Início / Luta de Classes / Um ano do massacre de Pinheirinho

Um ano do massacre de Pinheirinho

 

Infelizmente não conseguimos estar presente na importante atividade de hoje, denunciando um ano do Massacre do Pinheirinho. Há um ano o Estado Capitalista mostrava claramente suas garras e cometia uma das maiores injustiças cometidas nos últimos tempos. Ilegalidades, arbitrariedades, “injustiças” da ordem burguesa, mostrando o significado da propriedade privada no capitalismo.

Infelizmente não conseguimos estar presente na importante atividade de hoje, denunciando um ano do Massacre do Pinheirinho. Há um ano o Estado Capitalista mostrava claramente suas garras e cometia uma das maiores injustiças cometidas nos últimos tempos. Ilegalidades, arbitrariedades, “injustiças” da ordem burguesa, mostrando o significado da propriedade privada no capitalismo.
 
Passado um ano o Estado lava as mãos, se utiliza da suposta tripartição do poder para tentar enganar o povo trabalhador. Sabemos muito bem como se articulam e como tentam nos calar. 
 
No caso do Pinheirinho a contradição foi ainda mais evidente, escancarando qualquer limite básico do texto constitucional e do suposto Estado Democrático de Direito que dizem que vivemos.
 
A repressão e a luta contra o direito à moradia, contra a organização da classe trabalhadora de forma geral, segue forte e os desafios apenas nos fortalecem a adotar medidas de frente única contra o Estado Burguês. As reintegrações de posse continuam, seja no campo (vejamos o absurdo do caso Milton Santos), seja na cidade (só em Campinas, três reintegrações de posse estão marcadas, fora o Zumbi dos Palmares, em Sumaré, com a ameaça para março/2013), seja nas fábricas, com a continuidade das agressões contra a Fábrica Ocupada Flaskô ou mesmo com a prática de criminalização do direito de greve e o cerceamento de direitos sindicais básicos.
 
Força à todas as famílias! Que consigamos garantir o direito à moradia, no Pinheirinho, onde cada uma tem sua história de vida!
 
Força à todos os presentes, para que, juntos, possamos seguir denunciando a criminosa reintegração de posse do Pinheirinho, possamos seguir batalhando pelas campanhas de frente única em torno da desapropriação por terra, trabalho e moradia. Da mesma forma que em 08 de dezembro de 2012 estivemos juntos no ato na Avenida Paulista, contem conosco para todas as ações que apontem para o socialismo, lutando pelos direitos sociais mais básicos onde aflorem as contradições da sociedade capitalista.
 
Saudações de luta e resistência, 
Conselho de Fábrica da Flaskô
Sumaré, 22 de janeiro de 2013

Deixe seu comentário

Leia também...

Campinas na luta contra o Escola Sem Partido e a Lei da Mordaça!

A Associação dos Professores da Puc-Campinas (Apropucc) emitiu nota esta semana repudiando o projeto de …