Início / Sem Categoria / A atualidade dos ensinamentos de Trotsky em: Aonde vai a França

A atualidade dos ensinamentos de Trotsky em: Aonde vai a França

Wanderci Bueno

Trotsky e sua filha Nina na França
Nosso amigo e camarada Fabiano Leite postou no seu facebook alguns extratos do texto de León Trotsky, Aonde Vai a França, escrito quando ainda o nazismo ainda engatinhava para mais tarde surgir como a etapa suprema da degeneração do capitalismo. A crise que assolava o mundo impunha aos partidos operários e sindicatos a necessidade a sua mais ampla unidade, a condição indispensável para salvar a humanidade da guerra e da destruição.

Stalin, comandando os partidos comunistas, se recusa a estabelecer a unidade entre os trabalhadores ligados aos partidos e sindicatos da social democracia. O desespero toma conta das camadas médias. Estavam abertas as portas para o avanço do nazismo. As condições para a revolução socialista não só estavam maduras, mas começavam a apodrecer e com as políticas ora sectárias, ora frente populista de Stalin, conduziriam a humanidade e a classe operária ao período mais agudo da destruição capitalista: a guerra imperialista. 

Fabiano, ao qual agradeço, certamente não se molestará ao se deparar com sua iniciativa publicada em nosso blog. 


Fabiano Leite

Lendo Trotsky (“Aonde vai a França”, escrito na década de 1930), extraí a seguinte citação que se ajusta como uma luva à crise global atual do capitalismo. “A primeira e mais importante premissa de uma situação revolucionária é a exacerbação intolerável das contradições entre as forças produtivas e as formas de propriedade. A nação deixa de avançar. A parada do desenvolvimento da potência econômica e, ainda mais, sua regressão significam que o sistema capitalista de produção se desgastou completamente e que deve ceder seu lugar ao sistema socialista. “A crise atual, que abarca todos os países e atrasa a economia em dezenas de anos, empurrou definitivamente o sistema burguês ao absurdo. Se, no início do capitalismo, operários famintos e ignorantes destruíram as máquinas, agora quem destrói as máquinas são os próprios capitalistas. A manutenção, a partir de agora, da propriedade privada dos meios de produção ameaça à humanidade com a barbárie e a degeneração”. “(…) A base da sociedade é sua economia. Esta base está madura para o socialismo em duplo sentido: a técnica moderna alcançou um nível tal que poderia assegurar um elevado bem-estar ao povo e a toda a humanidade; mas a propriedade capitalista, que sobrevive, condena os povos a uma pobreza e a sofrimentos cada vez maiores”. “(…) A premissa fundamental, econômica, do socialismo, existe desde há muito tempo. Mas o capitalismo não desaparecerá do cenário por si mesmo. Somente a classe trabalhadora pode arrancar as forças produtivas das mãos dos exploradores que as estrangulam. A história nos coloca esta tarefa de forma aguda. Se o proletariado se encontra, por tal ou qual razão, incapaz de derrubar a burguesia e tomar o poder, se está, por exemplo, paralisado por seus próprios partidos e sindicatos, continuará o declínio da economia e da civilização, aumentarão as calamidades, o desespero e a prostração se apoderarão das massas e o capitalismo – decrépito, putrefato, cadavérico – estrangulará os povos cada vez com mais força, arrastando-os ao abismo de novas guerras. Não há salvação fora da revolução socialista” (Trotsky, Aonde vai a França?). 

Trotsky escreveu estas linhas na década de 1930, quando a ala fascista do capital financeiro ameaçava a França, depois de ter conquistado o poder na Itália e na Alemanha

Deixe seu comentário

Leia também...

80 anos de fundação da 4ª Internacional

Deixe seu comentário

Sem comentários

  1. ali onde se lê camaradas médias não seria camadas médias

  2. Já corrigimos. Obrigado, camarada.