Atual presidente da UNE Iago Montalvão na abertura do Conune Extraordinário

A direita não é aliada dos estudantes!

Relato crítico da abertura do Conune Extraordinário

Ontem à noite (14/07), aconteceu o ato político de abertura do Congresso Extraordinário da União Nacional dos Estudantes (UNE). A mesa da inicial, chamada “Contra os cortes o Brasil se une pela educação, ciência e pela urgente recomposição orçamentária”,  foi  aberta pelo atual presidente da UNE, Iago Montalvão (UJS), que começou lendo uma carta contra os cortes e pelo aumento do teto das verbas para a educação. A proposta é que essa carta seja assinada por todos os informantes e que seja aprovada como um manifesto para direcionar a luta da entidade no próximo período.

A direção da UNE não apresentou em nenhum momento a defesa da educação pública, gratuita e para todos, bandeira histórica que faz parte de sua carta de fundação. Em seu lugar aparece a todo momento a defesa da educação pública e de qualidade. Mas pouco se fala sobre o que é a “qualidade” em cada universidade e como mobilizar e organizar os estudantes por ela. Nossa luta não é por uma simples recomposição orçamentária, é por todo dinheiro necessário à educação e à ciência. Existe dinheiro para isso, mas ele tem sido usado para pagar a dívida pública, interna e externa, que já foi paga várias vezes. É um verdadeiro assalto ao dinheiro público.

Exigimos a revogação da Emenda Constitucional 95 que congelou os investimentos em saúde e educação, mas apenas a sua revogação não é suficiente. A educação pública tem perdido recursos ano após ano, governo após governo, em todos os níveis. O sucateamento da educação é gritante e a pandemia apenas aprofundou esse cenário, ampliando as desigualdades e excluindo cada vez mais jovens do sonho da universidade. A Liberdade e Luta defende a educação pública, gratuita e para todos e, para isso, é necessário o investimento de todo o dinheiro necessário à educação, sem atrelar à porcentagens do PIB. TODO dinheiro que for necessário para a educação ser pública, gratuita e de acesso universal! Exigimos a revogação do Orçamento de 2021 que retirou verbas da educação, saúde e aumentou verbas para a repressão! Exigimos o fim do pagamento da dívida pública!

A abertura contou com falas de diretores e ex-presidentes da UNE, representantes de entidades, sindicatos, movimentos sociais, além da participação de parlamentares e artistas. O discurso predominante foi o da “ampla unidade” para enfrentar o “fascismo” e pelo Fora Bolsonaro, mas com a defesa da participação de partidos da direita, como MDB, PSB e PDT, que nada têm a ver com luta dos estudantes e dos trabalhadores e que, na verdade, são nossos inimigos de classe. A maioria deles, inclusive, foi responsável pela aprovação da emenda do teto dos gastos.  Ter esses sujeitos na entidade dos estudantes é uma verdadeira afronta aos estudantes que tanto lutaram contra a aprovação dessa emenda e contra todos os ataques à educação. Eles não estão no mesmo lado que o nosso da história, pelo contrário, aprofundam os ataques aos jovens e trabalhadores. É apenas com independência de classe que podemos fortalecer nossas entidades e fazer um enfrentamento real ao governo Bolsonaro e ao capitalismo.

Um aspecto organizativo, não menos importante, trata-se de “briga de torcidas” que está acontecendo no chat. Nos congressos presenciais, essa briga de torcidas se dava pelo barulho das baterias, impedindo que pudéssemos nos ouvir e pudéssemos debater plenamente. Agora, essa briga de torcida acontece nos chats do YouTube que impedem os estudantes de realmente participar, se expressando e sendo lidos pelo chat. As listas de presença, essenciais para ter acesso ao certificado de participação, não conseguem ser encontradas devido ao volume de mensagens repetidas que cada organização lança desenfreadamente. Houve até o comentário de um estudante: “qual a importância desses comentários repetidos? não da nem pra ver o chat 🙁“.

O método de “briga de torcidas” era bastante utilizado pela direção majoritária, mas paulatinamente foi sendo adotada pela Oposição de Esquerda, lamentavelmente. Nesse congresso virtual, apenas a forma mudou, mas segue se aprofundando nos métodos burocráticos e de “festa”, que impedem o debate político das ideias.

A Liberdade e Luta está participando pela base,  fazendo uma cobertura crítica das mesas do congresso, apresentando  nossas análises sobre cada um dos temas das mesas dos ciclos de debate e também apresentando nossas próprias contribuições sobre Conjuntura, Movimento Estudantil e Educação. Leia, assine e junte-se à nós!

Assine a contribuição da Liberdade e Luta ao Conune Extraordinário: https://forms.gle/TLXqUCerftnYS93N6

Leia também: LGBT tem classe! Nosso relato crítico sobre o 4º Encontro de Estudantes LGBT da UNE

Deixe Seu Comentário