Escolas ocupadas por secundaristas no Rio de Janeiro mostram vontade de luta da juventude

No dia 21 de março, através de uma assembleia estudantil, começou a ocupação do Colégio Estadual Prefeito Mendes de Moraes, na Freguesia, Ilha do Governador, no Rio de Janeiro, por tempo indeterminado. Os estudantes decidiram ocupar a escola em apoio aos professores que estão em greve. Eles exigem um diálogo da Secretaria Estadual de Educação (Seeduc) sobre as reivindicações dos professores e dos alunos.

No dia 21 de março, através de uma assembleia estudantil, começou a ocupação do Colégio Estadual Prefeito Mendes de Moraes, na Freguesia, Ilha do Governador, no Rio de Janeiro, por tempo indeterminado. Os estudantes decidiram ocupar a escola em apoio aos professores que estão em greve. Eles exigem um diálogo da Secretaria Estadual de Educação (Seeduc) sobre as reivindicações dos professores e dos alunos.

O objetivo dos estudantes é pressionar para que exista de fato uma negociação com o governo e combater a repressão promovida pela direção da escola que tenta proibir a organização dos estudantes. Diante da crise do estado, o governo do Pezão (PMDB) vem promovendo cortes na saúde e educação que afetam diretamente os estudantes, provocando a precarização dos serviços e atraso no pagamento dos funcionários.

Apesar da forte repressão promovida pelo governo, pela Seeduc e pela direção da escola, o ânimo e vontade de lutar é muito grande.

Seguindo o exemplo dos estudantes secundaristas de São Paulo, que ocuparam mais de 200 escolas em 2015 e derrotaram Alckmim ao barraram a “reorganização” escolar, os estudantes do RJ devem continuar as ocupações. Hoje são 20 escolas ocupadas e esse número só tende a aumentar. A Liberdade e Luta apoia a luta desses estudantes secundaristas e acredita que a unificação das escolas ocupadas irá fortalecer o movimento.

Contra os cortes do governo!

Fora Pezão e todos aqueles que atacam a educação!

Educação pública, gratuita e para todos!

Deixe Seu Comentário