Imagem: ILO, Flickr

“A variante bilionária” – A desigualdade mata uma pessoa a cada quatro segundos 

As 10 pessoas mais ricas do mundo mais que dobraram sua riqueza desde o início da pandemia, enquanto mais de 160 milhões de pessoas foram levadas à pobreza. A desigualdade está matando uma pessoa a cada quatro segundos, e as pessoas pobres tem quatro vezes mais chances de morrer de Covid-19 do que as pessoas ricas. Isso tudo de acordo com o relatório de 2022 da Oxfam, “Desigualdade mata”.

Da falta de acesso à saúde à fome extrema, passando pelo impacto das mudanças climáticas, mais e mais pessoas estão padecedo de mortes facilmente evitáveis. Enquanto isso, os super-ricos estão se atirando no espaço, descansando em iates de luxo e lucrando impiedosamente com a pandemia.

Assim como a Ômicron, a “variante bilionária” está fora de controle e representa uma ameaça existencial para a humanidade, a menos que esse sistema capitalista doente seja arrancado pela raiz.

Marx escreveu que: “A acumulação de riqueza em um polo é, ao mesmo tempo, acumulação de miséria, agonia do trabalho pesado, escravidão, ignorância, brutalidade e degradação mental no polo oposto”. Mais de 150 anos depois, o relatório da Oxfam mostrou que essas palavras são mais relevantes do que nunca.

O relatório demonstra que a desigualdade resultou em 21 mil mortes em excesso todos os dias desde o início da pandemia. Embora uma proporção significativa dessas mortes se deva à falta de acesso à saúde, pelo menos um quarto é pela fome, e um número crescente de mortes está sendo causado pelos efeitos adversos das mudanças climáticas nas comunidades pobres.

Os mais afetados são pessoas de países atrasados, mulheres, grupos minoritários e todos aqueles que já são os mais vulneráveis ​​sob o capitalismo. O relatório afirma que, graças à desigualdade econômica, a pandemia “tornou-se ativamente mais mortal, mais prolongada e mais prejudicial aos meios de subsistência”.

Opressão e imperialismo

O relatório afirma que havia 13 milhões a menos de mulheres empregadas em 2021 em comparação com o ano anterior. Espera-se que 20 milhões de meninas nunca voltem à escola devido à tensão que o coronavírus colocou nas famílias mais pobres.

A violência contra as mulheres também piorou dramaticamente desde o início da pandemia. Como explica o relatório:

“Essas pessoas em situação de pobreza, mulheres e meninas, e grupos racializados são, muitas vezes, desproporcionalmente mortas ou prejudicadas, mais do que aqueles que são ricos e privilegiados, não é um erro acidental na forma dominante de capitalismo de hoje, mas uma parte central dele.”

Embora certamente não seja um acidente quando os pobres e oprimidos sofrem desproporcionalmente, não é nenhuma “forma” particular de capitalismo que é responsável por isso.

A desigualdade de renda é um indicador mais forte se você morrerá de Covid-19 do que a idade / Imagem: Ninian Reid, Flickr

É da própria natureza do capitalismo concentrar a riqueza em cada vez menos mãos e, em seu período de decadência senil, mergulhar a vasta maioria da humanidade em uma barbárie cada vez mais profunda, começando pelos mais vulneráveis.

Um dos principais contribuintes para o maior número de mortes nos países pobres é a falta de acesso a vacinas, devido ao entesouramento dos países imperialistas. As nações mais ricas competiram entre si para devorar o suprimento global de vacinas, imunizar suas populações e reabrir suas economias para que os lucros fluíssem o mais rápido possível às custas do resto do mundo.

Isso foi auxiliado e incentivado por lucrativas empresas da Big Pharma, ansiosas para maximizar seus ganhos inesperados, priorizando os maiores lances para as doses. O impacto trágico da disparidade entre ricos e pobres nos pacientes com Covid-19 é fortemente refletido no relatório da Oxfam:

“A desigualdade de renda é um forte indicador de que você provavelmente morrerá por Covid-19 do que de velhice. Milhões de pessoas ainda estariam vivas hoje se tivessem tido acesso a uma vacina – mas estão mortas, essa chance foi negada, enquanto grandes corporações farmacêuticas continuam a deter o controle monopolista dessas tecnologias.”

O relatório descreve o “racismo estratégico” da classe dominante, tendo “armado (o racismo) como uma ferramenta para promover o fundamentalismo de livre mercado, para obter apoio para um sistema econômico que desviou o poder do público e o transferiu para mãos privadas”.

O relatório afirma que esse armamento do racismo foi usado para manter o controle da produção de vacinas em países capitalistas avançados como os EUA e a Grã-Bretanha, apesar de haver muitas instalações viáveis ​​de fabricação de vacinas na África e na Ásia.

O comportamento repugnante dos líderes imperialistas certamente expõe sua atitude insensível em relação às nações oprimidas. Também está claro que políticos reacionários na Europa e dos Estados Unidos exploraram o racismo como parte de uma agenda de “guerra cultural”, por exemplo, Donald Trump espalhando mentiras sobre o “vírus da China”.

Mas a razão pela qual a África e a Ásia foram impedidas de desenvolver vacinas mais baratas localmente teve pouco a ver com as visões racistas dos políticos ocidentais, e muito mais a ver com interesses capitalistas brutos.

Países como os EUA e a Grã-Bretanha fizeram lobby em nome de seus capitalistas da Big Pharma para proteger seus direitos de propriedade intelectual sobre as vacinas contra a Covid-19, para garantir que pudessem ser exploradas com o maior lucro possível.

É por isso que os pedidos em 2020, de representantes da Índia e da África do Sul na Organização Mundial do Comércio, para renunciar a essas proteções de propriedade intelectual foram ignorados – com consequências desastrosas para o mundo inteiro, como vimos na ascensão da última variante Omicron.

Além disso, renunciar à proteção de propriedade intelectual nas vacinas teria minado a própria instituição da propriedade privada e, assim, ameaçado todo o edifício do próprio capitalismo.

Enquanto isso, as tentativas de aliviar o impacto econômico da pandemia ampliaram o já escancarado abismo entre as nações mais ricas e as mais pobres durante a pandemia, revela a Oxfam.

Durante a pandemia, o Fundo Monetário Internacional (FMI) concedeu 107 empréstimos a alguns dos países mais pobres do mundo, todos com restrições na forma de “ajustes estruturais” (ou seja, cortes) para pagar a dívida resultante.

Além de prejudicar ainda mais essas economias já atrasadas, a Oxfam sugere que a austeridade exigida pelo FMI para pagar esses empréstimos causará uma piora grave de “todo tipo de desigualdade” em pelo menos 73 países. E assim, o imperialismo continuará mantendo esses países em um estado artificial de atraso.

Bilionários “tiveram uma pandemia incrível”

Essa imagem de pobreza e desespero para milhões de pessoas em todo o mundo não poderia estar mais afastada da vida cotidiana dos super-ricos do mundo. Enquanto a renda caiu para 99% das pessoas desde o início do surto de Covid-19, a Oxfam relata que os bilionários “tiveram uma pandemia incrível”, com um novo bilionário sendo criado a cada 26 horas.

A riqueza combinada dos 10 homens mais ricos do mundo mais que dobrou, crescendo cerca de US$ 700 bilhões nos últimos dois anos – um aumento de US$ 1,2 bilhão por dia. O aumento da riqueza dos bilionários do mundo entre março de 2020 e novembro de 2021 foi maior do que os 14 anos anteriores de crescimento combinados. Esta é uma taxa de acumulação de riqueza sem precedentes em toda a história humana.

A riqueza dos 10 homens mais ricos do mundo mais que dobrou desde o início da pandemia – uma taxa de acumulação de riqueza sem precedentes em toda a história / Imagem: Wikimedia Commons
O potencial desperdiçado aqui é inimaginável. Os lucros obtidos durante a pandemia apenas pelos 10 indivíduos mais ricos seriam mais do que suficientes para financiar uma distribuição global de vacinas, bem como assistência médica e proteção social gratuita e universal para toda a população mundial. Jeff Bezos sozinho poderia se dar ao luxo de vacinar todos na Terra com os lucros que obteve desde o surto de coronavírus.

No entanto, não é assim que esses parasitas escolheram gastar seu precioso tempo e dinheiro. Em vez de “desperdiçar” seu dinheiro ajudando a salvar milhões de vidas, os mega-ricos passaram a pandemia desfrutando de mais luxos do que nunca. Nos últimos 12 meses, houve um grande aumento na demanda por bens caros, como caviar, super-iates, jatos particulares, champanhe e relógios sofisticados.

A fabricante de carros de luxo Rolls-Royce informou que 2021 foi o período de maior sucesso nos 117 anos de história da empresa. Em um insulto vergonhoso às vítimas da pandemia, o CEO da Rolls-Royce, Torsten Muller-Otvos, disse: “Muitas pessoas testemunharam pessoas em sua comunidade morrendo de Covid. Isso os faz pensar que a vida pode ser curta, e é melhor você viver agora”.

Para a classe trabalhadora, a ideia de gastar milhões em um carro de luxo depois de ver as mortes angustiantes de seus amigos próximos ou familiares seria absurda – mas essa é precisamente a mentalidade dos mega-ricos, que passaram a vida inteira lucrando com o sofrimento dos outros.

Uma declaração similarmente surreal foi feita por Carla Sora, da Agriottica Lombarda, a maior fazenda de caviar da Itália, que disse recentemente: “As pessoas em confinamento queriam se divertir e todo mundo decidiu gastar dinheiro com caviar”.

Essa visão romântica de ‘todo mundo’ escondido em suas casas desfrutando de caviar e esperando pacificamente o fim do confinamento seria comovente, se não fosse um insulto vergonhoso para aqueles que perderam seus empregos, sofreram abuso doméstico ou outras inúmeras dificuldades durante a pandemia. Não pode existir melhor manifesto pela expropriação da minoria rica e parasita do que suas próprias palavras!

Nenhuma solução sob o capitalismo 

Embora o relatório da Oxfam seja uma revisão espantosa do impacto da desigualdade global, ainda é incapaz de fornecer uma solução que aborde o problema fundamental. Abigail Disney, sobrinha-neta do infame explorador Walt Disney e autora de um prefácio para o relatório, afirma que “a resposta para esses problemas complicados é ironicamente simples: impostos”.

O relatório chega a conclusões semelhantes, nomeadamente um “imposto solidário único” combinado com “gastos e taxação progressivos”. O senador norte-americano Bernie Sanders também twittou, em resposta ao relatório, que os governos deveriam “taxar os ricos” e “investir na classe trabalhadora”.

Em última análise, no entanto, a ideia de que os governos capitalistas deveriam simplesmente construir sua saída da desigualdade por meio de taxações é ingênua. A desigualdade está inserida no sistema capitalista e é uma parte fundamental do processo exploratório de geração de lucro que permite que os super-ricos e a classe dominante mantenham o controle. Pedir à classe capitalista que reforme seus privilégios econômicos e sociais é pedir a um leopardo que mude suas manchas.

A única maneira de parar as milhões de mortes desnecessárias em decorrência da desigualdade é expropriar os bilionários e usar seus ganhos ilícitos para planejar a economia de acordo com as necessidades da sociedade. É tarefa da classe trabalhadora, não dos governos burgueses ou da elite bilionária, expulsar esse sistema podre e a pobreza e a desigualdade que ele cria.

TRADUÇÃO DE TAISA LEONARDO.
PUBLICADO EM MARXIST.COM

 

Deixe Seu Comentário