Início / Especial Venezuela | Ver Mais / Defender a Revolução Venezuelana contra Trump e o imperialismo

Defender a Revolução Venezuelana contra Trump e o imperialismo

Donald Trump prometeu “fogo e fúria como o mundo jamais viu” e não descarta tomar a iniciativa para um ataque nuclear à Coreia do Norte.

No mesmo fôlego, ele fez a seguinte ameaça grosseiramente aberta contra a Venezuela: “Temos muitas opções para a Venezuela. E, a propósito, não vou descartar uma opção militar. Temos muitas opções para a Venezuela. Ela é nossa vizinha. Vocês sabem, temos o mundo todo e temos tropas no mundo todo em locais que estão muito, muito longes. A Venezuela não está tão longe e o povo está sofrendo, eles estão morrendo. Temos muitas opções para a Venezuela, inclusive uma possível opção militar, se necessário”.

Donald Trump encabeça a mais poderosa máquina militar que o mundo já viu, um aparato projetado para matar e mutilar em escala industrial – e que matou nada menos que 20 milhões de pessoas desde o final da 2ª Guerra Mundial. Ele governa o país com a maior população carcerária do mundo, uma nação em que a pena capital e a brutalidade policial desenfreada aterrorizam milhões. No país mais rico do planeta, milhões não têm acesso aos cuidados básicos de saúde, o que leva a milhares de mortes evitáveis todos os anos. Donald Trump não tem a menor preocupação com as “vidas sendo perdidas” na Venezuela – que, por sinal, estão sendo perdidas em meio à violência diretamente orquestrada e aprovada pelos funcionários estadunidenses que agem em nome da contrarrevolução na Venezuela.

Durante quase duas décadas, a Venezuela foi um exemplo de como as coisas poderiam ser feitas de forma diferente. Mais uma vez, as massas revolucionárias tomaram seus destinos em suas próprias mãos, desafiaram o imperialismo, a oligarquia e lutaram para reorganizar a sociedade ao longo de linhas mais democráticas e participativas. Enquanto na Venezuela a revolução utiliza a renda petrolífera para eliminar o analfabetismo e proporcionar atenção médica para todos, nos EUA os trabalhadores foram obrigados a pagar trilhões em impostos para financiar guerras no Iraque e no Afeganistão e para resgatar os bancos e as empresas de seguros. Acima de tudo, é esse o exemplo que deve ser destruído. Mas durante muito tempo, a liderança da revolução vacilou, comprometeu-se, conciliou e adotou meias medidas. Apesar de suas surpreendentes reservas de entusiasmo revolucionário, isso levou a um certo e inevitável cansaço entre importantes camadas das massas.

Essa é a oportunidade pela qual a reação vem trabalhando incansavelmente durante anos. Para o imperialismo estadunidense e para a oligarquia, já passou dos limites! Chega de pessoas comuns acreditarem que têm o direito soberano de decidir coletivamente sobre os seus destinos! Basta de instabilidade e de ameaças à propriedade privada e aos lucros! Agora é o momento para se desgastar e estrangular a revolução – e, uma vez de volta ao poder, afogá-la em rios de sangue. Essa é a face real do “humanismo” imperialista!

Muitos liberais se opuseram vigorosamente à intervenção dos EUA na Venezuela quando GW Bush era presidente, no entanto ficaram misteriosamente em silêncio quando Obama foi eleito. Mas deixemos claro: tanto os Democratas quanto os Republicanos são partidos do imperialismo e a intervenção contra a Revolução Venezuelana não se reduziu de forma alguma sob Obama, mesmo que tenha sido atenuada a retórica pública agressiva. Ao lado das operações secretas destinadas a sabotar e desestabilizar, a administração Obama enviou milhões de dólares para “apoiar os esforços de construção de competição política” na Venezuela, nada menos do que US$5 milhões somente em 2014. Apesar de todas as suas lágrimas de crocodilo sobre a intromissão russa nas eleições americanas, os liberais não têm uma só palavra a dizer sobre a interferência direta da CIA e da Embaixada estadunidense nos assuntos políticos da Venezuela!

A Revolução Venezuelana só conta com uma fonte confiável de apoio: a classe trabalhadora do mundo e, acima de tudo, a classe trabalhadora dos EUA. As ações das massas durante os últimos 15 anos na Venezuela foram uma fonte de inspiração e entusiasmo para milhões de americanos, que de forma alguma constituem um “bloco reacionário” único, como alguns da esquerda asseguraram de forma escandalosa. Não esqueçamos que, no país do Red Scare [Medo aos Vermelhos] e do Macarthismo, milhões agora preferem o socialismo ao capitalismo e saíram em massa no ano passado para apoiar um candidato que apelava por uma “revolução política contra a classe bilionária”. A realização da revolução socialista na Venezuela – através da expropriação da indústria, dos bancos e dos latifúndios, sob o controle democrático dos trabalhadores e dos camponeses – produziria um efeito eletrizante nas Américas, incluindo os EUA. Não é tarde demais para os trabalhadores, camponeses e pobres venezuelanos levar o mundo a um futuro socialista!

Nenhuma revolução na América Latina ou no mundo estará segura até que o capitalismo e o imperialismo sejam enterrados de uma vez e para sempre. Embora a revolução socialista seja necessariamente um processo mundial, a classe trabalhadora estadunidense tem um papel único e indispensável a desempenhar. Da mesma forma que a guerra é uma extensão da política por outros meios, a política externa é uma extensão da política interna – um governo capitalista no poder significa políticas pró-capitalistas em casa e no exterior! Devemos nos unir com nossos irmãos e irmãs de classe na luta contra nosso inimigo comum: Trump e os capitalistas do mundo todo. Somente quando os trabalhadores estadunidenses tiverem o controle direto sobre a política e a economia do país poderemos nos relacionar com o restante do mundo na base da solidariedade, da fraternidade e da igualdade, e não da exploração, da dominação e da intimidação. Como parte de uma Federação Socialista voluntária das américas, os povos das américas trabalharão juntos para eliminar a pobreza, o desemprego, a guerra, o analfabetismo, a fome e as enfermidades.

Se quisermos assegurar seriamente que os EUA mantenham suas mãos fora da Venezuela, devemos lutar e ganhar a luta aqui mesmo, no ventre da besta.

Tirem as mãos da Venezuela!

Solidariedade à Revolução Venezuelana!

Por uma Federação Socialista das américas e do mundo!

Viva a revolução socialista mundial!

 Assinado:

US Hands Off Venezuela

US Section of the International Marxist Tendency

Youth for International Socialism

Tradução Fabiano Leite.

Deixe seu comentário

Leia também...

Bolsonaro prepara seu ministério de assalto (sem trocadilhos!)

“Nós, pequenos artesãos burgueses, que trabalhamos com o bom e velho pé-de-cabra, as modestas caixas …