Início / Documentos / Editoriais / Solidariedade internacional aos mineiros assalariados da Bolívia

Solidariedade internacional aos mineiros assalariados da Bolívia

 

Os camaradas abaixo, são os primeiros signatários no Brasil da moção encaminhada pela Corrente Marxista Internacional em apoio à luta dos mineiros bolivianos pela nacionalização das minas da Bolívia, a começar pela de Colquiri, onde trabalhadores mineiros foram atacados por cooperativista, lançando dinamites contra a sede da FSTMB, resultando na morte de um companheiro e ferimento de vários outros. Assine a Moção você também.

Os camaradas abaixo, são os primeiros signatários no Brasil da moção encaminhada pela Corrente Marxista Internacional em apoio à luta dos mineiros bolivianos pela nacionalização das minas da Bolívia, a começar pela de Colquiri, onde trabalhadores mineiros foram atacados por cooperativista, lançando dinamites contra a sede da FSTMB, resultando na morte de um companheiro e ferimento de vários outros. Assine a Moção você também.

 

Moção de Solidariedade internacional aos mineiros assalariados da Bolívia

Srs.

Ministro de Governo da Bolívia

Ministro de Minas da Bolívia

Federação Sindical de Trabalhadores Mineiros da Bolivia- FSTMB

Central Operária Boliviana- COB

Sindicato Misto de Trabalhadores Mineiros de Colquiri

Tivemos conhecimento de que na terça-feira, 18 de setembro, durante a conclusão de uma mobilização de mineiros cooperativados, alguns grupos deste setor atacaram com dinamite a sede nacional da Federação Sindical de Trabalhadores Mineiros da Bolívia (FSTMB), causando grandes estragos ao edifício e, especialmente, a morte de um companheiro mineiro e causando ferimentos graves a outros.

Este conflito surge da intenção da Cooperativa 26 de Fevereiro de explorar a mina Colquiri antes operada por Sinchi Wayra.Um conselho da cidade mineira resolveu reivindicar a nacionalização da mina para resolver o conflito. Uma minoria da mencionada cooperativa, apoiada pelo sindicato nacional de cooperativas mineiras, tem resistido a se incorporar nas fileiras da nova Empresa Mineira Colquiri nacionalizada, e exige que lhe seja concedida o mais rico reservatório.

É, obviamente, um conflito dos interesses privados contra o interesse geral de todos os trabalhadores e do povo boliviano de se beneficiar dos recursos naturais para gerar emprego digno e desenvolvimento da Bolívia.

Diante destes fatos, os abaixo assinados afirmam:

– Expressamos nossa forte condenação ao ataque criminoso sofrido pela sede da FSTMB e declaramos nossa solidariedade internacional aos companheiros sindicalistas mineiros bolivianos e às famílias das vítimas;

– Exigimos do governo boliviano uma investigação para encontrar os culpados, tanto os autores diretos quanto os mentores intelectuais do atentado. Fazendo justiça o mais rápido possível;

– Expressamos nossa solidariedade internacional aos companheiros da FSTMB e às famílias das vítimas;

– Saudamos com entusiasmo a profunda consciência social expressa pelos companheiros mineiros de Colquiri em sua luta pela completa nacionalização desta mina para benefício de todo o povo e trabalhadores bolivianos.

– Expressamos nosso apoio à reivindicação da completa nacionalização da mina de Colquiri com um emprego estável para todos os cooperados do lugar. Reivindicação que também está presente nas lutas do povo boliviano de onde nasceu o atual governo. Nós chamamos o governo a apoiar essa reivindicação, fortalecendo e aprofundando o processo de transformação que vive a Bolívia.

Primeiros signatários:

Severino Nascimento (Faustão) – Direção Nacional da Central Única dos Trabalhadores (CUT)

Serge Goulart – Direção Nacional do Partido dos Trabalhadores (PT)

Adilson Mariano – vereador pelo PT de Joinville

Roque Ferreira – vereador pelo PT de Bauru

Alexandre Mandl – Conselho de Fábrica da Flaskô (Fábrica Ocupada pelos Trabalhadores)

Alex S. Batista dos Santos – CUT Santa Catarina

Arlindo Belo da Silva – Direção da Confederação Nacional do Ramo Químico – CUT

Wanderci Bueno – Editor do Jornal Luta de Classes e do site www.marxismo.org.br

Verivaldo Mota (Galo) – Executiva do Sindicato dos Vidreiros de São Paulo – CUT

Ulrich Beathalter – Presidente do Sindicato dos Servidores Públicos dos Municípios de Joinville, Garuva e Itapoá – CUT

Rosangela Soldatelli – Presidente do Sindicato dos Trabalhadores no Serviço Público Municipal de Florianópolis – CUT

Milton Jacques Zanotto – Presidente do Sindicato dos Trabalhadores em Instituições Privadas de Ensino do Norte Catarinense

Clarice Erhardt – Coordenadora do Sindicato dos Trabalhadores em Educação da Rede Pública Estadual de Santa Catarina – regional Joinville

Plínio Mércio Baldoni – Diretor Executivo do Sindicato dos Ferroviários de Bauru e Mato Grosso do Sul – CUT

José Carlos Miranda – Vice-presidente do PT-Caieiras

Mario Conte – Diretor Trabalhista do Sindicato dos Músicos Profissionais Independentes da Grande São Paulo

Rafael Prata – Membro do Diretório Municipal do PT Campinas/SP

Josenildo Vieira de Mello – Direção do Sindicato dos Professores da Rede Municipais de Pernambuco – CUT

Maria de Lourdes Coelho – Executiva da Confederação dos Trabalhadores no Serviço Público Municipal – CUT

Mirian Neide dos Santos – Executiva do SINTEEPE-PE – CUT

Ricardo Morais – Direção do Sindicato dos Químicos de Pernambuco – CUT

Maria Luciene Cordeiro – Direção do Sinduprom –PE- CUT

Fernando Lima – Executiva do SINDSEP-PE – CUT

 

Deixe seu comentário

Leia também...

Dois projetos que privatizam a Educação Infantil em Florianópolis

Estão em tramitação na Câmara Municipal de Florianópolis dois projetos de lei que atacam frontalmente …