Início / Artigos / Portugal: Bloco de Esquerda vota a favor de empréstimo de resgate à Grécia

Portugal: Bloco de Esquerda vota a favor de empréstimo de resgate à Grécia

Um leitor de Portugal nos escreveu perguntando a nossa opinião sobre os parlamentares que compõem o Bloco de Esquerda (BE) terem votado a favor do empréstimo de emergência da União Europeia para a Grécia. Em nossa opinião, esta posição é escandalosa.

Ainda hoje, no Parlamento Português, foi votado e aprovado o empréstimo de resgate para a Grécia. O Partido Socialista votou a favor do empréstimo. O Partido Comunista contra. O Bloco de Esquerda votou a favor, juntamente com o Partido Socialista e todos os partidos de direita.

Em vossa opinião, qual deveria ser a posição marxista?

Gonçalo E.

Caro Gonçalo, 

Você nos escreve para informar que o Bloco de Esquerda (BE) votou no Parlamento Português a favor do empréstimo de resgate da União Europeia (UE) para a Grécia, e você pergunta qual a nossa opinião. Como você disse, a lei que permite a participação de Portugal no plano financeiro da UE para a Grécia foi aprovada com os votos, não só da situação (Partido Social Democrata), Partido Socialista (PS), a ala direita do PSD e do CDS-PP, mas também com os votos dos 16 deputados do Bloco de Esquerda. O Partido Comunista e os Verdes votaram contra. Isso foi relatado na mídia burguesa.

Em nossa opinião, esta posição adotada pelos parlamentares do Bloco de Esquerda é um escândalo. Na tentativa de explicar o seu voto, Cecília Honório, a vice-presidente do grupo parlamentar do BE, disse:

“Votaremos a favor desta proposta por uma única razão e mais nenhuma: recusar este empréstimo seria, nas atuais circunstâncias, impor a bancarrota à Grécia, e esta seria a pior opção. É a política de terra arrasada para responder à crise com uma calamidade econômica, e nós não aceitamos uma política de terra arrasada.” (Esquerda.net)

Ela então passou a criticar a Comissão Europeia e o FMI pela imposição de políticas de austeridade na Grécia.

Isso é um sofisma da pior espécie. Não se pode separar o empréstimo à Grécia das condições que estão ligadas a ele e que foram elaboradas pelo FMI e pela UE. Essas condições tiveram que ser atendidas pelo governo grego antes que o empréstimo pudesse ser aprovado, como todos puderam ver. As condições representam uma agressão a todos os trabalhadores gregos: aumento da idade de aposentadoria, congelamento de salários e cortes, privatizações, aumento dos impostos indiretos, etc.

Ao votar a favor do empréstimo, os deputados do BE, de fato, apoiaram as mesmas medidas contra as quais a classe trabalhadora grega e a juventude têm lutado corajosamente nas ruas e nos locais de trabalho com greves gerais e manifestações de massa.

Para piorar as coisas, no resumo da Semana Parlamentar, o deputado do BE, José Soeiro, tenta usar alguns outros “argumentos” para justificar a postura do grupo parlamentar do BE. Ele começa por dizer que o empréstimo foi aprovado com o objetivo de “evitar a bancarrota num país massacrado pelas políticas liberais e vítima de um ataque especulativo dos mercados financeiros e das agências de rating”.

Ele argumenta que “a Europa tem de responder a esse ataque com solidariedade. O Bloco defende a solidariedade européia com a Grécia e é porque somos solidários que, sendo favoráveis ao empréstimo, contestamos as condições impostas”, que ele então descreve corretamente como “medidas draconianas sobre os trabalhadores e de desagregação dos serviços públicos, que vão destruir a economia grega”. (Esquerda.net)

Este argumento é falso do princípio ao fim. “Europa” é um sinônimo para os banqueiros e os capitalistas e seus governos que realmente controlam a Europa. A própria idéia de que esta Europa poderia defender os interesses do povo da Grécia, ou qualquer outro país, é risível. Os banqueiros e capitalistas da Europa vão defender seus próprios interesses, e nada mais. Esperar “solidariedade” de uma Europa capitalista é o mesmo que esperar pêras de um olmeiro.

Esse empréstimo não tem nada a ver com “solidariedade” à Grécia contra “os mercados financeiros e agências de rating”. Na verdade, o empréstimo é projetado para proteger os interesses dos bancos, gregos e europeus, impedindo o calote da Grécia e garantindo o reembolso, justamente, para os especuladores financeiros! O dinheiro para os banqueiros, como de costume, será espremido dos trabalhadores da Europa.

Em uma declaração à Revista Sol, o líder do BE, Francisco Louçã, explicou como a “ajuda” da UE para a Grécia foi importante e que deve ser feito “em condições que protejam os interesses europeus e os das economias grega e portuguesa”. (Sol.sapo.pt)

Essa é uma forma completamente errada de colocar a questão. Não há um átomo de conteúdo de classe aí. Não existe tal coisa como “os interesses europeus” ou os interesses das economias “grega e portuguesa”. Devemos abordar tudo, desde um ponto de vista de classe. A crise na Grécia, não se trata de algum “mercado financeiro” perverso, muito menos que “agências de notação de crédito” atacam a pobre “economia grega”, que precisa da solidariedade da “Europa”.

A crise na Grécia, é parte da crise geral do capitalismo e a severa recessão que este atravessou. A classe capitalista, na Grécia, a nível europeu e mundial, quer fazer com que a classe trabalhadora pague o preço por esta crise, por meio de cortes salariais, ataques aos padrões de vida, privatização e cortes nos serviços públicos, etc. Por um lado há os interesses dos trabalhadores gregos, europeus e de todo o mundo, por outro lado os interesses dos capitalistas e banqueiros gregos, europeus e mundiais. Os dois são mutuamente incompatíveis.

Se você abandona um ponto de vista de classe, muito rapidamente você serádesviado para o campo da classe dominante e vai acabar apoiando o pacote dos capitalistas gregos e europeus às custas dos trabalhadores gregos, no caso em questão. Isso é perigoso, porque amanhã os mesmos argumentos podem ser invocados para justificar as medidas de austeridade em Portugal “no interesse nacional”. 

Os deputados do Partido Comunista Português no Parlamento Europeu votaram contra o empréstimo da União Europeia. Isso foi correto. O líder do grupo de deputados comunistas, Bernardino Soares, explicou que o que está sendo proposto para a Grécia “é uma dose enorme de uma mesma política, com salários e pensões congelados, destruição de direitos e privatizações”. 

Ele disse que não votaria a favor da implementação de medidas para a Grécia, cujas quais seria contra que se aprovasse em Portugal. O Governo Português, do Partido Socialista está de fato propondo algo chamado “Programa de Estabilidade e Crescimento” (PEC), que é um pacote de medidas de austeridade brutal projetado, novamente, para fazer os trabalhadores arcarem com o grosso da crise. Como se pode votar a favor da ajuda da UE àa Grécia (que depende da realização de medidas de austeridade) e, em seguida, opor-se às mesmas medidas em Portugal?

O que torna o voto dos 16 deputados do BE ainda mais criminoso é o fato de que a lei que permite o empréstimo grego teria passado sem os seus votos. Não havia nenhuma necessidade real para que eles votassem a favor, exceto a pressão da opinião pública burguesa e de sua própria confusão ideológica.

E quanto ao argumento de que a alternativa a este empréstimo significaria a falência da Grécia? Qual é a alternativa? A verdade é que não há alternativa dentro dos limites do capitalismo. Se você aceita o sistema capitalista, então é obrigado a aceitá-lo com todas as suas conseqüências. Mas há uma alternativa. Primeiro de tudo, não deve haver cortes nas condições de trabalho ou de salários para trabalhadores gregos e pensionistas, e sem cortes nos serviços públicos. Os bancos e grandes empresas devem ser nacionalizados e os seus recursos colocados sob o controle democrático dos trabalhadores e utilizados em benefício do povo trabalhador grego, e não dos banqueiros e capitalistas (gregos e europeus).

Alguns podem argumentar que essa não é uma política “realista”, mas o que é “realista” na política dos líderes do BE? Ao votar diretamente nas políticas do FMI e da UE contra os trabalhadores gregos, eles fizeram um favor para os capitalistas e seus representantes políticos na Europa. Isso pode obter o aplauso da burguesia e da direita, mas há certamente muitos membros e simpatizantes do Bloco de Esquerda que estão desanimados e irritados por isso.

Muitos dos líderes e deputados do BE pertencem à Associação de Política Socialista Revolucionária (APSR), que organiza os defensores da “IV Internacional” mandelista em Portugal. A política socialista revolucionária teria exigido que eles votassem contra o empréstimo grego, e não a favor. Temos direito a perguntar-lhes com o que eles pensam que estão brincando? 

O BE dobrou seu número de deputados na última eleição, porque dezenas de milhares de trabalhadores e da juventude viu o Bloco como uma alternativa de esquerda. Muitos dos que votaram a favor do Bloco se consideram socialistas e revolucionários. Eles não votaram no BE, para que este votasse junto com a direita a favor de leis reacionárias. Eles devem cobrar satisfação de seus parlamentares.

Saudações,

Jorge Martin
Corrente Marxista Internacional

Deixe seu comentário

Leia também...

Bolsonaro prepara seu ministério de assalto (sem trocadilhos!)

“Nós, pequenos artesãos burgueses, que trabalhamos com o bom e velho pé-de-cabra, as modestas caixas …

Deixe uma resposta