Início / Artigos / Internacional / Relato do dia das eleições! Viva Maduro! Chavez Vive, la lucha sigue!

Relato do dia das eleições! Viva Maduro! Chavez Vive, la lucha sigue!

Relato do 4º dia (14/04/2013 – Dia da eleição) do camarada Alexandre Mandl, enviado da Campanha “Tirem as Mãos da Venezuela” a Caracas: Primeiro informe (logo após o almoço):

Dia das eleições! Viva Maduro! Chavez vive, la lucha sigue!

Relato do 4º dia (14/04/2013 – Dia da eleição) do camarada Alexandre Mandl, enviado da Campanha “Tirem as Mãos da Venezuela” a Caracas: Primeiro informe (logo após o almoço):

Dia das eleições! Viva Maduro! Chavez vive, la lucha sigue!

As eleições estão caminhando tranquilamente. Escrevo de uma “tenda” do PSUV, que em cada bairro está instalada para acompanhar os votos, organizando sua militância.

Estive em 5 locais de votação, e estão todos tranquilos, apesar das filas que sempre tem, e que mostram um problema estrutural das eleições, pois, comparando com o Brasil, apesar de ser urnas eletrônicas, a estrutura é pequena, com poucas mesas coletoras de votos.

A Venezuela tem 30 milhões de habitantes, sendo 20 milhões de eleitores. O objetivo de votos em Maduro é chegar em 10 milhões de votos. Nas eleições de outubro de 2012, chegou-se a 7 milhões e meio. Temos que lembrar que tem abstenções (o voto não é obrigatório), mas Jorge Rodriguez, chefe de campanha de Maduro, já anunciou que já houve 8 milhões de votantes, o que mostra que de fato vai ter muitos votos, e que a abstenção será menor que nas outras votações.

Temos que lembrar que a votação nao é obrigatoria, e que sempre foi determinante as abstenções, como no referendo de 2007, quando a abstenção foi fundamental para a derrota. Sempre são vários os motivos da abstenção, mas hoje acreditam que será pequena.

Capriles recomendou que a juventude que lhe apóia vote no fim da tarde, justamente para atrasar o fechamento das urnas e para que ficassem nas ruas, criando um clima de tensão com os “chavistas”.

Vai depender da diferença de vitória, para saber o clima da resposta de Capriles, aceitando ou não o resultado.

A única empresa de pesquisa de opinião que dava Capriles na frente, nessa semana, descobriram que a mesma era uma empresa fantasma, que não existia! Ou seja, é fato que Maduro deverá ganhar, mas a discussão é sobre a margem da vitória que poderá significar os passos seguintes do processo venezuelano.

Vale dizer que são na verdade 7 candidatos a presidente, mas que as demais candidaturas são pequenas, que somente pretendem se construir para as candidaturas legislativas. Juntos não chegam a ter 2%. Uma dessas candidaturas, mas que a retirou na última semana, foi Chirino (do “PSTU venezuelano”), que dizia que não havia nenhum candidato que representasse o verdadeiro avanço para o povo venezuelano. A pressão dos trabalhadores foi tão grande contra o que ele dizia, que foi obrigado a retirar sua candidatura. De fato, é nao entender nada de um processo revolucionário, muito menos compreender a própria situação da Venezuela e o significado de Chávez para a revolução.
 

Acompanharei nas ruas até o fim do dia, sendo que o resultado oficial somente deverá sair no fim da noite. Mas antes das 19h, todos dizem que já dá para saber o resultado pela “boca de urna”.

A juventude do PSUV que está nas ruas, diz o que está escrito nesse muro (foto) – Nenhuma conciliação com a burguesia, nao aceitaremos os “esqualidos” (direitistas). Nenhum retrocesso, pela revolução.

Agora há pouco houve forte comoção de todos aqui, vendo pela televisão a família de Chávez indo votar. Gritaram palavras de ordem e músicas em homenagem ao “comandante”.

Saudações,
Alexandre


Segundo informe (Por volta das 17h30):

Eleições quase se encerrando…
Vamos aos números…

5º informe – feito às 17h (meia hora atrás):
75,76% de participação (de um total de 18,9 milhões de eleitores)
Maduro – 55% (7.875.846)
Capriles – 45% (6.433.874)

Ou seja, podemos dizer… Maduro está eleito!!!!!!!!

Agora, vamos ver como acabarão os números da eleição. Pelo que parece não chegaremos nos 10 milhões de votos objetivados. Mas, por ora, a festa é enorme. Músicas, muita gente nas ruas, o clima já é de festa, mas ainda tem gente nas filas para votar.

Por isso, ainda há chamados para irmos votar e aumentar a margem da vitória.

Estou no “barrio” 23 de enero, comunidade identificada historicamente com o processo revolucionário.

As praças estão ficando cheias, já há mobilizações em direção ao forte da montanha onde está Chavez, e também no palácio miraflores (palácio presidencial).

Agora é esperar o anúncio oficial, comemorar com o povo venezuelano! A vitória é de classe… é impressionante a polarização. Estive à tarde em mais três locais de votação, e isso ficou ainda mais evidente… a classe trabalhadora, a juventude, o povo mais sofrido está com Chávez e Maduro pelo socialismo! E com isso, derrotamos os escuálidos conservadores!

Viva a luta socialista! Porque é isso que agora vai passar… vamos discutir o que é efetivamente os passos que precisam ser dados para avançar… e que fiquemos espertos, como temos anunciado… o maior perigo não é da direita de Capriles e Cia, mas virá dos reformistas e da burocracia que está dentro do “chavismo”. Inclusive, como ressaltamos, falas como a de Lula, aconselhando Maduro a buscar uma aliança mais ampla…

Nós dizemos justamente o contrário… que o processo aprofunda a revolução, rumo ao socialismo, expropriando os capitalistas…

Por ora, vale dizer: “Chavez vive vive, la lucha sigue sigue”…

Saudações à todos!


Terceiro informe (Madrugada adentro):

Compas,

Escreverei com calma amanhã, fazendo uma avaliação com mais calma e postando algumas fotos… estou morto.

Mas preciso salientar aqui… acabou a votação e o resultado oficial foi: Maduro 50,66% e Capriles 49,07%, o que significou uma diferença menor de 300 mil votos.

Com isso, dois sentimentos: todos muito contentes porque ganhamos. Mas, muita serenidade e tristeza mesmo, pois vimos que a diferença foi muito pequena. E isso traz vários significados, dentre os quais devemos destacar: Ou se avança no aprofundamento da revolução rumo ao socialismo, ou a burguesia, fortalecida com esse resultado, junto com o reformismo (à la Lula como tenho dito), irá buscar frear esse processo e com isso haverá choques. A revolução venezuelana mais do que nunca precisa ser defendida, e isso significa defender o sentido socialista da revolução, avançando nas expropriações justamente para combater a sabotagem que os capitalistas aqui ainda fazem.

A responsabilidade de Maduro e demais dirigentes é tremenda. Muitos jovens e trabalhadores já começaram a dizer que eles precisam dar o real sentido ao socialismo, pois como podemos aceitar que capriles teve 7 milhões de votos e nós 7 milhões e meio quase?

Ou seja, há problemas graves e que precisam ser resolvidos. Somente um programa marxista poderá superar isso.

É verdade que houve muita sujeira na campanha contra Maduro, assim como é verdade que houve pouquíssimo tempo para apresentar Maduro. Mas é certo que ainda está vigente o legado de Chávez, e isso, sozinho, não dará conta. Temos é que usar esse legado para mostrar o que deve ser feito.

Por isso ressalto que Capriles se recusou a aceitar o resultado. Pediu que se conte voto a voto manualmente. Isso é uma forma de tensionar e causar insegurança ao processo eleitoral, já iniciando o desgaste que virá nesse próximo período. Isso gerou violência, e o principal chamado de Maduro foi pela paz.

A Venezuela teve 18 eleições em 14 anos. Chavez reconheceu a derrota do referendo constitucional em 2007 quando perdeu por 0,2%. No estado de Miranda, Capriles foi eleito governardo no ano passado com apenas 50,25%, e também foi reconhecido. Ou seja, é lamentável o que faz Capriles… é somente desgastar Maudro e usar o senso comum criado pelos grandes meios de comunicação e pelo imperialismo de que não há democracia na venezuela. Convenhamos…

Amanhã escrevo com mais calma…

Apesar da preocupação que temos, o que valeu foi a vitória e Maduro deverá atender os pleitos da juventude, dos trabalhadores, famílias mais humildes da Venezuela, expropriando os capitalistas, construindo o socialismo.

Deixe seu comentário

Leia também...

Argentina: nossa posição diante das eleições primárias abertas

Atualmente, nós da classe trabalhadora, estudantes e camponeses vivemos uma forte investida da direita em …