Início / Artigos / Internacional / Repressão policial nas ruas de Quebec

Repressão policial nas ruas de Quebec


Nas últimas semanas, centenas de pessoas inocentes foram detidas pela polícia de Montreal, mesmo não tendo cometido nenhum crime. É muito claro que esta é apenas a mais recente tentativa do Estado de amedrontar os trabalhadores e jovens que demonstram oposição à agenda da classe dominante. Mas, ao fazer isso, eles estão jogando um jogo muito perigoso, correndo de risco de destruir o véu que é a democracia burguesa.

A lógica que está sendo dada para as prisões é que estes protestos são uma violação do Estatuto Montreal P-6, uma lei que, como a infame lei 78, proíbe máscaras e exige que organizadores de protestos tenham que pedir autorização da polícia para realizarem manifestações. Ambas as leis foram postas em prática no auge do movimento estudantil do ano passado, em um esforço para usar a repressão estatal para assustar as pessoas e impedir os protestos. Ao contrário de Bill 78, que foi revogada pelo governo após pressão pública enorme, a P-6 ainda está em vigor.

Em todos os casos, os manifestantes são presos, detidos por várias horas em vans e ônibus e depois jogados para fora com um bilhete escrito nele US $ 637. Outras multas encargos podem ser estabelecidas. A acusação de criminosos aos manifestantes é a expressão da quebra de um dos direitos democráticos. Mas, para o burguês, a esperança é de que este tipo de intimidação seja o suficiente para manter os estudantes, jovens e trabalhadores fora das ruas.

É claro que a classe dominante do Quebec tem muito medo de outro movimento de massa (como o movimento do ano passado) e que isso possa jogar  toda a sua agenda pela janela. E eles vão usar a força, ou ameaçar com mais medidas de força, para evitar que o movimento se cristalize. Mas, esta é uma manobra muito arriscada, pois se eles apertarem demais, eles podem realmente inflamar mais a situação. Ainda mais perigoso para a burguesia é que o uso de repressão do Estado poderia acabar com qualquer tipo de ilusões na democracia burguesa e nos direitos que são supostamente para todos. Isso poderia levar qualquer tipo de movimento na direção de demandas muito mais radicais e desafiadoras. Em grande parte, foi a implementação do Projeto de Lei 78 pelo governo liberal que levou à greve estudantil de Quebec a um novo patamar e trouxe camadas inteiras da sociedade quebequense para o movimento de protesto no ano passado. O que seria uma greve contra o aumento das mensalidades tornou-se emblemática contra a crise de todo o sistema e do regime de austeridade dos patrões.

Não é uma coincidência que a polícia esteja sendo usado desta forma neste momento. A eleição do governo do Partido Quebequense não resolve o profundo mal-estar dentro da sociedade que está afetando todos os aspectos da vida na província. A reunião de cúpula de educação, realizada em fevereiro, não acabou com o movimento estudantil, como o PQ esperava. A província continua a ser abalada por acusações aparentemente intermináveis ​​de corrupção em todos os níveis de governo, e até mesmo os policiais foram atingidos pela agenda de austeridade. Em fevereiro, nós testemunhamos as primeiras divisões na polícia , quando várias centenas de oficiais tomaram as ruas – não para balançar freneticamente seus bastões, mas para protestar contra as suas condições de trabalho que estavam se deteriorando. Nas camadas superiores do Estado, na cidade de Montreal ocorrem conflitos, uma vez que o governo municipal está bloqueando negociações de contratos para polícia e procurando reduzir drasticamente os custos.

Apesar de que seria errado exagerar estes primeiras divisões no aparato estado, elas são um indicativo da profundidade da crise no Quebec. Assim como os liberais antes deles, o atual governo do PQ  está preso entre uma rocha e uma parede. Eles estão sentindo a pressão dos patrões para restaurar o equilíbrio financeiro da província e de impor austeridade, mas eles também estão sentindo a pressão do resto da sociedade, que sofre com os cortes constantes e ataques às suas condições de vida.

O som agourento da polícia batendo os cassetetes contra os escudos são agora um som familiar a todos em Quebec, como que para combinar com os tambores de guerra soados pela classe trabalhadora e a juventude que lutam contra as medidas de austeridade e ataques gerais sobre suas condições de vida. Como Trotsky disse, “A agudização da luta do proletariado significa a afinação dos métodos de contra-ataque por parte do capital.” Como o burguês fica com menos espaço para manobra, podemos esperar que a força repressiva do Estado virá a ser utilizada com mais frequência.

A austeridade começou a mover as massas de trabalhadores e jovens. Em resposta as massas estão cada vez mais radicais, a classe dominante está começando a rasgar sua fachada democrática e mobilizar seu aparato de violência contra a classe trabalhadora e a juventude. Não é mais o caso em que a polícia só agride os setores mais marginalizados da sociedade e um punhado de ativistas radicais. Cada vez mais, os trabalhadores de todos os ramos de produção e atividades, ao longo do ano, vão sentir o poder repressivo do Estado. Mas a burguesia vai colocar-se em perigo, pois todos estes elementos irão aguçar a compreensão das massas em relação à verdadeira natureza do Estado burguês.

Tradução: Arthur Penna

Deixe seu comentário

Leia também...

Por que a juventude precisa defender a revolução venezuelana?

Há um grande esforço da mídia em distorcer os acontecimentos na Venezuela, que é um …