Início / Artigos / Brasil / Projeto 257 ataca serviços e servidores públicos

Projeto 257 ataca serviços e servidores públicos

Está na pauta do plenário da Câmara dos Deputados o projeto de lei complementar 257/2016, que é altamente nocivo aos servidores públicos estaduais e impacta o funcionalismo de todas as esferas. Ele permite o refinanciamento de dívidas dos estados com a União e com o BNDS mediante uma série de cortes em direitos, além de alterar a Lei de Responsabilidade Fiscal, a fim de deixá-la ainda mais rígida no que diz respeito à remuneração dos servidores públicos.

Pretexto da proposta é resolver o problema das dívidas públicas

Está na pauta do plenário da Câmara dos Deputados o projeto de lei complementar 257/2016, que é altamente nocivo aos servidores públicos estaduais e impacta o funcionalismo de todas as esferas. Ele permite o refinanciamento de dívidas dos estados com a União e com o BNDS mediante uma série de cortes em direitos, além de alterar a Lei de Responsabilidade Fiscal, a fim de deixá-la ainda mais rígida no que diz respeito à remuneração dos servidores públicos.

Essa matéria é de autoria da presidente Dilma e tramita na Câmara desde 22 de março, com prazo até 6 de maio para ser votada. Depois, o Senado terá outros 45 dias para decidir. Ela é uma reforma profunda, que trará prejuízos graves para toda a população, especialmente às camadas mais necessitadas.

Cenário econômico e político

A crise econômica que chegou com força ao Brasil faz com que todos os olhos voltem-se ao governo do PT. Ele está no centro de uma crise política, onde a burguesia e seus partidos tentam descartar os serviços realizados por Lula e depois Dilma desde 2002. Até então, eles contavam com o prestígio que o PT tinha entre grande parte dos trabalhadores brasileiros, para manter um clima de “paz social” enquanto beneficiava os grandes empresários e ruralistas nacionais, bem como o capital estrangeiro. Agora, o poder econômico entende que é hora de governar com as próprias mãos para tentar salvar o pescoço às custas do aumento da exploração dos trabalhadores.

Dilma, que luta pela permanência no Palácio do Planalto, rifa ministérios em troca de apoio parlamentar contra o impeachment enquanto continua aprofundando ataques. Ela tenta provar ainda ser digna da confiança da burguesia, subjulgando o povo trabalhador enquanto inebria-o com as palavras de ordem de “defesa da democracia” e “não vai ter golpe”.

É isso que explica o envio em caráter de urgência do PLC 257 para a Câmara dos Deputados. É o que explica a posse dada em 2015 a um “ministério Aécio”, com Levy, Kátia Abreu, Monteiro etc. É o que explica o anúncio de mais privatizações, a sanção da Lei Antiterrorismo, o congelamento de salários as reformas da Previdência.

Os trabalhadores, por sua vez, não estão apáticos aos cortes. Greves de professores em vários estados, servidores municipais de inúmeras cidades, lutas e mobilizações, ocupação de fábricas em São Paulo e de escolas no Rio de Janeiro, mostram que a classe trabalhadora está disposta ao combate. O que a atrapalha são os dirigentes sindicais adaptados e governistas.

O que diz o PLC 257/2016

Este projeto tem como objetivo conceder prazo adicional de 20 anos para pagamento das dívidas refinanciadas pelos entes estaduais com a União e 10 anos com o BNDES, com possível redução de até 40% no valor das prestações dos dois anos seguintes à celebração do contrato. No entanto, para isso, o governo federal exige uma série de “ajustes” na administração pública, que se dividem entre obrigatórios e voluntários.

Medias obrigatórias

Num prazo de até 180 dias, a contar da assinatura dos termos aditivos, os estados devem sancionar e publicar leis determinando a adoção durante os 24 meses subsequentes de medidas para “auxiliá-los a reduzir suas despesas”:

         •Reduzir em 10% a despesa mensal com cargos de livre provimento.

         •Não conceder aumento de remunerações dos servidores a qualquer título, ressalvadas as decorrentes de atos derivados de sentença judicial e previstas constitucionalmente.

         •Suspender a contratação de pessoal, salvo em casos específicos.

         •Limitar o crescimento das outras despesas correntes à variação da inflação.

         •Vedar a edição de novas leis ou a criação de programas que concedam ou ampliem incentivos tributários ou financeiros.

         •Instituir regime de previdência complementar, caso ainda não tenha publicado outra lei com        o mesmo efeito.

         •Elevar as contribuições previdenciárias dos servidores e patronal do regime próprio de      previdência social (14% e 28%, respectivamente).

         •Reformar o regime jurídico dos servidores ativos, inativos, civis e militares para limitar os benefícios, progressões e vantagens ao que é concedido para os servidores da União.

         •Instituir o monitoramento fiscal contínuo das contas do ente, de modo a propor medidas necessárias para a manutenção do equilíbrio fiscal.

         •Implementar critérios para a avaliação periódica dos programas e projetos do ente.

Medidas voluntárias

Esta segunda etapa de medidas não é obrigatória. No entanto, se realizada, pode proporcionar aos entes contratantes um abatimento de até 40% sobre as 24 primeiras parcelas das prestações da dívida:

         •Editar leis que determinem durante os 24 meses seguintes a redução de 20% na despesa mensais com cargos de livre provimento.

         •Limitação das despesas com publicidade e propaganda a 50% da média dos empenhos efetuados nos últimos três exercícios.

         •Não contratação de empréstimos pelo prazo de até 48 meses.

Destruição das empresas públicas

O PLC 257/16 também autoriza a União a receber bens, direitos e participações acionárias de empresas públicas controladas por estados e pelo Distrito Federal, como contrapartida à amortização dos contratos de refinanciamento. Nesse caso, os entes deverão se comprometer com eventuais encargos para saneamento das empresas, a fim de torná-las mais “atrativas” ao mercado no momento de suas privatizações.

Outros cortes

Este projeto também atinge o serviço público de outras esferas, como o municipal. Isso porque ele propõe alterações na Lei de Responsabilidade Fiscal para privilegiar os contratos de terceirização e repasse de serviços às Organizações Sociais (OSs), em detrimento do serviço público. Além disso, limita gastos públicos e permite a não criação de mais cargos, veda aumentos de remuneração dos servidores públicos, reduz em até 30% os gastos com servidores decorrentes de parcelas indenizatórias e vantagens de natureza transitória, implementa programas de desligamento voluntário e licença incentivada de servidores e empregados.

O papel da CUT

A CUT participou, em 5 de abril, de uma plenária sobre o assunto com representantes de dezenas de entidade dos servidores públicos, CTB, CSB, Nova Central,CSP/Conlutas e Pública. A nota que resultou dessa atividade fala em paralisação geral dos servidores públicos brasileiros nos dias 13 e 14 de abril. Diz o documento:

“As entidades representativas dos servidores e servidoras públicas, civis e militares, expressam a sua rejeição ao PLC 257, denunciam à sociedade mais este atentado contra os direitos do povo brasileiro e convocam amplo movimento nacional para que os governos, federal e estaduais, retirem esse projeto da pauta do Congresso Nacional. Lembrando que, em outras épocas, a implementação de políticas neoliberais em governos anteriores foram rejeitadas e derrotadas pela unidade dos servidores públicos que, mais uma vez, não deverão permitir este retrocesso”.

No entanto, o que vemos novamente são duras palavras e poucas ações. Não há, verdadeiramente, uma mobilização para que os trabalhadores cruzem os braços nestes dias. Em seu site, a CUT fala de “um dia nacional de luta”, em 14 de abril.

Esta tem sido a forma da CUT de “bater e assoprar”, tentando conciliar a política inconciliável de defesa dos direitos, exigida pela base, e de defesa do governo.

Qual deve ser a posição de quem realmente defende os trabalhadores

É preciso agir imediatamente, integrando as lutas e formas de organização já em curso, comparecendo aos atos convocados e impulsionando as paralisações nas entidades onde intervimos.

Em todas essas oportunidades devemos apresentar uma política independente, com palavras de ordem contra a destruição do serviço público, contra o corte de direitos, enfatizando que os trabalhadores não pagarão pela crise, a defesa de um governo verdadeiramente dos trabalhadores e de uma assembleia popular nacional constituinte.

É preciso explicar pacientemente às categorias que o melhor caminho a seguir é o da independência de classe e da luta, que é preciso abrir uma via, por cima das velhas direções sindicais se necessário, de mobilizações contra as políticas de defesa do capital.

Deixe seu comentário

Leia também...

Catalunha pronta para se levantar

Jorge Martin narra como a prisão de dois funcionários catalães reacendeu o movimento de massas …