Início / Nossas Lutas | Ver Mais / DF: Estudantes da UCB lutam contra sucateamento do Ensino

DF: Estudantes da UCB lutam contra sucateamento do Ensino

Os estudantes da Universidade Católica de Brasília lutam contra a Reestruturação Acadêmica, elaborada conjuntamente pela reitoria, pela mantenedora UBEC e por uma empresa de consultoria e finanças A instituição garante que o intuito é melhorar a qualidade de ensino.

Os estudantes da Universidade Católica de Brasília lutam contra a Reestruturação Acadêmica, elaborada conjuntamente pela reitoria, pela mantenedora UBEC e por uma empresa de consultoria e finanças A instituição garante que o intuito é melhorar a qualidade de ensino. Entretanto, é nítida a intenção de tornar os cursos menos exigentes, atraindo mais jovens, e de cortar gastos. O modelo de reestruturação também se destina à Unileste, outra mantida da UBEC.

O corte de custos é fruto do prejuízo da UCB ante a concorrência de faculdades de baixas mensalidades. A maior demanda por essas faculdades é impulsionada pela precariedade das condições de trabalho de nível médio, regra nos países atrasados, o que faz com que parte da juventude busque um diploma, mesmo que de pouca qualidade. O resultado é a massificação de cursos de nível superior, com queda da qualidade de ensino.

A instituição busca ajustar-se a esse cenário. Entretanto, o fato de ser empresa privada não justifica arbitrariedades. Primeiramente, é Entidade Filantrópica, e por isso recebe incentivos fiscais do poder público. Segundo, recebe verba pública quando oferece bolsas do ProUni e financiamento pelo FIES, o que também a isenta da declaração de impostos. Ou seja, está diretamente ligada ao Estado e, por mais que não seja de gestão pública, guarda responsabilidade social. Afinal, a parcela de jovens, no Brasil, no ensino superior público e gratuito é consideravelmente pequena (menos de 5%) e o restante de jovens que buscam o ensino superior tem como única opção as instituições privadas.

Esta exclusão institucionalizada não deve conferir liberdade ditatorial à instituição. Além de abocanhar o montante que parte da população investe em educação, que deveria ser pública e gratuita, pretende agir segundo seus interesses econômicos na estruturação do ensino. Em uma sociedade organizada para excluir (aproximadamente 85% da juventude fora do ensino superior), a empresa privada consegue extrair lucro da União e da parcela pagante pela formação.

Os estudantes da UCB posicionam-se contra a instituição. Fizeram manifestações nos períodos matutino e noturno, do dia 9, em que ocuparam o Pistão Sul, via de fluxo intenso da cidade de Taguatinga-DF. Expressaram insatisfação com o novo modelo, ocupando a via por aproximadamente 3h no período matutino e 2h no período noturno. A mobilização foi transmitida por diversos veículos de comunicação.

Ante a pressão da mobilização estudantil, a reitoria comunicou decisão da UBEC de implementar a reestruturação apenas parcialmente aos veteranos. Esse recuo da mantenedora demonstra que as manifestações surtiram efeito, mas também tem como objetivo esfriar o movimento, cedendo em partes para legitimar a reestruturação completa da Universidade futuramente.

Os estudantes resistem e organizam-se em Assembleia Geral dos Estudantes, no dia 15 de abril, para apuração do posicionamento coletivo. Aproximadamente 700 estudantes dos períodos diurno e noturno negaram veementemente a reestruturação. Dos pontos apresentados por cada curso, os negativos sobressaíram expressivamente aos positivos, reflexo da finalidade mercadológica da reforma. O atendimento da deliberação será cobrado da reitoria por meio de comissão formada na assembleia.

O sucateamento da Universidade já vem sendo implementado gradualmente nos semestres anteriores. Pequenas reestruturações, de curso em curso, vêm rebaixando o nível de ensino, pesquisa e extensão, e estrutura física. Muitos alunos já lidam com prejuízos anteriores, com demandas não atendidas. A nova Reestruturação Acadêmica é simplesmente o plano de sucateamento concretizado em um só projeto.

Os principais pontos que afetam todos os estudantes são a implantação compulsória dos currículos, obrigatoriedade da grade fechada, 20% das aulas virtuais, a redução horária. As novas matrizes curriculares substituem disciplinas fundamentais, por disciplinas gerais, as quais serão ministradas no ensino semipresencial. O fim da grade aberta prejudica os estudantes que, ou pegam mais créditos para acelerar o tempo de formação, ou pegam menos créditos por não ter condição financeira e/ou tempo para cursar a grade fechada. As aulas virtuais, na quantidade máxima de 20%, reduzem custos, mediante demissão em massa de professores e sobrecarregamento de poucos, além de fomentar a individualidade e manter o estudante distante do espaço universitário politizador. Por fim, a redução das horas diárias prejudica o andamento das aulas e diminui o salário do docente.

É preciso levar a luta adiante, por uma universidade que garanta qualidade na formação de todo estudante que paga por um direito que deveria ser público e gratuito!

A juventude sofre com a falta de acesso democrático ao ensino, em todos os níveis. Nessa sociedade capitalista, em que as forças produtivas e o trabalho social estão contraditoriamente aprisionados em propriedades privadas, até mesmo o produção intelectual é contida. Somente quando os centros de ensino forem de propriedade coletiva, voltado para o atendimento da população, é que se conquistará a democratização plena da educação, da creche à universidade. É preciso lutar pela Federalização das Universidades Pagas que recebem dinheiro público, como diz nosso manifesto da campanha Público, Gratuito e Para Todos: Transporte, Saúde e Educação! Abaixo a Repressão! (www.facebook.com/PublicoGratuitoParaTodos)

O capitalismo exclui, segrega e degrada. É preciso construir o caminho para a sociedade socialista! Por educação para todos, em todos os níveis! Pelo verdadeiro atendimento das necessidades das massas!

 

Leia também...

Trabalhadores em educação punidos no Paraná recebem dinheiro arrecadado em solidariedade

Desde 2017 a Esquerda Marxista impulsiona uma campanha contra as perseguições aos trabalhadores em educação …