Foto: Patrick Rodrigues, Arquivo A Notícia

A Covid-19 em Santa Catarina e a importância da organização da juventude

Os números de Covid-19 em Santa Catarina estão assustadores. O sistema público de saúde está esgotado, o sindicato dos médicos do estado emitiu nota, na última sexta-feira (27/11), dizendo que não era possível que os governantes não tomassem nenhuma medida. Nessa terça (1º/12), o governo de Joinville, cidade que lidera em número de casos registrados no estado, emitiu um novo decreto com medidas de enfrentamento à pandemia, em que “proíbe” eventos e outras medidas de segurança a partir de hoje, 2 de dezembro.

As medidas permanecem as mesmas que já estavam colocadas em decretos anteriores e não mudam em absolutamente nada a vida dos trabalhadores que pegam todos os dias o transporte público lotado, trabalham no comércio com uma grande circulação de pessoas e nas fábricas, que não cessaram sua produção um só dia.

Nas redes sociais, uns atacam os outros dizendo que a culpa é de quem se aglomera na casa de parentes e nas praças e, certamente, que esse é um dos sintomas, mas nem de longe é a causa do que estamos vivendo. A causa é um sistema econômico que tem fiéis representantes da burguesia como governantes. Eles fazem de tudo para que esse sistema não desabe, inclusive permitindo que milhões morram, desde que os lucros de alguns poucos seja garantido.

Marx e Engels explicaram em uma frase célebre algo muito importante: “a ideologia dominante é a ideologia da classe dominante“. Desde o começo da pandemia observamos a classe dominante trabalhando para dizer a todos que mesmo com a pandemia, mesmo diante da morte, a economia e o sistema não podiam parar.

O sistema não parou e, agora, a mesma classe dominante, cinicamente, culpa os que não pararam por acreditar nisso. Os grandes jornais e toda a imprensa condena a população que vai à praia, que sai para tomar um chope ou faz uma festa de aniversário, mas não condenaram e não condenam as empresas que permitem a circulação de ônibus lotados.  Não criticam as fábricas funcionando a todo vapor nem condenam as aulas presenciais na rede privada, que ainda persistem em Santa Catarina, mesmo diante do caos.

Consequentemente, nos deparamos com os hospitais públicos lotados, sem leitos disponíveis, profissionais da saúde esgotados e exames e cirurgias eletivas suspensas.

É verdade que devemos incentivar que todos tomem os cuidados, usem máscara, não se aglomerem e permaneçam em suas casas, mas, junto com isso, é preciso dizer que nenhuma dessas pessoas é culpada pela situação. Os culpados são os governantes, que trabalham única e exclusivamente para manter o sistema capitalista, mesmo que isso cause a morte de nossos pais, familiares e amigos.

A Esquerda Marxista tem defendido desde o início da pandemia o Plano Emergencial para a crise no Brasil, que entre outras questões garanta o direito à quarentena sem demissões e cortes de salários, sob pena de condenarem a vida de milhares de trabalhadores e jovens à morte.

Nossa única alternativa é a luta, é a nossa organização.

Deixamos aqui um convite, no próximo sábado faremos o encontro “O Socialismo e a Juventude” e nele e discutiremos porque somos socialistas. Inscreva-se e participe conosco. A nossa organização é a nossa única defesa.

Deixe Seu Comentário