Início / PT / Privatização dos aeroportos: Uma mancha que não vai sair jamais!

Privatização dos aeroportos: Uma mancha que não vai sair jamais!

Luiz Bicalho
O PT foi o grande esteio na luta contra as privatizações feitas por FHC na década de 1990. Passados mais de 15 anos desta luta, passados os 8 anos de governo Lula que recebeu o mandato do povo e chegou ao poder para acabar com os 8 anos de governo FHC, agora o governo Dilma quer fazer a história recuar e aplicar a política de FHC …sem FHC.
A coalizão que hoje sustenta o governo é tão ampla que só faltam nela, em termos partidários, o PSDB e o DEM. Ainda assim, o relacionamento relatado entre Dilma e Alckmim é dos mais estreitos, só abalado pelo episódio de Pinheirinho (para eles, um breve episódio, pelo que veremos, ao menos para os grandes atores da política nacional, enquanto 5.000 famílias continuam sem casa).
E a política aplicada cada vez mais é a política da coalizão. A hora e a vez da coalizão, com suas privatizações, corrupção escancarada (já saíram 7 ministros e o novo que chegou está cheio de denúncias contra ele no jornal) e o desrespeito ao funcionalismo público e aos trabalhadores também chegou. E quando será a hora do peão? Ah…um dia ela vai chegar!
Privatizar os aeroportos é um símbolo. O argumento, este velho argumento podre, de que as estatais não funcionam e a empresa privada sim, não resiste a uma fila em um Bradesco da vida ou mesmo na entrega de bagagens no aeroporto para empresas de aviação todas elas…privadas.
A privatização tem outros objetivos, já discutido longamente: doar parcela do estado, construído com o nosso dinheiro dos impostos, para um grupo privado. Foi assim no governo FHC e não será diferente no governo Dilma.
  
Hoje, o governo Dilma imprime uma marca. A marca do governo de coalizão, a marca da privatização. Nós, da Esquerda Marxista, estamos onde sempre estivemos: combatendo contra a privatização e exigindo o rompimento desta coalizão. Afinal, tem que chegar um dia a vez do peão e para isso o PT tem que se livrar do abraço sufocante da burguesia.
A privatização dos aeroportos feita por um governo cuja presidente é do PT, é uma mancha que jamais será apagada da memória dos trabalhadores!
Nota da redação
Ao fecharmos estas notas, ficamos sabendo que os aeroportos e Guarulhos, Campinas e Brasília foram arrematados por R$ 24,5 bilhões com um ágio total de mais de 347%. O Ministro da Aviação Civil, Wagner Bittencourt, teve a cara de pau de dizer que este alto valor comprova que o setor é rentável e por isso as empresas investiram na sua compra. Ou seja, o negócio é fazer dos aeroportos uma mina de lucro. Quem vai pagar a conta? Os usuários, certamente!
O Ato convocado pela CUT, em São Paulo, foi importante, mas não foi de massa e não conseguiu barrar o leilão! Cada vez mais fica clara a necessidade de uma ampla ação dos trabalhadores para acabar com as privatizações e impor o fim da coalizão com a burguesia.

Deixe seu comentário

Leia também...

Contribuição ao programa da chapa única de oposição do SATED/SP

As eleições do SATED/SP (Sindicato dos Artistas e Técnicos em Espetáculo de Diversão do Estado …

4 Comentários

  1. Tínhamos esperança que o PT iria romper com aos Oligarquias que sempre estiveram a frente do Brasil e nada fizeram pelo povo. Ao contrario o PT se alio alguns figurões com senhor José Sarney. Não vejo outro caminho que não seja a revolução….

  2. realmente e lamentavel entre do nosso patrimonio para empresas privadas , votei na dilma sim e no pt , espero que dilma nao continue com essa politica de privatizaçoes se nao realmente o pais ira cair devez na mao da burguesia

  3. É isso Bicalho! Aqui em Campinas, muito pouco foi feito também, na tentativa de explicar à população os prejuízos com a privatização de Viracopos. Os parlamentares do PT, por exemplo, nem sequer propuseram uma moção de repúdio na Câmara de Vereadores. Assim fica difícil resistir, mas não desistiremos! A luta continua, sempre!

  4. Já passou da hora da Esquerda Marxista construir algo sólido na luta dos trabalhadores. Ficar no PT é atrasar a caminhada. Ou não?

    Saudações