Foto: Jeff Sullivan Photography

EUA: incêndios florestais, catástrofes empilhadas

Partes dos EUA foram atingidas por incêndios florestais devastadores: uma trágica consequência da mudança climática e da negligência capitalista. Com as pessoas na Costa Oeste já enfrentando a Covid-19, vários desastres estão sendo empilhados um em cima do outro.

Em meio à nova normalidade da pandemia e do colapso econômico, os californianos estão experimentando outra consequência catastrófica do capitalismo: a temporada de incêndios florestais. Nos últimos anos, assistimos à devastação em massa em todo o estado, exemplificada pela “fogueira” que destruiu a cidade Paradise. Muitos moradores perderam suas casas, enquanto as pessoas em San Francisco, Oakland e em outras partes de East Bay tiveram que lidar com a qualidade tóxica do ar. Os incêndios florestais deste ano também são severos, sendo o incêndio do complexo LNU [norte de São Francisco] o segundo maior da história da Califórnia.

Como resultado, a qualidade do ar voltou a ser desastrosa. Os californianos já estavam isolados em suas casas devido à Covid-19 e, agora, não podem sequer fazer caminhadas socialmente distanciados uns dos outros sem inalar fumaça tóxica. As contradições do capitalismo se manifestam no que pode ser descrito como um inferno: apagões durante as ondas de calor, ar envenenado, a possibilidade de perda da moradia ou de morrer em um incêndio, tudo isso no isolamento devido às condições críticas da Covid-19.

A temporada de incêndios deste ano foi particularmente intensa porque as tempestades sazonais geraram relativamente pouca precipitação. Devido às mudanças climáticas, as secas pioraram continuamente, afetando radicalmente o substrato da Califórnia e proporcionando condições ideais para os incêndios. Em particular, uma empresa desempenhou um papel especialmente pernicioso nisso: a Pacific Gas & Electric (PG&E).

Durante anos, a PG&E negligenciou os reparos e necessitava de investimentos em favor do pagamento de dividendos aos acionistas. O campo de fogo, de longe o pior da história da Califórnia, foi causado principalmente pela PG&E. Em 30 de junho, o governador Gavin Newsom e a legislatura estadual aprovaram o projeto de lei SB350 da Califórnia para “resolver” a situação, permitindo que o estado interviesse se a PG&E não operasse dentro de parâmetros seguros. Mais especificamente, afirma que se os protocolos adequados não forem seguidos, o governador ou uma pessoa nomeada pode transformar a PG&E em empresa sem fins lucrativos de benefício público.

Se isso acontecesse, seria fundamental levar em conta que ela ainda seria uma corporação. Os trabalhadores de organizações sem fins lucrativos ainda assim são explorados e, em última análise, as organizações sem fins lucrativos ainda necessitariam gerar receita, mesmo que legalmente vinculadas à ideia abstrata de “bem público”. Uma olhada nas várias organizações sem fins lucrativos com CEOs [Diretores-gerais ou Presidentes das empresas] multimilionários confirma isso.

As corporações sem fins lucrativos, como suas contrapartes com fins lucrativos, têm que operar dentro dos limites do capitalismo. Simplesmente mudar a forma corporativa da PG&E não é suficiente. A única maneira de lidar efetivamente com a PG&E é torná-la de propriedade pública, para ser operada no interesse público com base no controle democrático dos trabalhadores. Isso daria à classe trabalhadora da Califórnia uma expressão real sobre o manejo da empresa.

A crueldade do capitalismo

Mas o cruel absurdo da incapacidade do capitalismo de lidar com o problema vai muito além disso. O motivo pelo qual o combate a incêndios se tornou mais difícil neste ano foi a falta de trabalho penitenciário. Centenas de prisioneiros foram (com razão) liberados da prisão mais cedo como medida para impedir a disseminação da Covid-19. No entanto, como o estado sempre dependeu muito do trabalho prisional no combate a incêndios no passado, isso enfraqueceu gravemente os esforços de contenção.

O New York Times observou recentemente que a Califórnia simplesmente não tem fundos para sustentar um número adequado de bombeiros. Portanto, pagar aos prisioneiros US $ 1 por hora para combater incêndios – essencialmente, uma “remuneração” no nível da escravidão – era a única opção disponível, considerando o orçamento. Mas consideremos isso. A Califórnia tem o maior PIB de todos os estados dos EUA – mais de US $ 3 trilhões – muito mais do que a maioria dos governos mundiais. Também é o lar de 165 bilionários – o maior número do país.

Portanto, o argumento de que não há dinheiro suficiente para desenvolver uma estratégia eficaz de lidar com a temporada de incêndios florestais não tem fundamentos. Mark Zuckerberg e Jeff Bezos têm propriedades de terras na Califórnia, e bastando suas fortunas pessoais se poderiam financiar programas de combate a incêndios. No entanto, a lógica do capitalismo determina que esses cavalheiros mantenham suas riquezas obscenas enquanto o restante de nós queima e sufoca.

Embora Ronald Reagan tenha vindo da Califórnia, o estado é rigidamente controlado pelo Partido Democrata. Esses defensores liberais e apologistas do capitalismo mostraram-se absolutamente incapazes de resolver qualquer um dos problemas reais enfrentados pela maioria da classe trabalhadora da Califórnia. O aumento da população desabrigada, os aluguéis intoleráveis e o medo anual de perder nossas casas para incêndios são apenas algumas das maneiras pelas quais eles nos decepcionaram.

Se quisermos lidar com esses e outros problemas, precisamos ir além de apenas assumir o controle da PG&E – precisamos trazer as principais empresas do estado à propriedade pública, começando com as 53 empresas sediadas no estado que atualmente figuram na lista Fortune 500.

Utilizando esses recursos, poderíamos lançar um programa massivo de combate a incêndios para contratar pessoal com experiência relevante, enquanto se poderiam treinar rapidamente milhares de outras pessoas para fazer o mesmo, ao mesmo tempo em que se garanta a continuidade do emprego com salários sindicais dignos e proteções quando os incêndios forem extintos. Ao mesmo tempo, poderíamos traçar um plano de ação baseado cientificamente para resolver os problemas ambientais da Califórnia a fim de conter os incêndios que escapem ao controle tanto quanto possível.

Em última instância, não podemos confiar em Gavin Newsom, no Senado da Califórnia, na Assembleia ou no governo federal para resolver nossos problemas. Somente o poder dos trabalhadores, organizado em um partido socialista de massas e com um governo formado pelos trabalhadores, pode lançar as bases para lidar com as catástrofes do capitalismo.

TRADUÇÃO DE FABIANO LEITE.

PUBLICADO EM SOCIALIST.NET

Deixe Seu Comentário