Início / Luta de Classes | Ver Mais / Trabalhadores de Florianópolis dizem não às avaliações externas

Trabalhadores de Florianópolis dizem não às avaliações externas

No início do mês de novembro uma parcela bastante significativa dos professores municipais de Florianópolis cruzaram os braços e disseram “não” à aplicação da Prova Floripa em suas escolas. Essa prova faz parte da política de avaliações externas implantada em todo país como a Prova Brasil, Provinha Brasil, Programa de Avaliação Internacional de Estudantes (PISA), Sistema Nacional de Avaliação da Educação Superior (SINAES), tendo como um de seus desdobramentos o Índice de Desenvolvimento da Educação Básica (IDEB) considerado um dos indicadores de qualidade na educação.

As diretrizes que dão base a essas avaliações estão intimamente ligadas as políticas estabelecidas pelo Banco Interamericano de Desenvolvimento (BID). Cabe perguntar: que interesse um banco teria em financiar a educação? Essa pergunta faz todo sentido quando a localizamos dentro do sistema capitalista, uma vez que para manter o monopólio dos meios de produção é preciso que os jovens filhos de trabalhadores cheguem mais cedo ao mercado de trabalho e, de preferência, sem muita qualificação e conhecimento sobre o mundo.  Nesse contexto, as avaliações externas cumprem o papel de esvaziamento dos conteúdos historicamente produzidos pela humanidade focando o processo ensino-aprendizagem na preparação dos estudantes para o preenchimento de gabaritos inócuos.

No caso da Prova Floripa, a Secretaria Municipal de Educação em 2015 fechou contrato com a Universidade Federal de Juiz de Fora/MG, via empréstimo BID, no valor de R$ 3.603.173,59. Este tipo de convênio coloca o dinheiro que deveria ser destinado à educação municipal nas mãos de consultores externos que estão a serviço da implementação das políticas do BID que têm como foco a privatização da educação pública por meio de mecanismos de controle que estimulam a competição entre as escolas, estabelece a meritocracia e coloca o problema da educação pública na esfera individual e não como demanda coletiva.

Enquanto destina mais de três milhões para elaboração de uma prova que pedagogicamente “nada prova”, a Prefeitura de Florianópolis, sob a justificativa da “crise”, nega o reajuste total da inflação aos servidores, não paga a segunda etapa do plano de carreira dos trabalhadores do quadro civil, não reconhece as auxiliares de sala que trabalham na Educação Infantil como membros do magistério, ataca a previdência dos servidores, precariza as condições de trabalho, entre tantos outros ataques que aqui poderíamos citar. Sabemos que esta crise tem nome: é a crise do sistema capitalista e, portanto, aos trabalhadores resta a exploração, redução e corte dos seus direitos para manter o lucro e a riqueza dos bancos e dos que detêm os grandes meios de produção. Porém, mesmo diante de todos esses ataques os trabalhadores municipais de Florianópolis não se sentiram intimidados e com unidade e organização construíram juntamente com seu sindicato duas greves ao longo deste ano.

Mais especificamente sobre a Prova Floripa, desde 2007 viemos debatendo sobre o tema e tentando construir a resistência necessária para barrar essa política. Chegado 2016, após três seminários sobre o tema, reunião com os representantes e diretores dos locais de trabalho e algumas assembléias, finalmente conseguimos construir um boicote muito significativo a esse modelo de avaliação. A maioria das escolas que aderiram ao movimento são de grande porte e atendem muitos estudantes. A Secretaria de Educação tentou intimidar os professores, colocando sobre suas costas a responsabilidade em não aplicar a prova, mas sem sucesso: se essa é uma política externa às unidades escolares que quem a contratou dê conta da sua implementação.

A decisão coletiva em não aplicar a Prova Floripa por parte dos trabalhadores vai muito além de deixar de lado um caderno de provas: é uma resposta de resistência em defesa da educação pública, contra a precarização do trabalho docente, em favor de uma educação que nos ensine a pensar e não a reproduzir a cartilha do capital. É também romper com a mordaça que organismos como o BID tentam nos colocar e mostrar, a exemplo das ocupações dos estudantes por todo país, que a escola nos pertence.

Deixe seu comentário

Leia também...

Reforma foi adiada por debilidade do governo, não pela pressão das centrais sindicais

Fala do militante da Esquerda Marxista, ex-vereador e ferroviário Roque Ferreira em ato organizado dia …