Início / Luta de Classes | Ver Mais / Primeira conferência com Alan Woods no Brasil reúne mais de 150 pessoas na UFSC

Primeira conferência com Alan Woods no Brasil reúne mais de 150 pessoas na UFSC

Ontem, 31 de março, na Universidade Federal de Santa Catarina, em Florianópolis, a conferência pública com Alan Woods com o tema ‘A revolução dos povos árabes e a crise capitalista mundial’ lotou o auditório do CFH.

Em seguida à sua recente visita à Bolívia e Argentina, Alan Woods começou a terceira e última etapa de seu giro por países latino-americanos com uma conferência muito bem sucedida na Universidade Federal de Santa Catarina, em Florianópolis, Brasil.

A atividade, co-organizada pela Esquerda Marxista (seção brasileira da CMI), foi sobre o tema da Revolução árabe e a crise mundial do capitalismo. Os 150 estudantes e professores que lotaram o auditório mostraram enorme interesse na discussão e nas idéias do marxismo.

O debate também contou com vários representantes da comunidade palestina local e do Comitê de Solidariedade à Palestina, incluindo um visitante de Ramala, da Palestina, que estava no Brasil. Os trabalhos foram abertos pelo companheiro Khader Othoman do Comitê de Solidariedade à Palestina, que manifestou seu entusiasmo pela onda revolucionária que varre o mundo árabe e deu as boas vindas a Alan Woods.

Em seu discurso, o camarada Alan enfatizou a conexão de causalidade entre os eventos no mundo árabe e a crise geral do capitalismo mundial. Ele enterrou a idéia de que a classe operária já não é mais uma força revolucionária, apontando para a onda de greves e manifestações na Europa e no maravilhoso movimento dos trabalhadores de Madison, Wisconsin, nos EUA.

Alan lembrou as palavras de Lênin, quando ele assinalou que na Rússia a corrente do capitalismo quebrou em seu elo mais fraco. Agora a história se repete na Revolução árabe. “A Revolução Árabe começou, mas ainda não terminou”, afirmou. “As massas não estão lutando pela democracia em abstrato, mas por criação de empregos, moradia e um padrão de vida decente. Mas nenhum governo burguês pode dar-lhes essas coisas. Eles não podem dar-lhes na Europa nem nos EUA, assim como não podem dar a eles no Egito. Portanto, a revolução continuará, com altos e baixos, durante um longo período. Cedo ou tarde a classe operária vai concluir que a única saída é tomar o poder”.

Foi dada a palavra ao plenário animado. A discussão incluiu perguntas sobre a Líbia, a revolução latino-americana e o papel do Brasil, a natureza do PT e a questão da direção.

Sobre a questão da Líbia, Alan disse que tinha começado como uma revolta popular genuína, mas degenerou em uma guerra civil na qual alguns elementos um tanto questionáveis se impuseram à frente. Estes incluíam vários ex-ministros de Khadafi, que exigiam a intervenção dos imperialistas. Esta foi uma posição reacionária que rejeitamos totalmente.

Alan denunciou a hipocrisia dos americanos, britânicos e franceses que apoiaram todas as ditaduras árabes reacionárias e agora alegam estar lutando pela democracia e os direitos do povo líbio: “Se eles tiverem êxito, a Líbia vai ser entregue aos imperialistas e as coisas vão ser ainda pior do que antes”, disse ele. Alan também criticou a chamada Organização das Nações Unidas, que é apenas um disfarce para o imperialismo: “Onde estava a proposta de uma zona de exclusão aérea quando Israel atacou Gaza”, questionou.

Alan salientou o fato de que os mesmos processos estavam ocorrendo em todo o mundo, com velocidades e intensidade que variam. No Brasil, também, houve o início de uma efervescência e greves. Ele ressaltou a importância da América Latina na luta mundial pelo socialismo. Ele ressaltou o caráter internacional da revolução.

“As revoluções não respeitam fronteiras e, menos ainda as fronteiras artificiais que foram impostas pelo colonialismo no Norte da África e no Oriente Médio, que dividem o corpo vivo da grande nação árabe. A principal tarefa da revolução árabe é a abolição dessas fronteiras e o estabelecimento de uma Federação Socialista que se estenda desde o Atlântico até o Eufrates.”

Ele terminou estabelecendo um paralelo entre esta questão e a América Latina, que tem sido balcanizada e subordinada ao imperialismo. “Eu não gosto da maneira sentimental de como as pessoas usam a palavra ‘sonho’ ao se referir à idéia de Simon Bolívar e Che Guevara. A unificação da América Latina não é um sonho, mas uma necessidade”.

“A burguesia teve 200 anos para mostrar do que eles são capazes na América Latina, e tudo que eles conseguiram é transformar o que deveria ser um paraíso terrestre em um inferno vivo para milhões de pessoas. A única maneira de desenvolver o potencial colossal do continente é pela via revolucionária – através da expropriação das oligarquias e da criação dos Estados Unidos Socialistas da América Latina, como o primeiro passo para a Federação Socialista Mundial”, disse ele.

“Outro mundo é possível, e se chama: socialismo”, concluiu Alan sob entusiasmados aplausos.

Confira a programação:

31/03 (quinta) às 18:30
UFSC em Florianópolis

Auditório do CFH
Universidade Federal de Santa Catarina
Veja a divulgação para internet

02/04 (sábado) às 16:00
IELUSC em Joinville

Auditório do SINDIPETRO-RJ
Av. Passos, 34 – Centro
Veja a divulgação para internet

04/04 (segunda) às 18:00
Rio de Janeiro

Auditório do SINDIPETRO-RJ
Av. Passos, 34 – Centro
Veja a divulgação para internet

05/04 (terça) às 19:00
UFPE em Recife

Auditório do Centro de Educação da UFPE
Universidade Federal de Pernambuco
Veja a divulgação para internet

06/04 (quarta) às 18:30
USP

Auditório da Casa de Cultura Japonesa na USP
Próximo ao prédio da História e Geografia na FFLCH
Cidade Universitária – São Paulo
Veja a divulgação para internet

07/04 (quinta) às 10:30
Fábrica Ocupada FLASKÔ

Rua Marcos Dutra Pereira, 300
Sumaré – SP (próximo a Campinas)
Km 107 da Rodovia Anhanguera
Veja a divulgação para internet

07/04 (quinta) às 18:00
São Paulo

Sindicato dos Químicos de SP
Rua Tamandaré, 348 – Liberdade
(próximo ao metrô São Joaquim)
Veja a divulgação para internet


Adquira a coletânea de artigos de Alan Woods: “Tremores Revolucionários: uma análise marxista da atual onda revolucionária nos países árabes”!

Deixe seu comentário

Leia também...

A juventude no lançamento do livro Stalin, de Leon Trotsky

Repercussão do lançamento da edição brasileira em São Paulo No dia 4 de outubro de …

Deixe uma resposta