Início / Documentos | Ver Mais / Fábricas Ocupadas / Representantes da Secretaria da Presidenta Dilma visitaram a Flaskô!

Representantes da Secretaria da Presidenta Dilma visitaram a Flaskô!

 

Hoje, dia 30 de Agosto, terça-feira, às 14h, dois assessores da Secretaria da Presidência da República estiveram na Flaskô. Bigode e Feijó, ex-sindicalistas do ABC, e hoje assessores do Ministro Gilberto Carvalho, se comprometeram a articular as reindicações apresentadas pelos trabalhadores da Flaskô, e ouvir as reivindicações dos trabalhadores da Fábrica Ocupada Flaskô, buscando conhecer melhor nossa realidade para atender os pleitos que estamos apresentando.

Hoje, dia 30 de Agosto, terça-feira, às 14h, dois assessores da Secretaria da Presidência da República estiveram na Flaskô. Bigode e Feijó, ex-sindicalistas do ABC, e hoje assessores do Ministro Gilberto Carvalho, se comprometeram a articular as reindicações apresentadas pelos trabalhadores da Flaskô, e ouvir as reivindicações dos trabalhadores da Fábrica Ocupada Flaskô, buscando conhecer melhor nossa realidade para atender os pleitos que estamos apresentando.

A presença deles é resultado de anos de luta do Movimento das Fábricas Ocupadas, que apresentou a perspectiva de luta da estatização sob controle operário. Em junho de 2003, Lula recebeu uma comissão de trabalhadores. Disse que a “estatização não estava no cardápio”, mas garantiu que “faria de tudo para a defesa dos postos de trabalho e as conquistas sociais da ocupação da fábrica”. O governo federal montou grupo de trabalho, nos recebeu em Brasília algumas vezes, fizemos reuniões, mas, concretamente, não houve avanço no atendimento das Fábricas Ocupadas. Pelo contrário, o que tivemos foi a intervenção nas Fábricas em Joinville/SC, em maio de 2007, acabando com o controle operário na Cipla e Interfibra.

Na Flaskô, conseguimos resistir, e seguimos com a produção sob controle operário e com todas as conquistas sociais que a gestão dos trabalhadores proporciona. Porém, as dificuldades são tremendas e o governo federal precisa atender as reivindicações dos trabalhadores da Flaskô, seja porque são constitucionais e legais, seja porque é um compromisso com a classe trabalhadora, compromisso esse assumido pessoalmente pelo ex-Presidente Lula.

Para pressionar para o atendimento das reivindicações, um importante ato unitário ocorreu no dia 08 de dezembro de 2011. Junto com o assentamento Milton Santos e com o acampamento Elizabeth Teixeira, ambos do MST, com o MTST e com os moradores da ocupação do Pinheirinho, em São José dos Campos, os trabalhadores da Flaskô ocuparam a sede da Secretaria da Presidência da República na Av. Paulista, em São Paulo, com mais de 4 mil pessoas, cobrando soluções quanto às pautas dos movimentos, que se expressavam na unidade da “desapropriação por terra, trabalho e moradia”.

Com o ato realizado, conseguimos uma reunião com o Ministro Gilberto Carvalho para o dia 19 de dezembro de 2011. A Secretaria da Presidência ficou de avaliar as propostas e apresentar alguns encaminhamentos. Infelizmente isso não ocorreu. Pelo contrário, todos viram os despejos ocorridos em 2012, seja das ocupações do MTST, seja a criminosa reintegração de posse no Pinheirinho. Com o MST, a situação do assentamento Milton Santos é dramática, e precisa de uma solução urgente. Bigode e Feijó estiveram no assentamento hoje pela manhã, e renovaram o compromisso apresentado pelo INCRA, encaminhando para que a Presidenta Dilma desaproprie a área.

Na última quarta-feira, dia 24/10, os trabalhadores da Flaskô e as famílias sem-terra do assentamento Milton Santos se somaram a luta do MTST, e cobramos respostas do governo federal. Fomos recebido pelo assessor do Ministro, o Sr. Bigode, que apresentou alguns encaminhamentos, dentre eles o de garantir uma visita à Flaskô, junto com o Feijó, para melhor compreender nossos pleitos e buscar as soluções necessárias para manter as conquistas sociais da Flaskô.

Quanto à Fábrica Ocupada Flaskô, a proposta concreta foi de fazer essa visita, junto com o Feijó, chamado por Dilma-Lula para discutir a relação do governo federal com o “mundo do trabalho”. O objetivo da visita é reunir mais elementos, para depois, fazer uma reunião com o Gilberto Carvalho e Dilma, e discutir os encaminhamentos para a defesa dos postos de trabalho e os direitos e conquistas dessa importante experiência da classe trabalhadora.

Quanto à nós, da Flaskô, fizemos um histórico da Fábrica Ocupada Flaskô, explicando que já estivemos em várias secretarias e instituições do governo federal, e que todos dizem que é possível atender nossos pleitos, mas que para tanto, para por uma decisão política, diretamente de Dilma. Explicamos que o governo deve decretar a declaração de interesse social, para fins de desapropriação, da Flaskô, garantido emprego, direitos, moradia, cultura e educação. Feijó compreendeu a centralidade de toda a questão. Diz ele: “Enquanto não resolver a questão do patrimônio, a Flaskô vai sempre com muitas dificuldades. Hoje tivemos uma aula com vocês, e entendemos que é possível dialogar com o Ministério da Fazenda e a Procuradoria-Geral, para transformar o débito existente em crédito do Estado, para, depois, transferir aos trabalhadores”. Nós explicamos que a Flaskô não está em falência e nunca houve reintegração de posse. Explicamos que a desapropriação é necessária para garantir a atividade industrial, e que depois de desapropriada, discutimos como essa será gerida. Nós ressaltamos que nossa posição é de que a propriedade seja do Estado, mas que há outras possibilidades, como indica a própria lei, de adjudicação, da cessão de uso, da cessão por meio de comodato, etc. Ou seja, esse debate será num segundo momento. Por ora, como frisamos, o governo federal precisa é compreender que somente ele poderá atender os pleitos dos trabalhadores.

Feijó ressaltou que a luta da Flaskô é de grande importância para os trabalhadores, seguindo como resistência de uma experiência de produção sem patrões. E, por isso, o governo federal deveria ajudar na manutenção dessa experiência. Com isso, inclusive, alguns encaminhamentos subsidiários foram feitos, como reuniões com Petrobras e BNDES, entre outros. Os representantes se comprometeram a rearticular o grupo de trabalho instaurado na Secretaria da Presidência, centralizando os encaminhamentos, conversando com o Ministro Gilberto Carvalho a necessidade de apoio à Flaskô. Da mesma forma que fomos atendidos pessoalmente por Lula, em 2003, reivindicamos que a Presidenta Dilma também nos receba, e atenda aos pleitos da Flaskô.

Contamos com a presença de diversos apoiadores, mostrando a importância da resistência da luta da Flaskô, e da unidade existente a partir da pauta da desapropriação por terra, trabalho e moradia. Companheiros do assentamento Milton Santos, diversos estudantes, militantes do MTD, entre outros, estiveram na atividade, e, sem dúvida, contribuíram para mostrar a necessidade do governo federal atender as reivindicações da Fábrica Ocupada Flaskô.

Portanto, justamente quando estamos comemorando 10 anos do Movimento das Fábricas Ocupadas, com a ocupação da Cipla e Interfibra, e Joinville/SC, essa atividade de hoje teve muita importância para pensarmos as perspectivas de luta para o próximo período.

Dilma atenda as reivindicações da Fábrica ocupada Flaskô! Viva a unidade da classe trabalhadora!

Saudações de luta, Sumaré, 30 de outubro de 2012, Conselho de Fábrica da Flaskô

Deixe seu comentário

Leia também...

No Rio de Janeiro, uma resposta aos ataques à educação

O objetivo desse texto é ajudar a fomentar diálogos e encontros em defesa do ensino …