presenciais, porém manteve o calendário letivo por meio de aulas remotas, colocando nas costas dos estudantes e professores a responsabilidade individual por cumprirem o calendário, porém boa parte dos estudantes não tem condições materiais de acessarem as aulas remotas, o que levou muitos a trancarem os seus cursos e sair da faculdade . A faculdade ao manter o calendário deveria garantir condições a todos os estudantes para que continuem seus estudos e para os professores, garantir, condições de trabalho. 

No entanto, nas últimas semanas os estudantes e professores sofreram mais ataques. No jornal Folha de S. Paulo foi publicada uma matéria que diz que a rede Laureate passou a usar correções robóticas em provas e trabalhos, nas nove instituições que administra, incluindo a FMU. Após a implementação da correção robótica a Laureate demitiu cerca de 120 professores. 

Como se isso não bastasse, no começo desse semestre, a FMU transformou o estágio dos cursos de licenciatura em matéria, obrigando os estudantes a cumprirem 100h por semestre, se não ficarão de DP, essa medida continua vigente mesmo sob o isolamento, ou seja, como as escolas estão fechadas, os estudantes não podem fazer o seu estágio e estão ficando de DP automaticamente.

Todos esses ataques evidenciam a precariedade do ensino que a Laureate impõe aos estudantes, seu interesse não é a educação, mas sim o lucro. 

Nós, estudantes, que construímos o comitê de ação por Fora Bolsonaro da FMU, não aceitaremos calados esses ataques. 

Reivindicamos: 

 

  • Garantia de acesso a todos os estudantes para que possam estudar, disponibilizando para todos que não tem condições materiais, todo tipo de equipamento necessário, computador, internet, livros, etc!
  • Enquanto as garantias de estudo a todos não são dadas, exigimos que as mensalidades sejam suspensas imediatamente!
  • Que nenhum funcionário seja demitido, incluindo os terceirizados!
  • Revogação da medida que torna estágio em matéria nos cursos de licenciatura, os estudantes não vão pagar DP pelo estágio!
  • Não a correção robótica!
  • Que todos os espaços da faculdade sejam colocados para ajudar na contenção do vírus, como laboratórios e espaços de pesquisa!
  • Recontratação dos 120 professores demitidos!
  • Não ao Pagamento do exame!

 

 

Educação pública, gratuita e para todos!

Diante de todos esses ataques, da falta de garantia de estudo e trabalho, e da precarização do ensino imposta pela Laureate, o Comitê de ação por Fora Bolsonaro dos estudantes da FMU, chama a todos para lutar, por Fora Laureate, pela federalização da FMU e por uma Educação pública, gratuita e para todos

Sabemos que somente com a federalização, não teremos uma educação pública, gratuita e para todos, pois estamos sob o governo Bolsonaro, representante do capital e inimigo da educação. Por isso também lutamos pelo Fora Bolsonaro, por um governo dos trabalhadores, sem patrões e nem generais. 

Chamamos todos os estudantes da nossa faculdade para participar do comitê e da plenária, que realizaremos no sábado (23\05) as 17h para discutir como nos organizar para lutar contra esses ataques, pelo Fora Laureate e pelo Fora Bolsonaro.

Indicação de leitura:

https://www1.folha.uol.com.br/educacao/2020/05/depois-de-colocar-robos-para-ensino-laureate-demite-120-professores.shtml

Deixe Seu Comentário