Início / Artigos / Mundo | Ver Mais / Argentina: abaixo o orçamento de fome! Liberdade aos detidos!

Argentina: abaixo o orçamento de fome! Liberdade aos detidos!

No Congresso da Nação argentino, no dia 25 de outubro, os deputados se dispuseram a aprovar parcialmente o fraudulento orçamento do FMI e dos capitalistas e, assim, aprofundar violentamente o ajuste. Com a servil ajuda dos deputados do PJ[1], corresponsáveis pelo ajuste, o oficialismo conseguiu o quórum necessário para o funcionamento da sessão.

A aprovação e execução deste orçamento significa uma declaração de guerra para trabalhadores e setores populares.

Por sua vez, a resposta das massas não tardou em esperar e uma multidão se mobilizou em todo o país. Na cidade de Buenos Aires a mobilização se deu com a força da base dos sindicatos que a chamaram e, inclusive alguns, como os docentes, convocaram greve também. Novamente a direção da CGT[2] mostrou sua face reacionária e pavimentou o caminho para Macri ao não convocar nenhum tipo de ação ou plano de luta para confrontá-lo.

A resposta do governo também foi a habitual. Por meio da repressão com gás lacrimogênio, porretes e balas dispersou a mobilização, impedindo que centenas de milhares de trabalhadores permanecessem à frente do Congresso. Novamente os encapuzados de sempre, enviados pelos serviços de repressão, foram os encarregados de ascender a fagulha de uma repressão planificada pelo macrismo e justificada pelos meios de comunicação.

Combinando a repressão seletiva com as violentas detenções correntes, tentou-se amedrontar trabalhadores e juventude que lutam contra o ajuste de Macri. Até o momento de escrita deste artigo, 31 companheiros estavam detidos, incluindo o companheiro Nacho Levy, da Garganta Poderosa[3], que, literalmente, foi caçado a 15 quadras da Praça do Congresso, assim como aos trabalhadores do Estaleiro Río Santiago.

Mesmo assim, nas imagens transmitidas pela Crónica TV[4], pode-se ver ao vivo como um efetivo da polícia batia com uma barra um companheiro da Garganta que estava algemado no chão.

Nós da Corriente Socialista Militante (CMI) exigimos a imediata liberação de todos os detidos e responsabilizamos o governo por suas integridades físicas.

Por sua vez, chamamos a redobrar as medidas de luta para frear o saque em curso e derrubar Macri, assim como discutir medidas de autodefesa do movimento popular diante dos reiterados ataques das forças repressivas de Patricia Bullrich[5], que repetem o modus operandi sistematicamente marcha após marcha.

A burguesia e a oligarquia estão dispostas a ir fundo com o ajuste. Precisam sustentar sua taxa de lucro diante da crise capitalista mundial.

Não podemos esperar 2019, a luta é hoje, aqui e agora. A fome é hoje, aqui e agora. A saída não são as eleições dentre do marco da democracia burguesa.

Não precisamos de outro governo reformista, precisamos de uma Revolução.

A única saída possível em termos satisfatórios para os trabalhadores e o povo pobre passa por construir um partido de trabalhadores que seja capaz de reivindicar uma nova legalidade por fora do ajuste permanente que o capitalismo oferece. O ano de 2001 nos ensinou que em sequência ao “que se vão todos” devia ter: por um Governo dos Trabalhadores.

  • Não é Macri – é o Capitalismo!
  • Fora FMI!
  • Não ao Parlamento do Ajuste!
  • Por um Governo dos Trabalhadores!

 

[1] Partido Justicialista, fundado por Juan Domingo Perón em 1946, de caráter reformista e social-democrata (Nota do Tradutor – N.T.).

[2] Confederación General del Trabajo de la República Argentina – Confederação Geral do Trabalho da República Argentina, fundada em 1930 (N.T.).

[3] Revista mensal de cultura de periferia ou villera (em referência às villas ou, em tradução livre, favelas), editada por uma das cooperativas da organização social La Poderosa (N.T.).

[4] Emissora de televisão aberta argentina (N.T.).

[5] Ministra de Segurança do governo de Macri (N.T.).

Artigo publicado originalmente em 25 de outubro de 2018, no site “El Militante”, sob o título: “¡Abajo el presupuesto del hambre! ¡Libertad a los detenidos!“. Tradução de Nathan Belcavello de Oliveira.

Leia também...

Washington orienta “mudança de regime” na Venezuela

Uma tentativa de golpe de Estado imperialista está em curso na Venezuela. No dia 10 …