Início / Artigos / Mundo | Ver Mais / Suécia: Mobilizações de Massas contra o Fascismo

Suécia: Mobilizações de Massas contra o Fascismo

A tentativa dos fascistas para assassinar ativistas de esquerda em Malmö, Suécia, teve resposta massiva. O artigo do Conselho Editorial de Avanti, órgão da secção sueca da Corrente Marxista Internacional, explica o que se passa.

A tentativa dos fascistas para assassinar ativistas de esquerda em Malmö, Suécia, teve resposta massiva. Durante um fim de semana, houve uma série de manifestações, reuniões e encontros em todo o país. O artigo do Conselho Editorial de Avanti, órgão da secção sueca da Corrente Marxista Internacional, explica o que se passa.

Levar adiante a luta – construir comitês de autodefesa

Os meios de comunicação burgueses em várias ocasiões durante o último final de semana tentaram descrever o ataque nazista como uma “luta entre extremistas”, onde ambos os lados são considerados semelhantes. Isto também é ensinado nas escolas na forma de uma ridícula e confusa ideia de que a “extrema” esquerda e a extrema direita encontram terreno comum em sua utilização da violência contra seus oponentes. Mas esta ideia é pura bobagem. Como em todas as outras ocasiões, são os fascistas que atacam e nós que estamos nos defendendo. Eles estão organizados em pequenos bandos que cultivam a violência, mas nossos métodos são os métodos do movimento de massas.

O informe abaixo mostra a resposta massiva aos Nazistas e é uma indicação do equilíbrio real de forças na sociedade. A classe trabalhadora pode remover montanhas quando começa a se mover. As manifestações em Kärrtorp, em dezembro, e por todo o país, reuniram mais de 40 mil pessoas. Os Nazistas mal conseguiram reunir 20.

As manifestações e seu ânimo militante são também um sinal da raiva que está fermentando na sociedade sueca contra as injustiças e as políticas de direita. O primeiro-ministro de direita sequer se preocupou em condenar o ataque, dizendo que está “esperando a investigação policial”. A luta contra o fascismo reforçou o processo molecular de radicalização que está ocorrendo na sociedade sueca.

A partir deste fim de semana de manifestações e demonstrações, as pessoas voltaram para casa com confiança e energia renovadas. Mas, agora, devem ser tomadas medidas mais concretas. Os fascistas estão experimentando o terreno, e a nossa debilidade é que nossos líderes estão se limitando a fazer ineptos apelos de ajuda à força policial, que não está somente obviamente desinteressada, como também feliz em ver a esquerda apanhar. Os ataques fascistas ocorrem com a aprovação tácita da direita estabelecida e do estado. Eles não nos defenderão.

Por todo o país devem ser organizados comitês de autodefesa conectados ao movimento dos trabalhadores, para defender nossas reuniões e eventos. Somente através de demonstrações de força, poderemos empurrá-los de volta aos ninhos de rato de onde vieram. Seus pequenos bandos de hooligans organizados não são nada em comparação à força que nós, os trabalhadores e a juventude radicalizada, podemos reunir. A resposta da classe trabalhadora neste momento é uma declaração importante e também revela o caminho a seguir. A luta contra os fascistas é a luta pelo socialismo!

Avanti, Conselho Editorial

17 de março de 2014.

Malmö

Em Malmö, uma cidade de 300 mil habitantes, próxima à Dinamarca, no sul da Suécia, os manifestantes se reuniram na tarde de domingo sob a palavra de ordem “Malmö, Lute! – Antifascismo é autodefesa!”, em Möllevangstorget, nas proximidades de onde ocorreram os ataques. O Partido de Esquerda, o Partido Socialdemocrata, o Partido da Juventude, a Juventude Socialdemocrata e vários outros pequenos partidos e organizações, incluindo a anarquista Ação Antifascista e torcedores do time de futebol MFF, fizeram, todos juntos, parte da colossal manifestação.

Inclusive antes de o comentarista da mídia burguesa de Sydsvenskan ter declarado que havia 10 mil pessoas ali, todos já podiam ver que esta seria uma manifestação fora do comum. A própria polícia teve de admitir se tratar da maior manifestação em Malmö em décadas. Dez minutos antes do horário combinado da reunião, houve repentinos e estrondosos cânticos Dinamarqueses. Ao longo da Rua Smedjegatan, o partido socialista dinamarquês Enhedslistan, a Ação Antifascista da Dinamarca e várias organizações sindicais dinamarquesas marcharam para se unir à multidão já reunida.

O ânimo era eletrizante. Havia uma atmosfera tanto festiva quanto de determinação de luta. Ao longo dos lados do prédio, por fora das janelas dos apartamentos, banners e bandeiras antifascistas estavam desfraldados. A manifestação era tão longa que antes das últimas pessoas começarem a se mover, as primeiras já estavam chegando ao destino. Era como algo saído de um filme e que ficou gravado na consciência de toda a cidade de Malmö.

Jakup Guven, Alexander Regander

Gothenburg

Em Gothenburg cerca de cinco mil pessoas se reuniram para demonstrar seu desprezo ao fascismo, mas também contra as injustiças e a opressão. A Praça Masthuggstorget foi facilmente preenchida em todas as direções e ângulos. As pessoas tinham que ficar nas ruas em torno da Praça, mas tudo correu sem problemas. Na manifestação estavam famílias com crianças e trabalhadores comuns, velhos e jovens.

Houve discursos de muitas organizações e também performances de artista locais. Suas canções estavam cheias de críticas ao capitalismo e de ira contra a sociedade de classe e o fascismo. Maktskiftet enfatizou a insustentável situação dos subúrbios suecos onde muitos se sentem abandonados pelos políticos e pela sociedade. Sua mensagem foi clara: eles não podem satisfazer as necessidades de emprego, de boa educação e de acesso à moradia, mas ainda querem lei e ordem. Vic Vem cantou uma faixa de seu álbum “Passagerare” (passageiro), uma canção que critica políticos, a injustiça e muitos dos conflitos que o capitalismo gera. Todas as canções foram recebidas com aplausos e com cânticos de palavras de ordem.

Muitos oradores falaram sobre a necessidade de se lutar contra a injustiça e contra o sistema capitalista. O nível de compromisso de luta contra o fascismo entre os trabalhadores é forte, e o establishment teme que isto cresça e se radicalize.

A última vez que algo semelhante foi visto em Gothenburg foi antes das eleições em 2010, quando houve manifestações espontâneas contra o racista Democratas Suecos, com milhares de participantes. As palavras de ordem ecoavam: “Que devemos fazer? Esmagar o fascismo!”, “Nenhuma rua, nenhuma Praça, para os Nazistas em Gothenburg”, e assim por diante. O local da manifestação foi durante o dia um mar de bandeiras vermelhas, de cânticos de slogans, de solidariedade e unidade.

Hannes Oscarsson

Estocolmo

Na Praça Medborgarplat, em Estocolmo, a capital da Suécia, cerca de duas mil pessoas se reuniram durante o sábado. Ali vendemos a edição mais recente de Avanti! Junto a uma página impressa separadamente sobre o ataque aos ativistas de esquerda, e conversamos com muitas pessoas. A maior ovação e aplausos foram dirigidos ao porta-voz da juventude anarco-sindicalista (SUF) que falou da necessidade da autodefesa e que nossas organizações devem lutar unidas dentro de uma frente única contra os ataques fascistas.

No dia anterior à manifestação, a liderança da Juventude da Esquerda, ala juvenil do Partido da Esquerda, em Estocolmo, publicou um artigo onde acusavam a Ação Antifascista (AFA) – e especificamente três membros de AFA – de terem vindo ao seu escritório, exigindo tempo para discursar, e que ameaçaram quando isto lhes foi negado. Muitos ativistas da Juventude da Esquerda com quem conversamos estavam enojados pela forma como seus líderes tinham tratado o incidente. Agora parece que estão tentando proibir a esquerda autônoma de participar – quando foi precisamente os membros desta última que sofreram os ataques.

Mas o sentimento entre os participantes foi, apesar de tudo, muito militante e entusiasta. Entre cada discurso havia cânticos espontâneos (em italiano) de “Alerta! Alerta! Antifascista!” e “Que devemos fazer? Esmagar o fascismo!”. Conversamos com várias pessoas que tinham decidido voltar à atividade após anos de inatividade, e que sentem com todo o seu ser que algo necessita ser feito.

Uppsala

Em Uppsala (cidade universitária de 140 mil habitantes ao norte de Estocolmo) houve uma manifestação e uma festa de rua “Tome a cidade de volta!” no sábado à noite. Na noite de sábado, éramos aproximadamente 200 pessoas em Borggarden, que, a despeito do frio, saímos para ouvir música e discursos, e aproveitar a festa. Em seguida, marchamos juntos ao centro da cidade, cantando pelas ruas slogans como “Nenhum fascista em nossas ruas!”. De fato, nenhum fascista foi visto por perto.

Fredrik Albin-Svensson

Pitea

Em Pitea (pequena cidade de 23 mil habitantes no norte da Suécia) houve um protesto na sexta-feira. A iniciativa foi tomada pela Juventude da Esquerda junto com um grupo feminista local, e convites foram enviados aos Socialdemocratas, à Juventude Socialdemocrata, aos principais sindicatos LO e a um centro de apoio a mulheres vítimas de abusos para reunir uma frente ampla de organizações da classe trabalhadora. Apesar do fato de o evento ser anunciado através de notícias curtas e de cartazes apenas um dia antes, cerca de 50-60 pessoas de todas as idades compareceram.

Maria Nystedt foi a principal oradora pela Juventude da Esquerda em Pitea. Ela enfatizou a necessidade de não se confiar na polícia para defender os ativistas de esquerda. Em Pitea e, em geral, no norte da Suécia, temos a sorte de contar com uma autoridade policial um pouco amigável com a classe trabalhadora, mas a situação é muito diferente em Malmö, por exemplo, onde a polícia é infame por ser extremamente de direita. No final de seu discurso, ela colocou uma reivindicação às organizações da classe trabalhadora a tomar claramente partido pelo movimento e seu direito de se defender. Ela disse que tem de haver comitês de autodefesa nas áreas onde a polícia é inútil, e que necessitamos treinar nosso próprio pessoal a defender nossas manifestações, e que saberemos como agir em casos de ataques.

Estas reivindicações são mais radicais do que as pessoas em Pitea geralmente ouvem, e o jornal local tentou suavizar as coisas dizendo que elas eram um “apelo a se opor à violência”. A manifestação foi uma experiência positiva para todos os envolvidos e todos fomos à Praça com um sentimento de unidade e de força. Alguns dos participantes nunca tinham ido a uma manifestação antes, e a amplitude da reunião deixou uma forte impressão neles. Para muitos que vivem em Pitea, esta é uma calma, algo sonolenta, pequena cidade do norte, e portanto foi refrescante e encorajador ver que é possível em pouco tempo mobilizar uma manifestação como esta.

Johan Nystedt

Deixe seu comentário

Leia também...

Bolsonaro prepara seu ministério de assalto (sem trocadilhos!)

“Nós, pequenos artesãos burgueses, que trabalhamos com o bom e velho pé-de-cabra, as modestas caixas …