Início / Artigos / Internacional / Solidariedade contra a repressão sangrenta no Togo, África

Solidariedade contra a repressão sangrenta no Togo, África

A Esquerda Marxista se solidariza com o povo togolês e suas organizações que foram atacadas pela sanguinária ditadura que governa e país. Em solidariedade reproduzimos abaixo o comunicado do PT do Togo sobre estes acontecimentos.

Abaixo a ditadura Faure Essozimna Gnassingbé- Eyadéma!

Viva a luta do povo togolês!

Viva a solidariedade internacional!

Serge Goulart – Esquerda Marxista

Comunicado do Partido dos Trabalhadores do Togo

Denunciamos e condenamos a sangrenta repressão das marchas pacíficas do PNP de 19 e 20 de agosto de 2017

Sábado, 19 de agosto de 2017, o Partido Pan-Nacional (PNP) tinha chamado para uma marcha pacífica em 5 cidades Togo: Lomé, Sokode, Kara, Anie, Bafilo e em seis outras cidades de outros países: Berlim (Alemanha), Nova Iorque (EUA), Accra (Gana), Ouagadougou (Burkina Faso), Lagos (Nigéria) e Libreville (Gabão) em dois slogans: 1) o retorno à Constituição togolesa de 1992; 2) o voto da diáspora durante as consultas eleitorais no Togo.

Respondendo a esse apelo, centenas de milhares de manifestantes reuniram-se nos pontos de encontro do evento nas cidades de Togo, especialmente em Lomé, Sokodé e Kara.

Em pânico sobre essa iniciativa, o regime RPT-UNITE Faure Gnassingbe Eyadema Essozimna-, especialmente pela voz de seus ministros de Segurança e Proteção Civil, Yark Damenhane, e Administração do Território, Governo Local e Descentralização, Payadowa Boukpessi, continuaram a multiplicar intimidações, ameaças e excessos verbais contra a realização desse evento; que os organizadores nunca deixaram de enfatizar a natureza pacífica. É assim que YARK Damehane advertiu: “Se eles recusarem o que o ministro lhes propôs, não haverá marcha. Nós sabemos o que eles têm atrás deles, mas isso não acontecerá neste país, de acordo com o que eles dizem. (…). Nós demos instruções aos nossos membros (…) Em primeiro lugar, vamos dispersar de forma convencional, de maneira limpa os pontos de encontro. Se acontecer que um dos nossos elementos receber um tiro, nossos elementos retaliarão. Quem eles pensam que são? O que é PNP?

Sábado, 19 de agosto, das palavras aos atos o regime tomou os pontos de encontro para o início desta marcha pacífica com impressionantes forças policiais, a polícia e o próprio exército, todos em pé de guerra, para organizar a repressão sangrenta dessa manifestação.

O resto é história: mais de dois mortos, dezenas de feridos, incluindo muitos por bala, mais de 400 civis inocentes presos arbitrariamente, brutalmente torturados em delegacias de polícia antes de serem levados às prisões togolesas. Entre eles o Dr. SAMA Kossi, Secretário-Geral do PNP, preso no domingo, 20 de agosto, quando iniciava uma manifestação em protesto contra a repressão sangrenta do dia anterior.

O Partido dos Trabalhadores denuncia e condena nos termos mais fortes a repressão sangrenta contra a marcha pacífica do PNP, e a flagrante violação das liberdades democráticas que isso representa. O PT faz uma homenagem respeitosa à memória das vítimas que, mais uma vez, foram covardemente assassinadas pelos soldados do regime sangrento de dinastia Eyadema Gnassingbe – que tem, assim, prolongado a longa lista de assassinatos políticos que comete no Togo desde seus 50 anos de reinado. O PT oferece suas sinceras condolências às famílias enlutadas, compaixão para com os feridos e as pessoas detidas arbitrariamente, solidariedade e apoio ao PNP.

Diante da seriedade da situação que se desenvolveu em nosso país, o Partido dos Trabalhadores exige:

  • Busca e punição dos elementos das forças repressivas que covardemente assassinaram manifestantes desarmados, para que seja posto fim ao reinado da impunidade no Togo;
  • A renúncia incondicional e imediata de YARK Damehane e PAYADOWA Boukpessi;
  • A libertação incondicional e imediata de todos os manifestantes presos;
  • Respeito pelos direitos e liberdades de expressão e de opinião garantidos pela Constituição togolesa e os instrumentos internacionais ratificados pelo Estado togolês.

O Partido dos Trabalhadores, que, por sua vez, vem lutando pelo fim de 50 anos de dinastia do clã Eyadema Gnassingbe – e a renúncia imediata e incondicional de Faure Essozimna, solenemente apela a todas as organizações que pretendem a democracia que a unidade mais ampla seja realizada sem demora para defender os direitos e liberdades democráticas, incluindo a da manifestação, ameaçada de forma séria pelo regime RPT-UNIR.

Lomé, 23 de agosto de 2017

Pelo Partido dos Trabalhadores,

Claude AMEGANVI, Secretário de Coordenação

Deixe seu comentário

Leia também...

Venezuela: Tomada do Ministério do Trabalho – Crônica de uma primeira vitória proletária

Na quinta-feira (9/11), um grupo conjunto de organizações sindicais classistas e de políticas revolucionárias de …