Início / Teoria | Ver Mais / 50 anos da Primavera de Praga: revolução política contra o stalinismo

50 anos da Primavera de Praga: revolução política contra o stalinismo

Há cinquenta anos, em agosto de 1968, tropas e tanques da União Soviética (URSS) invadiam a Tchecoslováquia para tentar conter o movimento que ficou conhecido como “Primavera de Praga”. Relembramos esse acontecimento como mais uma expressão da unidade mundial da luta de classes, que se manifestou com toda força no ano de 1968, ou seja, como um fenômeno ligado às grandes mobilizações de massa que tomaram conta de vários países naquele ano e como prova da falência dos governos burocráticos e totalitários na edificação de uma sociedade socialista. Em outras palavras, o regime stalinista não somente se mostrou incapaz de promover o socialismo, como fez dele uma caricatura dantesca e, enquanto casta dirigente, fez tudo o que pode para defender seus privilégios, em detrimento da classe trabalhadora e da juventude.

Por outro lado, a “Primavera de Praga” colocou na ordem do dia a discussão sobre qual a verdadeira natureza do socialismo e como alcançá-lo, tendo em vista a enorme barreira levantada entre os povos onde o capital foi expropriado e o poder político, que acabou concentrado numa camada totalitária que não permitia a mínima crítica, muito menos o controle democrático da economia e do Estado pelos trabalhadores. Nesse sentido, a resistência do aparato dos partidos comunistas e seus governos frente à ascensão das massas comprovou que a única alternativa era mesmo uma revolução política, tal qual preconizada por Leon Trotsky em 1936.

Revolução Traída

Tendo como base a própria experiência enquanto líder da Oposição de Esquerda ao regime totalitário que se erigia na URSS entre 1923 e 1929 – que usurpou e acumulou o poder que pertencia aos trabalhadores organizados nos soviets e esmagou pelo peso do aparato as frações dentro do partido comunista – bem como pela análise da produtividade do trabalho sob o stalinismo, Trotsky chegou a algumas conclusões (expressas no livro “A Revolução Traída: o que é e para onde vai a URSS?” de 1936 e outras obras), tais como: a revolução proletária expropriou a burguesia no antigo império russo e estabeleceu o governo dos sovietes, os conselhos de operários e camponeses. O isolamento da revolução (derrotada em outros países), bem como a guerra civil que se iniciou logo após o encerramento da 1ª Guerra Mundial e que devastaram o país: tudo isso levou ao cansaço ou ao esmagamento da vanguarda operária, num país recém-saído do feudalismo, portanto, com um nível econômico e cultural bastante atrasado e essas foram as bases sociais que propiciaram a ascensão da burocracia estatal e do aparato do partido ao poder. Estabeleceu-se uma casta parasitária sobre a propriedade social dos meios de produção, um regime de planejamento burocrático da economia e um estado policial para defender os privilégios dessa camada em relação à massa de trabalhadores.

Inicialmente, a burocracia agiria como um freio relativo ao desenvolvimento das forças produtivas, pois pelo simples fato do capital ter sido expropriado e nacionalizado, a indústria, a agricultura, a estrutura econômica se recuperariam e fariam a sociedade progredir, porém, o planejamento burocrático, os privilégios, a corrupção, o desperdício e má utilização dos recursos, a diferenciação social entre dirigentes e a massa proletária, levariam a sociedade soviética a um impasse que somente poderia ser resolvido com uma revolução política. Ou seja, uma revolução na qual os trabalhadores derrubariam a burocracia e recuperariam o poder, acabando assim com os privilégios da casta dirigente, estabelecendo um planejamento democrático da economia para o benefício de todos os trabalhadores e mais, recuperando os laços de internacionalismo proletário abandonados pela estúpida “teoria do socialismo em um só país”. A classe trabalhadora, portanto, manteria as bases econômicas e sociais conquistadas pela revolução de 1917 e expurgaria do poder político essa casta parasitária que havia ascendido durante o período de descenso do movimento operário internacional. Por outro lado, caso a revolução política não saísse vitoriosa, a burocracia seria impelida a retroceder ao capitalismo, seja pelas pressões econômicas do imperialismo, seja pelo instinto de preservação, em especial o direito de deixar fortuna e propriedades como herança a seus descendentes.

Porém, Trotsky entendia que a possibilidade de uma revolução política na URSS dependia do avanço da revolução social na Europa e em outras partes do mundo e, inversamente, cada revolução desperdiçada significaria o reforço da burocracia e o agravamento da situação das massas soviéticas. Foi o que ocorreu: após a derrota da revolução alemã e da revolução espanhola nos anos 30, seguiram-se os Processos de Moscou na URSS (1936 – 1938) que dizimaram toda a velha guarda bolchevique de 1917 e boa parte dos quadros do Exército Vermelho que haviam lutado na Guerra Civil, em processos judiciais que fizeram a Inquisição medieval parecer branda e delicada.

Sabemos que tanto nas repúblicas que formavam a URSS quanto nos países do Leste Europeu e, mais recentemente, na China, o capitalismo foi restabelecido. O aparato burocrático do partido e do Estado conduziram tais países – brusca ou lentamente – de volta ao regime da propriedade privada dos meios de produção e sob o domínio do imperialismo em escala internacional. No entanto, o prognóstico de Trotsky não só se mostrou válido a esse respeito, mas também estava certo sobre a inevitabilidade de uma revolução política, como pôde ser verificado não diretamente na URSS, mas na Hungria e Polônia em 1956 e na Tchecoslováquia em 1968.

Evidentemente, Trotsky não podia prever que a URSS sairia vencedora da 2ª Guerra Mundial e que se formariam estados operários burocraticamente degenerados desde o nascimento, por toda a extensão percorrida pelo Exército Vermelho na luta contra os nazistas. Mas o fato de revoluções políticas terem tido lugar nesses países periféricos ao invés do centro do regime stalinista não invalida a análise. Pelo contrário, a enriquece, mostrando que sempre “a corda arrebenta no lado mais frágil”. E a corda começou a se romper após a morte de Stalin.

“Desestalinização”

Em 1953 Josef Stalin morre e em 1956, num “discurso secreto” ao 20º Congresso do Partido Comunista da URSS, Nikita Khrushchov critica o “culto à personalidade” de Stalin e “os abusos” cometidos nos anos 1930, na tentativa de tornar o regime um pouco mais aceitável para as massas sem, no entanto, abrir mão do controle e dos privilégios da burocracia. Ou seja, fez passar a ideia de que o problema não era o regime em si, mas tão somente a antiga liderança. Assim, foi dado o sinal para a promoção de uma “desestalinização” do regime soviético. Evidentemente, nenhum problema de fundo foi resolvido e o discurso de suavizar o regime não o impediu de enviar tropas para esmagar revoltas na Polônia e na Hungria no mesmo ano, nem de promover uma repressão brutal contra os que ousaram se rebelar, com direito a expurgos, deportações, prisões e assassinatos. Anos mais tarde, foi a vez dos povos tchecos e eslovacos se levantarem.

Sinais de insatisfação popular na Tchecoslováquia começaram a aparecer entre os escritores, submetidos à censura, e entre os estudantes, impacientes com os problemas relacionados à moradia no campus da universidade. Em julho de 1967, no Congresso da União dos Escritores, uma moção contra a censura é lida na tribuna e uma confusão se instala. Os insatisfeitos sobem o tom das críticas, entre eles, o jovem romancista e comunista Ludvik Vaculik que se pronuncia contra “a dinastização” do poder, além de tocar em inúmeras questões sensíveis à situação social do país. Muitos escritores são expulsos do partido e deportados por isso! Já em novembro, cansados de esperar pela solução de suas demandas, uma manifestação de estudantes é realizada e acaba sendo brutalmente atacada pela polícia. Como se não bastasse a prisão de centenas de estudantes, a imprensa oficial calunia os manifestantes publicamente. Revoltados, os estudantes se agitam, realizam reuniões e assembleias, mantém suas reivindicações, exigem uma retratação e o direito à liberdade de manifestação que, apesar de previsto na Constituição, na prática era proibido.

Uma crise se instala na cúpula do PC. Uma fração ligada a Antonin Novotny, que acumulava os cargos de secretário-geral do partido e presidente do país, figura considerada como o “Stalin tchecoslovaco”, estava disposta a pôr um fim nessas turbulências antes que elas se generalizassem, enquanto outra ala estava a favor de uma “liberalização”, ou seja, estava inclinada “a entregar os anéis para não perder os dedos”. Em janeiro de 1968, após meses de pesadas disputas internas, o plenum do Comitê Central decide eleger Alexandre Dubcek para secretário-geral do PCT. A nova ala à frente do país passa a falar em “socialismo de face humana”, em “democratizar a vida do partido”, “modernizar o sistema”, “criar uma nova relação entre governantes e governados”, “em liberdade de expressão e liberdade de imprensa”, etc. A então toda poderosa linha monolítica do partido abre uma brecha, por onde vão passar os trabalhadores e a juventude.

E os primeiros efeitos dessa fricção na cúpula aparecem na imprensa escrita, falada e televisionada. Os jornalistas passam a debater todos os problemas do país abertamente. E a partir daí toda a população começa a se inteirar das discussões políticas em curso. Lembrando que a imprensa não estava em mãos privadas e sim nas mãos das organizações formais dos trabalhadores, do partido e do governo. Por exemplo, o jornal Reporter era o órgão da União dos Jornalistas, já Literarni Listy, órgão da União dos Escritores, Student, dos estudantes de Praga: eram os mais combativos. Mas mesmo o jornal Prace, órgão dos sindicatos, estava recheado de críticas, carta de leitores, resoluções de assembleias, etc.

Aliás, a revelação pela imprensa de que um complô havia sido desbaratado antes da realização do plenum de janeiro foi seguida pela realização de inúmeras assembleias em fábricas, escolas e universidades e reuniões de base do PCT exigindo apuração, demissão e punição dos responsáveis pela conspiração. Os acusados são todos partidários de Novotny e a pressão é tanta que ele renuncia ao cargo de presidente do país. Em seu lugar, é eleito Ludvik Svoboda. Isso foi em março de 1968, início da primavera na Tchecoslováquia…

Surgem organizações de massa independentes das organizações oficiais do partido, como o Parlamento dos Estudantes de Praga e a União de Jovens Trabalhadores. Nas fábricas, a agitação é cada vez maior: “Por toda parte rebentam greves, estendem-se ameaças de greve, diretores são licenciados por assembleias operárias, democraticamente substituídos; são reivindicados aumentos de salários e abrem-se debates sobre todas as questões através de cartazes, murais, panfletos e assembleias gerais”.(1)

Não demora para que a agitação chegue aos sindicatos. De alto a baixo, os dirigentes sindicais são substituídos ou levados pela torrente que vem das bases, cujo intuito é recuperar o papel das entidades sindicais de instrumentos dos operários em defesa de seus interesses materiais e não mera correia de transmissão das ordens do partido. É assim por exemplo que os sindicalizados vão se defender da tentativa do PCT de designar um novo presidente para o Conselho Central dos Sindicatos: “O conselho do nono distrito, que compreende principalmente a grande fábrica de Sokolovo da CKD, recebeu um mandato dos delegados dos 85 mil operários que ele representa; esse mandato protesta contra a designação do novo presidente por uma instância do partido (…). A fração comunista (do nono distrito) se reúne, solta lastro e vota uma resolução que condena a deformação do papel dirigente do partido, que reduz os sindicatos ao papel de agentes de execução e correias de transmissão do partido, assim como dos decretos e decisões governamentais. Condena também o estilo e o método de trabalho que substituíram os princípios pela coerção (…). As delegações de fábrica sucedem-se, vindas de todas as regiões e, em particular, sucedem a da fábrica de Skoda de Pilsen. O Conselho Central interrompe sua sessão e o Presidium anuncia a convocação de uma conferência nacional dos sindicatos livres e democráticos que se pronunciará sobre a nomeação dos novos responsáveis”. (1)

Foi uma medida que satisfez em parte os protestos operários, mas que evidentemente serviu muito mais para a direção ganhar tempo. No entanto, mostra o chacoalhão que as massas estavam promovendo nas estruturas sindicais.

Programa de Ação

Em abril, o plenum do CC se reuniria novamente. Os “conservadores” criticavam os excessos e a falta de controle do processo de democratização, enquanto os “progressistas” estavam assustados com as forças que tinham liberado. Chegam assim a um rearranjo burocrático, com o intuito de frear o movimento de massas, de tentar conduzir a democratização a um terreno seguro, capaz de manter o controle e os privilégios do aparato e, assim, apresentam um “Programa de Ação”, baseado nas palavras de ordem: “democratização, reabilitação e federalização”.

No campo da democratização, as medidas visavam corroborar o que de fato as massas já haviam conquistado, como o fim da censura e a promoção planejada e experimental de certo número de “conselhos de gestão” nas fábricas. Com relação às reabilitações, foi instaurado um júri especial responsável pela análise dos casos de expurgos e deportações, com o fim de reabilitar comunistas outrora considerados inimigos do regime. Com relação à federalização, foram implementadas medidas para responder às aspirações nacionais dos eslovacos, região mais pobre e menos desenvolvida do país.

Em outras palavras, o Programa de Ação visava “interromper através de métodos novos e mais bem adaptados, mais modernos e mais atraentes, o grande movimento de massas”. (1)

Porém, as massas se agarraram a essas palavras-de-ordem e foram aplica-las ao seu próprio modo. Com as pequenas concessões oficiais, elas se sentiram confiantes para seguir adiante e para aprofundar as conquistas que tinha obtido até ali. Uma nova e enorme quantidade de jovens e trabalhadores que participavam das lutas e organizações de massa, filiam-se ao PCT, renovando e oxigenando os organismos de base. Já os operários queriam estender em alcance e conteúdo os “conselhos de gestão”, transformando-os em verdadeiros organismos de poder proletário nas fábricas. Os jornais repercutem a luta e o debate em torno disso e publicam artigos resgatando ideias originais de Marx e Lenin a respeito de um Estado assentado sobre conselhos operários eleitos e revogáveis e, inclusive, fazem referência a algumas teses da Oposição de Esquerda sobre a burocracia. Também vão mais longe do que o aparato na questão das reabilitações e entrevistam vítimas, ex-agentes de repressão e prestam homenagens a comunistas expurgados ou assassinados. Chegam inclusive a reivindicar a reabilitação de Zavis Kalandra, antigo dirigente de uma organização trotskista que fez parte do combate contra os nazistas e foi enforcado durante o “Processo Slansky” nos anos 50, reedição local dos Processos de Moscou. A questão das reabilitações suscitava pesadelos não só na ala mais conservadora do aparato, mas também na burocracia de Moscou, afinal, a revelação de toda a intricada rede de terror poderia apontar não só seus executores, mas seus verdadeiros responsáveis.

Enquanto isso, Dubcek se equilibrava entre as massas, os conservadores do PCT e a burocracia de Moscou, que o convocou a dar explicações numa reunião de partidos comunistas que compunham o Pacto de Varsóvia. A burocracia do Kremlin e dos demais países vizinhos não ficou nada satisfeita com as justificativas de Dubcek e, a partir daí a imprensa russa, alemã oriental, húngara e polonesa começaram a espalhar rumores de ameaças “contrarrevolucionárias” se desenvolvendo na Tchecoslováquia e a questionar a falta de visão ou vacilação dos líderes locais, como que a preparar o terreno e a opinião pública para a resolução desse “perigo”. A imprensa tchecoslovaca responde criticando a relação desigual na economia e autoritária na política entre URSS e os países do Leste Europeu.

Manifestos políticos surgem por toda parte, seja por iniciativa de congressos estudantis ou operários, seja por intelectuais e figuras públicas. Por exemplo, o “Manifesto das Duas Mil Palavras”, que “moderado em sua forma e conteúdo constitui, no entanto, um texto verdadeiramente revolucionário: pela primeira vez é colocado o problema fundamental da Tchecoslováquia e de todos os países dominados pela burocracia: o problema do poder. Pela primeira vez é colocada a necessidade da organização independente das massas na luta contra o aparelho. Pela primeira vez é lançado um apelo à iniciativa e ao movimento de massa, um programa lhes é proposto, através da luta para uma aplicação efetiva do Programa de Ação”. (1)

As bases do PCT votam resoluções pela convocação de um Congresso Extraordinário e o plenum de maio agenda o 14º Congresso para setembro, com o intuito de garantir, na eleição do próximo CC, a supremacia dos “liberais” sobre os “conservadores”, que estavam ampliando suas críticas e fazendo coro com a burocracia soviética.

Entretanto, mais uma vez, as bases iriam demonstrar que estavam mais à esquerda do que sua direção. O escritor Ivan Klima, comentando o Manifesto das Duas Mil Palavras publica um artigo, “Inquietudes que antecedem o Congresso”, onde afirma que o objetivo é a desestalinização do partido e que, para isso, é necessário restabelecer a democracia operária no PC e na sociedade, inclusive reconhecendo o direito de fração; a superioridade dos organismos eleitos sobre o aparelho do partido e do Estado, etc. Já Frantisek Samalik, eleito delegado por Praga, ao expor sua concepção de partido e sociedade e defender uma mudança nos estatutos, explica: “o aparelho é, antes de tudo, um elemento executivo e administrativo que deve realizar o programa político que é elaborado pelos organismos democráticos. Devemos modernizar o aparelho nas suas relações com os organismos democráticos. É deles que depende a maneira como se vai utilizar o aparelho (…). Toda uma experiência, que vai da burocracia na Babilônia até a burocracia americana, ensina-nos que o impulso de uma modificação política do aparelho não pode vir do interior desse aparelho. É por isso que penso que uma mudança fundamental da estrutura do partido é necessária”. (1)

Essas e outras ideias que refletem no interior do partido a luta pela democracia operária e pela revolução política em curso no país, que vão arrastar uma parte considerável dos delegados em várias conferências regionais, que evitam as manobras burocráticas através da livre apresentação de candidatos com base na discussão política e através da eleição por voto secreto, por exemplo. Esse renascimento do partido comunista é considerado demasiado perigoso para ser tolerado e, para dar um basta a isso e à efervescência social, a burocracia soviética começa a se preparar para invadir a Tchecoslováquia.

A invasão stalinista e a resistência das massas

Na noite de 20 para 21 de agosto de 1968, cerca de 600 mil homens armados do Exército Vermelho invadem a Tchecoslováquia, em particular a capital, Praga. Prendem Dubcek e outros dirigentes do PCT, invadem sedes de emissoras e redações e predem jornalistas e tomam o controle das principais ruas e prédios públicos. A reação popular é espontânea e uma batalha se desenvolve abertamente.

O repórter Vaclav Byk narra assim as primeiras horas da ocupação: “Nesse momento só tínhamos um desejo: explicar aos soldados que tudo isso era um erro, pois eles se encontravam na Tchecoslováquia, onde não existia razão alguma que justificasse a invasão. Alguns minutos depois, vi um rapaz, ainda muito jovem, imóvel na calçada. Deitaram-no no capô de um automóvel. Tinha a cabeça traspassada por uma bala: era o primeiro morto. Molharam uma bandeira tchecoslovaca no seu sangue; com a bandeira ensanguentada, a multidão desfilou pelas ruas, sob os olhos da população de Praga ainda sonolenta, mas que começava rapidamente a compreender”.(2)

Um correspondente estrangeiro, Michel Croce-Spinelli, relatou: “20 horas. Em redor do edifício da Rádio Praga. Todo o bairro é esquadrinhado por tanques: aqui houve luta esta manhã. Três carcaças de tanques incendiados ainda são visíveis a vinte metros da emissora. Também há ônibus incendiados, dois deles como se estivessem sido laminados pelos tanques. Alguns populares afirmam que foram incendiados seis tanques essa manhã e que tropas assaltaram a Rádio Praga. Também confirmam que três jovens foram mortos na refrega. Segundo eles, os tanques incendiados tinham sido encurralados pelas barricadas que os impediam de manobrar. Depois os tanques teriam sido cercados por jovens, uns discutindo com as tripulações enquanto outros perfuravam os reservatórios suplementares, ateando fogo na gasolina”(2)

A população vai para cima dos militares russos, questionando-os. Croce-Spinelli reproduz um diálogo entre uma mulher e um oficial:

– Aqui não temos contrarrevolucionários – replica a mulher. Simplesmente, somos verdadeiros comunistas, que queremos a democracia, não uma ditadura.

– Você é comunista? – pergunta o oficial.

– Sim, sou filiada ao partido. Quer ver minha carteira? – diz a mulher. Mas não a mostrou.

– E você, uma comunista, não compreende então que viemos libertá-los?

A mulher volta-se para seus compatriotas, para traduzir. A frase perde-se entre gritos de indignação e de sarcasmo.

– Está vendo? Aqui todo o mundo está com Dubcek e Svoboda, contra a invasão. O partido e o socialismo não estavam em perigo…”

Apesar da invasão no edifício, a Rádio Praga continuava a funcionar clandestinamente e animava os manifestantes, passava informações à população e mensagens codificadas. Edições especiais de jornais também eram impressos clandestinamente, com o apoio dos trabalhadores gráficos e distribuídos aos milhares, em caminhões cedidos por operários fabris, driblando o cerco dos tanques e das tropas.

A resistência das massas vai impedir que os conservadores do PCT assumam claramente seu papel de colaboracionistas da invasão e isso cria um impasse. Uma ala direita é denunciada por colaborar com os russos e não possui legitimidade nenhuma para assumir o governo, enquanto burocratas de centro viajam para Moscou para tentar um acordo que recoloque Dubcek no poder, único capaz de conter as massas e dar marcha a ré nas conquistas que haviam sido obtidas.

Em meio ao turbilhão, o comitê do partido em Praga toma a decisão de convocar uma “Conferência de Delegados” para a mesma data do 14º Congresso, 9 de setembro. O comitê convocou os delegados eleitos nas conferências regionais para se reunirem e tomarem as medidas necessárias contra a invasão. Constatando que a maioria dos delegados conseguiu atender ao chamado, viajando de diferentes maneiras através do país e sob vários disfarces, decidem pela realização do 14º Congresso e pela eleição de um novo Comitê Central. Publicam uma proclamação na nova revista do CC, batizada de Politika, em que afirmam que “a ocupação estrangeira constitui uma violação da soberania nacional, que não havia na Tchecoslováquia, às vésperas da intervenção, nem contrarrevolução nem perigo para o socialismo e que o país não poderia aceitar uma autoridade militar de ocupação nem um poder colaboracionista apoiado nas forças do ocupante”(1)

“Normalização”

Percebendo o beco se saída em que se meteram, os dirigentes soviéticos libertam Dubcek, que viaja diretamente a Moscou junto com uma delegação de dirigentes do PCT. Lá são assinados os “Acordos de Moscou”, visando “a normalização” do país e das relações entre URSS e Tchecoslováquia.

Os russos exigem que não se reconheça o CC saído do 14º Congresso, aliás que não seja reconhecido aquele evento como 14º Congresso. Dubcek então convoca o velho CC, convida 80 militantes do novo para participar da reunião e realiza a “junção” dos dois CCs, ao mesmo tempo em que adia a convocação oficial do 14º Congresso.

Os russos exigem uma depuração e são atendidos progressivamente através de uma série de “demissões” de dirigentes ligados à “democratização”. É travada também uma batalha, movida por ameaças, sanções e multas contra a imprensa. Volta a imperar a “autocensura” sobre os jornalistas, com base no respeito aos Acordos de Moscou e volta, também, “provisoriamente”, a censura oficial.

Porém, há resistência e é na Revista Politika e no periódico Reporter que se expressarão as teses mais avançadas e mais próximas de uma revolução política, contra a “normalização”. Os dirigentes “progressistas”, transformados em signatários dos Acordos de Moscou, assistem à derrocada lenta, porém contínua, de seu prestígio e de sua autoridade política e os sinais de mal-estar multiplicam-se.

Em novembro de 1968, estoura uma greve geral estudantil, com ocupação de faculdades, reivindicando o fim da intervenção militar e da censura, bem como a continuidade do 14º Congresso. Publicam suas exigências políticas, denominadas de “Os Dez Pontos”, nas quais exigem, entre outras coisas, fidelidade ao Programa de Ação, conselhos operários em todas as fábricas, liberdade de expressão e reunião. Os Dez Pontos são amplamente divulgados e a agitação aproxima-se das fábricas. A União dos Metalúrgicos declara apoio à greve dos estudantes e aprova os Dez Pontos em seu Congresso (que representava 950 mil trabalhadores, um em cada quatro trabalhadores tchecos). Também se afirmam solidários com a “Frente Cultural”, que congregava escritores, jornalistas, intelectuais e artistas perseguidos.

Já “o conselho operário das fábricas Skoda, de Pilsen, outra fábrica de vanguarda desde o começo da Primavera de Praga, toma a iniciativa de convocar uma conferência nacional de conselhos operários. Comentando essa decisão, Prace escreve: A classe operária, com isso, tomou em suas mãos o destino do socialismo e torna-se a principal garantia da política pós-janeiro… Esses conselhos estão aptos a tornar-se uma importante barreira contra todas as tentativas de restabelecer a ditadura da ‘política de gabinete’ e de ressuscitar o sistema burocrático”.(1)

Meses depois, em janeiro de 1969, após o suicídio do jovem estudante Jan Palach – uma atitude desesperada e que comoveu o povo – um novo encontro estudantil publicaria o “Manifesto de Praga”, retomando e aprofundando a linha política estabelecida pelos Dez Pontos e acusando a intervenção militar de ser responsável pela situação dramática que levou o jovem Palach a cometer suicídio. O Manifesto também repercutiria por todo o país, reacendendo os debates sobre a normalização e a presença das tropas estrangeiras.

No entanto, em que pese a heroica resistência e depois de outras crises, choques e fricções, avanços e retrocessos, durante os meses e anos seguintes, as massas trabalhadoras na Tchecoslováquia não conseguiriam superar o regime stalinista do PCT, sustentado pelos tanques da burocracia soviética. Pouco a pouco, obstinadamente, o aparelho conseguiu levar à frente a política de normalização que, ao fim ao cabo, após mais duas décadas, conduziu a região de volta ao capitalismo e à divisão territorial entre República Tcheca e República da Eslováquia, no bojo da queda do muro do Berlin e da restauração capitalista nas Repúblicas que faziam parte da URSS.

O que faltou para se atingir a vitória?

Ao se analisar a maravilhosa revolução política na Tchecoslováquia, pode-se perceber o quão longe foram as massas em sua luta contra a burocracia, porém, um detalhe decisivo faltou nos momentos cruciais da Primavera de Praga: uma organização política revolucionária com capacidade para aglutinar e liderar os setores mais avançados da classe trabalhadora e da juventude, com uma linha clara em relação ao que fazer, frente à profunda crise que abatia o regime stalinista.

Centenas de militantes comunistas chegaram a conclusões revolucionárias corretas e arrastaram milhares de pessoas na obra comum de uma mudança profunda nas relações de poder na Tchecoslováquia. Porém, em algum momento dessa luta, era necessário passar da fase de “fazer pressão sobre o aparelho do partido” para a organização de um movimento político alternativo.

Frente à bancarrota do aparelho, com os principais dirigentes do período da democratização traindo as massas e reconduzindo o país à normalização burocrática, como desejavam os conservadores e os agentes do Kremlin e, diante da resistência heroica da classe trabalhadora e da juventude, o chamado de militantes anti-burocracia e anti-intervenção para constituir um movimento revolucionário para levar até o fim o processo de democratização do país sob o socialismo com certeza conduziria à formação de um polo de atração, ao embrião de um verdadeiro partido comunista, reatado às melhores tradições do marxismo revolucionário.

Porém, principalmente os líderes sindicais manobravam entre soltar a pressão das massas e o respeito às instituições do aparato contrarrevolucionário. Ao mesmo tempo, o aparelho recorria tanto a métodos de repressão, depuração e ameaças sobre os setores e militantes mais resolutos, quanto continuava pregando ilusões e acalmando as massas com meias medidas. As mobilizações foram se desatando em torno de demandas próprias, isolando-se e não mais se conectando a um objetivo geral de transformação do regime político e foi assim que a burocracia foi se restabelecendo.

Alguns importantes deportados que haviam chegado bem perto de conclusões revolucionárias durante a Primavera de Praga e que poderiam dar sequência e consequência às suas ideias e seus atos, mesmo que em uma situação mais difícil do que no auge da revolução política, também foram abandonando suas perspectivas, paulatinamente e por diferentes razões, e deixando um vácuo no espaço que se abriu para o surgimento de uma oposição política de esquerda e independente dos PCs stalinizados.

Evidentemente que pesou sobre esse processo ainda as debilidades organizativas e programáticas da 4ª Internacional e dos grupos que se reivindicavam trotskistas na época. Em todo caso, os revolucionários de hoje não têm nada do que se lamentar, pois os que combateram ontem sob a perspectiva da revolução socialista mundial e da revolução política em particular nos deixaram importantes lições e ensinamentos e os fatos comprovaram a justeza daquelas ideias. Continua válida a frase final do Programa de Transição de 1938: “operários e operárias de todos os países, organizem-se sob a bandeira da 4ª Internacional! É a bandeira de sua próxima vitória”!(3) É verdade que a 4ª Internacional enquanto organização não existe mais, mas seu programa, suas tradições e conquista teóricas, seu elo de continuidade com o marxismo revolucionário continua sendo, com certeza, a única causa pela qual vale a pena viver, lutar e morrer!

(1) Citações do livro “A Primavera dos Povos começa em Praga”, de Pierre Broué;

(2) Citações do livro “Praga: quando os tanques avançaram”, de vários autores, sob coordenação de Pierre Desgraupes e Pierre Dumayet;

(3) Citação do livro “Programa de Transição”, de Leon Trotsk

Deixe seu comentário

Leia também...

Karl Marx está vivo e cheio de saúde

Há dois séculos, nascia uma criança cujo nome faria com que as classes dominantes do …