Início / Artigos / Venezuela: o povo em armas

Venezuela: o povo em armas

No oitavo aniversário do fracassado golpe de 2002, povo venezuelano vai às ruas mostrar que está disposto a lutar.

Alan Woods, em Caracas, descreve o estado de espírito das massas em 13 de Abril durante as comemorações do 8° aniversário do fracassado golpe da direita. Desta vez, assim como as tradicionais camisetas vermelhas, houve uma exposição maciça da milícia do povo, vestido de “verde camuflagem”, e carregando os AK-47, de fabricação russa, dando um aviso claro para a oligarquia reacionária que as massas estão preparadas para lutar contra qualquer tentativa de fazer “o relógio andar para trás”.

Oito anos atrás aconteceu algo que não tem precedentes na história da América Latina. O golpe reacionário de 11 de Abril, em que a oligarquia venezuelana, em colaboração com a Embaixada EUA e da CIA, derrubou o governo democraticamente eleito, foi derrotado por uma revolta espontânea das massas.

Naquele dia, a história foi feita. Homens e mulheres comuns saíram às ruas, arriscando suas vidas para defender a Revolução Bolivariana. Sem partido, sem liderança e sem perspectivas claras do que outros fariam para derrotar o golpe de Estado, os trabalhadores, camponeses e jovens revolucionários, mulheres e homens, jovens e velhos, marcharam aos milhares para os portões do Palácio de Miraflores para exigir a libertação de Presidente Chávez. Os soldados passaram para o lado do povo, e o golpe de Estado em colapso.

Estes acontecimentos heróicos só podem ser comparados aos de Barcelona em julho de 1936, quando os trabalhadores, armados com velhas espingardas de caça e tudo o que poderia colocar em suas mãos, invadiram o quartel e derrubaram os reacionários fascistas. Se alguém duvida que esta foi uma verdadeira revolução, eles só têm de estudar os acontecimentos de Abril de 2002.

Nos últimos anos, esses eventos têm se transformado em uma celebração da Revolução. A Avenida Bolívar, no centro de Caracas sempre é um mar de camisetas vermelhas e agitando bandeiras. Mas este ano o cenário era bem diferente do que eu lembrava. Ao invés de um mar de vermelho, a Avenida Bolívar foi transbordando com um mar verde de camuflagem. Este foi o dia da Milícia Popular – uma demonstração do poder de um povo em armas.

À medida que eu caminhava ao longo da Avenida, as fileiras de milicianos e milicianas (havia muitas mulheres também com uniformes) pareciam não ter fim. Aqui, mais uma vez um podia sentir o poder invencível das massas. Mas agora havia um elemento diferente. Ali estavam milhares e milhares de trabalhadores das fábricas, os camponeses das aldeias, e as crianças das escolas e faculdades, expressando a sua vontade de lutar, de armas na mão, para defender a Revolução contra os inimigos – tanto externos quanto internos.

Sob um sol escaldante, o povo reunido – as tradicionais camisetas vermelhas do chavistas ao lado da milícia “verde-camuflagem”. Ao longo da Avenida, os alto-falantes tocavam slogans revolucionários: contra o imperialismo, contra a burguesia, para a Revolução, para o socialismo, e para Chávez: “A Direita ainda está preparando outro 11 de abril, mas agora as pessoas estão armados! Viva a revolução bolivariana! Viva o povo armado! Viva Chávez!”

As pessoas subiam em árvores e postes para ver melhor e para exibir cartazes com slogans de militantes, enquanto alguns fizeram um lucro rápido vendendo chapéus, camisetas e bebidas geladas (que eram muito procurados). Houve um barulho ensurdecedor da música – ritmos latino-americanos com palavras revolucionárias, interrompida por cânticos e slogans. A milícia foi organizada por grupos que apresentaram as suas origens: os jovens adolescentes das escolas e dos camponeses, com chapéus de palha e tratores escritos “Bielorrússia” em sua lateral.

Para a retaguarda, a milícia estava desarmada, mas quem se aproximasse da manifestação via-se que todo mundo estava segurando um AK-47 de fabricação russa, a arma mais eficiente e versátil, leve e fácil de usar. Nos últimos anos, Chávez tem comprado grandes quantidades dessas armas da Rússia. Washington e seus meios de comunicação contratados fizeram um barulho tremendo, alegando que essas armas são destinadas para os guerrilheiros das FARC na Colômbia. Agora todos podem ver para que eles realmente estão destinados.

Enquanto esperam a chegada do presidente, as milícias estavam relaxadas, ou sentavam no chão para comer um sanduíche. Alguns descansavam em seus rifles, e um ou dois até tinham seus rostos repousados no AK-47 – uma prática um tanto arriscada, se poderia pensar. Na verdade, um sargento profissional, sem dúvida, teria um ataque cardíaco, olhando para estes civis mais ou menos treinados com armas.

Mas essa impressão seria inteiramente falsa. Estas milícias são os descendentes diretos dos guerrilheiros cubanos, das milícias que combateram Franco na Guerra Civil Espanhola, das milícias de trabalhadores que derrubou o czar da Rússia, em 1917, e se formos ainda mais para trás na história dos exércitos da Revolução Francesa e as milícias da revolução americana do século 18.

Nenhuma dessas forças eram profissionais e não estavam em conformidade com as normas de um exército profissional burguês. Mas eles não lutam por causa disso, e em mais de um caso (Espanha vem à mente) a tentativa de forçá-los para o formato de um exército profissional teve efeitos negativos no seu espírito de luta.

No final da tarde, um clima de expectativa podia ser percebido. A milícia começava a formar filas. A multidão nas calçadas se empurrava para a frente para ver seu herói. Chávez aparece vestido de uniforme militar, cavalgando o dorso de um veículo aberto – um caminhão do exército comum – saudando e acenando para a milícia e a multidão. As milícias marcham em direção à tribuna onde Chávez faria seu discurso.

Seu discurso foi menor do que no passado, mas foi direto ao ponto. Recordando os acontecimentos dramáticos de Abril de 2002, ele tira uma espada magnífica e mostra-o a multidão. É a espada de Simón Bolívar – El Libertador (O Libertador). Diz ao povo que a libertação da América Latina não foi alcançado por 200 anos e só pode ser alcançado através da revolução socialista.

No tipo de gesto dramático que é característica dele, ele exige um juramento sagrado dos presentes: a de que eles nunca descansarão até que esta tarefa é realizada. As milícias repetir as palavras em voz alta, segurando seus rifles no ar. “A milícia é o povo, e o povo é a milícia”, proclama.

Em seguida, Chávez narra os acontecimentos de Abril de 2002, a partir do golpe fascista de 11 de Abril com o levante popular-militar de 13 de Abril. “Eu estive pensando muito sobre isso”, diz ele. “Desde a década de 1970, algumas pessoas têm sonhado com uma rebelião popular-militar. Mas isso nunca ocorreu. A década de 1980 foi um período negro, que terminou no Caracazo de 1989, com um massacre de civis desarmados”.

Chávez lembrou que, em seguida, ele e um grupo de oficiais do exército progressiva tentaram encenar uma rebelião em 1992: “Nós fracassamos porque se tratava de um golpe militar sem o povo”, concluiu. Após um período na prisão, ele lembrou a formação de um movimento de massa: o Movimento Bolivariano, que chegou ao poder nas eleições de 1998. Mas a oligarquia não perdeu tempo na preparação do golpe de 2002.

Chávez recordou os homens e as mulheres que morreram no golpe, além dos muitos outros feridos. Ao contrário do mito tão assiduamente difundido pela mídia no Ocidente sobre o regime ditatorial e repressivo, na Venezuela, ninguém está na prisão por esses crimes, e oito anos depois, os inquéritos judiciais ainda estão a arrastar-se: “Que não haja impunidade para este massacre, como tem sido a impunidade de tantos outros massacres da nossa história! “, disse.

Ele então passou a dizer que o sangue destes mártires da Revolução agiu como um catalisador para a Revolução. “Imediatamente após o 11 de Abril, começaram as detenções e caçadas, as ameaças na televisão e outras mídias. Mas isso despertou todo o poder latente reprimido das massas que haviam sido reprimidas por tanto tempo “, disse ele. “Isto deu origem à maior rebelião da nossa história – a revolta popular que tinha esperado tanto tempo para ver.”

“Esta foi uma revolta contra a burguesia e o imperialismo. Este último tinha calculado que esse levantamento seria derrubado em sangue pelo exército, como aconteceu no Caracazo. Mas não só nossos soldados se recusaram a disparar sobre o povo, como passou para o lado do povo. A burguesia e o imperialismo tinham a surpresa de suas vidas”.

Chávez assinalou que o imperialismo dos EUA participou ativamente no golpe. Helicópteros, aviões e espiões dos EUA estavam sobrevoando o espaço aéreo venezuelano, além de um submarino e um porta-aviões estavam em águas venezuelanas à espera de intervenção. Mas o movimento das massas forçou a se retirar.

Desde então a mídia burguesa tentou limpar aquela data fora do calendário, mas as massas têm mantido viva. “Eles não podem limpar abril do calendário, assim como eles podem acabar com Janeiro, Fevereiro ou qualquer outro mês.”

Chávez observou que, se eles tivessem conseguido esmagar a revolução venezuelana, teria desferido um duro golpe contra o movimento revolucionário na América Latina. “Em nossos ombros pesava uma grande responsabilidade”, disse. “Os povos da América Latina estão nos procurando para sua salvação.” Admitiu que a Revolução está longe de ser concluída e que havia uma quantidade colossal ainda a ser feito, ele apelou para a paciência. “Depois de sua primeira década, a revolução apenas começou”, disse ele.

Chávez, em seguida, advertiu que a ameaça da contra-revolução não tinha ido embora, e que havia uma conspiração para assassiná-lo. Ele disse que se isso ocorresse: “Não perca a cabeça, mantenha a calma. Você sabe o que você tem que fazer: tomar o poder em suas próprias mãos – todo o poder! Expropriar os bancos, as indústrias, os monopólios que permanecem nas mãos da burguesia. ”

Virando-se para as eleições de Setembro, ele advertiu: “Não podemos permitir que a burguesia passe a assumir o controle da Assembléia Nacional. Se o fizerem, eles vão usar isso para desestabilizar o país e criar as condições para um outro 11 de Abril. Temos de vencer dois terços das vagas, a fim de prosseguir com nosso programa. ”

Ele alertou que a burguesia não teve como repetir o que aconteceu em abril de 2002, porque as pessoas estavam armadas e agora iria esmagar qualquer tentativa contra-revolucionária. Ele terminou com as palavras: “Viva a Milícia Nacional! Viva o povo em armas! Viva a Revolução Socialista! Pátria, socialismo ou morte!”.

Caracas, 13 abril de 2010

Deixe seu comentário

Leia também...

Por que a juventude precisa defender a revolução venezuelana?

Há um grande esforço da mídia em distorcer os acontecimentos na Venezuela, que é um …

Deixe uma resposta