Foto: Joe Pette, Flickr

EUA: quando o chicote da reação não mais intimida as massas

Nos últimos dois anos, foram mortos pela polícia mais americanos negros do que os americanos mortos em combate no Afeganistão nos últimos 18 anos. Mais americanos negros foram mortos pela polícia nos últimos três anos do que as pessoas que morreram nos ataques de 11 de setembro de 2001. Combine isso com uma devastadora crise econômica e uma pandemia, e fica fácil entender por que um ponto de inflexão foi atingido, pois a raiva e a humilhação acumuladas durante séculos se espalham pelas ruas.

No início deste ano, no rascunho de Perspectivas para a Revolução Americana de 2020, escrevemos o seguinte:

“2008 transformou profundamente a consciência de bilhões de pessoas. Os estrategistas mais sérios do capital entendem e temem isso. O Edelman Trust Barometer entrevistou pessoas nos 28 principais países e descobriu que 56% da população acredita que ‘o capitalismo hoje faz mais mal do que bem ao mundo’ – incluindo 47% dos americanos.

“E o Maplecroft Global Political Risk Outlook concluiu que, ao longo de 2019, 47 países ‘testemunharam um aumento significativo nos protestos, que se intensificaram durante o último trimestre’. Isso representa 25% de todos os países do mundo. ‘A [resultante] interrupção nos negócios, nas economias nacionais e nos investimentos em todo o mundo totalizou bilhões de dólares’. Com uma nova crise econômica mundial no horizonte ou já em desenvolvimento, podemos esperar um descontentamento ainda mais generalizado em 2020 e mais além. E as ondas de revolução que varrem a América Latina, África, Oriente Médio, Ásia e Europa têm um impacto inevitável nos EUA. ”

Essa perspectiva agora foi confirmada. Nos dez dias desde o assassinato pela polícia de George Floyd em Minneapolis, os EUA foram abalados de cima para baixo por um movimento de massas de proporções sem precedentes. O movimento foi elementar e orgânico, emergindo com força diante da repressão brutal e de ainda mais assassinatos pela polícia. Mais de 200 cidades declararam toque de recolher e mais de 20 mil guardas nacionais foram mobilizados em 28 estados.

Establishment na defensiva

O movimento em escala nacional, que atingiu todos os cantos do país – dos principais centros urbanos às pequenas cidades conservadoras e sonolentas – colocou o establishment na defensiva. Eles agora foram forçados a fazer algumas concessões – acusando os outros três policiais envolvidos no assassinato e atualizando a acusação contra Chauvin – e até trouxeram o ex-presidente Barack Obama para tentar acalmar a situação.

Mas o atual presidente apenas derramou gasolina no fogo, declarando com uma Bíblia na mão: “Se uma cidade ou estado se recusar a adotar as ações necessárias para defender a vida e a propriedade de seus residentes, então mobilizarei as forças armadas dos Estados Unidos e rapidamente resolveremos o problema para eles”. Isso, depois que manifestantes pacíficos fossem dispersos com gás lacrimogêneo e cassetetes para dar espaço à sua sessão de fotos.

A repressão policial, no entanto, foi incapaz de conter o movimento. Em Louisville, Kentucky, a polícia matou outro homem negro desarmado, David McAtee. Os policiais alegaram que estavam “respondendo a disparos” da multidão, mas depois foi revelado que os policiais envolvidos haviam desligado as câmeras corporais e que sua justificativa está em desacordo com as testemunhas oculares. Foi assassinato. Novamente.

Mais de 9 mil pessoas foram presas, a maioria simplesmente por se manifestar. Cidade após cidade, os manifestantes desafiaram o toque de recolher. Em Los Angeles e Seattle, as multidões estão cantando: “Não vejo motim aqui, por que você está na equipe antimotim?

Tudo o que Trump faz é refratado pelo prisma da eleição presidencial de novembro. Ameaçar usar as forças armadas foi uma tentativa de jogar a “carta da lei e da ordem”, para aparecer como “forte”, enquanto pintava os democratas como “brandos” diante de “bandidos revoltados”.

Mas o jogo que ele está jogando é muito perigoso. A mobilização de forças armadas seria uma aposta de alto risco que poderia marcar um ponto sem retorno. O que aconteceria se os manifestantes não recuassem? E se as tropas se recusassem a disparar contra multidões de homens, mulheres e crianças? Se eles abrirem fogo, quantas pessoas poderiam matar antes que outros milhões se juntassem ao movimento, com rupturas militares ao longo das linhas de classe e com todas as embaixadas dos EUA no mundo pegando fogo?

Já houve incidentes (reais ou encenados) de confraternização entre os policiais e as multidões. Em um vídeo amplamente divulgado, um jovem negro se dirige a policiais negros dizendo que, sem seus uniformes, os ricos e seus próprios patrões os desprezam. Em outro vídeo, um policial é visto chorando e sendo substituído na linha depois de ser repreendido por uma garota negra implorando para que ele “se ajoelhasse!

O primeiro sinal de uma revolução iminente são as divisões da classe dominante, que não podem mais governar da maneira antiga. As migalhas econômicas do boom do pós-guerra acabaram e os bastões repressivos habituais estão perdendo sua eficácia, deixando os capitalistas e seus representantes políticos perplexos e enfrentando-se mutuamente.

Vimos muitos exemplos disso, especialmente desde 2016. Mas a atual convergência particularmente explosiva de fatores revelou essas divisões.

A mobilização das forças armadas – não da Guarda Nacional, mas do próprio Exército – sob a Lei da Insurreição de 1807, pode ser um tiro que lhes saia pela culatra. Como um negociante barato e golpista sem experiência militar, Trump parece pensar que as forças armadas são como uma torneira que você pode abrir e fechar à vontade, uma ameaça que será obedecida e temida sem questionar. Mas os estrategistas sérios no Pentágono sabem que, uma vez que joguem a carta “enviar as tropas” – ficam literalmente sem cartas.

As Forças Armadas dos EUA são essencialmente a única instituição do regime capitalista que ainda possui um alto índice de aprovação. São compostas principalmente por irmãos, irmãs, pais, mães, primos, filhos etc., e são vistas como um heroico defensor da “liberdade americana“. Mas se forem usadas contra a população civil – uma população que leva a sério sua “liberdade da tirania” – então todas as apostas serão canceladas. Seria o mesmo que declarar guerra à população dos EUA – uma guerra que não teria garantida a vitória sem minar permanentemente sua capacidade de manter seu governo.

Um editorial do Wall Street Journal expressou isso dessa forma:

“Achamos que isso seria um erro, embora Trump tenha a autoridade … No momento atual, a visão de tropas nas ruas dos EUA provavelmente inflamará mais a situação do que a acalmará. Os soldados americanos são treinados para combater um inimigo externo, não para o controle de tumultos contra os americanos. O risco de erros seria alto e Trump seria responsabilizado por qualquer derramamento de sangue dos confrontos de civis com as tropas … ”

Eles têm medo, não apenas dos “erros”, mas do impacto que os assassinatos de civis por militares em serviço teriam na opinião pública. Eles também têm medo das consequências do envio de soldados – a maioria dos quais são recrutas com uma grande proporção de negros e latinos – para combater manifestantes desarmados que marcham contra assassinatos racistas pela polícia.

Houve relatos de organizações de veteranos de que alguns soldados e guardas nacionais em serviço ativo se opõem a serem destacados nessas circunstâncias. Um guarda que atua como médico em uma unidade de infantaria é citado como tendo dito: “Eu não posso fazer isso. Até olhar para o meu uniforme está me deixando enjoado por estar associado a isso, especialmente depois que [a Guarda Nacional] atirou no homem que era dono daquela churrasqueira [em Louisville, Kentucky]. Eu moro na Pensilvânia. Eu moro com a história do estado de Kent. Não faço parte disso“. O Military Times também informou sobre o crescente clima de descontentamento entre as tropas que podem ser usadas contra os manifestantes.

Divisões no topo

A mobilização das Forças Armadas também poderia provocar uma profunda crise constitucional, com uma divisão aberta no aparato estatal sobre a legalidade de invocar a Lei da Insurreição. É por isso que, a partir do momento em que Trump ameaçou trazer o Exército para as ruas, houve um poderoso rechaço de setores do estado capitalista. Não porque sejam menos insensíveis ou mais democráticos que Trump, mas porque temem que tal ação, em vez de esmagar o movimento e colocar a situação “sob controle”, possa ter o efeito oposto. Eles temem minar a Constituição dos EUA ainda mais do que já foi minada, já que é o baluarte legal do domínio capitalista no país.

Um artigo na CNN relatou que havia uma oposição no Pentágono ao envio de tropas: “As autoridades de defesa dizem à CNN que houve um profundo e crescente desconforto entre alguns no Pentágono antes mesmo de o presidente Donald Trump anunciar na segunda-feira que está pronto para enviar os militares para fazer cumprir a ordem dentro dos Estados Unidos”.

O ex-secretário de Defesa de Trump “Mad Dog” Mattis criticou o presidente, mostrando as divisões ocorridas na classe dominante Foto: Monica King

O ex-secretário de Defesa de Trump, “Mad Dog” Mattis, também interveio, com um artigo no The Atlantic no qual descreveu Trump como uma “ameaça à Constituição” e, de fato, pediu que ele fosse removido: “Podemos nos unir sem ele, aproveitando os pontos fortes inerentes à nossa sociedade civil. Isso não será fácil, como mostraram os últimos dias, mas devemos isso aos nossos concidadãos”. Novamente, este é um movimento sem precedentes. Um general da Marinha aposentado e ex-secretário de Defesa pedindo a remoção do presidente!

O ex-chefe do Estado-Maior Conjunto, almirante aposentado Mike Mullen, acrescentou sua voz aos que rejeitam o uso do Exército. Ele o fez com um apelo mais ou menos velado para que os soldados desobedecessem às ordens: “Eu continuo confiante no profissionalismo de nossos homens e mulheres de uniforme. Servirão com habilidade e compaixão. Eles obedecerão a ordens legais. Mas estou menos confiante na solidez das ordens que serão dadas por este comandante em chefe”.

John Allen, um general aposentado da Marinha de quatro estrelas, ex-comandante das forças americanas no Afeganistão e ex-enviado presidencial especial da Coalizão Global para combater o ISIS, sob Obama, escreveu que as ações e ameaças recentes de Trump “podem muito bem sinalizar o início do final do experimento americano“. Não esqueçamos que uma das razões iniciais pelas quais a Revolução Americana foi travada foi para protestar contra a tirania de ter tropas regulares estacionadas nas cidades americanas.

E embora Trump e seus bajuladores raivosos culpem os “extremistas de esquerda” pelo caos e tenham se adiantado para classificar “Antifa” como uma organização terrorista doméstica, o FBI concluiu que não há evidências de um movimento organizado “Antifa” – embora tenham prendido extremistas de extrema direita por complôs terroristas.

Toda essa pressão levou a mais um movimento sem precedentes, revelando novamente a profundidade das divisões na classe dominante. O atual secretário de Defesa, Mark T. Esper, tornou pública na quarta-feira sua oposição à invocação da Lei da Insurreição, contradizendo abertamente o presidente. Este é um incidente altamente significativo, que mostra que o estado capitalista possui certos mecanismos para controlar até o presidente mais independente. Mas antes que o dia terminasse, houve outra reviravolta na história.

O Washington Post informou que, enquanto o Exército planejava enviar para casa soldados ativos que haviam sido enviados para Washington, DC, “o plano foi revertido na quarta-feira após uma reunião na Casa Branca envolvendo o secretário de Defesa Mark T. Esper“.

Existe uma luta poderosa que desgarra o topo da classe dominante e seu aparato estatal, que sempre acontece em todo lugar onde emerge um movimento de massa de tais proporções. Há quem pense que devam ser feitas concessões para apaziguar o movimento, enquanto outros exigem um punho de ferro. Os primeiros argumentam que a repressão só levará a uma escalada do movimento. Os últimos dizem que mostrar suavidade é o que fará o movimento escalar. Neste ponto do desenvolvimento dos protestos, ambos estão errados e ambos estão corretos.

Não devemos subestimar o alcance, a amplitude e a profundidade do movimento de massas que se desenvolveu nas últimas duas semanas. Este não é um país qualquer. Este é o país imperialista mais poderoso que a Terra já viu, um país cuja classe dominante aterrorizou grande parte do mundo e grande parte de sua população durante séculos.

As contradições vêm à tona

O movimento é o resultado do acúmulo de vários fatores. Por um lado, baseia-se na experiência da onda original do movimento Black Lives Matter e na percepção de que nada de fundamental mudou. A isso, devemos acrescentar a experiência do movimento Occupy de 2011, inspirado na Primavera Árabe e no levante de Wisconsin. Há também a experiência das campanhas de Bernie Sanders de 2016 e 2020, que radicalizaram toda uma camada de pessoas, principalmente a juventude, colocando o socialismo firmemente na agenda. A conclusão inevitável que muitos tiraram da traição de Sanders é que o campo eleitoral está bloqueado, empurrando-os para as ruas.

Depois, há o tratamento da pandemia da Covid-19, que revelou a natureza real do sistema capitalista, em que os lucros vêm antes das vidas humanas – mais de 100 mil vidas até agora, para sermos precisos. E ainda por cima, há a recessão mais profunda que o capitalismo americano já viu, lançando dezenas de milhões de pessoas no desemprego no espaço de poucas semanas.

Toda a experiência de vida da geração jovem, que é a força motriz do movimento, foi marcada por crises, incertezas e falta de perspectiva de um futuro melhor. Eles não têm nada a perder Foto: own work

A geração jovem, que é a força motriz do movimento, tornou-se politicamente consciente após a crise de 2008 e o resgate dos bancos. Toda a sua experiência de vida foi marcada por crises, incertezas e falta de perspectiva de um futuro melhor. Eles não têm nada a perder. No momento, eles não têm alternativa. Essa raiva desenfreada é o que dá ao movimento atual sua energia ilimitada diante da repressão brutal.

Nisso, a revolta nos EUA tem muitos pontos em comum com as revoltas de outubro de 2019 no Chile, Catalunha, Líbano etc. A geração da crise capitalista de 2008 está na linha de frente das revoltas que estão se espalhando como incêndios florestais em todo o mundo, que começaram inclusive antes da pandemia de Covid-19 e que vão se intensificar no próximo período.

Mas não são apenas os jovens que estão questionando o sistema. Eles podem contar com a simpatia da maioria da população, incluindo uma grande percentagem de eleitores republicanos. Uma pesquisa da Morning Consult, realizada entre 31 de maio e 1º de junho, mostrou que “54% dos adultos americanos – incluindo 69% dos democratas, 49% dos independentes e 39% dos republicanos – apoiam os protestos em andamento em resposta à morte de George Floyd, e outros negros americanos”.

Ainda mais surpreendente, uma pesquisa separada, publicada pela Newsweek, constatou que a maioria dos americanos (54%) “acredita que o incêndio no prédio da delegacia de Minneapolis após a morte de George Floyd foi justificado“!

Atualmente, o caráter amplamente espontâneo do movimento e sua falta de liderança, programa ou estratégia nacional são sua força, pois isso torna muito mais difícil para os democratas e liberais cooptá-lo. Mas, a certa altura, essa falta de clareza e foco será inevitavelmente transformada em uma fraqueza debilitante e potencialmente fatal.

Naturalmente, qualquer movimento desse tamanho que dure mais de alguns dias começa a impulsionar sua própria liderança natural. Há relatos de comitês de bairro sendo criados em áreas pobres de negros e latinos, começando em Minneapolis, o epicentro do movimento. Diante da ameaça da polícia, dos saqueadores e das milícias de extrema direita, as pessoas começaram a se organizar para se defender e, em alguns casos, de armas nas mãos.

Um relatório dramático de Minneapolis descreve a situação:

“Preciso que todos saibam que meus vizinhos e eu estávamos fora até que não pudemos mais continuar. Algumas pessoas ficam acordadas a noite toda, para que outros possam descansar um pouco. Eu realmente preciso deixar claro que a polícia e a guarda nacional NÃO mantiveram nosso bairro seguro – nós que o fizemos. A polícia não reagiu a dois carros colidindo com uma barricada – nós reagimos. A polícia não impediu que várias pessoas invadissem o banco, o shopping, a oficina – nós o fizemos. A polícia não perseguiu nacionalistas brancos e pessoas estranhas ao nosso quarteirão – nós o fizemos. A polícia não verificou vizinhos vulneráveis para ajudá-los a se manter seguros em casa – nós o fizemos. A guarda nacional não limpou nossa rua, não trouxe comida para onde era necessário ou transferiu pessoas vulneráveis para hotéis – nós o fizemos. Portanto, não credite a segurança de ninguém à crescente presença militarizada em Minneapolis. Não ao [governador] Walz, ao [prefeito] Fey, aos porcos ou guardas. O crédito precisa ir para os vizinhos e membros da comunidade que se cuidam. É imperfeito e tenso, mas é melhor do que o que tínhamos antes”.

Este é o caminho a seguir. A generalização dos comitês democráticos de vizinhos não apenas garantiria a autodefesa do povo nas áreas da classe trabalhadora, mas também proporcionaria ao movimento uma estrutura democrática e responsável. Os comitês que já existem em forma embrionária em diferentes partes de Minneapolis devem se vincular através de uma rede de delegados eleitos e convocados. A Federação do Trabalho de Minneapolis deve mobilizar seus membros e comprometer todos os seus recursos para facilitar o vínculo desses comitês na área metropolitana de Twin Cities e além.

Nem Trump, nem Biden, mas o poder dos trabalhadores!

A violência organizada e o poder do Estado precisam ser enfrentados com a força do movimento dos trabalhadores organizado. As declarações e ações dos trabalhadores do trânsito em várias cidades, que declararam que não fornecerão apoio material à polícia em seus esforços para encurralar manifestantes, são apenas uma indicação desse poder.

Os manifestantes do lado de fora da Casa Branca forçaram o presidente a fugir para um bunker e as luzes desse símbolo do poder capitalista foram apagadas por medo de atrair a atenção dos manifestantes. A classe trabalhadora mobilizada e organizada pode paralisar todo o país – e apagar todo o sistema.

Nos últimos meses, ocorreram mais de 220 greves em protesto contra pagamento, segurança e condições de trabalho durante a pandemia. Na maioria dos casos, são lideradas por camadas desorganizadas da classe. Esta é a força que precisa ser aproveitada para que esse movimento avance. A juventude deve se voltar para os trabalhadores, que já simpatizam com o movimento, e o trabalho organizado deve romper sua aliança ímpia com os Democratas, que rompem greves e protestos, e se lançarem de todo coração na luta. Imagine-se o que aconteceria se dezenas de milhões de trabalhadores, organizados e desorganizados, deixassem de trabalhar em uma greve geral total, começando em Minneapolis e se espalhando nacionalmente!

Mas a dura verdade é a seguinte: se o movimento não se organizar e canalizar sua energia para provocar mudanças fundamentais, o rio enfurecido acabará voltando às suas margens – mesmo que o curso do rio tenha mudado para sempre. Esta é a lição trágica dos últimos mais de cem anos, repetida várias vezes à medida que as massas se erguem espontaneamente, sem uma liderança preparada com antecedência e disposta a chegar ao final da luta com a derrubada do capitalismo.

Foi necessário o incêndio da Terceira Delegacia de Polícia em Minneapolis para forçar a apresentação de acusações contra Chauvin. Foram necessários 10 dias de ações massivas, sustentadas em todo o país, para forçar o Estado a apresentar queixa contra os outros três policiais responsáveis pelo assassinato de George Floyd. Essas concessões simbólicas devem ser celebradas, mas estão longe de serem suficientes. No momento em que as massas saírem das ruas, o Estado retrocederá e se preparará para uma sentença de absolvição ou, na melhor das hipóteses, uma sentença branda.

O movimento já foi muito além do assassinato de George Floyd. Todo o sistema é culpado. O movimento está questionando todo o sistema capitalista racista que matou outro homem negro apenas por causa da cor de sua pele. Seu assassinato insensível acabou sendo o acidente histórico que desencadeou a necessidade reprimida. Como disse sua filha de seis anos, Gianna: “Papai mudou o mundo“.

Devemos levantar o lema da derrubada de Trump. No entanto, isso significa necessariamente discutir quem o substituirá. Nosso objetivo não é substituí-lo por Mike Pence ou Joe Biden. Os prefeitos e governadores das cidades e estados onde pessoas pobres são mortas por policiais racistas são, principalmente, democratas. Os prefeitos e governadores das cidades e estados onde a polícia e a Guarda Nacional usaram a repressão brutal contra os manifestantes são, principalmente, democratas. Biden sugeriu que, se ele chegasse ao poder, poderia mudar o policiamento, treinando, por exemplo, a polícia para “atirar na perna e não no coração“. O que mais é necessário para provar que não há diferença fundamental entre os dois partidos do establishment capitalista? Que não existe um “mal menor”?

O que é necessário é um partido socialista de massas, da classe trabalhadora, conectado organicamente ao trabalho organizado e à classe trabalhadora mais ampla. Tal ferramenta é necessária para atrelar a energia e a raiva da juventude, concentrando-a na derrubada de todo o sistema capitalista racista e em crise. Também precisamos de um grupo de revolucionários profissionais, embebidos na teoria marxista e temperados nas lutas de nossa classe, para infundir o futuro partido de massa com a independência intransigente de classe e com a visão de longo prazo da história.

Esse movimento heroico é uma inspiração para o mundo inteiro. Afinal, se esses eventos podem acontecer no “ventre da besta”, podem acontecer em qualquer lugar!

O que estamos testemunhando ainda não é a Terceira Revolução Americana. Mas essas são, sem dúvida, as cenas iniciais de uma época revolucionária, que terminará “em uma reconstituição revolucionária da sociedade em geral, ou na ruína comum das classes em conflito“. Em suma, o próprio destino da humanidade está em jogo se quisermos sobreviver às catástrofes combinadas de mudanças climáticas, coronavírus e capitalismo. A escrita está na parede deste sistema e de seus defensores. A única maneira de “achatar a curva” da enfermidade capitalista é se organizar para erradicá-la completamente no próximo período histórico.

  • Lutar contra policiais assassinos, lutar contra o capitalismo!
  • Pela unidade da classe trabalhadora – uma ofensa a uma só pessoa é uma ofensa a todos!
  • Criar comitês de autodefesa de bairros democraticamente eleitos e responsáveis em todos os lugares!
  • O trabalho organizado deve se juntar ao movimento, facilitar a ligação de comitês de bairro, convocar uma greve geral e parar o país!
  • Abaixo Trump, os Republicanos e os Democratas! Por um partido socialista de massas da classe trabalhadora e por um governo operário!

TRADUÇÃO DE FABIANO LEITE.

PUBLICADO EM MARXIST.COM

Deixe Seu Comentário