Início / Documentos | Ver Mais / Resoluções & Declarações / Proposta de Resolução da Esquerda Marxista ao Encontro Nacional do PT sobre tática eleitoral

Proposta de Resolução da Esquerda Marxista ao Encontro Nacional do PT sobre tática eleitoral

No mais esvaziado Encontro Nacional da história do PT (vejam a foto do plenário com Rui Falcão apresentando a proposta de tática!), a direção decidiu continuar sua tática de submissão ao capital nacional e internacional e as alianças com os partidos da burguesia.

No mais esvaziado Encontro Nacional da história do PT, a direção decidiu continuar sua tática de submissão ao capital nacional e internacional e as alianças com os partidos da burguesia.

A Esquerda Marxista apresentou uma outra política em oposição a toda a orientação aplicada pelo partido até agora. As outras correntes do partido apresentaram suas posições, que vão do apoio aberto à atual linha política até a apresentação de nuances e pequenas divergências.

A imensa maioria quer continuidade e até ampliação das alianças (se isso é possível!) até aqueles que se pretendem de esquerda, mas só desejam a ruptura com o PMDB, como se o problema fosse o PMDB e não a linha geral de sustentar o capital.

E todos se unem na defesa da farsa da Reforma Política e da Constituinte Exclusiva como se a saída para o povo fosse “melhorar” o Estado Burguês e suas instituições reacionárias e não a luta pelo socialismo e contra todas estas instituições. Eles principalmente tentam esconder dos trabalhadores que o PT já está no governo e que os males que afligem o povo vem do Orçamento Federal proposto por Dilma e pelas medidas concretas que tomam. Entre elas a repressão generalizada que eles organizam e apoiam em todo o país. Essa gente tenta passar a impressão que o PT não está no governo e se houver “mais democracia” então vai poder eleger mais deputados e assim realizar as reivindicações populares.

Além de reles eleitoralismo de que adianta eleger mais deputados na linha de sustentar o capital e a repressão?

A EM defendeu sua posição marxista sobre a questão e vai continuar o combate por ela entre a juventude e os trabalhadores.

Resolução sobre tática Eleitoral

Num quadro de crise econômica mundial em que o Brasil sente os efeitos de maneira crescente, e em que todas as respostas do governo às manifestações de junho e aos anseios populares é o aumento da repressão, das privatizações, do endividamento e de submissão do país ao capital internacional, o que vemos é o acirramento da luta de classes. E um setor importante da burguesia está atacando o PT, apesar de todas as alianças feitas com esta mesma burguesia e de o PT aceitar todas regras do mercado.

A verdade é que o PT está sangrando e é preciso reagir. Apesar das declarações de que o julgamento da AP 470 foi político nada foi feito para anular este julgamento escandaloso e que tem como objetivo atacar todas as organizações dos trabalhadores.

O PT decide que:

a)      Fará todos os esforços em todos os campos para anular as AP 470 e libertar nossos companheiros.

b)      Que a presidenta da República deve usar imediatamente seus poderes constitucionais e indutar todos os dirigentes do PT, Zé Dirceu, Genoíno, João Paulo e Delúbio, condenados pelo STF na AP 470, assim como anistiar todos os condenados e perseguidos por participar de lutas, ocupações e manifestações.

c)       Que nos sindicatos, na juventude e no movimento popular se fará uma campanha de denúncia destas condenações e mobilização exigindo sua anulação.

d)      No Congresso Nacional as bancadas de deputados e de senadores apresentará projetos de anulação da AP 470.

e)      Que no Senado o PT iniciará um processo de impeachment de Joaquim Barbosa por perseguição política, condenação política sem provas e ataque às liberdades democráticas.

Nosso objetivo como diz o Manifesto de fundação do partido é lutar contra toda opressão e exploração. É nesta situação que o PT decide:

a)       O governo Dilma deve declarar uma inversão de rumos e mobilizar para reverter imediatamente todas as privatizações, a começar pela volta do monopólio estatal de petróleo e gás, energia elétrica, telefonia, Vale do Rio Doce, Ferrovias, Portos, aeroportos, estradas, saúde, educação.

b)      O governo deve atender às reivindicações dos trabalhadores, reverter todas as reformas da previdência, decretar estabilidade no emprego, reajuste de salário automático de acordo com a inflação e fazer a reforma agrária.  

Nosso objetivo na fundação do partido era a luta pelo socialismo, contra o capitalismo. A única forma de avançar neste caminho é abandonar a linha de alianças e colaboração de classes e resgatar a independência política e de classe do PT.

Para isso o PT decide que em 2014 lançará candidato à Presidência da República, candidatos a governador, senador e deputados, em todos os estados, rompendo a aliança com todos os partidos burgueses (PMDB, PP, PDT, PRO, PR, PTB, etc.) com um programa que parte da necessidade de atender aos mais profundos anseios populares, e portanto de não pagar a dívida interna e externa, reverter todas as privatizações, interromper toda a repressão e os projetos repressivos (revogar a LSN, a GLO, etc.), cessar a repressão de um povo irmão e retirar as tropas do Haiti, garantir saúde, educação e transportes públicos e gratuito para todos.

Este é o caminho que poderá empolgar a militância e derrotar os inimigos de classe dos trabalhadores e da juventude, recolocando PT com capacidade de responder a altura às mobilizações em todo o mundo, e no Brasil, contra a terrível situação em que o capitalismo e o imperialismo mergulharam o planeta.

Por um governo Socialista dos trabalhadores!

Viva a luta pelo socialismo!

Serge Goulart – Esquerda Marxista – contato@marxismo.org.br – www.marxismo.org.br

Deixe seu comentário

Leia também...

Liberdade aos militantes presos em Belo Horizonte

Na tarde da última quinta-feira (30/08), diversos representantes de partidos e movimentos de trabalhadores, bem …