Início / Teoria / Ted Grant – O Revolucionário Permanente (Capítulo 3: Os Anos da Guerra)

Ted Grant – O Revolucionário Permanente (Capítulo 3: Os Anos da Guerra)

Este é o terceiro capítulo da biografia de Ted Grant, escrita por seu amigo e colaborador por mais de 50 anos, Alan Woods. Este capítulo descreve a luta pela construção das forças do Trotskysmo na Grã-Bretanha durante a Segunda Guerra Mundial. O livro, em inglês, está disponível para venda em Wellred Books (Reino Unido e EUA) e em e-book em Amazon e outros mercados.

Este é o terceiro capítulo da biografia de Ted Grant, escrita por seu amigo e colaborador por mais de 50 anos, Alan Woods. Este capítulo descreve a luta pela construção das forças do Trotskismo na Grã-Bretanha durante a Segunda Guerra Mundial. O livro está disponível para venda em Wellred Books (Reino Unido e EUA) e em e-book em Amazon e outros mercados. Continuaremos a publicá-lo aqui durante as próximas semanas.

Há somente uma forma de se evitar a guerra – derrubar esta sociedade. No entanto, como somos muito fracos para realizar esta tarefa, a guerra é inevitável (Trotsky, Algumas questões sobre os Problemas Americanos, 1940).

O assassinato de Trotsky

À medida em que o ritmo dos tambores de guerra se tornava mais forte na Europa, outro drama sangrento estava sendo desempenhado no México. Stalin se lamentou do sério erro que cometera ao exilar o líder da Oposição em 1927. Posteriormente, em 1937, emitiu a ordem do assassinato de Trotsky e estava descontente de que este ainda não tinha sido realizado. Ele exigia que o homem que ele mais temia fosse eliminado sem demora.

Pavel Sudoplatov foi o homem encarregado pelo próprio Stalin para o assassinato de Trotsky. Em suas memórias, ele descreve como Stalin via o movimento Trotskista como um sério risco. Ele também entendia que sem Trotsky o movimento seria impotente. Em uma reunião secreta no Kremlin, Stalin falou para Sudoplatov e Beria, o chefe da NKVD:

Não há nenhuma figura importante no movimento Trotskista além do próprio Trotsky. Se Trotsky acabar a ameaça será eliminada (Pavel Sudoplatov, Missões especiais, Memórias de uma Testemunha Indesejada – Um mestre da Espionagem Soviética, p. 67).

A primeira tentativa, em maio de 1940, foi um negócio bagunçado. Uma gang armada, liderada pelo pintor mexicano e estalinista David Alfaro Siqueiros, atacou a casa de Trotsky em Coyoacan no meio da noite. Os dormitórios foram crivados de balas de metralhadoras, mas miraculosamente ninguém foi morto. O jovem Esteban Volkov (Seva) foi ferido no pé. Esteban me contou que pensava que os pistoleiros estavam nervosos e que sequer acenderam as luzes. Dispararam no escuro e não conseguiram acertar o alvo. “Talvez eles temessem encarar suas vítimas”, disse ele.

Depois do ataque, os guardas começaram a fortalecer o perímetro defensivo. Esteban explicou que Trotsky era cético sobre as tentativas de “fortificar” a casa contra ataques: “O próximo atentado será completamente diferente”, disse ele, como realmente o foi.

Em 20 de agosto de 1940, um homem com uma gabardine sobre os ombros entrou na casa de Trotsky em Coyoacan. Foi recebido como um velho amigo pelos jovens guardas que o fizeram passar à sala onde Leon Trotsky estava esperando para corrigir um artigo que ele dizia ter escrito.

Este homem, que se chamava Jacson (Ramón Mercader), se situou por trás do Velho que estava lendo o manuscrito. Sigilosamente, por baixo de sua gabardine, ele carregava um picador de gelo. Subitamente, o silêncio foi rompido por um grito lancinante. Os guardas acorreram tarde demais! Apesar de opor uma luta sobre-humana, Trotsky tinha sido mortalmente ferido. Suas últimas palavras registradas foram: “Estou seguro da vitória da Quarta Internacional. Adiante! ”.

Muitos anos depois, Ted Grant recordou o dia em que a notícia do assassinato de Trotsky chegou através do rádio, enquanto estava recostado na cama de um hospital londrino: “Não se pode imaginar a fúria, raiva e frustração sentida por todos os camaradas em todo o mundo. Era a segunda vez que eles tinham tentado assassiná-lo; desta vez, conseguiram”.

Em 1990, para relembrar o 50o aniversário do assassinato, Ted escreveu:

Os eventos da guerra naquele momento eram tão perturbadores que a morte de Trotsky não teve o impacto que teria em tempos de paz. É por isto que Stalin deliberou assassinar Trotsky naquele momento. Ele pensava que não se daria importância ao fato dentro do tumulto geral da guerra. Mas teve um enorme impacto sobre nós e nos tornou ainda mais determinados a continuar a obra de Trotsky, o que fizemos na Grã-Bretanha e internacionalmente nos anos subsequentes. (…)

Nossa resposta imediata foi a de lançar uma campanha para expor os crimes dos estalinistas. As notícias do assassinato foram apresentadas por J. R. Campbell no Daily Worker do Partido Comunista daqueles dias de forma absolutamente escandalosa, como se um dos seguidores de Trotsky o tivesse assassinado e como se Stalin e a burocracia nada tivessem a ver com isto. Nós revelamos esta mentira.

Na época, eu estava envolvido na Liga Internacional dos Trabalhadores (WIL), construindo a luta contra a guerra imperialista. Estávamos fazendo campanha para um governo trabalhista chegar ao poder e então, se necessário, travar uma guerra revolucionária contra Hitler, depois de ter nacionalizado a economia.

Sem Trotsky nós estaríamos cegos. Ele era, em muitos aspectos, até maior que Lênin, no trabalho teórico que realizou entre 1923 e 1940 para aprofundar e desenvolver as ideias do Marxismo e do Leninismo. Sua análise dos acontecimentos na Espanha, particularmente da revolução de 1931-37, na França, na Grã-Bretanha durante a greve geral, na China em 1925-27, e na Alemanha na luta contra Hitler, armou seus seguidores para as lutas à frente.

Acima de tudo, sem Trotsky não poderíamos contar com uma análise do estalinismo. Sua crítica da Internacional Comunista se mostrou repetidas vezes correta à luz dos acontecimentos (Militant, 17 de agosto de 1990).

Os camaradas britânicos criticaram amargamente o Partido Socialista dos Trabalhadores Americanos por não ter protegido Trotsky melhor, mas nada disseram publicamente. Ted me contou que os camaradas ficaram atordoados e de coração partido com as notícias. “Estávamos furiosos com o SWP e com os guardas que deveriam estar protegendo o Velho”, disse ele. “Como é possível que um homem vestindo uma gabardine no verão tenha sido deixado sozinho com Trotsky? ”.

O SWP tentou apresentar todo tipo de desculpa. Disseram que o Velho não gostava de ter uma guarda presente quando estava em uma discussão política com alguém. Ted indignado afastou este argumento: “O camarada Trotsky era um Bolchevique disciplinado. Se os guardas tivessem insistido em que eram os responsáveis por sua proteção e tinham que estar presentes, ele o teria aceitado”.

Muitos anos mais tarde, Gerry Healy, que tinha sido durante anos um fantoche de Cannon e dos americanos, acusou Joseph Hansen de ser agente da GPU de Stalin. Ele lançou uma campanha ruidosa e nos convidou a participar. Ted recusou. Ele não acreditava nesta acusação, embora considerasse os americanos culpados de grave negligência.

Conversei sobre isto várias vezes com o neto de Trotsky, Esteban Volkov. Embora ele tivesse cálidas recordações dos guardas americanos, admitiu que não tinham nenhum profissionalismo: “Eles não eram guardas de forma alguma, mas somente jovens garotos”, disse ele. Ele me deu um exemplo. Trotsky constatou que o jovem guarda americano Robert Sheldon tinha deixado o portão aberto e o censurou severamente: “Hart, se a GPU passar por este portão, você poderia ser assassinado”. Estas palavras foram proféticas. Depois do atentado à casa de Trotsky em maio de 1940, Hart foi sequestrado e assassinado. Embora Trotsky tenha se recusado a acreditar, Hart resultou ser um agente estalinista, que foi morto provavelmente porque tinha se arrependido depois do ataque.

Esteban apontou que mesmo se Mercader tivesse fracassado em sua tentativa, Stalin teria encontrado outros meios para assassinar seu avô: “Eles poderiam colocar uma bomba na casa ou envenenar o sistema de abastecimento de água e a matar todos nós”.

Mas tais argumentos produziram pouca impressão em Ted, que respondeu: “Basta pensar na contribuição que ele poderia ter aportado, se tivesse mais um ano para escrever! ”. Ted considerava que os melhores trabalhos de Marx, Engels, Lênin e Trotsky foram escritos no final de suas vidas, porque estas obras eram o produto de sua compreensão e experiência mais maduras:

Sentimos um imenso pesar, talvez porque o melhor trabalho de Trotsky foi realizado no último ano de sua vida. Seu livro, In Defence of Marxism, permanece correto até hoje em sua análise da União Soviética e dos processos do estalinismo.

Ele demonstrou que a burocracia não era uma nova classe ou uma nova formação, e sim uma aberração que não poderia levar ao socialismo. Seu maravilhoso livro sobre Stalin também foi escrito nesse tempo, embora tenha sido publicado somente em 1945. Stalin exerceu pressão sobre os governos dos EUA, Grã-Bretanha e de outros países para evitar a publicação da obra de Trotsky até depois do final da guerra. Estas obras deram uma boa base teórica ao movimento. Se ele tivesse vivido – por mais cinco anos, produzindo material de tal qualidade, teria sido uma enorme vantagem para o desenvolvimento do movimento dos trabalhadores.

Ele teria apoiado nossa análise desses acontecimentos – de que haveria uma consolidação do capitalismo, nos países industrializados pelo menos, e uma consolidação do estalinismo na Europa Oriental e União Soviética temporariamente, um período que já passou.

Se Trotsky tivesse sobrevivido até o período pós-guerra, não faria uma diferença fundamental no curso dos acontecimentos – a vitória do estalinismo de um lado e o ressurgimento do capitalismo de outro. Isto se deveu às políticas do estalinismo e do reformismo que impediram o desenvolvimento da revolução até o fim, desenvolvimento este que Trotsky esperava.

Na França, Grã-Bretanha e em outros países se os chamados Partidos Comunistas fossem partidos revolucionários poderiam ter realizado a revolução no continente europeu e resolvido os problemas da classe trabalhadora nacional e internacionalmente de uma vez por todas.

Mas se Trotsky tivesse sobrevivido, teria armado melhor os trabalhadores. Não teria acontecido os desastres absolutos perpetrados por aqueles que se reivindicavam seguidores de Trotsky mas que na realidade destorceram completamente suas ideias. E não teria havido tantas perdas do movimento naquele tempo e depois se Trotsky estivesse lá para dirigi-lo e guia-lo (Militant, 17 de agosto de 1990).

O assassinato de Trotsky em agosto de 1940 assestou um golpe devastador às forças jovens e inexperientes da Quarta Internacional. Stalin certamente sabia o que estava fazendo quando assassinou a Trotsky. Quando ele deu a ordem para o segundo ataque, Sudoplatov apontou que isto significaria pôr em risco a extensa rede de agentes estalinistas que se tinha infiltrado no movimento Trotskista em termos mundiais. Stalin respondeu:

A eliminação de Trotsky significará o colapso total de todo o movimento Trotskista, e não teremos nenhuma necessidade de gastar qualquer dinheiro em combater os Trotskistas e suas tentativas de minar a Comintern ou a nós (Sudoplatov, Op. Cit., p. 76).

Stalin não estava muito errado em sua avaliação. Os líderes da Quarta Internacional não estavam à altura das tarefas colocadas pela história. Privados da liderança de Trotsky, cometeram uma série de erros fundamentais. Unicamente a liderança do PCR na Grã-Bretanha foi capaz de se reajustar a nova situação em uma escala mundial depois de 1945. Ted foi profundamente inspirado pelo sacrifício e determinação de Trotsky na defesa das ideias:

Mesmo agora, quando penso no assassinato de Trotsky, vêm-me lágrimas aos olhos. Que sacrifício enorme ele fez. Sua família foi morta, seus camaradas, os Velhos Bolcheviques, foram inteiramente aniquilados. Foi uma vitória para os estalinistas e para a reação reformista. Trotsky passou por tudo isto, mas isto não o deteve na realização do trabalho necessário de preparar os quadros para o desenvolvimento do movimento. É com base em suas ideias, ampliando-as e aprofundando-as, no entanto, que vamos avançar para a vitória (Militant, 17 de agosto de 1990).

A eclosão da guerra

A política britânica de apaziguar Hitler nos anos 1930 foi parcialmente uma expressão de fragilidade por parte de Chamberlain e sua facção. Mas também era uma tentativa para desviar a atenção de Hitler para o Leste – a uma guerra com a União Soviética. Hitler lhes permitiu se entreter com esta ilusão engolindo primeiro a Áustria e em seguida a Checoslováquia. Mas a invasão da Polônia, uma aliada da França, foi um passo longo demais. A Grã-Bretanha e a França declararam a guerra. Para proteger seu flanco traseiro, Hitler assinou um pacto com Stalin. Isto deixou suas mãos livres para se voltar para o Ocidente e esmagar a França com um poderoso golpe.

A eclosão da guerra mudou tudo. Todos os cálculos das potências imperialistas foram lançados na confusão. A burguesia francesa se sentia extremamente confiante por trás das trincheiras e bunkers de concreto da Linha Maginot, mas ficou surpresa ao ver os exércitos de Hitler romper suas defesas como um homem esmaga uma mosca.

Ted apontou que a classe dominante francesa tinha mais medo dos trabalhadores franceses do que de Hitler. Com a memória da Comuna de Paris queimando em sua consciência, a covarde burguesia francesa se recusou a armar a população para resistir a Hitler. Preferiram lamber as botas nazistas e entregar Paris a mercê da Gestapo em vez de enfrentar o risco de outra Comuna de Paris.

A Grã-Bretanha estava agora em posição terrível. O exército britânico tinha sofrido uma derrota esmagadora e milhares de soldados britânicos estavam cercados nas praias de Dunquerque, onde ficaram a mercê dos caças-bombardeiros Stukas alemães. Á beira do desastre, somente foram resgatados através de uma improvisada armada de navios pesqueiros. Como os britânicos são especialistas em apresentar uma derrota como uma vitória, o “Espírito de Dunquerque” desde então se manteve como um momento glorioso em nossa história. Na realidade, foi a mais ignominiosa das derrotas.

A ameaça vinda do estado era reconhecida pelos camaradas, os quais, numa primeira etapa, no início da guerra, estavam esperando ser ilegalizados. Em preparação para uma tal eventualidade, eles enviaram Jock Haston a Irlanda para estudar a possibilidade de instalação de uma estação de rádio para transmitir à Grã-Bretanha. Mas antes disto, Gerry Healy deixou o país, sem consultar o grupo. Ele temia ser convocado pelo exército e, para evitar isto, foi para a Irlanda. Isto era inteiramente contrário à política do partido, como ele bem sabia. Ted comentou:

Healy sumiu, e então decidimos enviar Haston para tentar estabelecer um grupo na Irlanda na eventualidade de sermos considerados ilegais. (…) Ninguém sabia o que ia acontecer e fomos atacados no primeiro dia da Guerra. Na possibilidade de sermos declarados ilegais, propusemo-nos a instalação de uma estação de rádio na Irlanda e poderíamos receber material aqui por navio etc. Então, inicialmente enviamos Haston, em seguida enviamos Tommy Reilly e logo John Williams para estabelecer um grupo. [Proporcionarei] os detalhes de como Healy foi expulso.

Bem, o que aconteceu foi que eles estavam trabalhando no Partido Trabalhista e indo muito bem, e Healy se tornou o gerente comercial do Plough and the Stars que era o jornal do Partido Trabalhista (Irlandês). Agora eles estavam vivendo com a pequena soma de dinheiro que éramos capazes de lhes enviar naquele momento. Eles formavam um pequeno coletivo e Healy disse que ele não tinha [recebido] nenhum dinheiro do Partido Trabalhista. [Mas] eles descobriram [que ele tinha recebido]. Foi censurado e expulso. Mas Haston persuadiu-os a rever a expulsão e que ele [Healy] seria enviado de volta à Grã-Bretanha, uma vez que Healy era um bom organizador. Haston e eu estávamos totalmente errados nesta questão. (…) Todas as vezes em que ele era expulso, sempre o trazíamos de volta porque ele era um bom organizador, embora esta não fosse razão suficiente para trazê-lo de volta (Sam Bornstein, Entrevista com Ted Grant).

A missão irlandesa não teve muito êxito e, em qualquer caso, a WIL nunca foi ilegalizada. Contudo, enquanto estava em Dublin, Jock Haston entrou em contato com membros do IRA e do Partido Trabalhista Irlandês, incluindo Nora Connolly O’Brian, a filha do famoso Marxista Irlandês e líder Trabalhista James Connolly, que foi fuzilado pelos britânicos depois do Levante da Páscoa de 1916. Nora era muito simpática e ajudou bastante aos camaradas.

Haston, com seu costumeiro arrebatamento, ganhou vários membros do IRA ao Trotskismo, um fato que não lhe granjeou as simpatias da liderança, que era pró-Alemã e com inclinações direitistas e fascistas. O IRA sentenciou Jock à morte, o que o fez voltar apressadamente a Londres. Este fato me lembra o caso de Brendan Behan [3], que, quando foi sentenciado à morte pelo IRA, disse: “Eles me sentenciaram em minha ausência, então que executem a sentença em minha ausência também! ”.

Em casa, o ambiente era quase de desespero. Ted lembrou: “Nunca tinha visto algo semelhante. As pessoas estavam realmente temerosas. Esperavam a invasão alemã a qualquer momento. Não havia nenhum entusiasmo pela guerra, como havia em 1914. As pessoas já tinham passado pela experiência e sabiam o que era a guerra. Mas elas estavam preparadas para lutar no que acreditavam ser uma guerra pela democracia contra o nazismo”.

Para obter apoio à guerra, Churchill e a classe dominante foram obrigados a dissimular seus interesses reais e se cobrir com o manto da “democracia”. Antes da guerra, eram admiradores do fascismo. Churchill, em particular, elogiava Mussolini, e a maioria de sua classe via em Hitler um baluarte contra o Bolchevismo.

Em publicações como Searchlight [Holofote] e Youth for Socialism, que mais tarde foram rebatizadas como Socialist Appeal, Ted escreveu artigo após artigo expondo a hipocrisia da classe dominante britânica e desnudando os interesses de classe que estavam por trás da demagogia oficial sobre a “luta para defender a democracia”. Em setembro de 1939, em Youth for Socialism, no artigo principal intitulado Abaixo a Guerra, ele escreveu:

Defesa de qual país? Defesa dos senhorios e dos patrões!

Defendemos o país quando temos um país a defender. Primeiro, reduzam os lucros de 100% da guerra. Deixem as minas, fábricas, ferrovias e centros de trabalho sob o controle da classe trabalhadora. A classe trabalhadora de ambos os lados da fronteira não tem nenhum interesse na luta de um ou outro grupo de abutres engordando com os cadáveres do povo trabalhador. Se os capitalistas britânicos ganham a guerra vão preparar a repartição da Alemanha entre seus aliados e eles próprios. Já o Evening News, anteriormente um entusiasta apoiador de Hitler, enquanto ele estava destruindo os sindicatos e outras organizações da classe trabalhadora, anteriormente entusiasta apoiador de Mosley e do fascismo britânico, deu a entender em suas colunas de opinião desta intenção por parte da classe dominante britânica. Se Hitler ganhar, imporá sua tirania monstruosa sobre a totalidade dos outros setores [sic] da Europa e das colônias, como o fez com o povo Checo. Os trabalhadores britânicos e os trabalhadores alemães não têm nenhuma razão para se matarem uns aos outros. Voltemo-nos contra nossos verdadeiros inimigos, a classe capitalista alemã e britânica (Youth for Socialism, vol. 2, no 1, setembro de 1939).

Lênin e o derrotismo revolucionário

Para se entender a posição de Ted Grant durante a Segunda Guerra Mundial é necessário entender a essência real do “derrotismo revolucionário” de Lênin durante a Primeira Guerra Mundial. Não há talvez nenhuma parte dos escritos de Lênin que tenha sido tão destorcida, mal compreendida e adulterada como sua posição sobre a guerra. Em 1914, ele disse que a derrota da Rússia era o mal menor, e apelou aos trabalhadores para transformar a guerra imperialista em guerra civil. Desde então, há pessoas que repetem estas palavras e se imaginam como grandes Leninistas, desfilando seu “Bolchevismo” intransigente como um garoto desfila seu novo par de sapatos.

É necessário entender as condições concretas nas quais estas obras foram escritas e a que visava. Uma confusão infindável surgiu do fato de que isto não tenha sido compreendido por pessoas que leram umas poucas linhas de Lênin sem entender o método de Lênin. Por que ele considerou necessário se expressar em termos tão extremos?

Ted explicou que em 1914 Lênin não escrevia para as massas. Durante a Primeira Guerra Mundial, Lênin estava totalmente isolado. As palavras de ordem que ele avançava naquele tempo não eram entendidas pelas massas. Lênin estava escrevendo para os quadros. Se não entendermos isto, os erros mais grotescos podem ser cometidos. Além disso, a forma como Lênin formulou a questão do derrotismo deixava muito a desejar.

A traição dos líderes da Segunda Internacional significou o fim da Socialdemocracia como um instrumento de luta para o socialismo. Isto causou tremenda confusão, desmoralização e desorientação nas fileiras dos Marxistas em todos os lugares, incluindo a Rússia. Não pela primeira vez, Lênin tendeu a exagerar na formulação no calor de uma polêmica, ao insistir em um ponto que não havia sido compreendido por seus próprios seguidores.

O próprio Lênin foi inicialmente pego de surpresa pela maré esmagadora de chauvinismo nacional que parecia varrer tudo a sua frente. Isolado da Rússia, também estava preocupado com a possibilidade de vacilações entre seus próprios seguidores sobre a questão da guerra e da Internacional. Tornou-se necessário restabelecer os princípios básicos. As apostas eram muito elevadas. O que estava em jogo era o destino não somente da russa, mas da revolução mundial. Por esta razão, a diplomacia e a ambiguidade estavam fora de lugar. Krupskaya, a esposa de Lênin, explica:

Ilych deliberadamente colocou o tema de forma muito enfática para deixar clara a linha que as pessoas estavam adotando. A luta contra os defensistas estava em pleno apogeu. A luta não era um assunto interno do Partido que interessasse apenas às questões russas. Era um tema internacional (Krupskaya, Lembranças de Lênin).

A ideia de que uma derrota militar do czarismo aceleraria o processo da revolução na Rússia era obviamente correta e foi confirmada pelos acontecimentos. Mas chegar diante das massas na Rússia com a crua afirmação de que os revolucionários estavam pela vitória do Kaiser teria sido um suicídio. Na verdade, teria sido defensivismo virado pelo avesso, e os teria colocado abertamente frente à acusação (utilizada mais tarde pelo Governo Provisório) de que os Bolcheviques eram agentes dos alemães.

A mudança de regime da autocracia czarista à república democrática burguesa depois da Revolução de Fevereiro de 1917 não significou que a guerra pelo lado da Rússia se tornasse menos imperialista que antes. Mas quando retornou à Rússia Lênin disse que encontrou, ao lado da costumeira multidão social-chauvinista, uma grande camada de honestos defensivistas da classe trabalhadora nos sovietes que tiveram que perceber através da experiência e dos argumentos a natureza reacionária da guerra. Aqui está o que Lênin escreveu em abril de 1917 em um artigo intitulado O Defensivismo Honesto se revela:

Os acontecimentos em Petrogrado durante os últimos dias, particularmente ontem, ilustram como estávamos certos em falar do defensivismo “honesto” das massas para diferenciá-lo do defensivismo dos líderes e dos partidos.

A massa da população é composta de proletários, semiproletários e camponeses pobres. São eles a vasta maioria da nação. Estas classes igualmente não estão interessadas em anexações. As políticas imperialistas, os lucros do capital bancário, as rendas das ferrovias na Pérsia, os empregos lucrativos na Galícia e na Armênia, a colocação de restrições à liberdade da Finlândia – tudo isto são coisas nas quais estas classes não estão interessadas.

Mas todas estas coisas em conjunto bastam para camuflar o que é conhecido na ciência e na imprensa como política imperialista, anexionista e predatória (Lênin, Obras Completas, Volume 24, pp 204-206).

Como Lênin falava às massas

Com seu infalível instinto para a psicologia das massas, Lênin era capaz de adaptar sua política de derrotismo revolucionário às condições de mudança e apresentá-la em uma forma que os trabalhadores comuns e correntes da Rússia, os soldados e os camponeses pudessem entender. Repetir meramente as velhas palavras de ordem poderia separar totalmente os Bolcheviques da classe trabalhadora. Uma nova abordagem era necessária, e que refletisse a diferença entre escrever e falar para pequenos grupos de ativistas do partido e abordar a ampla massa de trabalhadores recentemente despertos para a vida política.

Vejamos como Lênin apresentou a questão da guerra em 1917. Em um discurso ao Sovíete, que ainda era em sua maioria esmagadora a favor dos mencheviques e dos social-revolucionários naquele momento, Lênin desnudou brutalmente toda a verborragia diplomática pondo a nu os interesses de classe subjacentes:

Os capitalistas continuam a pilhar a propriedade do povo. A guerra imperialista continua. E ainda temos as promessas de reformas, reformas e mais reformas, que não podem ser cumpridas igualmente sob estas circunstâncias, porque a guerra esmaga e determina tudo.

Contudo, ao explicar o caráter imperialista da guerra, Lênin continua para explicar que os Bolcheviques não se preparam para abandonar a luta militar contra o imperialismo alemão:

É uma calúnia dizer que a luta revolucionária que se iniciou na base pode levar a um tratado de paz em separado. O primeiro passo que daríamos se estivéssemos no poder seria o de prender os maiores capitalistas e cortar todos os fios de suas intrigas. Sem isto, toda conversa sobre paz sem anexações e indenizações é totalmente sem sentido. Nosso segundo passo seria o de declarar a todos os povos por cima das cabeças de seus governos que consideramos todos os capitalistas como ladrões – Tereshchenko, que não nem um pouco melhor que Milyukov, apenas um pouco menos estúpido, os capitalistas franceses, os capitalistas britânicos e todo o resto.

Claramente impressionada, quase apesar de si mesma, a maioria decidiu dar ao orador tempo extra, e Lênin continuou seu discurso, expondo o caráter imperialista da guerra, mas, novamente tomando em conta as inclinações “defensivistas honestas” de sua audiência, explicou o derrotismo revolucionário em uma linguagem que poderia ganhar eco nos trabalhadores e soldados. Não somos pacifistas, disse ele. Estamos preparados para lutar contra o Kaiser, que também é nosso inimigo. Mas não confiemos nos capitalistas. Livremo-nos dos dez ministros capitalistas! Que os líderes soviéticos tomem o poder, e travemos uma guerra revolucionária contra o imperialismo alemão, enquanto lutamos para espalhar a revolução à Alemanha e a todas as outras potências beligerantes. Esta é a única forma de ganharmos a paz:

Quando tomarmos o poder nas nossas mãos, poremos um freio aos capitalistas, e a guerra não será a mesma que a que se trava hoje, pois a guerra é determinada pela classe que a trava e não por aquilo que se escreva num papel. No papel pode-se escrever o que se quiser. Mas, enquanto a classe capitalista formar a maioria do governo, a guerra continuará a ser imperialista, escrevais vós o que escreverdes, por muito eloquentes que sejais, sejam quais forem os ministros quase-socialistas que tenhais (…)

(…) A guerra continua a ser imperialista, e por muito que desejeis a paz, por mais sincera que seja a vossa simpatia pelos trabalhadores e por mais sincero que seja vosso desejo de paz – estou plenamente convencido de que o desejo de paz não pode deixar de ser sincero na massa – sois impotentes, pois só se pode pôr fim à guerra desenvolvendo a revolução. Quando começou a revolução na Rússia, começou também a luta revolucionária a partir de baixo pela paz. (…) E se as circunstâncias nos pusessem então na situação de uma guerra revolucionária – isto ninguém sabe e não excluímos isto – diríamos: “não somos pacifistas, não renunciamos à guerra se a classe revolucionária estiver no poder, se verdadeiramente despojou os capitalistas de toda influência na direção dos assuntos e da possibilidade de acentuar a ruína que lhes permite embolsar centenas de milhões”. (…) a situação dos capitalistas é tal que não há outra saída senão a guerra. Quando tomardes o poder revolucionário, tereis a via revolucionária para a paz: dirigir-se aos povos com um apelo revolucionário, explicar a tática com o vosso exemplo (Lênin, Obras Completas, Discurso ao Primeiro Congresso dos Sovíetes de toda a Rússia, vol. 25, pp. 21-23 e 26-27).

O que mais se destaca aqui é a completa ausência das formulações iniciais de Lênin sobre “derrotismo revolucionário”. Nenhuma referência à guerra civil. Nenhum apelo aos soldados para virar suas baionetas contra seus oficiais, e certamente nenhum indício de que a derrota da Rússia poderia ser o “mal menor”. Esta mudança reflete uma importante mudança na abordagem de Lênin relativa à tática desde Fevereiro.

A questão de defensivismo versus derrotismo revolucionário, que ele frequentemente apresentava em termos muito antagônicos no período anterior, acabou por não ser tão simples. Naturalmente, a posição de Lênin sobre a guerra não mudou no fundamental. Mas a forma em que o derrotismo revolucionário teve que ser apresentado foi muito diferente. Temos aqui a verdadeira essência do Leninismo, não a caricatura sem vida que reduz o método de Lênin ao de um sacerdote repetindo sem cessar as palavras do Catecismo sem sequer pensar sobre o que supostamente significam.

A Política Militar Proletária

Não podemos nos opor ao treinamento militar obrigatório por parte do estado burguês, assim como tampouco podemos nos opor à educação obrigatória por parte desse mesmo estado. O adestramento militar aparece ante nossos olhos como parte da educação (Trotsky, Sobre a Conscrição, 1940).

A questão mais decisiva para os revolucionários é a atitude em relação à guerra. A eclosão da guerra colocou novos problemas para o movimento Trotskista. Sobre a questão da guerra, Trotsky tinha exatamente o mesmo método dialético de Lênin. Antes de ser assassinado em agosto de 1940, ele tinha elaborado um programa de transição para a nova situação que surgiu da guerra. Este não tinha nada em comum com os esquemas abstratos dos ultra-esquerdistas que apresentavam uma caricatura da política de Lênin de derrotismo revolucionário.

Como Lênin em 1917, Trotsky partiu das condições concretas da classe trabalhadora americana em 1940, que não eram de forma alguma as mesmas da Rússia em 1917. Naturalmente, o caráter imperialista da guerra era o mesmo em sua essência. Mas a forma como era percebido pelos trabalhadores era diferente, e isto tinha de ser tomado em consideração. Como Trotsky explicou:

A presente guerra, como já dissemos mais de uma vez, é a continuação da última guerra. Mas uma continuação não implica uma repetição. Como regra geral, uma continuação implica um desenvolvimento, um aprofundamento, um aguçamento. Nossa política, a política do proletariado revolucionário em relação à segunda guerra mundial imperialista, é uma continuação da política elaborada durante a última guerra imperialista, primeiramente sob a liderança de Lênin. Mas uma continuação não implica uma repetição. Neste caso, também, uma continuação significa um desenvolvimento, um aprofundamento e um aguçamento (Trotsky, Writings, 1939-40, p. 411).

Pouco antes de sua morte, ele deu conselhos muito concretos de como os Trotskistas deviam se aproximar em termos de táticas na nova situação:

Se apenas se procede com base na caracterização geral da época, e nada mais, ignorando suas etapas concretas, pode-se facilmente cair no esquematismo, sectarismo ou nas fantasias quixotescas. A cada mudança séria dos acontecimentos ajustamos nossas tarefas básicas às condições concretas de dado período. Nisto reside a arte das táticas (Trotsky, Sobre a questão da autodefesa dos trabalhadores, em Escritos 1939-40, p. 103).

Ele passou a delinear a abordagem Marxista para a guerra:

Sem qualquer afastamento de nosso programa devemos falar às massas em uma linguagem que elas compreendam. “Nós, os Bolcheviques, também queremos defender a democracia, mas não este tipo de democracia dominada por sessenta reis sem coroa. Primeiro varramos de nossa democracia aos magnatas capitalistas, logo a defenderemos até a última gota de nosso sangue. Vocês, que não são Bolcheviques, estão realmente dispostos a defender esta democracia? Mas então, pelo menos, têm que poder defendê-la com toda sua capacidade, de modo a não ser um instrumento cego nas mãos das sessenta famílias e dos oficiais burgueses que as servem. A classe trabalhadora tem que aprender as questões militares para extrair de suas próprias fileiras o maior número possível de oficiais”.

“Temos que exigir que o estado, que amanhã utilizará o sangue do trabalhador, dê hoje aos trabalhadores a possibilidade de dominar o melhor possível a técnica militar para alcançar os objetivos militares com um mínimo de custo de vidas humanas”.

“Para lograr isto, não bastam um exército e quartéis regulares. Os trabalhadores devem ter a oportunidade de que se lhes dê treinamento militar em suas fábricas, oficinas e minas em determinadas horas pagas pelos capitalistas. Se os trabalhadores haverão de dar suas vidas, os patriotas burgueses podem, pelo menos, fazer um pequeno sacrifício material”.

“O estado deve entregar um rifle a cada trabalhador capaz de portar armas e estabelecer campos de tiro e artilharia para o treinamento militar em locais acessíveis aos trabalhadores”.

Nossa agitação sobre a guerra e toda nossa política ligada a esta devem ser tão independentes com relação aos pacifistas quanto com relação aos imperialistas.

“Esta guerra não é nossa guerra. Os responsáveis dela são fundamentalmente os capitalistas. Mas enquanto ainda não somos suficientemente fortes para derrubá-los e temos que lutar em seu exército, temos a obrigação de utilizar as armas o melhor possível”.

As trabalhadoras também têm que gozar do direito de portar armas. Deve-se dar a oportunidade à maior quantidade possível de trabalhadoras de receber, à custa dos capitalistas, treinamento como enfermeiras.

Assim como qualquer trabalhador explorado pelos capitalistas trata de aprender o melhor possível as técnicas da produção, qualquer soldado proletário do exército imperialista tem que aprender o melhor possível a arte da guerra para ser capaz, quando mudem as condições, de aplicá-la em benefício de sua classe.

Não somos pacifistas. Não. Somos revolucionários. E sabemos que perspectiva se abre ante nós.

No entanto, a Política Militar Proletária não foi aceita por muitos que se chamavam Trotskistas. A maioria deles tomou uma posição ultra-esquerdista que era uma caricatura completa do que Lênin tinha escrito em 1914. Visto que nunca entenderam a posição de Lênin, como se poderia esperar deles entender o que Trotsky estava dizendo?

Vemos a mesma coisa se repetir. Vimos isso na questão do Entrismo, que muitos “Trotskistas” rejeitaram “em princípio” antes da guerra. Vimo-lo mais uma vez na questão da guerra. E vimos isto em escala ainda maior depois da guerra, quando os líderes da Quarta Internacional revelaram sua total incapacidade de entender o método de Trotsky e acabaram por abandonar o Trotskismo completamente. Como Rob Sewell aponta:

Quando Trotsky levantou a política militar proletária, provocou oposição generalizada dentro das fileiras da Quarta Internacional. Muitos líderes, como os das seções belga e britânica (o RSL), deliberadamente expurgaram qualquer referência a esta política. O grupo belga, por exemplo, excluiu vários parágrafos sobre esta questão a partir da versão clandestina do Manifesto de maio de 1940. Também havia “reservas” por parte da seção francesa e inclusive do Secretariado Europeu da Quarta Internacional. Em consequência, seu enfoque geral, enraizado em uma falsa apreciação da situação geral, fracassou completamente em se conectar com a classe trabalhadora diante da investida do fascismo hitlerista. Suas táticas estavam atadas ao passado e manchadas com o pacifismo. Como resultado, ficaram confinados às margens. Mesmo o SWP americano, que tinha adotado a política militar sob a pressão de Trotsky, interpretou a política de forma passiva, reduzindo-a à mera propaganda divorciada de qualquer perspectiva de poder dos trabalhadores (Introdução aos Escritos de Ted Grant, vol. 1, p. 24).

A confusão dos líderes da Quarta ficou evidente a partir da conduta de Pierre Frank, que estava exilado na Grã-Bretanha no início da guerra. Em 1940, ele estava apelando aos trabalhadores britânicos para ocupar as fábricas. Naquele momento, com as tropas de Hitler prontas para invadir, os trabalhadores estavam trabalhando voluntariamente longas horas nas fábricas a produzir armas para defesa do país. Este detalhe mostrou o quão fora de contato esses “líderes” estavam do mundo real da classe trabalhadora. Isto os condenou ao isolamento e impotência em face da guerra.

O RSL tinha uma posição completamente ultra-esquerdista sobre a guerra. Mascarados sob a bandeira do derrotismo revolucionário de Lênin, eles avançaram a ideia de que “a vitória de Hitler é o mal menor”. Ted disse: “Eles são muito rrrrevolucionários – no quarto de dormir! ”. Claro, eles nunca se atreveriam a dizer coisas como essas nas fábricas ou nas seções sindicais. Um deles levantou este absurdo na sua seção do Partido Trabalhista – e ficou surpreso quando foi expulso!

O erro do RSL se repetiu milhares de vezes, visto que todos os ultra-esquerdistas se imaginam grandes Leninistas porque leram algumas linhas de Lênin que não entenderam. Todas essas pessoas repetem como autômatos frases isoladas de Lênin e Trotsky, que, arrancadas de seu contexto histórico, tornam-se totalmente sem sentido.

WIL/PRC na guerra

A Liga Internacional dos Trabalhadores (WIL) e, mais tarde, o PRC desenvolveram a Política Militar Proletária Revolucionária de Trotsky e a aplicaram brilhantemente à situação concreta na Grã-Bretanha. Ted me disse: “Quando lemos pela primeira vez sobre a Política Militar Proletária Revolucionária de Trotsky, ficamos muito felizes, porque tínhamos chegado à mesma posição do Velho de forma independente”.

É justo assinalar que, inicialmente, mesmo alguns dos camaradas dirigentes de WIL tinham dúvidas sobre a linha de Trotsky sobre a guerra. Mas Ted a abraçou de todo coração. Em fevereiro de 1941, dois artigos da maioria do CE publicados em Socialist Appeal e em Workers’ International News deflagraram um debate interno. Jock Haston, Millie Lee e Sam Levy ficaram de um lado, e Ted Grant, Harold Atkinson, Andy Paton e Gerry Healy, do outro. Jimmy Deane também apoiou a posição de Ted sobre a guerra [4]. Mais tarde, Ted relembrou:

Tivemos a mesma posição de Trotsky e do SWP americano. De fato, os americanos realmente reproduziram alguns dos artigos do Appeal em seu jornal. (…) O material que colocamos no jornal naquela época (…) era muito bom. Haston objetava. Naquele tempo ele tinha uma posição ultra-esquerdista. Como todo ultra-esquerdista, terminou como um oportunista. (…) Embora seja verdade que Healy estivesse de nosso lado, ele tentou converter isto em coisa monstruosa, pessoal, faccionária. Mas detivemos isto: Atkinson, eu e Andy Paton (Sam Bornstein, Entrevista com Ted Grant).

A plena concordância dentro do WIL foi finalmente obtida através da discussão democrática e do desenvolvimento dos próprios acontecimentos. Enquanto isso, a seção oficial da Quarta Internacional (RSL) estava apresentando uma posição totalmente incorreta. Em 1943, Ted escreveu uma brilhante resposta ao RSL, onde lemos o seguinte:

A guerra é parte da vida da sociedade no momento atual e nosso programa para a conquista do poder tem que se basear, não na paz, mas nas condições de militarismo universal e guerra. Poderíamos nos compadecer dos companheiros do RSL por sua desafortunada visão da história. Mas, infelizmente, somos demasiado débeis para derrubar o imperialismo e devemos pagar um preço por isso. Era necessário (e, naturalmente, ainda é necessário) educar os quadros da Quarta Internacional na natureza e significado do socialpatriotismo e do chauvinismo estalinista, e sua relação com a guerra. Na Grã-Bretanha, quem fez isto de forma tão enérgica quanto a WIL? O Programa de Transição, se tem algum sentido, é estabelecer uma ponte não só entre a consciência das massas e o caminho para a revolução socialista, como também entre os revolucionários isolados e as massas.

A RSL se convence da superioridade de sua posição sobre o estalinismo e o reformismo, pensando que continua mantendo a posição de Lênin na última guerra. Isto seria estupendo… se a RSL tivesse compreendido a posição de Lênin. No entanto, Trotsky e os herdeiros do Bolchevismo começamos onde acaba a direção da RSL! Abordamos o problema da guerra desde o ângulo da iminência do próximo período da revolução social na Grã-Bretanha assim como em outros países: “Os trabalhadores estadunidenses não querem ser conquistados por Hitler, e aos que lhes digam ‘tenhamos um programa de paz’ lhes responderão: ‘Mas Hitler não quer um programa de paz’. Por isso, nós dizemos: defenderemos aos Estados Unidos com um exército operário, com oficiais operários, com um governo operário’.

Essas palavras do Velho estão saturadas com o espírito do Marxismo revolucionário que, enquanto preserva intransigentemente sua oposição à burguesia, mostra simpatia e compreensão pela atitude da classe operária e os problemas que tem em mente. Não nos detemos na necessidade de educar a vanguarda no caráter da guerra e na negativa de defender a pátria capitalista, mas seguimos adiante até ganhar a classe trabalhadora para a conquista do poder e a defesa da pátria socialista (Ted Grant, Reply of WIL to the RSL criticism of “Preparing for Power”Writings, Vol. 2, pp. 375-6).

Estas palavras transmitem muito bem a essência da política militar proletária de Trotsky. Os Marxistas não têm uma política para a paz e outra, totalmente diferente, para a guerra. Há muito tempo, Clausewitz explicou que a guerra é somente a continuação da política por outros meios. Em vez de adotar as atitudes impotentes do pacifismo, os Marxistas devem desenvolver uma política proletária na guerra, que é uma continuação da política revolucionária de classe que perseguimos em tempos “normais”.

Enquanto denunciando o caráter imperialista da guerra e exigindo que os líderes trabalhistas rompam com a burguesia, era necessário explicar nosso programa numa linguagem que os trabalhadores pudessem entender e aceitar. Em vez de se opor à conscrição, era necessário propor reivindicações transitórias no sentido de que os trabalhadores pudessem exercer controle sobre o treinamento militar, que poderia estar estreitamente ligado às fábricas e sindicatos, a eleição de oficiais, plenos direitos para os soldados etc.

Seguindo o conselho de Trotsky, a WIL e em seguida o PCR fizeram um excelente trabalho nas forças armadas. No caso de Ted, contudo, o serviço militar não durou muito tempo. Tendo sido convocado para o Pioneer Corps em 1940, ele quase imediatamente sofreu um acidente de tráfego que resultou em uma fratura no crânio. Foi considerado inválido para o exército e passou o resto da guerra perseverando na atividade revolucionária.

O caso de Frank Ward foi bastante mais típico da política do partido. Conheci Frank em Swansea quando eu estava na Juventude Socialista, e ele me explicou como teve êxito em ganhar todos os seus camaradas de armas quando estava na força aérea. Tanto êxito teve ele, que, com o objetivo de afastá-lo, foi honrosamente licenciado da RAF [Royal Air Force], e passou o restante da guerra tentando voltar. Todos as edições de Socialist Appeal traziam cartas e artigos dos soldados. Andy Paton, membro do Comitê Executivo de WIL, escreveu regularmente reportagens sob o pseudônimo de Andrew Scott para Socialist Appeal enquanto esteve no exército.

“Nosso Oitavo Exército”

Em seu afã de convencer às pessoas de que esta era uma “guerra pela democracia”, a classe dominante britânica fez algumas concessões. Uma delas foi permitir meios de debate político dentro das forças armadas. O presidente das “forças parlamento” no Egito era um Trotskista eleito pelos soldados do Oitavo Exército. Em fevereiro de 1944, mais de 600 soldados assistiram uma sessão que votou pela nacionalização dos bancos, construção de quatro milhões de casas, e a nacionalização da terra, das minas e do transporte.

Em sua abertura ao congresso da WIL em 1943, publicada em Workers’ International News, em janeiro de 1944, Ted disse: “A classe dominante diz que o Oitavo Exército é seu, mas de fato é o nosso Oitavo Exército”. A observação de passagem de Ted sobre o “nosso” Oitavo Exército foi concebida como um comentário sobre a crescente influência dos Trotskistas no exército.

Alguns meses mais tarde, em março de 1944, o congresso de fusão da WIL com o que restava da RSL deu nascimento ao Partido Comunista Revolucionário (PCR). Ted e os outros líderes do PCR ficaram chocados e surpresos quando descobriram que aquelas palavras foram retiradas do contexto e inseridas por motivos faccionais pelo representante do IS (Sam Gordon, conhecido no partido como Stuart) em seu informe do congresso de fundação do PCR, distribuído a todos os membros do SWP dos EUA. O informe foi apresentado de forma a destorcer as verdadeiras proporções dos distintos grupos envolvidos na fusão, que eram um embaraço para Cannon. Ele teria revelado aos membros de SWP que a caluniada WIL englobou a vasta maioria dos delegados que atenderam ao congresso. Além disso, Gordon insinuou que alguns dos líderes do partido unificado estavam manifestando tendências defensivistas e chauvinistas, ou um “desvio de coloração nacionalista”, nas palavras de Stuart, ecoando as acusações faccionais lançadas à WIL pelo velho RSL.

Stuart não poderia ter ouvido estas palavras no congresso do PCR, porque o discurso de Ted Grant foi feito em um congresso anterior da WIL, vários meses antes.

Que Stuart tenha sido a fonte dessas distorções não foi surpresa para os camaradas. Já estavam bem familiarizados com seus métodos durante a longa e frustrante preparação para a fusão. Então, as manobras de Stuart tinham produzido protestos coletivos ao SI em nome da liderança de WIL em setembro de 1943 [5].

A questão real era a seguinte: como era possível que um informe completamente desonesto, produzido por uma fonte tendenciosa, fosse publicado e distribuído por Cannon e liderança do SWP, sem mesmo se checar o conteúdo do informe junto aos próprios líderes do PRC? Poderiam facilmente ter respondido às acusações de Stuart em detalhe e, dessa forma, um sério incidente poderia ter sido evitado. Mas este não era o método de Cannon e Cia., como Ted e seus camaradas vieram a descobrir no futuro.

Uma aguda réplica ao “informe” de Stuart pelo PCR foi emitida em janeiro de 1945, na forma de uma Carta Aberta aos membros do SWP. Entre outras coisas, o informe de Stuart declarava:

Em defesa da resolução sobre política militar, um líder da maioria no novo CC fez algumas observações que suscitaram espanto e protesto, particularmente entre aqueles de acordo com a resolução, que é em grande parte uma afirmação correta da política internacional. Característico dessas observações foi a referência ao Oitavo Exército de Montgomery como “nosso Oitavo Exército”. Os protestos somente trouxeram a reiteração do orador com uma ênfase ainda mais forte que antes: ele falou com orgulho de “nosso Oitavo Exército”.

Os líderes do PRC expressaram seu sentimento de indignação:

Cortar toda uma frase de seu contexto com o propósito de mostrar um “desvio”, é nada menos que um escândalo nas fileiras da Quarta Internacional. E que isto pudesse circular através do CP [Comitê Político] do SWP sem uma verificação não é fácil de entender.

Supõe-se que essa “cena” ocorreu na conferência de fusão. O que é falso. O incidente, acima distorcido, teve lugar na conferência de WIL em 1943, durante uma discussão não sobre política militar, mas sobre as perspectivas europeias e britânicas. A resolução da qual o camarada Grant estava falando foi publicada em um panfleto, A revolução mundial e as tarefas da classe trabalhadora britânica, elaborado por ele e aceito como documento básico pela conferência de fusão.

Em continuação:

Esse discurso foi editado para publicação, e vários exemplos de motins e lutas de menor intensidade nas fileiras das forças que levaram a essa declaração foram omitidos devido à censura do governo.

Os antecedentes desse discurso podem ser vistos quando se considera que os Tories receberam 14 assentos de um total de 600 nas eleições simuladas ao Parlamento das Forças no Cairo, os Trabalhistas receberam a votação esmagadora dos soldados, em seguida Commonwealth [6] e depois os estalinistas. Tão elevada era a radicalização que as autoridades dissolveram este “Parlamento”. Um Trotskista foi eleito Primeiro-Ministro das “’Forças’ do Parlamento” Benghazi, que também foi dissolvido.

Outra indicação da radicalização do Oitavo Exército: durante a tremenda campanha que se seguiu à prisão de nossos membros do partido por “incitação à greve”, o Eighth Army News publicou um artigo de página inteira sob a manchete: “O direito à greve é um direito à liberdade pela qual lutamos”.

Qualquer um pode ver que o conteúdo revolucionário desse discurso foi claro (Carta Aberta aos membros do SWP, em Ted Grant, Writings, vol. 2, pp. 460-77).

Os mesmos “Leninistas intransigentes” anteriormente haviam se queixado de que a WIL era “defensivista” porque avançou a demanda transitória por abrigos antiaéreos profundos nos quais os trabalhadores pudessem se refugiar dos bombardeios alemães. Pelo visto, era dever internacionalista dos trabalhadores da Grã-Bretanha mostrar calma estoica enquanto os trabalhadores alemães de uniforme lançavam bombas fraternas sobre eles e suas famílias do alto. Uma interpretação muito original da confraternização proletária!

Nem vale a pena mencionar as palhaçadas da RSL. É evidente por si mesmo que durante a guerra, a WIL era de fato a única voz que defendia as políticas da Quarta Internacional na Grã-Bretanha. A razão disto era que a seção “oficial”, a RSL, resultou ser totalmente incapaz de construir algo. Como tantos grupos que reclamavam o manto de Trotsky, eles tinham uma concepção inteiramente abstrata das ideias de Trotsky e foram incapazes de colocá-las na prática ou de encontrar um caminho aos trabalhadores.

A Liga Socialista Revolucionária [RSL, em suas siglas em inglês] foi um fracasso completo. Sua posição ultra-esquerdista sobre a guerra condenava-o à completa esterilidade. Como resultado, estagnou dentro do Partido Trabalhista e no final a Internacional perdeu a paciência com sua “seção britânica”. Em contraste, o crescimento da WIL convenceu-os de que havia chegado o momento de mudar suas apostas. Cannon teve que se bater em retirada.

Contudo, mesmo assim a WIL não foi reconhecida como a seção oficial. Em vez disso, a Internacional pressionou por uma fusão. A única forma de Ted e seus camaradas poderem entrar na Quarta era gastando um monte de tempo e energia em penosas negociações para uma fusão de princípios. Isto foi devido à posição dominante que a WIL logrou no movimento Trotskista britânico e à correspondente desintegração da RSL. Isto no final levou a um congresso de fusão que deu nascimento ao Partido Comunista Revolucionário, seção britânica da Quarta Internacional.

(…) O ponto é que os americanos queriam salvar a cara. A RSL estava dividida em três. (…) E o que aconteceu é que eles insistiram em que devíamos unificar com eles e nos unificamos sob nossos termos. Para salvar a cara, eles unificaram seus três grupos uma semana antes e se uniram conosco uma semana depois (Sam Bornstein, Entrevista com Ted Grant).

Mais tarde, Ted reconheceu que o RSL tinha sido pessimamente tratado por Cannon e pelos líderes da Quarta, mas também reconheceu que eles eram completamente sectários e pequeno-burgueses. “Eles eram verdadeiros boêmios”, disse, incapaz de conter o riso. “Alguns deles andavam vestidos com mantos e sandálias. Isto realmente impressionava naqueles dias! ”.

O papel de Ted Grant

O PRC em seu auge atraiu os melhores elementos proletários, que constituíam mais de 90% de suas fileiras. Ted sempre esteve muito orgulhoso do trabalho feito por WIL e pelo PCR, do qual muitas vezes falava com entusiasmo. Durante a guerra e depois, era ele efetivamente o líder da WIL e mais tarde do PRC. Ele era o secretário político da WIL e editor de Socialist Appeal. Mesmo depois de Haston ser eleito secretário político do PCR, Ted continuou escrevendo a maioria dos documentos e declarações políticas importantes.

Naturalmente, havia outros excelentes camaradas, especialmente Jock Haston. Uma vez que Lee voltou à África do Sul, a colaboração entre Ted e Haston se tornou a base do êxito e desenvolvimento da WIL e do PCR, e foi também uma das principais razões por que Ted tentou tão tenazmente salvar Haston mais tarde.

Jock Haston era um organizador brilhante, um homem dinâmico e um líder carismático. Ted se lembrava dele como “um cara muito simpático, um bom construtor da Tendência. Haston era um dos muitos construtores do PCR, não há a menor dúvida sobre isto”. Havia muitas outras pessoas de talento: Jimmy Deane, Harold Atkinson, Heaton Lee, Roy Tearse, Millie Lee, Andy Paton e muitos outros. Mas no campo teórico, havia somente uma figura de destaque, e este era Ted Grant.

Na década de 1980, Sam Bornstein e Al Richardson escreveram um livro sobre o Trotskismo britânico intitulado A Guerra e a Internacional (publicado em 1986). Este livro tem sérias falhas. Particularmente, os autores sistematicamente minimizaram o papel de liderança de Ted, enquanto exageraram o papel de todo tipo de figuras e grupos menores e secundários.

Isto não é acidental. Como é usual com pessoas que deixaram o movimento e se dedicam a comentar à distância, Bornstein tinha um martelo para bater. É sempre a mesma história. A mesma história dos tempos de Marx, quando os homens esquecidos, os “Homens do Exílio” – Schapper, Willich, Vogt e tantos outros – estavam constantemente tentando menosprezar o papel de Marx. Desta forma, os homens pequenos tentam aumentar suas próprias e pequenas contribuições. Mas nunca se pode realmente aumentar o próprio prestígio sabotando os outros. Ao se ler este tipo de coisas sempre vem à mente os famosos versos de Jonathan Swift:

Assim, os naturalistas observam, uma pulga

Tem pulgas menores que nela rapinam;

E estas têm pulgas menores para mordê-las ainda;

E assim continua, até o infinito (Swift, Poesia, uma Rapsódia).

Na preparação do presente livro, li tanto A Guerra e a Internacional quanto algum material inédito que os autores escreveram em sua preparação. O que é interessante não é o que eles escreveram mas o que deixaram de lado. Entre o material largamente omitido ou ignorado é o conteúdo de uma entrevista com Ted Grant datada de 22 de agosto de 1982. Nesta entrevista, Sam Bornstein tentou (sem êxito) encostar Ted nas cordas sobre a questão de seu papel na liderança da WIL e do PCR. Ele perguntou:

Então, quem você diria que foram os teóricos do movimento? Você lidou com todos os organizadores.

Ted: Bem, além de mim mesmo, não houve mais nenhum. Esta é a verdade da questão. Quem mais teríamos?

Sam: Não estou questionando, quero apenas seu ponto de vista.

Ted: Bem, não tivemos nenhum. Esta é a verdade da questão. Tivemos bons escritores, bons oradores, bons organizadores, e, seja como for, não se necessita de tantos teóricos (Sam Bornstein, Entrevista com Ted Grant).

Bornstein fingia ter uma abordagem muito científica e objetiva da história. Mas a longa experiência me ensinou a desconfiar de tal suposta objetividade. Todo autor se aproxima da história com alguma inclinação ou outra, e é muito melhor declarar seus interesses com antecedência, em vez de enganar o leitor tentando fazê-lo aceitar uma objetividade espúria quando o que têm diante de si é um relato claramente tendencioso. Como disse Hegel um dia, os fatos não se selecionam. Na realidade, Bornstein selecionou os fatos de tal forma que distorceu seriamente a verdade, e ignorou e desprezou o papel de Ted.

O que temos aqui é uma tentativa equivocada de estabelecer um tipo de “fair play histórico”, segundo o qual a cada indivíduo é postumamente outorgada uma medalha por sua participação no movimento revolucionário, não importando o quão insignificante este papel tenha sido. Mas isto, por si só, representa uma distorção mais séria dos fatos. É como aquelas velhas pinturas do período antes que a ciência da perspectiva fosse introduzida na arte, em que todos os objetos são representados como se fossem da mesma altura e dimensão, estivessem elas a um metro ou a vinte quilômetros do observador, um castelo ou uma cabana, um gigante ou um bebê, uma montanha ou um montículo, um elefante ou um mosquito.

Quando o defunto Spike Milligan, um dos mais conhecidos comediantes britânicos escreveu sua autobiografia, ele a intitulou Adolf Hitler, meu papel em sua queda. O terceiro volume foi intitulado Monty, seu papel em Minha Vitória. O Monty do título se refere ao Marechal de Campo Bernard Montgomery, que comandou o exército britânico na Batalha de El-Alamein no Norte da África. Uma vez que o papel de Mr. Milligan era o de um soldado raso no exército britânico, duvido que ou Hitler ou “Monty” tenham algum dia ouvido falar dele. Ele ri enquanto grita: “Eu também estava lá, você sabe! ”. Mas isto, naturalmente, fazia parte intencional da brincadeira.

Infelizmente, o mesmo não se pode dizer daqueles que, tendo desempenhado um papel menor ou mesmo insignificante na pré-história do movimento Trotskista, estão constantemente puxando as mangas da camisa da história, gritando: “Eu estava também ali, você sabe! ”. Spike Milligan sempre estava disposto a rir de si mesmo e isto fazia parte de seu charme. Mas todos os Trotskistas aposentados se levam terrivelmente a sério. Suas tentativas de “objetividade histórica” consistem em engrandecer seu próprio pequeno papel e em reduzir o dos outros ao nível liliputiano. Quando Spike Milligan faz a mesma coisa é muito engraçado. Quando as pessoas que não têm nenhum senso de proporção ou de humor seguem seu exemplo, é somente ridículo.

Uma vez tive uma interessante discussão com Ted sobre os teóricos do Partido Bolchevique, e ele me disse:

Se olharmos para o Partido Bolchevique, quem existia além de Lênin e Trotsky? Bukharin talvez. Ele escreveu alguns livros interessantes: Materialismo Histórico, Imperialismo e O ABC do Comunismo. Estes valem à pena ler. Mas quando você os lê, pode ver que Lênin queria dizer quando escreveu em seu Testamento que Bukharin nunca entendeu corretamente a dialética.

Como uma tendência política, o Bukharinismo há muito que desapareceu. Ted apontou que no início dos anos 1930, os seguidores da Oposição de Direita eram mais fortes que nós:

Os Bukharinistas tinham uma forte base em vários países, incluindo os EUA (o grupo Lovestone) e Alemanha (os Blanderistas). Eles eram muito maiores que nós. Mas onde estão eles hoje? Foram completamente liquidados pela história. Quanto a Zinoviev e Kamenev, quem lê seus livros hoje em dia?

Ao dizer que havia somente dois grandes teóricos no Partido Bolchevique, implica isto em que não havia nenhumas outras figuras proeminentes no partido? Não, não implica. As pessoas têm diferentes capacidades e o partido revolucionário seria impensável sem uma série de indivíduos diferentes cujas qualidades pessoais lhes permitem desempenharem diferentes papéis. Zinoviev era um agitador talentoso, mas a arte do agitador, dependendo do que ele faz com a palavra falada, morre com o homem. Kamenev era um propagandista habilidoso; Sverdlov um brilhante organizador. Todos eles desempenharam um papel importante; no entanto, nenhum deles pode ser considerado um teórico. Trotsky assinalou o mesmo em mais de uma ocasião:

Por outro lado, a revolução se faz com relativamente poucos Marxistas, mesmo dentro do partido. Aqui, o coletivo substitui o que o indivíduo não pode lograr. O indivíduo pode dificilmente dominar cada área separada – é necessário ter especialistas que se complementem mutuamente. Tais especialistas são muitas vezes Marxistas bastante passivos sem serem Marxistas completos, porque trabalham sob o controle de verdadeiros Marxistas. A totalidade do Partido Bolchevique é um maravilhoso exemplo disto. Sob a supervisão de Lênin e Trotsky, Bukharin, Molotov, Tomsky e uma centena de outros foram bons Marxistas, capazes de grandes realizações. Assim que essa supervisão desapareceu, mesmo eles desabaram vergonhosamente. Isto não foi porque o Marxismo é uma ciência secreta, foi porque é muito difícil escapar das pressões colossais do ambiente burguês com todas as suas influências (Trotsky, Writings, Supplement 1934-40, PP. 592-3).

Em meu próprio caso, não tenho nenhum problema em juntar firmemente minha bandeira ao mastro. Sempre fui seguidor de Ted Grant, a quem considero como o homem que defendeu e desenvolveu as ideias de Trotsky depois que o Velho foi assassinado. Não vejo ninguém mais que possa reclamar verdadeiramente este papel, e ainda menos na Grã-Bretanha. Que houve muitos outros camaradas admiráveis que fizeram grandes sacrifícios para construir o movimento, não pode haver dúvida. Mas Ted tinha razões de sobra quando desafiou Sam Bornstein a nomear outro teórico na liderança da WIL ou do PCR.

Tomo nota de que Bornstein foi incapaz de responder. Este silêncio troveja. Vamos falar por ele. O fato inegável é que Ted Grant escreveu todos os principais documentos da WIL e do PCR, e um grande número dos editoriais e artigos teóricos nos jornais. As publicações desse período, incluindo Youth for Socialism, Workers’ International News e Socialist Appeal, contêm uma grande quantidade de material político valioso que vale a pena ler hoje.

Os estalinistas e a guerra

Ao início da guerra, seguindo cegamente a linha de Moscou depois do Pacto Hitler-Stalin, o Partido Comunista Britânico estava seguindo uma política ultra-esquerdista, uma caricatura da política de derrotismo revolucionário de Lênin, exigindo de fato a paz sob os termos de Hitler. Ignorando as condições concretas, eles fomentavam greves ao menor pretexto, em um momento em que os trabalhadores britânicos estavam trabalhando incansavelmente para o esforço de guerra.

Contudo, o abandono da política de “frente-popular” e a adoção de uma política ultra-esquerdista nos primeiros dias da guerra não abalou a confiança dos comunistas da classe trabalhadora, embora muitos companheiros de viagem de classe média tenham pulado imediatamente do barco. O que realmente causou espanto nas fileiras foi a seguinte mudança de linha. Quando, no Verão de 1941, Hitler cinicamente rompeu seu pacto com Stalin e atacou a União Soviética, Moscou requereu uma política totalmente diferente.

Em sua tentativa de assegurar a “Segunda Frente” para ajudar a União Soviética, os líderes do PC se tornaram os mais fervorosos apoiadores de Churchill e do governo no chão da fábrica. Da noite para o dia, sem quaisquer explicações, a guerra imperialista se tornou uma “guerra progressista contra o fascismo”. Num piscar de olhos, o Partido deu uma cambalhota de 180 graus e pediu a suspensão de todas as greves. Em vez disso, agora exigiram que os trabalhadores intensificassem a produção de guerra.

O PC tinha convocado uma conferência para discutir o desenvolvimento do movimento grevista, que rapidamente transformaram em uma conferência para discutir como aumentar a produtividade! Naturalmente, esta mudança súbita de linha provocou diferenças nítidas em suas fileiras. Isto foi demais para muitos trabalhadores comunistas engolir. Como tal política poderia se justificar? O que tudo isto significava? As únicas pessoas que deram explicações foram os Trotskistas da WIL e mais tarde do Partido Comunista Revolucionário.

Embora constantemente pedindo a defesa da URSS, a WIL defendeu uma política de classe independente, invocando ao Partido Trabalhista a romper a coalizão com os Tories e Liberais e tomar o poder na base de uma política socialista de nacionalização dos bancos e dos monopólios sob o controle e gestão dos trabalhadores.

Os estalinistas estavam particularmente raivosos em sua hostilidade às greves, denunciando os militantes Trotskistas e os trabalhadores como “agentes de Hitler”, supostamente traindo “nossos” soldados. No entanto, os soldados não compartilhavam desta opinião. Uma petição assinada por 82 soldados foi enviada ao líder trabalhista Ernest Bevin em protesto contra a 1AA Regulation que foi usada para prender quatro membros da liderança do PCR – Jock Haston, Ann Keen, Heaton Lee e Roy Tearse. Bevin foi o responsável pela introdução deste regulamento anti-greve como ministro do Trabalho no governo do tempo de guerra. A petição foi em resposta ao ataque do estado lançado contra o PCR durante a greve dos aprendizes, e foi publicada pelo Eighth Army News. E republicada pelo Socialist Appeal em maio de 1944.

Infelizmente para os estalinistas, o clima entre os setores da classe trabalhadora estava começando a se inclinar em direção a uma crescente militância. Todos os tradicionais redutos que o PC tinha dentro da classe trabalhadora foram afetados mais cedo ou mais tarde por este clima (especialmente nas áreas mineiras), e a propaganda da WIL começou a ganhar eco entre eles. A agitação nas zonas carboníferas se intensificou durante o Verão de 1942. Numa altura em que os estalinistas estavam agindo como os piores fura-greves, a WIL e, em seguida, o PCR estavam atraindo uma camada de trabalhadores militantes e sindicalistas, organizados em torno da Federação Militante dos Trabalhadores, e liderou algumas greves importantes. O Socialist Appeal era lido avidamente por trabalhadores militantes em todo o país, muitos dos quais se consideravam comunistas.

Uma campanha vociferante foi lançada pelos Tories de direita através do porta-voz dos proprietários das minas de carvão, o Daily Telegraph, e do antigo pró-nazi Daily Mail. A campanha foi acompanhada pelo Partido Comunista da Grã-Bretanha. Os estalinistas estavam histéricos. Chegaram a pedir a Herbert Morrison, o Ministro do Interior (e membro do Partido Trabalhista) a suprimir o Socialist Appeal – o que ele se recusou a fazer. Aliás, Morrison foi responsável em janeiro de 1941 por fazer cumprir 18 meses de longa proibição do Daily Worker (o principal jornal do PC da Grã-Bretanha), uma proibição à qual a WIL se opôs publicamente. Durante seu ultra-esquerdista Terceiro Período, os estalinistas tinham acossado Morrison sem misericórdia, pelo que é muito possível que, agindo assim, estava tranquilamente se vingando deles.

Os líderes do PC haviam identificado a ameaça colocada pela WIL, e já havia publicado um panfleto chamado Remover os agentes de Hitler, escrito por William Wainwright, e destinado principalmente a etiquetar o ILP e a WIL como agentes de Hitler. O panfleto recomendava aos trabalhadores a tratar um Trotskista “como você trataria um nazi aberto” e a “removê-los de todas as organizações e posições da classe trabalhadora”. Mas essas tentativas de caluniar os Trotskistas saíram pela culatra contra os estalinistas.

A resposta de WIL foi um folheto de quatro páginas chamado Trabalhadores Fabris: Mantenham-se em guarda: Removam os Agentes dos Patrões. Um artigo de fundo no Socialist Appeal, assinado por Ted, expôs sem piedade as mentiras em que a campanha estava baseada e lançou um desafio espirituoso:

$ 10 Recompensa

Para qualquer membro do Partido Comunista que possa provar que as supostas citações de publicações Trotskistas em seu panfleto Removam os Agentes de Hitler não são falsificações.

– Ou –

Para qualquer membro do PC que possa mostrar uma página deste panfleto que não contenha no mínimo cinco mentiras (Ted Grant, New Allies of the Communist Party, Socialist Appeal, setembro de 1942).

O desafio também foi reproduzido em folhetos e amplamente difundido em muitos locais de trabalho. Dez libras era um monte de dinheiro naqueles dias. A curiosidade dos trabalhadores foi aguçada. Com este senso de humor característico, eles cercaram os estalinistas, desafiando-os a recolher as dez libras! Desnecessário dizer, eles nunca tentaram.

A greve dos aprendizes

A ação mais destacada do recém-nascido PCR foi sua participação na greve dos aprendizes de Tyneside na Primavera de 1944. Este foi um acontecimento muito significativo, porque ocorreu durante a guerra, quando todos os líderes trabalhistas e sindicais se opunham a qualquer ação grevista.

Os principais membros do PRC de Newcastle, mais notavelmente Heaton Lee, Jack Rawlings e Ann Keen, intervieram na greve desde o início e recrutaram o líder dos aprendizes, Bill Davy. Roy Tearse, o organizador industrial do Partido, se envolveu e produziu um grande impacto na greve.

O governo e a Seção Especial logo arranjaram uma forma de agir contra esses “subversivos”. Logo assaltaram a sede do PCR em Londres e nas outras seções, e em seguida prenderam Heaton, Ann, Roy e mais tarde Jock Haston, que era o secretário-geral naquele tempo. Eles foram acusados de evadir as disposições dos Ofícios dos Atos de Disputa de 1927, implantados depois da derrota da greve geral de 1926, e em particular da quebra da até mesmo mais severa regulamentação antigrevista, a 1AA, introduzida pelo ministro trabalhista Ernest Bevin.

Muito rapidamente, o PCR organizou um amplo Comitê de Defesa das Vítimas das Leis Antitrabalhistas, que envolveu parlamentares da esquerda do Partido Trabalhista, como Nye Bevan, Sydney Silverman, S. O. Davies, W. G. Groves, e os principais líderes do Partido Trabalhista Independente, como John McGovern, James Maxton, Walter Padley e Fenner Brockway. Fred também estava no Comitê pelo PCR como editor de Socialist Appeal. Eles travaram uma campanha maravilhosa, com a ajuda de sindicalistas e partidos trabalhistas, agitando todo o movimento sindical. Como já vimos, também ganharam eco nas forças armadas, com a petição assinada por soldados que foi enviada a Bevin em protesto contra a prisão dos “Quatro”.

Os líderes da greve e do PCR foram levados a julgamento. Nosso camarada Bill Landles, então um jovem aprendiz, foi chamado como testemunha de defesa. Os camaradas receberam sentenças de prisão entre seis meses e um ano. Eles apelaram, e com o conhecimento de Haston da lei, conseguiram reverter o veredito. O partido havia conseguido ganhar não apenas Bill Davy, como também um grupo de aprendizes. Esta vitória definiu o cenário para as batalhas vindouras.

Os êxitos do PCR atraíram a atenção do serviço de inteligência britânico, o M15, que tentou infiltrar o partido. A seriedade com que as autoridades consideravam o trabalho da organização se revela no informe do M15, que foi tornado público a poucos anos atrás e publicado em História do Trotskismo Britânico de Ted Grant.

Ted lembra que havia um agente, penso que se chamava Inspetor Jones, que requereu filiação. Ele humoristicamente disse: “Estávamos desconfiados dele desde o início: pensávamos que ele devia ser um polícia por causa do tamanho de seu pé”. Então, fizeram vários truques com ele. Deram-lhe um duro período comprovatório envolvendo o pagamento de um monte de dinheiro “para provar que era sério”. Com este dinheiro foram capazes de imprimir o Programa de Transição de Trotsky.

Como filiado, Jones mostrou interesse inusitado em adquirir uma cópia de cada papel, documento ou folheto que o Partido produzia. Então, numa brincadeira deliberada, eles “pularam” uma edição do jornal imprimindo o número errado. O pobre homem quase enlouqueceu perguntando a todos onde poderia obter o “número desaparecido”. Provavelmente, pensou que ele continha os planos da insurreição!

Mais tarde, a sede do PCR foi invadida pela polícia. Ted disse que eles tinham algumas armas escondidas, para o caso de necessitar delas no futuro, mas a polícia nunca as encontrou, o que foi muito bom. Quando lhe perguntei onde as tinham escondido, ele respondeu: “Sobre a chaminé! ”. Quando os camaradas foram levados para ser interrogados, reconheceram este mesmo Inspetor Jones na estação policial, e ele (ingenuamente) pediu-lhes para guardar silêncio sobre sua identidade. Quando eles foram perguntados sobre como tinham obtido o dinheiro para a publicação do Programa de Transição disseram: “Pergunte ao Inspetor Jones! ”.

Vários anos mais tarde, Jock Haston retirou todas as armas que estavam estocadas em seu apartamento depois da dissolução do PCR e colocou-as em um grande saco. Ninguém sabia exatamente o que fazer com elas, chamaram a Scotland Yard e deram um jeito para elas serem silenciosamente entregues em uma estação de polícia local, nada foi perguntado. Jock Haston relembra:

Alguns meses mais tarde, o Superintendente Jones (ele era nesse momento um Superintendente) (…) veio me ver com uma lista de todas as armas e munições que eu tinha entregue, o número de série, onde elas tinham sido fabricadas, e tudo o mais, e me disse que eles sabiam, que eles tinham sido informados que tínhamos armas guardadas (…) (Al Richardson, Entrevista com Jock Haston, 30 de abril de 1978, inédito, Arquivo Ted Grant).

Infelizmente, não sabemos a identidade do informante que a polícia aparentemente tinha dentro do PCR.

As eleições parciais de Neath

Ted explicou por que foi necessário modificar nossas táticas durante a guerra: “Uma vez que o Partido Trabalhista era em grande parte uma máquina eleitoral, sua vida interna diminuiu a quase nada durante a guerra. As seções partidárias deixaram de se reunir. Mais importante, a Juventude Trabalhista, que tinha sido nosso mais importante campo de trabalho antes da guerra, virtualmente deixou de existir, enquanto a juventude estava sendo recrutada nas forças armadas”.

Isto tornou necessária mudança na tática. Primeiramente, os camaradas retornaram ao ILP (Partido Trabalhista Independente), onde realizaram alguns ganhos. Mas depois de 1941, novas oportunidades se apresentaram no Partido Comunista. As políticas de colaboração de classe de rompimento de greves da liderança do Partido provocaram crescente descontentamento. A WIL e em seguida o PCR, dessa forma, prestaram uma maior atenção do PCGB.

Durante a guerra, o Partido Trabalhista concordou com uma trégua eleitoral com os Tories (Conservadores). Estavam todos na coalizão do tempo de guerra, por isso quase não havia eleições. Uma exceção foi a eleição parcial na classe trabalhadora em Neath, em 1945. Dadas as peculiares condições nesta eleição, o PCR lançou um candidato para este assento seguro dos Trabalhistas, como uma forma de levantar as ideias do Marxismo e ganhar novos filiados. Gales do Sul tinha uma tradição revolucionária, especialmente nas áreas mineiras, que naquele tempo cobria a maior parte de Gales do Sul. Quando a Internacional Comunista foi formada em 1919, os únicos órgãos sindicais na Grã-Bretanha que se uniram a ela foram os mineiros de Gales do Sul e os delegados sindicais de Clydeside na Escócia.

Gales do Sul tem uma longa tradição das mais amargas lutas de classe e seu povo tem boa memória. Em minha própria família, lembro-me ainda criança ouvindo conversas sobre “a greve” como se fosse algo que tinha acontecido ontem. Mas estavam falando sobre a greve geral de 1926. Depois da derrota da greve geral, os mineiros se mantiveram tenazmente durante meses até que retornaram ao trabalho literalmente morrendo de fome. Winston Churchill comentou que “os ratos voltaram aos seus buracos”. Isto ficou amargamente na memória.

Mesmo durante a guerra, quando a popularidade de Churchill estava em seu auge, as pessoas em Gales do Sul sempre o vaiavam quando aparecia nos jornais cinematográficos. Era, portanto, um excelente local para se avançar ideias revolucionárias. O candidato do Partido Comunista Revolucionário era Jock Haston, seu secretário-geral. Esta foi a primeira vez que alguma organização Trotskista tinha lançado um candidato numa eleição parlamentar britânica. O PCR tinha sido estabelecido apenas um ano antes, e não tinha uma base anterior em Gales do Sul. Apesar disso. A eleição de Neath foi um êxito considerável para o PCR.

Ted desempenhou um ativo papel na campanha. Há uma fotografia dele junto com Jimmy Deane e Jock Haston do lado de fora da sede da campanha em Neath. Tipicamente, enquanto os outros camaradas estão sorrindo para a câmera, Ted sequer olha para a lente. Tem seu rosto mergulhado nas páginas de Socialist Appeal. Ele nunca foi particularmente fotogênico, nem era de todo consciente de relações públicas, mas a legenda aqui é clara: não importa as personalidades, são as nossas ideias e programa que contam.

O PCR sustentou a plataforma do internacionalismo proletário. Orgulhosamente declarou: “Nosso candidato lutará em uma plataforma de hostilidade intransigente à guerra imperialista, pelo rompimento da Coalizão, pela derrubado do governo de Churchill e para que o Trabalhismo tome o poder com uma plataforma Socialista”. Sua principal palavra de ordem era “Rompa a Coalizão, o Trabalhismo no Poder”. Naturalmente, o PCR não esperava ganhar o assento. Esta nunca foi uma expectativa realista. Mas obteve uma votação significativa e, o que é mais importante, espalhou suas ideias através de um público muito mais amplo do que antes. As ideias do Trotskismo foram muito bem recebidas pelos trabalhadores em um momento em que ninguém mais estava avançando um programa revolucionário.

Os estalinistas, que consideravam Gales do Sul como um de seus redutos, estavam fora de si de tanta raiva. Fizeram o possível para atrapalhar a campanha do PCR, incluindo brigas de socos, mas sem êxito. O PCR teve um grande impacto com seu programa e ideias – sobretudo entre setores proletários do PC. O Partido Comunista ofereceu seu total apoio ao candidato trabalhista e fez campanha contra o PCR, usando o elegante slogan: “Um voto para Haston é um voto para Hitler”.

O PCR desafiou várias vezes ao PC para um debate público. Primeiro, eles recusaram, mas no final foram forçados a concordar com a celebração de um debate em Neath. Eles propuseram Alun Thomas, líder do Partido Comunista em Gales Ocidental, para falar contra Haston. Seu discurso estava pleno de veneno. Durante a reunião, que atraiu cerca de mil e quinhentas pessoas, entre outras preciosas pérolas proferidas pelo camarada Thomas estava a seguinte:

Na Rússia o fascismo foi derrotado porque fuzilaram todos os Trotskistas e a escória Quinta-Coluna, e se tivéssemos meios, essas pessoas nesta tribuna seriam fuziladas.

Como diria Marx: “Cada palavra, um pinico, e não um pinico vazio”. Mas, apesar de todos esses abusos, o argumento do PCR começou a ganhar eco nas fileiras tanto do PC quanto do Partido Trabalhista. O ILP local também se dividiu em apoio a Haston e alguns deles se juntaram ao PCR.

O candidato trabalhista, D. J. Williams, repudiou o apoio estalinista, opondo-se a sua política de frente popular com os Conservadores e os Trabalhistas depois da guerra. Parece ter sido um homem decente. Haston se manteve em bons termos com ele e quando o PCR veio abaixo em 1949, Williams ajudou-o a encontrar um trabalho no Conselho Nacional das Universidades Trabalhistas.

O resultado para o PCR foi que obteve 1.781 votos, comparados aos 30.847 obtidos pelo candidato trabalhista. Paradoxalmente, despertando tanto interesse, a campanha do PCR serviu para aumentar a votação dos trabalhistas. Um fato altamente significativo, como me disse Ted, foi que muitos trabalhadores chegavam até eles depois de entusiásticas reuniões eleitorais do PCR e diziam: “Concordo com tudo o que você diz. Por que você não se lança como candidato do Partido Trabalhista? ”. O êxito em Neath causou um monte de problemas com o PC.

A poucos quilômetros de Neath, ao longo de um vale desolado, varrido pelo vento, descansa a pequena cidade mineira de Gwan-cae-Gurwen, popularmente conhecida como G-C-G, ou “o Waum”. Aqui, o PCR estabeleceu um ramo ativo, principalmente de mineiros que tinham vindo do Partido Comunista.

A força da liderança era Johnny Jones “Crown”, um homem autodidata, como muitos trabalhadores naquele tempo que se deu o árduo trabalho de se elevar acima das condições terríveis de vida para conquistar para si o mundo da cultura e das ideias. Johnny costumava escrever artigos maravilhosos para o Socialist Appeal, a partir dos quais se pode ter uma ideia clara das vidas, pensamentos e aspirações do povo trabalhador.

Um jovem mineiro chamado Olwyn Hughes juntou-se ao grupo. E nunca mais o deixou até sua morte em 1998. Havia necessidade de coragem para ser um militante Trotskista ativo em um reduto do PC como este. Os estalinistas consideravam-nos como traidores ou coisa pior, e em mais de uma ocasião, a crítica não se limitava a argumentos verbais. Olwyn, que era membro do PCR em G-C-G naquele tempo, deu-me o seguinte exemplo.

Um dos militantes do PCR (não lembro seu nome) era um homem muito agressivo, embora falasse em voz baixa. Ele e Olwyn estavam conversando enquanto bebiam uma cerveja no clube local dos mineiros, quando um estalinista particularmente fanático se aproximou por trás deles e começou a fazer comentários ruidosos sobre o alegado “fascismo trotskista”.

O companheiro de Olwyn virou-se e se dirigiu ao provocador: “Você está falando a meu respeito?” O homem apenas teve tempo de responder afirmativamente quando os punhos começaram a falar. O agressor terminou no assoalho, depois do que o vitorioso olhou desafiadoramente em torno da sala: “E agora, alguém tem mais alguma coisa a dizer?” Ninguém tinha.

Olwyn me descreveu a impressão que teve de Ted quando, ainda um jovem mineiro, ele veio a Londres para conhecer os principais camaradas: “Ele me pareceu um pouco um cabeça-de-ovo [intelectual]”, disse ele, rindo. Ele descreveu para mim como Ted e outros liberados os convidaram a uma Lyon’s Corner House e lhes ofereceram uma xícara de café, enquanto lhe davam uma longa palestra sobre a natureza de classe do Leste Europeu e sobre os erros da teoria do capitalismo de estado. Mas quando chegou a hora do almoço, foram a um café onde os jovens galeses tiveram que pôr a mão nos bolsos para pagar! Foi uma lição que Olwyn nunca esqueceu e nunca me permitiu, a mim, um liberado, pagar por uma caneca de cerveja amarga, que geralmente havia nos clubes de recreação dos mineiros. Certamente, havia uma sala no clube em que havia um busto de Lênin, novamente uma referência à herança revolucionária do Vale de Amman.

Olwyn também me deu uma descrição de Harrow Road, a sede do PCR, que parecia um formigueiro de tanta animação. Havia pessoas chegando e saindo o tempo todo. Ele relembrou: “havia um monte de ianques, muitos deles marinheiros, membros do SWP, que vinham diretamente dos navios para entregar livros e materiais e discutir. Havia colchões no chão onde os liberados e outros podiam dormir”.

Anos mais tarde (penso que foi em 1971), quando eu era militante por tempo integral em Gales do Sul, Rob Sewell e eu fomos vender o jornal em uma manifestação contra a Lei de Relações Industriais em Ammanford, não longe de G-C-G. Esta cidade tornou-se conhecida na região como a Pequena Moscou e o Partido Comunista já foi muito forte ali. Vendemos o jornal sobre a manifestação e logo fomos a uma reunião pública no Hall dos Mineiros. O principal orador era Trevor James, o líder regional da NUM. Ele fez um discurso muito inflamado, denunciando os Conservadores na linguagem da luta de classes e terminou dizendo: “A classe trabalhadora nunca terá êxito até que logremos nosso objetivo final: o poder de estado dos trabalhadores! ” Mais tarde descobrimos que ele tinha se aproximado do PCR.

Tradução Fabiano Adalberto

Notas

[3] Brendan Behan tomou parte de uma campanha fracassada de bombardeio no porto de Liverpool e foi enviado à prisão de delinquentes juvenis por três anos. Em 1942, ele retornou a Dublin como herói político do IRA, mas desenvolveu um sério problema de alcoolismo e com frequência esteve no cárcere por embriaguez e promoção de desordens. Depois de um desses episódios foi julgado por uma corte marcial do IRA por “levar o movimento ao descrédito”. Foi sentenciado à morte e lhe disseram para se apresentar para sua execução. Pelo que parece, ele foi notificado da sentença em um pub, à qual Behan respondeu: “Vocês me julgaram na minha ausência. Podem me fuzilar na minha ausência”. Mais tarde se tornou em um famoso escritor.

[4] Ver Ted Grant’s Writings, Vol 1, para todos os documentos dessa disputa.

[5] Ver, Reply to comrades Cooper and Stuart, em Ted Grant, Writings, Vol. 2, pp. 396-412.

[6] A Commonwealth foi fundada em julho de 1942, pela aliança de dois grupos de esquerda, o Comitê 1941 – um grupo de experts reunidos pelos escritores J. B. Priestley e Tom Wintringham – e o neo-Cristão movimento Forward March, liderado pelo parlamentar liberal Richard Acland, junto com independentes e antigos liberais.  

Deixe seu comentário

Leia também...

Em defesa de Lenin

Nota da Redação: O presente artigo que trazemos agora ao público brasileiro traduzido do inglês …