Imagem: Socialist Appeal

A pressão dos patrões aumenta à medida que o fim do bloqueio se aproxima na Grã-Bretanha

Os patrões estão se esforçando cada vez mais para que os trabalhadores voltem ao trabalho. E o governo conservador está lhes dando liberdade para retomar a economia sem as medidas de segurança necessárias. O movimento trabalhista deve organizar uma reação.

À medida que a crise do coronavírus avança, os donos das grandes empresas começam a clamar pela redução do bloqueio. O governo enfrenta uma crise em suas fileiras, tratando de equilibrar o seu desejo de que os lucros fluam mais uma vez com o seu temor de uma reação violenta, caso relaxe o bloqueio muito cedo.

Mas, como algumas empresas começam a reabrir unilateralmente, parece provável que o governo se submeta às demandas dos grandes negócios. O governo já indicou que pretende reabrir as escolas primárias o mais rápido possível – uma das condições prévias para que outros trabalhadores voltem ao trabalho.

O presidente do Comitê Tory 1922, Sir Graham Brady, pediu na segunda-feira a remoção das “regras e limitações arbitrárias à liberdade o mais rápido possível“.

Nas condições do confinamento, a imprudente classe trabalhadora estava se mostrando “um pouco disposta a ficar em casa“, na opinião do Sr. Deputado. Parece que muitos nos assentos Tory acreditam que todo esse bloqueio de coronavírus é apenas uma oportunidade para os pobres ociosos ficarem ainda mais ociosos!

Não fiquem preocupados: Boris tem um plano para levar as massas preguiçosas de volta ao trabalho – um plano que ele esboçou no fim de semana, e que ele esperava que os patrões e sindicatos assinassem.

Conseguir um acordo para esse plano não foi um detalhe insignificante para o primeiro-ministro, visto que os trabalhadores não estão muito interessados em ser usados como bucha de canhão para o lucro dos patrões. Do ponto de vista dos conservadores, as ameaças dos patrões não serão suficientes para tirar os trabalhadores de suas costas; eles também necessitariam da persuasão e da garantia de seus líderes sindicais.

É uma indicação da pressão vinda de baixo que os líderes sindicais, tradicionalmente de direita – que cantaram o hino da “unidade nacional” desde o início da crise – agora são forçados a se opor. Nas palavras da líder do TUC1, Frances O’Grady, escrevendo em uma carta ao Guardian:

“O que o governo está propondo representa pouco mais do que o Departamento de Negócios, Energia e Estratégia Industrial (BEIS) cruzando os dedos para que os empregadores ajam com responsabilidade e mantenham seus trabalhadores e a comunidade em geral seguros”.

Dedos cruzados

A cifra oficial do governo coloca o número de mortes no Reino Unido em mais de 32 mil até o momento. Mesmo esse número extraordinário provavelmente será uma fração do número real de mortes. No entanto, coloca a Grã-Bretanha na posição pouco invejável de segundo lugar no mundo por mortes registradas de coronavírus.

A razão da gravidade específica com a qual a crise na Grã-Bretanha é clara: nos primeiros dias do surto, o governo de Boris optou por uma estratégia desastrosa de “imunidade de rebanho”. Eles não estavam dispostos a pedir um bloqueio por causa dos danos econômicos que causariam.

Essa estratégia rapidamente se tornou insustentável. O dano foi agravado pelo fracasso do governo em adquirir Equipamentos de Proteção Individual (EPIs) adequados para as equipes de saúde e pelo dano causado por uma década de austeridade a um Sistema Nacional de Saúde (NHS, singla em inglês), que está em ruínas.

À medida que o governo corre para pôr fim ao bloqueio, está sendo conduzido pela mesma consideração primordial: não sobrecarregar excessivamente as grandes empresas com tanta “burocracia” sobre saúde e segurança.

As diretrizes do BEIS são um pouco mais que sugestões; ideias para as empresas adotarem onde bem entenderem. Eles recomendam que instalações de distanciamento social e lavagem das mãos sejam fornecidas … “sempre que possível”. Eles apelam para que os empregadores “considerem” uma limpeza mais profunda. E pedem aos patrões que façam o possível para ajudar as trabalhadoras vulneráveis (trabalhadoras grávidas, as com condições pré-existentes ou com mais de 70 anos) a voltar ao trabalho.

Os empregadores estão ameaçando funcionários com a demissão se não voltarem ao trabalho quando o bloqueio for suspenso. Mas essas diretrizes não fazem nada para impedir que os chefes exijam que os trabalhadores se ponham em risco mortal. Quanto aos EPIs, as diretrizes do governo foram literalmente uma página em branco!

Já vimos como trabalhadores “essenciais” – louvados hipocritamente pelo governo e seus comparsas – foram forçados a trabalhar sem EPIs, sem distanciamento social ou limpeza adequados. Isso incluiu trabalhadores em supermercados, hospitais, frigoríficos e canteiros de obras (não essenciais) enquanto o bloqueio estava em andamento.

Os donos dessas indústrias já nos deram uma imagem de como os capitalistas tentarão cortar e reduzir custos tanto quanto possível.

Agora, milhões de trabalhadores estão sendo instruídos a voltar ao trabalho e a se colocar à mercê dos patrões, que se preocupam apenas com o lucro. Esse governo agora deu a esses patrões total liberdade para economizar em medidas de saúde e segurança. Mas então, o que mais se poderia esperar de um governo de ricos, pelos ricos e para os ricos?

Pressão por baixo

A classe trabalhadora não se permitirá ser prejudicada sem luta. Os sindicatos e os líderes trabalhistas sabem disso, e é por isso que começaram a rechaçar o governo.

Até o líder da Oposição Leal de Sua Majestade, Keir Starmer, foi forçado a apresentar uma oposição suave e moderada.

Em uma mensagem de vídeo de hoje, “Sir” Starmer criticou as propostas do governo como “estreitas e vagas”. No entanto, o líder trabalhista foi rápido em tranquilizar Boris e os conservadores, dizendo que isso não significava que ele estava retraindo a mão estendida em sinal de amizade. Ele acrescentou rapidamente, para evitar dúvidas, “mas não estou montando um campo rival aqui“. O paraíso proíbe que os trabalhistas formem um “campo rival” contra os conservadores e seus grandes amigos de negócios!

Starmer pediu que o governo crie um “consenso nacional”. Ele disse: “As pessoas precisam, com razão, de segurança antes de voltarem ao trabalho, viajar ou usar os serviços públicos“. Essas palavras de cachorrinho domesticado podem ser traduzidas aproximadamente assim: “Desculpe Boris, acho que não posso comprar isso de você“.

Até esse momento, Starmer seguiu a linha da imprensa das grandes empresas. O foco principal de suas críticas “forenses” aos conservadores não tem sido a falta de EPIs, testes ou a tendência dos conservadores distorcer as regras do bloqueio para atender às grandes empresas.

Em vez disso, no auge da crise – com milhares de pessoas morrendo a cada dia – Starmer concentrou sua energia em exigir que o governo desse às grandes empresas um mapa claro de como pretende acabar com o bloqueio!

Vale ressaltar também que o TUC não se opôs ao fim do bloqueio em si.

Alguns sindicatos, no entanto, foram forçados a ir mais longe, ameaçando até o governo com ações de greve. O GMG, pouco conhecido por sua militância ou radicalismo, ameaçou até invocar uma cláusula da Lei dos Direitos do Emprego de 1996, que daria o direito de convocar greves imediatas onde os trabalhadores são colocados “em circunstâncias de perigo grave e iminente para si ou outros“.

O TSSA, CWU, NEU e outros sindicatos fizeram ameaças semelhantes. Essas ameaças refletem o clima borbulhante de raiva e indignação entre os trabalhadores – raiva que os líderes sindicais antecipam se os trabalhadores forem enviados de volta em condições inseguras de trabalho.

Retorno seguro ao trabalho?

O fato é que, para que ocorra um retorno seguro ao trabalho, ele não estará baseado em nenhum conjunto de diretrizes impostas pelo governo Tory de Johnson.

O TUC instou ao Executivo de Saúde e Segurança (HSE) a ter poderes para impor condições de trabalho seguras, em vez de pedir aos patrões que sigam orientações não vinculantes. Mas, como O´Grady afirma em sua própria carta: “De acordo com a própria análise do TUC, na década passada, as inspeções do SMS caíram 70% e as ações penais em 82%“.

Somente os trabalhadores podem realmente saber quais medidas precisam ser tomadas para tornar um local de trabalho seguro / Imagem: Socialist Appeal

Durante décadas, o movimento sindical ficou de joelhos porque tentou se basear na legislação, na “arbitragem independente” e nos acordos de papel. Isso levou os trabalhadores a um beco sem saída.

Pior que isso, essa abordagem mansa dos líderes sindicais permitiu que os patrões se safassem com a sua criando uma economia baseada em condições de trabalho precárias – as mesmas condições que agora colocam a vida dos trabalhadores em perigo nesses tempos tensos.

A lei não pode prejudicar os empregadores. Nas palavras de Balzac: “A lei é como uma teia de aranha. Os pequenos ficam presos nela, enquanto os grandes simplesmente a destroçam”.

Somente os trabalhadores na fábrica podem realmente saber quais medidas precisam ser tomadas para que um local de trabalho seja seguro para eles e suas famílias. Os sindicatos devem organizar os trabalhadores e preparar-se para tomar uma ação de greve para fechar qualquer local de trabalho que não cumpra as medidas adequadas de saúde e segurança.

Mais do que isso, os sindicatos devem tomar a iniciativa de estabelecer comitês no local de trabalho, a fim de permitir que os trabalhadores decidam por si mesmos quais medidas precisam ser tomadas e garantir que elas sejam cumpridas.

Somente com a classe trabalhadora controlando a produção podemos garantir um retorno realmente seguro ao trabalho.

As diretrizes do setor da construção colocam os lucros dos patrões antes da vida dos trabalhadores

Por um trabalhador da construção (anônimo)

Na mesma semana em que muitos canteiros de obras reabriram em Londres, o chamado conselho de “Liderança da Construção” trouxe novas diretrizes de trabalho para os canteiros.

Como trabalhador industrial, eu esperava que essas diretrizes fossem o mais rigorosas possível. Se formos enviados de volta ao trabalho, certamente os locais devem estar em conformidade com medidas firmes de distanciamento social, certo?

Pelo contrário, as novas diretrizes de trabalho estão diluídas. Acima de tudo, eles reduziram a necessidade de distanciamento social dos funcionários.

Na mesma semana em que muitos canteiros de obras reabriram em Londres, o chamado conselho “Liderança em Construção” trouxe novas diretrizes de trabalho para os canteiros / Foto: Uso livre

A orientação afirmou em certo momento que os trabalhadores devem permanecer a 2 metros um do outro. Agora, diz que, se for necessário que os trabalhadores estejam a 2 metros um do outro, eles devem “trabalhar lado a lado ou de frente um para o outro, em vez de ficar cara a cara”.

Pior ainda, quando essa orientação for impossível de seguir, o trabalho presencial não é descartado. A orientação simplesmente afirma que o trabalho cara a cara em 2m de distância deve “ser mantido por menos de 15 minutos, sempre que possível“.

Todos os dias, somos informados de que podemos contrair o coronavírus mesmo a partir da interação social mais básica. Fazemos filas fora dos supermercados a 2m de distância; não visitamos nossas famílias e entes queridos, porque mesmo um segundo de contato pode causar o contágio.

A ideia de que deveríamos voltar ao trabalho, e não sermos obrigados a distanciar-nos socialmente, parece ridícula demais para ser verdadeira.

Sob essas diretrizes, não poderíamos recusar tarefas que exigiriam que ficássemos próximos um do outro, mesmo frente a frente. Em outras palavras, estaríamos expondo a nós mesmos e aos outros à doença, sem qualquer tentativa de mitigar o risco.

Claro, tudo faz sentido quando você observa quem está no chamado conselho de “liderança”. É presidido pelo ministro conservador dos Negócios e Indústria, Nadhim Zahawi, que possui propriedades no valor de mais de 25 milhões de libras. Em 2017, Zahawi relatou um salário anual de 524.696 libras, principalmente por ser o Diretor de Estratégia de uma empresa petrolífera iraquiana.

O conselho em si é composto por 12 CEOs, parceiros e diretores executivos de empresas de construção, e um professor. Não há um único trabalhador ou representante sindical. Nem uma única pessoa que deve se expor à Covid-19 em um canteiro de obras.

Em vez disso, enquanto se auto-isolam em suas mansões, os gatos gordos que elaboram essas “diretrizes” ficam mais do que felizes em impor condições perigosas aos trabalhadores, tudo para continuar lucrando para si mesmos.

Diversos sindicatos – incluindo Unir e Prospectar – escreveram ao governo pedindo que essa orientação fosse revisada. Isso aconteceu há mais de uma semana.

É claro que essas diretrizes não serão reescritas pelos conservadores – principalmente, quando um de seus ministros participou de sua elaboração. E certamente não quando o governo conservador está no bolso do lobby da construção de bilhões de libras.

Posso dizer, sem duvidar, que nunca vi um desses patrões parasitas ajudando em um canteiro de obras. E até que eles estejam dispostos a participar – o que eu suspeito que nunca acontecerá –, os trabalhadores da indústria da construção estariam melhor sem eles.

Devemos decidir quais canteiros de obras são realmente essenciais. Os próprios trabalhadores devem ter controle sobre quando – e como – voltar ao trabalho. Uma indústria com fins lucrativos, no interesse dos patrões, nunca colocará a vida dos trabalhadores em primeiro lugar.

Notas:

Trade Union Congress, sindicato nacional central, fundado em 1868, que funciona como uma federação de sindicatos do Reino Unido, representando a maior parte dos sindicatos.

TRADUÇÃO DE FABIANO LEITE.

PUBLICADO EM MARXIST.COM

Deixe Seu Comentário