Início / Política Nacional e Internacional | Ver Mais / Resoluções & Declarações / SOBRE A AMEAÇA DE MORTE CONTRA JOÃO PEDRO STÉDILE

SOBRE A AMEAÇA DE MORTE CONTRA JOÃO PEDRO STÉDILE

A Esquerda Marxista se solidariza com o companheiro João Pedro Stédile e com o MST repudiando este ato fascista e criminoso. A direita pretende passar da criminalização para as ameaças físicas diretas e espera com isso esmagar e aterrorizar o movimento popular.

Não passarão! 

A Esquerda Marxista se solidariza com o companheiro João Pedro Stédile e com o MST repudiando este ato fascista e criminoso. A direita pretende passar da criminalização para as ameaças físicas diretas e espera com isso esmagar e aterrorizar o movimento popular. Não passarão!

Abaixo reproduzimos a íntegra da nota do MST sobre a questão. Entretanto é preciso dizer que esta ameaça está no quadro da situação resultante da política de conciliação de classes levada a cabo pela direção e governos do PT. A solução para isto não é a “Reforma Política” e “Democratização dos Meios de Comunicação” como diz o MST. A solução é a luta aberta contra nossos inimigos de classe, contra o capitalismo e todas as instituições burguesas.

Não queremos “democratizar os meios de comunicação”, queremos tomá-los do punhado de famílias oligarcas e colocá-los sob controle da classe trabalhadora. Taxar as grandes fortunas é justo, mas não é suficiente. Não basta bradar contra “rentistas e sistema financeiro”. Queremos que todos os meios de produção passem para o controle da classe trabalhadora. Não queremos reformar o Estado burguês e suas instituições com uma “Constituinte” que reunirá mais deputados vendidos e picaretas, queremos derrubar o Estado burguês e construir um Estado de outro tipo, um Estado socialista. Este é o combate que pode abrir uma saída positiva para a classe trabalhadora na atual situação. E é para travar este combate que queremos construir uma Frente de Esquerda.

Nota ao povo brasileiro

Circula pelas redes sociais da internet um anúncio que pede “Stedile vivo ou morto”. Apresentando-o como líder do MST e “inimigo da Pátria”, o autor oferece uma recompensa de R$ 10 mil para quem atender o seu pedido. Em outras palavras, está incentivado e prometendo pagar para matar uma pessoa, no caso João Pedro Stedile, da coordenação nacional do MST.

Há indícios que a ação criminosa partiu da conta pessoal no Facebook de Paulo Mendonça, guarda municipal de Macaé (RJ). E foi, imediatamente, reproduzida pela maioria das redes sociais que diariamente destilam ódio contra os movimentos populares, migrantes, petistas e agora, especialmente, contra a presidenta Dilma Rousseff. São as mesmas redes sociais, em sua maioria, que estão chamando a população para os atos do dia 15/3, para exigir a saída de Dilma do cargo de Presidenta da República, eleita legitimamente em 2014.

Já foram tomadas as providências, junto às autoridades, para que o autor do cartaz e todos os que estão fazendo sua divulgação, com o mesmo propósito, sejam investigados e responsabilizados criminalmente, uma vez que são autores do crime de incitação à pratica de homicídio.

Mas o panfleto é apenas um reflexo dos setores da elite brasileira que estão dispostos a promover uma onda de violência e ódio, com o intuito de desestabilizar o governo e retomar o poder, de onde foram afastados com a vitória petista nas urnas em 2002.

Para estes setores não há limites, nem sequer bom senso. Recusam-se a aceitar a vontade da população manifestada no processo democrático de eleger seus governantes.

Deixam-se levar por instintos golpistas, embalados pelo apoio e a conivência da mídia conservadora e antidemocrática. Usam a retórica do combate a corrupção e da necessidade de afastar os que consideram estar destruindo o país, para flertar com a ruptura democrática. Posam de democráticos esquecendo que os governos da ditadura militar também diziam ser.

São os mesmo que cometeram, impunemente, o crime de lesa-pátria com a política de privatizações, na década de 1990.

O panfleto, e o que se vê nas ruas e redes sociais, é reflexo, sobretudo, de uma mídia partidarizada, que manipula, distorce e esconde informações, ao mesmo tempo que promove o ódio e o preconceito contra os que pensam diferente. O teólogo Leonardo Boff tem razão quando responsabiliza a mídia, conservadora, golpista, que nunca respeitou um governo popular, pela dramaticidade da crise política instalada no país. E corajosamente nomina os promotores do caos em que querem jogar o país: é o jornal O Globo, a TV Globo, a Folha de S. Paulo, o Estado de S. Paulo e a perversa e mentirosa revista Veja.

Um poder midiático que tem a capacidade de sequestrar partidos políticos e setores dos poderes republicanos.

Essa mídia, órfã de ética e de responsabilidade social, é que forma seus leitores com a mentalidade do autor que fez o criminoso cartaz sobre Stedile. É quem alimenta as redes sociais com os valores mais antissociais e incivilizatórios.

Os tucanos, traindo sua origem socialdemocrata, fazem oposição ao governo alimentando um ódio coletivo inicialmente restrito à classe alta, mas agora espraiado em todos os segmentos sociais, contra um partido político e a presidenta eleita. Imaginam que serão beneficiados com o caos que querem instalar, envergonhando, com essa política rasteira, os seus que os antecederam.

Um monstro foi criado pela forma como os tucanos escolheram fazer oposição ao governo petista e pela irresponsabilidade da mídia empresarial. A violência e o ódio estão se naturalizando pelas ruas. Essa criatura já escolheu suas vítimas primeiras: os casais homossexuais e seus filhos, os imigrantes, pobres das periferias, dirigentes de movimentos populares e militantes políticos de esquerda. Mas não raras vezes, essas criaturas, sempre ávidas de violência e intolerância, não poupam sequer seus criadores e os que hoje os acompanham.

Haverá uma longa jornada para superar as dificuldades criadas pelos que se opõe a construir um país socialmente justo, democrático e igualitário.

A começar por uma profunda reforma política, que nos leve a uma nova Assembleia Nacional Constituinte, exclusiva e soberana. É preciso taxar as grandes fortunas e enfrentar o poder dos rentistas e do sistema financeiro. Batalhas tão urgentes e necessárias quanto as de enfrentar o desafio de democratizar comunicação para assegurar, igualmente, a liberdade de expressão e o direito à informação, direitos bloqueados pelo monopólio da comunicação existente no país.

Somente assim, os saudosistas dos governos ditatoriais serão derrotados, e o povo terá a consciência de que defender o país é lutar pela democracia, e não o contrário, como imagina hoje o autor do cartaz criminoso.

Movimento dos Trabalhadores Sem Terra – MST 
São Paulo, 12 de março de 2015

Deixe seu comentário

Leia também...

Militantes marxistas debatem atualidade do bolchevismo para construção de um partido revolucionário

No segundo dia da Escola de Secretários da Esquerda Marxista (29/4), os participantes discutiram como …