Início / Artigos / Brasil e Venezuela

Brasil e Venezuela

No momento em que esta edição está sendo fechada, as notícias mostram a vitória do Presidente Chávez na Venezuela. Reeleito com maioria absoluta dos votos, Chávez declarou “que é outra derrota para o diabo que pretende dominar o mundo” (referindo-se a Bush), “ao povo americano nossas saudações e nossa solidariedade” (diferenciando o povo americano do seu governante) e termina “a Venezuela nunca será colônia americana, nem de ninguém” e que “o reino do socialismo é o reino do futuro venezuelano”.

Sim, é verdade, ainda existem problemas e dificuldades na Venezuela e entre intenção e gesto ainda existe uma distância (ver mais na pág. 6). Mas, reconheçamos, no Brasil a situação é muito diferente.

Lula reelegeu-se em uma campanha contra as privatizações. Entretanto, o próprio programa de governo divulgado na sexta-feira antes do 2º turno propunha a privatização das estradas. Lula criticou a privatização da Vale do Rio Doce, mas nada fez para ajudar as ações que correm anulando esta privatização. Pelo contrário, permite que os advogados do governo continuem defendendo a privatização. As concessões feitas nas Estradas de Ferro estão literalmente ilegais, já que as companhias, principalmente a ALL, não cumpriram os contratos. Poderiam ser anuladas. Mas Lula faz vista grossa e deixa os trabalhadores serem tratados como cachorros (ver mais na pág. 2).

E agora a Ministra Dilma Roussef propõe a privatização do aeroporto de Natal no Rio Grande do Norte. Aqui se promete uma coisa e se faz outra.

A burguesia, compreendendo tudo, parte pra cima do governo e exige que se faça a segunda reforma da Previdência, arrancando direitos dos trabalhadores privados. Lula, com razão, declara no Diretório Nacional do PT que não existe déficit previdenciário, que o que existe é déficit do tesouro! Mas, então, por que foi feita a primeira reforma, por que tantos direitos retirados dos servidores públicos?

A verdade é mais simples: Lula gostaria de continuar fazendo o que fez no primeiro governo onde “nunca os banqueiros ganharam tanto” (declaração de Lula durante a campanha eleitoral). Mas o povo que votou nele vem com outra garra, com outra disposição. As invasões de terra espalham-se pelo país e os ventos que sopram do México, Bolívia e Venezuela aquecem os corações daqueles que querem mudar, daqueles que acham que chegou a vez do povo e não dos banqueiros.

Agora Lula quer “destravar” a economia, promete um pacote para 15 de dezembro, mas não explica como “destravar”. Nós explicamos: ouça a voz das ruas, do povo, que exige a reforma agrária, a anulação da venda da Vale do Rio Doce, das ferrovias e de outras estatais, a estatização das empresas ocupadas pelos trabalhadores, um salário mínimo digno (o DIEESE apresentou esta semana o valor para cumprir aquilo que a constituição prevê: R$1.600!). Para começar podia atender desde já a reivindicação da CUT de R$420,00.

Pare de pagar a dívida externa e interna para os grandes banqueiros e use o dinheiro para escolas, hospitais, obras públicas necessárias. Isto pode “destravar” a economia do povo, “travar” a sanha de lucros de banqueiros e grandes empresários e preparar o socialismo. Esta é a nossa batalha.

Por isso estamos realizando os seminários de balanço do PT e do governo, construindo os Núcleos Socialistas de Base e estaremos apresentando uma tese para o 3º Congresso do PT (convocado para Julho de 2007) para ajudar os trabalhadores nas suas lutas em direção ao socialismo.

Deixe seu comentário

Leia também...

Bolsonaro prepara seu ministério de assalto (sem trocadilhos!)

“Nós, pequenos artesãos burgueses, que trabalhamos com o bom e velho pé-de-cabra, as modestas caixas …

Deixe uma resposta