Início / Artigos / Mineiros da Bolívia explicam o conflito de Huanuni no Encontro PanAmericano

Mineiros da Bolívia explicam o conflito de Huanuni no Encontro PanAmericano

Uma montanha repleta de minérios foi o palco de terríveis e heróicos combates entre mil mineiros assalariados e quatro mil cooperativistas, em outubro do ano passado, na região de Huanuni (Bolívia). Dois dias de conflito, dezesseis mortos e centenas de feridos. As mortes, o sangue e as lágrimas derramadas foram o sacrifício exigido pela história para a conquista da nacionalização das minas na região e para a adesão dos cooperativistas de base à empresa estatal Corporação Mineira da Bolívia (COMIBOL), não mais como trabalhadores por conta própria e sim como assalariados do povo boliviano.

Os companheiros da Federação Sindical dos Trabalhadores Mineiros da Bolívia (FSTMB) e da Central Operária da Bolívia (COB) estiveram presentes ao Encontro PanAmericano para explicar o que houve, sob a luz da luta de classes, além de ligarem suas reivindicações à luta dos trabalhadores das fábricas ocupadas do continente.

“Oito meses antes do confronto, pedimos a reversão das minas para o Estado, mas o governo não atendeu. Depois do conflito, pedimos que o governo decretasse em Huanuni a nacionalização e a transformação dos cooperativistas de base em assalariados da COMIBOL. Se isso valeu a pena ou não é só ver que agora muitos cooperativistas de base são assalariados trabalhando para o Estado e o povo boliviano. Além disso, a mina está sob controle operário e estatizada, com 5 mil trabalhadores filiados ao sindicato e à FSTMB. E esse sindicato vai dar a direção à classe operária para que todas as minas sejam nacionalizadas sob controle operário”, avalia o sindicalista mineiro Roberto Chávez.

Mas por que isso aconteceu?

O avanço das cooperativas é o resultado da política de privatização do setor mineiro promovida nas décadas anteriores. Algumas pessoas que trabalham por conta própria nas minas se tornaram, na prática, pequenos patrões que lucram com a exploração barata e anárquica dos demais cooperados. Essas pessoas, que mantém ligação com empresários e dirigentes políticos da direita, se aproveitaram da aliança que estabeleceram com Evo Morales para tentar tomar a mina mais rica de América.

“O interesse dos cooperativistas é econômico, impulsionado pelos contratos de privatização. O governo Evo Morales se equivocou em fazer alianças com setores que antes conjuravam com a direita. O grande erro de Morales foi essa aliança, porque entregou o Ministério e a COMIBOL para os interesses das cooperativas. O governo também teve parte da responsabilidade sobre o que ocorreu porque a decisão de nacionalizar veio muito tarde”, explica Roberto Chávez.

Entenda a situação

“Através de grandes mobilizações, derrubamos um governo de direita e oligárquico e se temos um presidente, através do voto, que teve o apoio majoritário da população e de indígenas é porque está comprometido com a agenda de 2003, que é a recuperação, sem indenização, dos hidrocarbonetos e a estatização das minas que estão em mãos privadas.

Huanuni é o eixo fundamental para a reativação da COMIBOL. A FSTMB, em muitos eventos nacionais, tirou resoluções muito importantes de impor ao governo Evo Morales a recuperação de todo o setor mineiro para as mãos do Estado e dos trabalhadores”, ressalta o sindicalista.

Assim, a questão a ser revertida nessa luta é exatamente a situação caótica das minas, deixada pelos contratos de privatização. “Os assalariados trabalham sob uma direção técnica, com hora certa, sob proteção de leis trabalhistas e sob uma produção racional para beneficiar o Estado, o país. Os cooperados vão à mina e tiram o que podem, sem direção técnica, sem horário definido e seguridade social e ainda recebem rendas menores”, explica Roberto Chávez.

Por isso, a vitória dos assalariados no conflito de Huanuni impulsiona novamente a luta das grandes jornadas de outubro de 2003 e pode repetir o êxito de maio de 2005, quando o petróleo e gás foram nacionalizados. Que 2007 seja o ano da nacionalização das minas e dos minérios, como Evo Morales já vem prometendo.

Homenagem dos mineiros

Roberto Chavez, presidente da Federação Sindical dos Trabalhadores Mineiros da Bolívia (FSTMB), sempre que fala em público, veste o tradicional capacete de trabalho dos mineiros, como forma de causar identificação com a luta revolucionária da vanguarda operária boliviana.

A categoria, de fervorosa e exemplar história de luta, rendeu uma homenagem aos companheiros da Cipla, Interfibra e Flaskô. Presenteou Serge Goulart, da coordenação das Fábricas Ocupadas, com um belíssimo brasão da FSTMB esculpida em madeira e com o próprio capacete.

O público presente aplaudiu de pé, retribuindo o gesto de solidariedade dos mineiros.

Leia também...

França em “estado de insurreição” enquanto avançam os Coletes Amarelos

Os protestos dos Coletes Amarelos (Gilets Jaunes) na França estão em um momento decisivo. Ante …

Deixe uma resposta