Início / Luta de Classes / Relato de Kiko Rieser: um lutador que esteve na Paulista ontem

Relato de Kiko Rieser: um lutador que esteve na Paulista ontem

A Esquerda Marxista esteve presente ontem na manifestação ocorrida na Av. Paulista. Como editor do Blog divulgo este depoimento de Kiko Rieser que talvez expresse o sentimento da maioria que foi à avenida para participar de uma onda vermelha e viram uma marolinha que, abandonada pela direção petista, manteve as bandeiras vermelhas erguidas enquanto puderam resistir à turba dirigida pela pior escoria da sociedade, infiltrados da P2, dondocas velhas e meninas de faces rosadas vestindo grifes chiques, católicas fervorosas, skins, bandidos e infiltrados de células nazis que mal escondiam suas tatuagens e armas brancas na frente da passeata, aos gritos de morte aos comunistas, com alguns exibindo cartazes de Joaquim Barbosa como candidato a presidente e se confraternizavam com policiais acenando-lhes em saudação.

A Esquerda Marxista esteve presente ontem na manifestação ocorrida na Av. Paulista. Como editor do Blog divulgo este depoimento de Kiko Rieser que talvez expresse o sentimento da maioria que foi à avenida para participar de uma onda vermelha e viram uma marolinha que, abandonada pela direção petista, manteve as bandeiras vermelhas erguidas enquanto puderam resistir à turba dirigida pela pior escoria da sociedade, infiltrados da P2, dondocas velhas e meninas de faces rosadas vestindo grifes chiques, católicas fervorosas, skins, bandidos e infiltrados de células nazis que mal escondiam suas tatuagens e armas brancas na frente da passeata, aos gritos de morte aos comunistas, com alguns exibindo cartazes de Joaquim Barbosa como candidato a presidente e se confraternizavam com policiais acenando-lhes em saudação.

A direção do PT, que durante anos despolitizou os movimentos, adaptando-os e subordinando-os à política de colaboração de classes, e que ontem pretensamente organizaria uma onda vermelha se acovardou diante da massa raivosa, não mobilizou as bases petistas e sumiu, desapareceu, escafedeu-se. Bravos militantes de diferentes organizações heroicamente junto com militantes do PT e MST mantiveram suas bandeiras erguidas, bandeiras que para a direção do PT, inclusive as do PT, devem ser enroladas e guardadas enquanto avança a sanha direitista e vá até o fim o projeto de alianças de classes defendido por sua direção. Não passarão! A direita e a política de aliança de classes devem ser derrotadas nas ruas!

A história da luta de classes ensina que a colaboração de uma organização dos trabalhadores com a burguesia, deixa sempre a porta dos fundos abertas para a direita entrar. A direção do PT tem que romper com a burguesia e de fato mobilizar e sair para as ruas. Exigimos que faça isso! Não podemos admitir que as bandeiras vermelhas continuem a serem queimadas, nem as do PT, nem as de nenhuma organização de esquerda e da classe trabalhadora e da juventude.

Ontem perdemos uma batalha, mas quando as massas trabalhadoras despertarem e se livrarem do dique que suas direções hoje lhes impõem, a história será outra. E esse dia virá, como a luz aparece depois da noite.

Felizmente, para sinceros petistas ontem ficou demonstrado mais que nunca a necessidade da base do partido ir para cima da direção. Verificamos ontem para onde conduz a aliança de classes. Da base da CUT e de todos os sindicatos cutistas, da base do PT ao MPL, PCO, e aos mais radicais esquerdista, há que se estabelecer a mais ampla frente de unidade para barrar a direita, ou matamos a serpente no ninho ou a reação dará frutos.

Estamos com Kiko e com todos os sinceros ativistas que desejam construir um mundo novo, socialista.

Kiko Rieser  fala da manifestação de ontem

Por Kiko Rieser

O que vi hoje na Paulista só se compara ao horror da fome. Posso parecer exagerado, mas me atravessou de uma forma literalmente nauseante. Todas as vezes que apanhei da polícia doeram muito menos do que ver os rumos que o ato tomou hoje. Mal sei por onde começar a contar. Já na chegada, havia um clima hostil e profundamente reacionário. Três tiozinhos gritavam para um cara que passou com camiseta do PSTU: “comunistas de merda”. Ninguém fez ou falou nada, consentiram com isso, e aí eu e todos que estavam comigo previram que a coisa não ia bem. A maioria esmagadora dos cartazes trazia palavras de ordem contra a corrupção, a bandeira mais vaga que alguém pode defender. Muitas bandeiras do Brasil, caras pintadas de verde e amarelo e um sentimento de orgulho de todos, um orgulho ufanista, bem aos moldes da aula de moral e cívica dos tempos da ditadura. Não havia um grupo unido como nos outros atos, mesmo desta vez estando concentrado em apenas um lugar: a Paulista. Eram cerca de 10 grupos. Só dois deles (os menores, e um deles o do próprio MPL) pleiteavam a pauta da tarifa zero, que era a pauta oficial do MPL depois da redução – e sempre foi, desde o início. Os outros grupos se apropriaram de gritos do movimento como “pula, sai do chão, contra o aumento do busão”, transformando o final para “contra a corrupção”, ou “vem, vem pra rua vem, contra o aumento”, transformando o final em “contra o governo”. Outros cartazes absurdos pipocando aqui e ali: Joaquim Barbosa pra presidente, Contra o aborto, A favor da volta dos militares. Em nenhum desses grupos, algum cartaz sobre a tarifa. Alguns ainda traziam algo bom de “o povo viu que pode ter poder”, mas que trazia embutido uma intenção de poder assustadora. Hino nacional cantado à exaustão. Nas duas últimas manifestações, a despeito de alguns cartazes bizarros, havia unidade, o coro uníssono pedia a redução da tarifa. Hoje, não. Os grupos pelegos estavam satisfeitos com os 20 centavos e lutavam abstratamente contra a corrupção. Era uma desmobilização tristíssima de ver. Mas a coisa começou a pegar com as bandeiras dos partidos. O PT não chegou a sair da praça do ciclista, não sei se recolheu as bandeiras ou se foi embora, mas não apareceu mais caracterizado. Outros partidos (PSOL, PCO e PSTU) carregavam suas bandeiras, sempre junto ao grupo do MPL. Os outros manifestantes, que vinham no sentido contrário, do outro lado da ilha, começaram a bradar “sem partido”. Nós bradávamos “sem fascismo” ou “sem censura, já acabou a ditadura”. Até tentei conversar com três caras. Cheguei e falei: “vamos trocar uma ideia, na moral? Sou do MPL – nunca fui oficialmente do MPL, mas achei que seria melhor usar uma identificação do tipo – e apartidário e a coisa funciona assim…”, e expliquei tudo. Dois nem me ouviram, um só me ouvia fazendo “não” com a cabeça. Desisti de tentar dialogar e fui pro meio do nosso grupo. Pouco tempo depois, a coisa começou a se acirrar e eles vieram “invadindo” o lado em que estávamos, de forma absurdamente agressiva. Começaram a gritar “oportunistas”. Foi aí que meu sangue subiu de vez, porque quem acompanha o MPL há sete anos, como todos ali do grupo, sabe que todos esses partidos (e o PT também) sempre participaram dos atos do Passe Livre, de forma autônoma e pacífica, sem representar o movimento, mas apenas integrando as manifestações, o que é legítimo e próprio da democracia. Fiz a cagada de criar um grito que dizia: “O MPL tem sete anos, oportunista é quem chega atacando”. Os reacionários estúpidos acharam que MPL era um partido (sério, nem sabiam por que estavam ali) e começaram a cercar a mim e a mais umas sete pessoas. Fizeram uma roda em torno de nós, com umas quarenta pessoas, eu estimo. Um cara despirocado ficava agitando os braços na minha frente e vociferando “oportunista” e eu tive que me controlar muito pra não bater nele até ele virar asfalto, porque eu seria linchado pelos outros. Nesse momento, temi seriamente pela minha segurança. Conseguimos sair e a Diana Adada Padilha continuou, sozinha, no meio dessa roda. Aí os caras começaram a chamá-la de petista. Ela gritava que era apartidária, mas não tinha resultado. Não entendi mais nada, como de partidários do suposto partido MPL viramos petistas na cabeça desses dementes. A Diana começou a dançar no meio deles enquanto eles gritavam irados na cara dela. Nós a chamando de volta e ela lá. Pensei mesmo que ela fosse apanhar. Todos do grupo começaram a gritar “sem violência” e ela foi, depois de muito tempo, liberada. O grupo dos reaças “sem partido” continou gritando pra nós até o fim dos tempos, mostrando o dedo do meio e tentando aterrorizar. Saímos e decidimos ver o que estava acontecendo nos outros grupos. Só hino, brados contra a corrupção e carnaval. Alguns PMs chegaram a se JUNTAR a esses grupos, na festa, sendo bem recebidos. Uma cara de golpe militar ia se formando enquanto se desvanecia tudo em que acreditávamos. E eu não conseguia – nem consigo ainda – crer que aquelas pessoas estivessem lá sem saber onde e por que estavam, desrespeitando o MPL, que conseguiu a vitória dos 20 centavos que esses mesmos fascistas comemoravam ali. Vi algo muito perigoso tomar forma, um monstro reacionário e violento, pronto pra se mobilizar ainda mais, na sua pretensa politização. Estou com medo, mas, mais que isso, muito muito muito triste. Vi um sonho morrendo. Talvez ainda seja possível ressuscitá-lo, mas é preciso mobilização do lado de cá. Quem estiver a fim de sentar numa roda e discutir os rumos a tomar (o que deve ser feito com o MPL), por favor, mande inbox, me ligue, manda sinal de fumaça. Precisamos de gente disposta a repensar tudo isso e não deixar que a direita tome pra si o que nós construímos. Não esmoreçamos, mas, por hoje, só preciso de um abraço amigo. Boa noite, gente.

https://mail.google.com/mail/ca/images/cleardot.gif

Deixe seu comentário

Leia também...

Camarada Roger, presente!

É com imensa tristeza que informamos a morte do nosso jovem camarada Roger Eduardo Miranda. …