Início / Documentos | Ver Mais / Congressos & Conferências / Convocado o 28º Congresso da Esquerda Marxista

Convocado o 28º Congresso da Esquerda Marxista

De 29 a 31 de Janeiro de 2010 ocorrerá o 28º Congresso Nacional da Esquerda Marxista.

Militantes de todo o Brasil realizarão as plenárias de base em Dezembro para eleger os delegados ao 28º. Congresso da Esquerda Marxista. É esperada a participação de militantes de todas as regiões do país. Também deverá estar presente uma delegação do Secretariado Internacional da CMI (Corrente Marxista Internacional), da qual a Esquerda Marxista é a seção brasileira.

Como de costume, o Congresso será precedido da Escola de Quadros anual, de uma semana de duração. Neste ano os quadros da Esquerda Marxista estudarão 3 temas centrais: A formação econômica do Brasil; A história do Trotskysmo no Brasil de 1929 a 1979; A intervenção dos trotskystas no PT de 1980 a 2010. A proposta é que este estudo resulte em uma publicação, para 2010, com “O Programa da Esquerda Marxista para a Revolução Brasileira”, que deverá apresentar uma plataforma política com as propostas da Esquerda Marxista para a classe trabalhadora brasileira.

Em 11 de Outubro, o Comitê Central da Esquerda Marxista aprovou um informe político que já foi publicado em Boletim para os militantes e começa a ser discutido em todas as células do país.

A crise econômica mundial continua

O informe político deixa claro que, para os marxistas, a crise ainda não acabou: “Calcula-se que cerca de 15 trilhões de dólares foram despejados na economia pelos governos de todo o mundo para estancar a crise. Essa é sem dúvida a maior crise desde 1929, mas até o momento não se transformou em uma grande depressão como a de 29 e é possível que não se transforme. Isso se deve à ação do Estado e essa massiva injeção de capital que não ocorreu naquela crise para impedir fechamento de bancos e empresas. Isso possibilitou uma desaceleração na queda, em alguns países pequeno crescimento, mas imprimir dólares sem lastro, no caso dos EUA, traz a desvalorização da moeda e a inflação. Essas ações têm um limite, apenas empurram a crise mais pra frente, pois os Estados não podem fazer isso recorrentemente. Trillhões deixam de ser investidos em programas sociais. A educação e a saúde públicas sofrem cortes, as aposentadorias são atacadas. As medidas para trazer o equilíbrio econômico trazem consigo o desequilíbrio social e um déficit público gigantesco que levam países inteiros à falência. O endividamento dos Estados, em especial dos EUA, chegou a níveis nunca antes vistos. No Japão a dívida pública chega a 170% do PIB. O FMI projeta que a dívida pública dos 10 países mais ricos do mundo deve chegar a 106% do PIB em 2010 (em 2007 foi de 78%). Isso significa um aumento da dívida, em três anos, de mais de nove trilhões de dólares. É a receita para novas e maiores crises no futuro.”

O informe ainda faz uma análise da situação na América Latina que continua a ser varrida por um vento revolucionário tendo seu ponto mais elevado na Venezuela. Explica como o chicote da contra-revolução fez surgir em Honduras um movimento revolucionário e delimita o início da revolução no Irã. O informe do Comitê Central também deixa claro que hoje não há nem uma chance de ocorrer uma 3ª Guerra Mundial entre países imperialistas e que as guerras continuarão ocorrendo de maneira localizada.

O Brasil e nossas perspectivas

Na parte nacional do Informe o Comitê Central faz uma extensa análise da situação no Brasil de 2003 a 2009, do caráter do Governo Lula, do momento da crise econômica no Brasil, da situação no interior do PT, de nossa tática e da luta pela Frente Única.

O Comitê Central faz um balanço de nossa política aplicada desde o último Congresso (Jan/2008) e aponta a necessidade de corrigirmos um erro de apreciação que tem conseqüências práticas.

No 27º Congresso avaliamos que as massas já haviam feito toda a experiência com a democracia burguesa e que, portanto, haviam superado suas ilusões nas instituições burguesas. Mas erramos, pois não levamos em conta a força dos aparelhos no interior do movimento operário em alimentar as ilusões das massas na democracia burguesa. Isso havia nos levado a concluir que a colocação da “Constituinte Soberana” estava superada. No informe o Comitê Central aponta para a correção deste erro pelo 28º Congresso.

No capítulo sobre o “Método de Construção” o informe reafirma nosso acerto em continuar nossa construção no Brasil como corrente interna do Partido dos Trabalhadores. E nosso sucesso na batalha do PED 2009 tem comprovado esse acerto.

Ainda serão publicadas nos próximos Boletins Internos propostas para serem discutidas no 28º Congresso sobre: Jornal, Juventude, Formação, Finanças, Trabalho Sindical, Fábricas Ocupadas, PED, Eleições 2010, Mandatos parlamentares e Movimento Negro.

As discussões estão apenas começando, mas já está bastante claro que este Congresso promete elevar o nível teórico e político do conjunto dos militantes da Esquerda Marxista e colocará nossa organização em um novo patamar para enfrentar os embates do próximo período.

Deixe seu comentário

Leia também...

Congresso Mundial da CMI discute as perspectivas internacionais

No dia 24 de julho iniciou o Congresso Mundial da Corrente Marxista Internacional (CMI) com …

Deixe uma resposta