Início / Artigos / O Brasil “ético” dos candidatos e o Brasil real que “descontrata”

O Brasil “ético” dos candidatos e o Brasil real que “descontrata”

A situação no Brasil não está boa. Enquanto os principais candidatos discutem a “ética”, a “limpeza”, no Brasil real os trabalhadores não param de sofrer. Na Varig foram 9 mil demissões, com o governo assistindo a tudo de braços cruzados.

Os metalúrgicos da Volks decidiram suspender a greve . Segundo informes do sindicato, a empresa decidiu suspender as demissões anunciadas (1.800) e renegociar com o sindicato. Foi uma vitória (mesmo que parcial) da greve, da mobilização dos operários que parou totalmente a fábrica e começou a paralisar outras unidades. A empresa, entretanto, mantém a sua proposta de demissão e quer negociar um PDV. Os jornais noticiam que 3.500 metalúrgicos da matriz da Volks na Alemanha já aceitaram o PDV (Programa de Demissão Voluntária).

A situação no Brasil não está boa. Enquanto os principais candidatos discutem a “ética”, a “limpeza”, no Brasil real os trabalhadores não param de sofrer. Na Varig foram 9 mil demissões, com o governo assistindo a tudo de braços cruzados. “O mercado resolve”, declarou um ministro e o mercado resolveu: demitiu 9 mil trabalhadores e não pagou nem os direitos trabalhistas.

Agora, comentando a situação da Volks, Lula começa elogiando a Fiat, que “ganhou” mais mercado e fala sobre a Volks: “uma empresa contrata e descontrata”. Aliás, no mundo de hoje, as empresas “descontratam” mais que contratam.

E os trabalhadores? Esses estão tal qual dizia um humorista imitando um deputado em um programa de televisão: “O povo, tadinho do povo”.

De forma geral, todos reclamam que o Brasil cresce pouco. E que não são gerados os empregos. Mas qual a solução que se propõe para este problema? A isto, nenhum dos candidatos responde. Aliás, se a CUT dá toda a solidariedade aos trabalhadores, porque não exige que Lula aprove imediatamente a convenção 158 da OIT, que proíbe as demissões imotivadas?

O Presidente se finge de morto, Heloisa enrola, fala em baixar juros e controlar o movimento de capitais e Alckmin propõe destruir mais direitos. O povo? “Tadinho do povo”.

O caminho para os trabalhadores é duro. Mas precisa ser trilhado para que os direitos sejam defendidos, para que existam os empregos, para que as fábricas sejam mantidas.

É o caminho que trilharam os trabalhadores da Volks quando entraram em greve e conseguiram a suspensão das demissões. É o caminho que seguiram os trabalhadores da Cipla quando ocuparam a empresa e exigem a estatização. A nova assembléia da Volks (dia 12 de setembro) deve permitir que os trabalhadores encontrem os seus caminhos. A greve demonstrou mais uma vez como defender nossas conquistas e manter a esperança: com unidade, organização e luta. Mantendo a disposição de lutar pelos empregos, encontrarão em nós todo o apoio que pudermos dar.

Nós continuamos a nossa batalha para ajudar os trabalhadores, construindo os Núcleos Socialistas de Base, propondo que cada Núcleo discuta esta questão e busque formas concretas de apoio que poderão dar aos trabalhadores da Volks.

Deixe seu comentário

Leia também...

Bolsonaro prepara seu ministério de assalto (sem trocadilhos!)

“Nós, pequenos artesãos burgueses, que trabalhamos com o bom e velho pé-de-cabra, as modestas caixas …

Deixe uma resposta