Início / Sem Categoria / Encontro das Trabalhadoras Vidreiras: Ponto de apoio para a construção da Esquerda Marxista

Encontro das Trabalhadoras Vidreiras: Ponto de apoio para a construção da Esquerda Marxista

Wanderci Bueno

Plenária do Encontro das Mulheres Trabalhadoras Vidreiras

Sábado, dia 24 de março, o Sindicato dos Vidreiros de São Paulo manteve a tradição e nem sua Colônia de Férias, na Praia Grande, mais de 120 trabalhadoras deram início ao 20° Encontro das Mulheres Trabalhadoras Vidreiras.

Discutiram conjuntura, jornada de trabalho, drogas, creche, trabalho igual salário igual, licença maternidade, a participação das mulheres na vida sindical e política.



À tarde, a camarada Roberta Ninin, atriz, professora e militante da Esquerda Marxista, falou às companheiras sobre a exploração capitalista, explicou que a luta das mulheres trabalhadoras é contra os patrões e o capitalismo e não contra nossos companheiros trabalhadores. “A luta não é das mulheres contra os homens, mas sim dos trabalhadores, mulheres e homens contra o capital e seu estado opressor”, afirmou Roberta que ainda acrescentou: “As mulheres em fevereiro de 1917, em Petrogrado, na Rússia, estiveram à frente de uma mobilização e marcharam lado a lado de seus companheiros trabalhadores. Em outubro do mesmo ano os trabalhadores, operários e operárias, soldados e camponeses, tomarem o poder. Pela primeira vez na história erguerem o poder socialista”.

Roberta em sua intervenção na plenária 
“A sociedade não é divida em sexos, mas sim em classes sociais, de um lado os que detêm a propriedade privada dos meios de produção, de outro os que só possuem sua força de trabalho e a vendem para sobreviver. Em troca recebem um salário. Mas o tempo que os trabalhadores gastam para pagar e repor suas energias e sustentar suas famílias é mais ou menos de 2 horas e eles em geral trabalham mais de 8 horas. Estas seis horas ele produz para o patrão ficar mais rico”. 

“Enquanto esse sistema existir a classe trabalhadora estará condenada a ser mais e mais explorada. O sindicato luta contra essa exploração e defende os direitos dos trabalhadores, mas em geral, suas direções são adaptadas aos patrões e não levam esta luta até o fim”. 

“As crises, cada vez mais violentas, acabam por retirar ainda mais os direitos e conquistas dos trabalhadores. Vejam o que ocorre na Grécia, lá os capitalistas impuseram até mesmo o aumento no período necessário para aposentar, rebaixaram os salários, diminuíram os serviços públicos. Mas os trabalhadores se erguem e lutam”. 

“Aqui o governo também aumenta o tempo de serviço e privatiza os serviços públicos. Mas temos a CUT e nosso sindicato (dos vidreiros) é de luta. Mas é necessário ir além da luta sindical, é necessário que os trabalhadores e trabalhadoras, unidos, como um só corpo se ergam e façam política, pois do contrário ela será feita pelos burgueses e seus partidos”.

“Está na hora dos trabalhadores se erguerem contra tudo isso. Contra a desoneração da folha de pagamentos, em defesa de seus direitos, redução da jornada e contra qualquer conciliação com os patrões e seus partidos. É por aí a nossa luta!” (Aplausos)!

Depois Roberta explicou, respondendo a uma pergunta da Diretora do Sindicato, a camarada Cacilda, sobre como surgiu o 8 de março. Roberta respondeu que: “No Dia 8 de março de 1857, operárias de uma fábrica de tecidos ‘Cotton’, situada na cidade norte americana de Nova Iorque, fizeram uma grande greve. Ocuparam a fábrica e começaram a reivindicar melhores condições de trabalho, redução da jornada, aumentos salariais. O patrão mandou trancar a fábrica com as 129 trabalhadoras lá dentro e incendiou tudo, matando as trabalhadoras. A cada ano os trabalhadores e trabalhadoras de todo mundo passaram a lembrar desse dia. Mas apenas em 1910 é que esse dia passou a ser oficialmente lembrado como dia Internacional das Mulheres. Assim surgiu o 8 de março”! Concluiu Roberta. (Aplausos)!

Após esta palestra foram apresentados vídeos sobre as lutas das mulheres, e em seguida foram homenageadas duas diretoras do sindicato, as companheiras Ivonete e Rose que estão saindo da atual diretoria, mas não da luta. Também houve homenagem a uma companheira trabalhadora funcionária da Colônia de Férias.

Todas saborearam um gostoso bolo para posteriormente seguirem até ao animado samba cantado e tocado apenas por mulheres, alias com muito molho e bossa, rolando pela madrugada adentro regado com cerveja acompanhada por apetitoso churrasco. Uma festa de confraternização de classe, unindo, como na luta do dia a dia, mulheres e homens, operários e operárias. 

Apresentação da Esquerda Marxista para um grupo de  trabalhadoras
No intervalo entre as homenagens prestadas e o samba a Esquerda Marxista reuniu 14 trabalhadoras e apresentou suas ideias básicas da luta pelo socialismo. Os camaradas Miranda e Roberta fizeram uso da palavra para convidar as companheiras a seguirem na luta junto à Esquerda Marxista. O camarada Wanderci distribuiu o Jornal Luta de Classes para cada companheira, explicando que o mesmo custa R$ 4,00 reais. Propôs às companheiras que elas lessem o jornal e na próxima semana realizassem uma reunião para começarem um grupo de leitura e debate a partir de artigos do JLC. Nessa oportunidade deverão pagar o jornal. 

A proposta foi aceita com entusiasmo! 
Agora é arregaçar as mangas e organizar esse primeiro grupo de leitura e estudos do Jornal Luta de Classes. As mulheres vidreiras darão o primeiro passo, retomando a tradição do Partido Bolchevique que organizava através de seu jornal milhares de trabalhadoras e trabalhadores para edificarem juntos o partido e construir o socialismo.

Vida longa ao Sindicato dos trabalhadores Vidreiros!
Viva as mulheres trabalhadoras vidreiras!
Viva os trabalhadores de todo mundo!

Deixe seu comentário

Leia também...

80 anos de fundação da 4ª Internacional

Deixe seu comentário