Download WordPress Themes, Happy Birthday Wishes
Foto: Socialist Appeal

Explicando a próxima crise do capitalismo

As manchetes das notícias de negócios recentemente lamentaram a frequência de “inversões no rendimento dos títulos” em uma série de países como o suposto presságio de ruína e destruição. Muitas pessoas da classe trabalhadora ficaram coçando suas cabeças sobre o que significa tudo isso. Dez anos depois da “Grande Recessão”, muitos poderiam ser perdoados por pensar que vivemos em recessão permanente e que as coisas não podem piorar. A realidade é que, embora as coisas não tenham sido boas na maioria dos países, as coisas também podem ficar muito, muito piores. Neste artigo, vamos explicar o porquê.

O que é uma inversão no rendimento dos títulos e por que isso é importante?

Um título é um termo para a compra da dívida de outra pessoa. Em outras palavras, se você compra um título, está emprestando dinheiro a alguém (geralmente um governo ou uma grande empresa). Os títulos são diferentes das ações, que dão ao proprietário uma parte dos lucros de uma empresa.

Os títulos podem ser de curto ou longo prazo. Refere-se à quantidade de tempo que você concordou ao emprestar a alguém seu dinheiro. Em tempos normais, quanto mais longo o prazo, maior o retorno. Digamos que você empreste dinheiro a alguém por 12 meses, você pode esperar uma taxa de retorno de 2%; mas, se você emprestar dinheiro por cinco ou dez anos, poderá exigir uma taxa de quatro ou cinco por cento. É natural exigir uma taxa mais alta por um período mais longo, porque você corre um risco maior nesse período. O valor do seu dinheiro emprestado pode ser corroído pela inflação, ou você pode até perder o valor inteiro se uma empresa falir ou se um governo entrar em default (se recusar a pagar). Outro termo para taxa de juros é “rendimento de títulos”. Uma “inversão no rendimento dos títulos” é fenômeno estranho e perigoso quando as taxas de juros dos empréstimos de longo prazo são mais baixas que os empréstimos de curto prazo.

Por que as taxas de juros da dívida de longo prazo se tornariam inferiores às de curto prazo? Essa é outra maneira de dizer que a vida no curto prazo é muito mais arriscada do que a vida no longo prazo (mesmo quando o risco de inflação e falência é considerado).

Imagine que você é um bilionário e está tentando descobrir o que fazer com as montanhas de dinheiro que você tirou dos trabalhadores (para usar a terminologia técnica). Se o capitalismo parece estar indo bem, você investirá esse dinheiro em ações para obter uma parte do lucro obtido com a exploração dos trabalhadores. Isso é arriscado, mas oferece o melhor retorno potencial. Mas se você acha que haverá uma recessão, você retirará seu dinheiro da bolsa antes que todo mundo faça o mesmo e perca milhões quando os valores das ações caírem. Agora, nosso pobre bilionário está procurando um lugar para colocar seu dinheiro. Eles poderiam comprar um título de curto prazo, mas isso não ajudaria porque eles receberiam o dinheiro de volta ainda no meio da crise. Portanto, sua única opção (além de ficar com dinheiro ou comprar ouro) é comprar títulos de longo prazo.

O rendimento do título de longo prazo é reduzido quando muitas pessoas querem comprá-lo. Isso ocorre porque os títulos são vendidos usando-se um processo semelhante a um leilão. Um governo pode dizer: “Quero pedir emprestado US $ 1 milhão a uma taxa de um por cento, quem está interessado?” Se ninguém estiver interessado, como, por exemplo, quando ninguém quer comprar dívida grega, então esse governo terá que aumentar a taxa para atrair mais pessoas. Mas se é o governo da Alemanha, e muitas pessoas querem comprar suas dívidas com um rendimento de um por cento, então talvez elas possam oferecer apenas 0,5 por cento, ou mesmo zero por cento, e ainda assim obter o dinheiro de que precisam.

Baixos rendimentos a longo prazo são um sintoma do fato de que os capitalistas não confiam no sistema capitalista. Não se preocupe em ouvir os propagandistas pagos dos patrões que dizem que a “economia de livre mercado” é a maneira mais eficiente de alocar recursos; em vez disso, observe o que os sacos de dinheiro realmente fazem com seu tesouro precioso. Eles se preocupam demais em proteger seus ganhos ilícitos para acreditar em sua própria propaganda por um só segundo. Eles só querem manter a cabeça baixa e esperam que, quando seu bônus de longo prazo amadurecer, a crise tenha passado. Eles não se preocupam em ser produtivos e, definitivamente, não têm interesse em fornecer empregos para pessoas da classe trabalhadora. Eles só se preocupam com seu dinheiro.

A situação ficou tão fora de controle que existem até títulos com rendimento negativo! Isso significa que custa dinheiro para emprestar dinheiro, e você recebe dinheiro extra ao pedir dinheiro emprestado. A lógica é que, embora o emprestador perca dinheiro, ele perderá menos dinheiro do que se investisse em outro lugar. Isso pode parecer loucura, mas atualmente existem US $ 16 trilhões investidos nesses ativos com 100% de garantia de perda de dinheiro. Um banco dinamarquês até lançou uma hipoteca de taxa negativa, onde eles oferecem dinheiro para comprar uma casa. O sistema capitalista está claramente com as entranhas expostas e de cabeça para baixo.

Historicamente, desde a Segunda Guerra Mundial, toda vez que o retorno dos títulos do governo americano de 10 anos fica abaixo dos títulos de dois anos dos EUA, ocorre uma recessão logo depois. Embora seja possível que os rendimentos sejam negativos sem serem acompanhados por uma recessão, praticamente todas as recessões são precedidas por esse tipo de comportamento.

Confusão burguesa

No entanto, se alguém procurar uma explicação sobre o motivo da recessão, há muita confusão. Políticos liberais estão falando sobre a “recessão de Trump”, com a perspectiva da guerra comercial EUA-China causando uma recessão global. Em termos relacionados, um “Boris Brexit” sem acordo também serviria para colocar barreiras adicionais no caminho do livre comércio. Até os protestos de Hong Kong deixaram os mercados nervosos, devido à possibilidade de o movimento se espalhar e ao fato de Hong Kong ser, por si só, um importante centro financeiro.

Os populistas de direita como Donald Trump acham que podem vencer uma guerra comercial. Isso deixa os burgueses inteligentes horrorizados, pois passaram os últimos 80 anos tentando expandir o comércio e evitar o protecionismo. Na visão deles, o protecionismo levou à crise do mercado de ações de 1929 à depressão de uma década dos “Anos Sujos”. Eles realmente têm razão aqui, pois o protecionismo estrangula a economia capitalista. Barreiras tarifárias e desvalorizações competitivas significam que, em vez de comprar um bem estrangeiro produzido de forma mais eficiente (e, portanto, mais barata), você é obrigado a comprar um item doméstico mais caro e produzido com menos eficiência. Se você é o único que usa medidas protecionistas, exporta com sucesso o seu desemprego para outro país; mas quando todo mundo faz isso, em média, toda a economia mundial se torna menos eficiente. Você tem que realizar mais trabalho para obter menos coisas. É por isso que as grandes empresas se opõem às guerras comerciais e favorecem o livre comércio.

A autoproclamada “comunidade de nações” se queixa de que Trump está violando a “ordem internacional baseada em regras”. Isso significa que os trabalhadores devem apoiar esses liberais contra Trump? A “ordem internacional baseada em regras” promovida por países como Alemanha, França e Canadá é um eufemismo. São palavras bonitas para esconder a conduta de um ladrão e para compartilhar a pilhagem da exploração da classe trabalhadora mundial. Trump, o maior gângster, está apenas tentando reescrever os termos do acordo em seu próprio favor. Nossa opinião sobre essa luta é a mesma que diz respeito às diferenças entre a máfia de Nova York, a London Mob e a Tokyo Yakuza.

Mas, embora exista potencial para que uma guerra comercial agrave a recessão que se aproxima, assim como a dívida do subprime piorou a crise de 2008, a bolha pontocom em 2000 ou a crise do petróleo em 1973, nenhum desses fatores precipitantes realmente explica a causa da uma recessão. Faz mais de 10 anos desde a última crise global, um dos períodos mais longos de crescimento na história do capitalismo, e processos generalizados exigem uma explicação generalizada. Possivelmente, a melhor explicação para as causas profundas da crise capitalista vem do Manifesto Comunista:

“Nessas crises, surge uma epidemia que, em todas as épocas anteriores, teria parecido um absurdo – a epidemia da superprodução. A sociedade repentinamente se encontra novamente em um estado de barbárie momentânea; parece que uma fome, uma guerra universal de devastação, cortou o suprimento de todos os meios de subsistência; indústria e comércio parecem destruídos; e por quê? Porque há muita civilização, muitos meios de subsistência, muita indústria, muito comércio. As forças produtivas à disposição da sociedade não tendem mais a promover o desenvolvimento das condições da propriedade burguesa; pelo contrário, elas se tornaram poderosas demais para essas condições, pelas quais são restringidas, e assim que superam esses grilhões, trazem desordem para toda a sociedade burguesa, comprometendo a existência da propriedade burguesa. As condições da sociedade burguesa são muito estreitas para abranger a riqueza criada por elas”.

A evidência de superprodução é ampla e está se espalhando. Uma estatística econômica importante que mostra isso é a chamada “utilização da capacidade”. Isso mede quanto do potencial produtivo de máquinas e fábricas está realmente em uso para criar mercadorias. Globalmente, essa estatística está em declínio nos últimos 50 anos. Por exemplo, nos EUA, a utilização da capacidade ultrapassou regularmente 85% na década de 1970. No entanto, depois de cair para quase 65% durante a última crise, esse número não foi capaz de se recuperar. Agora, entre 20% e 25% das máquinas ficam ociosas, mesmo no chamado “auge”. Esse desperdício de potencial produtivo é uma acusação ao capitalismo no século 21, que Marx e Engels explicaram nos tempos vitorianos. Por outro lado, também mostra o potencial de uma sociedade que produza para satisfazer as necessidades, em vez de ganância. Da noite para o dia, poderíamos aumentar a produção em 20% apenas utilizando as forças produtivas existentes. Dirigiríamos esses recursos às necessidades genuínas das pessoas, ao fim da crise habitacional, à construção de infraestruturas de trânsito ambientalmente sustentáveis, escolas e hospitais etc.

Capacidade utilizada nos EUA

Outro exemplo da crise de superprodução é o acúmulo de “dinheiro morto” corporativo. Mark Carney, ex-governador do Banco do Canadá e agora governador do Banco da Inglaterra, chegou às manchetes em 2015, quando repreendeu as empresas por ficarem com o dinheiro e não investirem. Essa falta de investimento levou à estagnação da produtividade. Na época, no Canadá, o dinheiro morto era de pouco menos de US $ 700 bilhões. Os patrões responderam com indignação a esta crítica de “um dos seus”. Eles perguntaram por que investiriam no aumento da produtividade enquanto houvesse uma crise de utilização da capacidade. Por que gastar dinheiro para produzir mais mercadorias quando você já pode produzir mais do que o mercado pode absorver? Carney ficou em silêncio, assim como os jornalistas, mas o problema não desapareceu.

O “dinheiro morto” canadense aumentou em US $ 65 bilhões por ano, para um total de US $ 950 bilhões. Esses números podem ser repetidos em país após país. A classe bilionária está agindo como um dragão de um romance de Tolkien, sentado em sua pilha de ouro zelosamente guardada. Mas, se os trabalhadores ousarem pedir que esse tesouro seja usado para empregos, casas ou educação, receberão fumaça e fogo. Este é outro exemplo flagrante de porque a humanidade não pode mais viver com esse sistema monstruoso, que é completamente incapaz de promover a sociedade e deve ser destruído para que o povo prospere.

A contradição fundamental do capitalismo é que aos trabalhadores não se paga o valor total de seu trabalho. Portanto, os trabalhadores não podem comprar de volta os itens que acabaram de produzir. Mas, enquanto o poder de consumo da classe trabalhadora é restringido por uma série de fatores, os capitalistas individuais continuam planejando a produção como se não houvesse tais limitações. Isso inevitavelmente leva o sistema capitalista a crises recorrentes de superprodução.

Os capitalistas podem contornar isso temporariamente de várias maneiras. Eles podem reinvestir o produto excedente na produção. Mas fazer isso apenas agrava o problema, pois o aumento da produtividade no longo prazo leva à produção de mais itens que os trabalhadores não podem comprar. No momento, no entanto, como vimos com a utilização da capacidade e a crise do dinheiro morto, as empresas deixaram de investir novamente. Os patrões também podem exportar o produto excedente, mas novamente isso aumenta o potencial produtivo em outros países e recria a mesma crise de superprodução. Agora a guerra comercial de Trump está fechando as portas para esse método de adiar uma crise. Finalmente, eles podem impulsionar artificialmente o mercado, estendendo dívidas a trabalhadores, corporações e governos. Isso também pode funcionar por um período, mas eventualmente essas dívidas devem ser pagas com juros. Novamente, o Manifesto Comunista explica isso claramente:

“E como a burguesia supera essas crises? Por um lado, pela destruição forçada de uma massa de forças produtivas; por outro, pela conquista de novos mercados e pela exploração mais aprofundada dos antigos. Ou seja, abrindo o caminho para crises mais extensas e destrutivas e reduzindo os meios pelos quais as crises são evitadas”.

Em 2009, os governos resgataram os bancos e aumentaram enormemente a dívida. Agora, essa dívida permanece – pessoal, corporativa e governamental – mas uma nova crise está chegando. A classe capitalista utilizou quase todas as ferramentas à sua disposição para evitar outra crise. Ela utilizou todas as suas rotas de fuga e não sabe mais o que fazer. Tem um medo pânico das consequências sociais da “destruição forçada de uma massa de forças produtivas”, o que levaria a demissões e à miséria em massa. Há uma década, a burocracia trabalhista falida conseguiu fazer com que os trabalhadores mantivessem a cabeça baixa e não lutassem. Mas, nesse meio tempo, as ideias do socialismo se popularizaram de uma maneira que não se vê a gerações. O sistema político, país após país, está à beira do colapso neste período de crescimento modesto. Imagine-se o que acontecerá durante uma recessão generalizada.

Um comentarista político da CBC disse o seguinte:

“Estamos em território desconhecido, só há o sinal de que ‘aqui há monstros’. Nenhum de nós tem ideia de como isso vai acontecer, inclusive os economistas. Como vimos em 2008, os danos colaterais quando as coisas começam a dar errado podem ser devastadores. Pessoalmente, tenho um mau pressentimento sobre tudo isso”.

Teoricamente falando, não há “crise final” do capitalismo. Eles sempre encontrarão um mapa do caminho, de um jeito ou de outro. Mas os capitalistas não têm ideia de onde está esse mapa do caminho, e nós também não. Uma coisa é clara, no entanto: qualquer que seja a saída que encontrem, será às custas dos trabalhadores e dos pobres. Os patrões não podem mais levar a sociedade adiante e deixa-la à beira de um abismo. Devemos construir as forças que podem criar uma sociedade socialista como a única alternativa à catástrofe capitalista.

Tradução de Fabiano Leite.

Deixe Seu Comentário
x

Confira Também

O Future-se de Bolsonaro e o fim da autonomia das universidades

O combate ao Future-se, projeto apresentado no mês de julho pelo MEC, tem mobilizado docentes, ...