EUA: a “Lei de Redução da Inflação” dos Democratas – uma tentativa desesperada de salvar as aparências

A presidência de Biden tem sido um desastre, um reflexo do sistema em crise que ela representa. Seu índice de aprovação atualmente é de apenas 41% – um pouco acima de um recorde de baixa de 38%. O Congresso, controlado pelo partido de Biden, tem 17% de aprovação. Outra pesquisa diz que 74% do país acredita que está no caminho errado. Esses não são bons números para as eleições de meio de mandato de novembro de 2022, se os democratas quiserem manter o controle – mesmo quando cinicamente tentam aproveitar a raiva contra Roe vs. Wade para ganhar votos. Tudo isso é muito preocupante do ponto de vista da classe dominante, que esperava que Biden pudesse estabilizar a situação após os anos caóticos de Donald Trump.

É nesse contexto que a aprovação da Lei de Redução da Inflação (IRA) tem sido celebrada na imprensa liberal como uma grande vitória para o governo Biden e para o Partido Democrata como um todo. A IRA foi bem recebida nos círculos liberais como um conjunto de reformas significativas que ajudarão os americanos comuns enquanto combatem as mudanças climáticas. Depois que o Plano Build Back Better (BBB) ​​de Biden foi morto em novembro passado – devido à oposição dos senadores democratas – muitos duvidaram que os democratas fossem capazes de aprovar qualquer legislação significativa.

A impopularidade de Biden preocupa a classe dominante, que esperava que ele pudesse estabilizar a situação após os anos caóticos de Donald Trump / Imagem: Gage Skidmore, Flickr

Embora grande parte do BBB original tenha sido totalmente eliminado, incluindo investimento em infraestrutura e financiamento para programas de bem-estar social, alguns aspectos menores permanecem. Estes incluem a extensão de alguns subsídios para o Obamacare, supostos avanços “históricos” nos gastos com energia e no “enfrentamento” das mudanças climáticas e novos cortes de impostos/despesas para pagar a conta. Mas uma avaliação honesta do projeto mostra que é simplesmente uma situação em que a classe dominante está reorganizando as cadeiras de um navio afundando, com a esperança de inspirar mais confiança no partido favorito do capital americano.

Saúde: muito pouco e você só consegue muito tempo depois

Os novos gastos com saúde se enquadram em duas categorias: uma extensão dos subsídios de 2021-2022 ao Affordable Care Act (ACA) e um aumento nos benefícios de medicamentos prescritos do Medicare. Os subsídios ao ACA, aprovados em 2021, pagam parte ou a totalidade dos benefícios de saúde de uma família, com base na renda familiar. Embora estender esse subsídio forneça algum espaço para aqueles que se qualificarem, isso apenas adiará o dia em que milhões terão que voltar a pagar os olhos da cara pelos cuidados de saúde – ou ficar completamente sem eles. Além disso, esse subsídio é em grande parte uma esmola para as seguradoras de saúde, pois não fornece assistência médica diretamente aos beneficiários, mas usa recursos federais para pagar empresas privadas de saúde em nome dos beneficiários.

Outra disposição permite que o governo federal negocie preços de medicamentos para o Medicare com empresas farmacêuticas, mas com limitações. Primeiro, as negociações não começarão antes de quatro anos, em 2026. Segundo, aplica-se apenas a certos tipos de medicamentos e é limitado a dez medicamentos no primeiro ano, expandindo para 60 negociações de preços de medicamentos até 2029. Se as estimativas da IRA forem corretas, esta provisão economizará ao governo federal US$ 99 bilhões em dez anos. Mas isso realmente significa apenas reduzir os generosos subsídios federais à indústria farmacêutica, a serem reinvestidos em outros lugares de interesse dos capitalistas como um todo. Como isso ajuda os trabalhadores e aposentados que não podem pagar por seus remédios agora?

As mudanças nos benefícios de prescrição do Medicare são mais substanciais. A expansão do Medicare aumenta os benefícios, colocando limites nos custos dos medicamentos prescritos. Dois exemplos notáveis ​​são um limite de US$ 35 em co-pagamentos para insulina e um limite anual de US$ 2.000 em co-pagamentos para todos os medicamentos prescritos. Penalidades também serão impostas às empresas farmacêuticas que aumentarem os preços dos medicamentos a uma taxa superior à inflação geral. Essas reformas modestas fornecem algum benefício, ainda que pequeno, para a classe trabalhadora, e terão que ser defendidas de ataques no futuro. Mas, como vimos na decisão sobre o aborto da Suprema Corte neste verão, não há ganhos seguros vindos da classe capitalista. Mais importante, isso está muito aquém do que é realmente necessário: um sistema de saúde socializado, com atendimento gratuito para todos.

A IRA de Biden fica muito aquém do que é realmente necessário: um sistema de saúde socializado, com atendimento gratuito para todos / Image Molly Adams, Flickr
 

Financiando o estado capitalista

Uma das grandes mudanças entre o BBB e o IRA é a questão do financiamento. Novos impostos e fiscalização, em conjunto com cortes de gastos na IRA, resultarão em uma diminuição líquida do déficit. As principais fontes para essas economias são: aumento da fiscalização do IRS* resultante do aumento do financiamento para o IRS (US$ 124 bilhões); economias resultantes da reforma do Medicare (US$ 283 bilhões); e dois novos impostos (US$ 296 bilhões).

O primeiro novo imposto é um imposto mínimo de 15% sobre qualquer lucro que as corporações reportem aos acionistas, que deve arrecadar US$ 222,2 bilhões. Antes da IRA, muitas empresas como Amazon, Nike e FedEx não pagavam impostos, apesar de registrarem lucros. Por meio de brechas, deduções e créditos, dezenas de empresas da Fortune 500* regularmente não pagam impostos sobre os lucros, apesar do imposto existente de 21% sobre os lucros corporativos. Com esse novo imposto, as empresas com renda anual de US$ 1 bilhão ou mais devem pagar 21% dos lucros com deduções ou 15% sem deduções – o valor que for maior.

O segundo novo imposto é um imposto de 1% sobre as empresas que compram de volta suas próprias ações. As recompras de ações são uma maneira de as empresas aumentarem os preços das ações para beneficiar seus acionistas sem realmente investir na produção. Após a crise de 2008, o governo federal adotou políticas monetárias de juros baixos e flexibilização quantitativa para tentar sustentar a economia. No entanto, essas políticas não conseguiram mudar significativamente os hábitos de investimento dos capitalistas, que geralmente preferem usar seus lucros para se envolver em recompras de ações, fusões e investir em ativos especulativos. Os capitalistas investem para obter o máximo de lucro possível. Embora os incentivos e desincentivos fiscais possam encorajar ou desencorajar o investimento capitalista em empreendimentos marginalmente lucrativos, eles não podem forçar os capitalistas a investir em um projeto não lucrativo ou impedi-los de investir em um empreendimento lucrativo.

Tomados em conjunto, esses cortes de impostos e gastos equivalem a uma redistribuição de fundos de capitalistas individuais para a classe capitalista como um todo na forma do estado burguês. As empresas farmacêuticas podem receber menos dinheiro do estado, e algumas empresas lucrativas pagam impostos mais altos, mas nada disso faz alguma coisa para melhorar os salários, benefícios ou condições de trabalho dos trabalhadores – muito menos desafiar qual classe governa a sociedade.

Mudanças climáticas e energia: mantendo os combustíveis fósseis ao lado de incentivos de energia verde

Pesquisadores do Instituto de Pesquisa em Economia Política (PERI) da Universidade de Massachusetts em Amherst explicaram no Greenhouse 100Index como apenas um punhado de empresas é responsável por uma grande proporção das emissões de gases de efeito estufa dos EUA. A IRA não faz nada para resolver isso. Apesar disso, as partes da IRA que receberam mais atenção, tanto positivas quanto negativas, são as disposições destinadas a lidar com as mudanças climáticas. Isso inclui incentivos fiscais para indivíduos comprarem carros elétricos, instalarem fontes de energia renováveis ​​e atualizarem os sistemas de aquecimento doméstico. Incentivos fiscais também são concedidos às empresas para reduzir emissões e fabricar tecnologias de energia renovável.

A IRA exige que o governo federal ofereça pelo menos dois milhões de acres de terras públicas e 60 milhões de acres de águas públicas para concessões de petróleo e gás a cada ano / Imagem: Ed Webster, Flickr
 

Os democratas foram rápidos em comemorar isso como uma grande vitória para o combate às mudanças climáticas, apontando que este é o maior investimento federal em energia limpa e redução de emissões já feito (US$ 369 bilhões). Os democratas afirmaram ainda que com este projeto de lei, as emissões de carbono serão reduzidas em 40% dos níveis de 2005 até o final da década. Modelos corroboram essa afirmação, mas ela é enganosa, pois sem o projeto de lei os mesmos modelos mostram que o país já está a caminho de uma redução de cerca de 35% nas emissões.

Outras disposições da IRA exigem que o governo federal ofereça pelo menos dois milhões de acres de terras públicas e 60 milhões de acres de águas públicas para concessões de petróleo e gás a cada ano que qualquer novo projeto eólico ou solar seja lançado em terras públicas. Uma série de reformas de licenciamento também estão incluídas no projeto de lei com o objetivo de agilizar dutos e outros projetos de energia, em particular um gasoduto de gás natural na Virgínia Ocidental.

O verdadeiro problema com a maneira como a IRA tenta lidar com as mudanças climáticas é que ele deixa essa tarefa colossal para os capitalistas e o mercado. Claro, isso é exatamente o que deveríamos esperar dos democratas e do “presidente dos combustíveis fósseis”, Joe Biden. Enquanto alguns da esquerda borram a linha de classe e argumentam que os democratas podem ser “pressionados” ou trabalhados, os próprios democratas sempre deixaram claro que são um partido capitalista de ponta a ponta. Assim como as políticas fiscais não podem impedir as práticas improdutivas de investimento dos capitalistas, os incentivos fiscais não podem forçar os capitalistas a combater as mudanças climáticas. A energia renovável representa um problema difícil para o investimento capitalista, uma vez que existem as tecnologias que podem produzir energia barata, não há muito lucro com a produção de energia, a menos que haja um monopólio. Embora os créditos possam encorajar alguns capitalistas que procuram obter uma imagem “verde” a reduzir as emissões, o investimento necessário para eliminar as emissões na produção não tem como se tornar lucrativo para a classe capitalista como um todo.

É por isso que a única maneira de enfrentar seriamente as mudanças climáticas é por meio de uma economia democrática e racionalmente planejada em escala mundial, ou seja, o socialismo internacional. Enquanto a produção for controlada por uma minoria que busca extrair o máximo de lucro possível, os efeitos de longo prazo no mundo e na sociedade não podem ser levados seriamente em consideração. Ao contrário do status quo sob o capitalismo, uma sociedade socialista planejaria a produção para satisfazer as necessidades humanas de uma forma que não prejudique a continuidade da existência de nossa espécie no planeta.

O beco sem saída do capitalismo

Taxas de inflação historicamente altas vêm atingindo os trabalhadores por mais de um ano / Imagem: Chris Yarzab, Flickr

Chamar essa legislação de “Lei de Redução da Inflação” é um mero truque de relações públicas. A ideia básica é que, como esse projeto reduz o déficit e alguns preços de medicamentos, pressionará a inflação para baixo. Isto é ridículo. As taxas de inflação historicamente altas têm atingido os trabalhadores há mais de um ano por várias razões, incluindo as políticas monetárias irresponsáveis que a classe dominante utilizou para manter o capitalismo à tona em 2020 e as ondas de choque econômicas da guerra na Ucrânia. Claro, a razão para nomear esse projeto de “Lei de Redução da Inflação” é para que os democratas possam ser vistos como “fazendo algo” para combater a inflação. Mas essas medidas não fazem nada para resolver a natureza não planejada do mercado capitalista, os gargalos na produção e distribuição de mercadorias ou o aumento do protecionismo e das sanções, que são componentes importantes do quadro geral da inflação.

Os democratas não conseguiram consagrar o direito ao aborto em lei – embora os democratas controlassem tanto o Congresso quanto a Casa Branca sob Carter, Clinton e Obama. Agora, após essa traição, eles incitam os eleitores a votar neles para proteger esse direito. Na ausência de uma alternativa viável da classe trabalhadora, alguns eleitores caíram nessa armadilha. Mas muitos outros se perguntam por que deveriam se importar em votar nos democratas. A juventude, em particular, está cada vez mais enojada com ambos os partidos, com uma pesquisa recente mostrando que 26% dos jovens “não sabem ou se recusam a dizer qual partido querem que controle o Congresso”. Este é um sinal claro de para onde a consciência política está indo, nesta época de crise e declínio.

A ideia por trás da IRA é fingir que os democratas podem oferecer algo – qualquer coisa – e que os trabalhadores devem sair para impedir uma vitória republicana em novembro. Muitos na classe dominante estão cientes de que estão sentados em um vulcão social – e, no entanto, isso é tudo o que a ala liberal da classe capitalista poderia juntar para tentar manter as coisas sob controle. Nem os democratas nem os republicanos podem oferecer o que os trabalhadores realmente precisam quando se trata de saúde, mudança climática, inflação e condições de vida em geral. Somente um partido de massas da classe trabalhadora baseado em um programa socialista revolucionário pode começar a enfrentar as crises inter-relacionadas provocadas pelo capitalismo e estabelecer as condições para uma alta qualidade de vida para todos.

*IRS – Internal Revenue Service (Departamento da Receita Federal dos EUA)

*Fortune 500 – A Fortune 500 é uma lista anual compilada e publicada pela revista Fortune que contém as 500 maiores corporações dos Estados Unidos por receita total em seus respectivos anos fiscais.

____________________

Tradução de Taisa Leonardo

Deixe Seu Comentário